TIA NEIVA

TEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A TUA SENTENÇA

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

ADJUNTO ANAVO

MESTRE KAZAGRANDE

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - KAZAGRANDE.

terça-feira, 31 de maio de 2011

A CRUZ DO SOFRIMENTO


Texto de Anderson Augusto - Mestre Lua
    
   Nesta dimensão espiritual não é possível encontrar a paz se não for carregada a própria cruz. Deus, em sua infinita sabedoria, conhece o merecimento de cada um, seja encarnado ou desencarnado, e a altivez e brio ao se carregar a cruz determina o grau de compreensão, o nível de amor a Deus. E aquele que consegue enxergar o jugo leve de Cristo Jesus não se perde em lágrimas de sofrimento.

O próprio Mestre Jesus carregou sua cruz e entregou todas suas dores ao amor a Deus sobre todas as coisas, não acusando ninguém, nem mesmo esperando qualquer recompensa, pois já sentia no momento de sua crucificação a própria unicidade com o Pai Supremo.

Acreditar que Cristo Jesus tenha sofrido no ato de sacrifício que disseminou todos os seus ensinamentos é como autenticar como reais os mitos de uma humanidade do amor material. Jesus, o Mestre, não precisou sofrer, mesmo com suas dores físicas, sua compreensão amorosa tornava-o conhecedor de sua natureza espiritual e a carne foi mais um instrumento para vencer a natureza humana limitada em crer-se como real diante do Universo infinito.

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me” (Mat 16:24).

Quem realmente desejar vencer o mundo deverá ter consciência da crucificação diária que sofrerá seu personagem, em seus desejos, em suas razões, em suas crenças. Se lutarmos contra alguma acusação, desejarmos nos impor moral ou fisicamente, certamente não estaremos prontos para a cruz, pois quem carrega a própria cruz conhece a sua utilidade final.

Judas, o outro instrumento, assim como a cruz, executou seu papel diante do planejamento geral para as consciências em curso. Condená-lo, seria novamente querer ser o próprio Deus, fato em que os que agem na inconsciência acabam por dar vazão em seus atos ou palavras de julgamento sumário. O Divino Mestre Jesus já reconhecera seu destino e sua fé foi testificada em fazer os acontecimentos permanecerem imutáveis, necessitando assim, da existência de um traidor, para que também pudesse, deste modo, coexistir o perdão. Quantos de nós pedimos o retorno à carne para a prática do perdão?

Quando crucificado, o Mestre Jesus foi desafiado por muitos religiosos, sábios, fariseus e representantes do povo da época a descer da cruz, já que para eles o Caminheiro era um embuste, que se dizia Filho de Deus. O Mestre não abandonou sua fé e sua libertação foi a verdadeira libertação da carne, quando fenômenos ocorreram e muitos valentes soldados romanos (dos quais muitos Capelinos) tremeram suas pernas.

Novamente, os que buscam trilhar os passos do Caminheiro e que carregam suas cruzes serão conclamados que as façam desaparecer, por muitos religiosos, muitos outros ditos sábios e novos fariseus, pois estes que acusam estão mergulhados mais uma vez na materialidade, nas coisas transitórias, desligando-se de suas consciências espirituais. Também buscarão se livrar de seus jugos, nas artificialidades sem fé, que se tornarão tão mais pesados quanto afastados de Cristo Jesus estiverem.

O sangue, os ferimentos e a paixão pela dor, apenas ofuscam a mensagem Crística de liberdade que pode ser conquistada por aqueles que lutam contra os próprios padrões vibratórios de ódio, de vingança ou de maldade (egoísmo), disseminados por séculos em que a besta (humanidade) esteve à solta impondo seus condicionamentos de falsa felicidade.

A felicidade encontra-se naquele que encontrou a Verdade, a mesma anunciada pelo caminho único, que se fez presente, na forma de amor universal, no médium Jesus, com o grande espírito Cristo, sem dor espiritual, sem sofrimento, apenas entregando-se ao Pai, não por resignação e sim na alegria em servir.

Salve Deus!

Anderson Augusto
Mestre Lua
Templo-Mãe

sábado, 28 de maio de 2011

É POSSÍVEL UM MESTRE SER CONSAGRADO ANTES DA HORA?




     É possível um mestre ser Consagrado antes da hora?
    
     Texto do Mestre Lua Anderson   -  

NÃO. Então porque tanta polêmica ocorreu com o texto “Fábrica de Médiuns” do nosso irmão Kazagrande? Na verdade ele quis alertar para o compromisso que os instrutores têm em seguir um roteiro da melhor forma possível, que atenda ao planejamento deixado pela Espiritualidade, para que intenções de diversas naturezas não sejam a derrocada de muitos Mestres nesta função ou em outra que determine a aprovação para uma Consagração.

Então as Consagrações obtidas na “correria”, e não respeitando os prazos têm validade?

SIM. Quem irá arcar com as conseqüências de haver desrespeitado o cronograma será o Mestre que autorizou os demais a serem encaminhados à Consagração, pois a quem muito foi dado (conhecimento), muito será cobrado (responsabilidade).

O problema não está no encaminhamento em si e sim na INTENÇÃO de quem procedeu desta forma. Se o Mestre quis fazer crescer seu Templo, atropelando e instigando seus médiuns à correria (achando que é ele quem faz, e não a emanação de Deus) em atendimento a sua vaidade, já estará comprometido na devolução de muita energia, que nem imagina, Salve Deus! Se quis trocar favores ou misturar política com doutrina, vibrando no exercício do poder, terá também que repor esta energia que usou para fins individualistas. Agora, se o Mestre agiu de boa fé, acertando arestas, ajustando o calendário de Consagrações para os trabalhos necessários ou utilizou sua intuição na indicação de uma brevidade necessária, sem nada querer ganhar, nem um obrigado, este nada deve e ainda executou com perfeição o trabalho para o qual se comprometeu.

E qual a responsabilidade do Consagrado?

A mesma em relação de quem o encaminhou, ou seja, depende também de sua INTENÇÃO. Se fez a busca fervorosa por uma Consagração apenas para o exercício da vaidade, sem aplicar as novas forças na Lei do Auxílio, estará na mesma sintonia de quem garantiu sua chegada até ali, fazendo-se devedor em sociedade com o mesmo, onde energias serão requisitadas para fecharem o ciclo desta corrente e evitar a criação de uma corrente negativa. Não é raro que se afastem ou abandonem a Doutrina, pois a carga requisitada pode estar além de suas forças quando não se entregam ao trabalho mediúnico constante.

Alguns responsáveis encaminham muitos Mestres, que em suas simplicidades, nem entendem a “constante Tempo” necessária para que melhor adquiram conhecimento e forças, estes, geralmente, são os trabalhadores dedicados e, mesmo que precisassem, estariam com amplitude energética suficiente para recompor uma eventual aceleração em sua formação.

Deste modo, mesmo se vermos um Mestre recém-chegado e que rapidamente recebeu suas Consagrações, é bom que não façamos juízo de seu merecimento, pois se assim o fizermos, estaremos entrando no enredo da energia densa do julgamento, sobrando-nos também a necessidade de reposição energética que só será reequilibrada com muito trabalho na Lei do Auxílio e no controle de nossa maneira de olhar aos demais.

O mesmo acontece se nos aventurarmos a tentar elucidar as atitudes de qualquer Mestre desta Doutrina, ainda que ele esteja, aos nossos olhos, fora da Conduta Doutrinária, estaremos também a compartilhar a sua falta de Conduta, se fizermos correr aos quatro ventos qualquer tipo de escandalização com o mesmo, pois assim propagaremos uma energia contida em que mereceu portá-la e estaremos participando da mesma, já que ela se prorroga diante de nossa vibração. A reposição também é obrigatória, pois faz parte da colheita de quem estava olhando para o vizinho e esqueceu-se de cuidar do próprio jardim.

Por fim, façamos a nossa parte, e ademais o acaso por estes Templos não caminha, apenas o merecimento e a oportunidade para que muitos encontrem-se emanados na força positiva do Sol e em equilíbrio e complemento com a força da Lua. Novos tempos, novos Mestres, a mesma Tribo, uma única Origem.

Salve Deus!

Anderson Augusto
Mestre Lua

Fábrica de Médiuns?


Nosso Desenvolvimento, em termos de aprendizado das técnicas de manipulação, é muito rápido. Em apenas sete aulas (ou até mesmo quatro, no caso de alguns Aparás) o médium pode estar pronto para iniciar seus serviços nas Lei do Auxílio.

Mais três aulas, que podem ser realizadas imediatamente após o emplacamento, estará pronto para ingressar nos Castelo de Iniciação e inscrever seu nome no Grande Livro dos Iniciados. Em seguida, sentindo-se apto, pode esperar o próximo grupo de Elevação de Espadas e buscar seu Segundo Passo Iniciático.

Após a Elevação, que deveria ser confirmada com a participação em um Trabalho de Estrela Candente, o médium já pode aguardar o próximo Curso de Pré Centúria e preparar-se para assumir a grande responsabilidade de ser Centurião, assumindo com isso uma série de compromissos espirituais com a Doutrina e com seus Mentores.

Tudo isso se processa rapidamente. Em um ano o médium, se assim desejar, pode ser Centurião! Obviamente seu preparo em termos de conhecimento, compreensão e evolução, se processa de uma forma muito particular. Alguns passam muitos anos vagando e divagando em busca de conhecimentos que os conduza a verdadeira essência da Doutrina: compreender que a missão implica em um aperfeiçoamento pessoal, tornando-o um ser encarnado com as premissas do Evangelho de Amor, Humildade e Tolerância.

“Correr” com seu desenvolvimento mediúnico tem um preço... Querer tudo de uma só vez, acelerar o já tão rápido processo e carregar o peso de Consagrações para as quais não se estava verdadeiramente preparado, tem um custo que muitas vezes leva o médium a desacreditar de si mesmo.

Infelizmente nem sempre a culpa é da ansiedade do próprio médium, que ingenuamente acredita que quanto mais rápido obtiver suas consagrações, mais rapidamente sua vida irá melhorar e ele terá condições de ajudar mais pessoas. A maior responsabilidade é de quem, já estando preparado, como instrutor, ou líder, permite que o médium avance sem os necessários esclarecimentos a respeito de seu compromisso, e da grande responsabilidade que passa a acumular em cada passo que dá dentro da Doutrina.

Mais triste ainda, é verificar nestas lideranças a intenção de fabricar o Centurião apenas com o intuito de fazer número, mantendo uma das mais pregações mais absurdas que já ouvi: “o que importa é a quantidade e não a qualidade”.

Salve Deus!

Iniciar, Elevar e Consagrar Centúria... Tudo ao mesmo tempo, sem preparo e muitas vezes sem qualquer aula! Isso mesmo! “Deixe as aulas para pagar depois”... Isso com a Centúria???

Como um médium que emplacou em um fim de semana no outro já será Centurião?

Recebi este questionamento da parte de uma Ninfa que passa exatamente por esta situação... Sente-se assustada, pressente o peso da responsabilidade, mas não tem nenhuma informação sobre o quê está assumindo.

Como vou responder? Eu seria irresponsável se simplesmente dissesse para confiar que “tudo vai dar certo”... Aprendi que principalmente a Centúria é coisa muito séria. Que existe uma Contagem na realização das Aulas e que nossos Mentores também seguem um cronograma de preparação de nosso Plexo.

Compreendo a necessidade por que passam Templos mais afastados e que devem aproveitar a oportunidade de uma Consagração... Mas querer fabricar um médium de seu emplacamento, após apenas quatro aulas, para sete dias depois “transformá-lo” em Centurião, sem qualquer preparo, sem qualquer aula, será que está tudo bem para a Espiritualidade? Sinceramente não posso crer na banalização até mesmo da Centúria!

Já presenciei a formação de médiuns fabricados nestas condições e infelizmente muitos se deformam. Passam a acreditar que sabem tanto quanto qualquer outro que carregue o mesmo Radar. Sem experiência, sem vivência doutrinária, sem sequer saber o quê estão recebendo: Um título de cientista espiritual, capacitado a tratar de todo tipo de espírito que se apresente, não tendo nem um único Retiro completo em sua jornada... Salve Deus!

Entendo que a Consagração é a efetivação do trabalho realizado espiritulmente para a preparação do plexo. A Centúria é registrada nos planos espirituais como uma das mais altas Consagrações que um ser encarnado pode receber! A culpa não é do Médium, embora a maioria das vezes seja ele quem pague o preço, deformando sua jornada. Já quem permite e incentiva as fábricas de médiuns... Salve Deus!

Reforço... Existem condições especiais para uma Iniciação e até mesmo para uma Elevação (embora a Contagem das aulas tenha que ser respeitada). Mas a Centúria? Salve Deus!

Kazagrande

quarta-feira, 25 de maio de 2011

O Cavaleiro e a Guia Missionária


Muitos ficam se perguntando, logo após receberem a Consagração de Ministro e Cavaleiro, qual é a função do Cavaleiro, se só chegou a partir daquela Consagração, etc.

Para que possamos compreender bem, sempre usei uma definição forte: O seu Cavaleiro é a Polícia Federal! Sua guarda e segurança!

Força bendita dos planos espirituais, recebe a missão de lhe acompanhar, de estar ao seu lado sempre que você invocá-lo. Zelando pela sua segurança, seu equilíbrio. Não permitindo que nada, que não pertence ao seu carma, ou que seu próprio padrão vibratório permita, lhe atinja.

Dessa forma, ao consagrar a Centúria, e não somente quando receber o nome, você já está sob proteção especial. Só necessita velar pelo seu padrão vibratório para ter toda a segurança no cumprimento de sua jornada e compromisso espiritual.

A invocação do Cavaleiro com – 0 – é o seu “190”! Ele irá lhe atender sempre que a sua sintonia permitir.

Guia Missionária

Assim como o Cavaleiro acompanha o Mestre, a Guia Missionária acompanha a Ninfa.

Ela é sua proteção e segurança em todos os momentos de sua vida. Sua invocação com – 0 – é igualmente efetiva, dentro de tudo que sua sintonia permitir!

Entidades evoluidíssimas, provenientes do Reino de Zana, trabalham incessantemente na busca de espíritos desgarrados que se enredaram pelos Vales Negros.

A Ninfa ao receber sua Guia Missionária, logo da Consagração de Centúria, independente de passarem pela Consagração onde tomam conhecimento de seu nome, já estará sob sua proteção direta.

A Guia Missionária é seu “Anjo da Guarda” e seu telefone é o – 0 –  .

Uma característica fundamental da Guia Missionária é a cor com que manipula a sua energia, por isso é recomendado que o forro da Capa da missionária seja o mesmo da sua Guia Missionária, para uma maior sintonia e harmonização.

(Amarela, Azul, Branca, Lilás, Rósea, Verde, Vermelha)

Kazagrande

Ciganos (Rep. completa)


Nossa herança cigana é fascinante!

Quase todos os Jaguares, em algum momento de sua jornada, acabam se deparando com a exuberância do Povo Cigano. Sua alegria, música, beleza e encantamento!

As tradicionais festas ciganas, que por vezes são realizadas na área do Templo, trazem a tona toda esta tônica vibracional e empregam esta maravilhosa energia da melhor maneira: através da União e da Alegria!

Porém existem problemas que podem surgir por conta de uma falta de direcionamento, ou de um direcionamento incorreto destas energias.

Ciganos nos Tronos! Salve Deus! “Os Tronos” é um setor de atendimento dos Pretos Velhos! É deles a regência deste trabalho, e somente eles vêm, para trabalhar ali. Um Caboclo, em uma real necessidade, pode dar sua passagem, identificar-se, realizar seu rápido trabalho e partir. Sem qualquer comunicação! Porque a comunicação nos Tronos é exclusividade dos Pretos Velhos.

Cigano não incorpora nos Tronos e sai dando consultas e atendimento! Perdoem-me os que se envolvem nesta sintonia, mas é a pura verdade!

Embora a presença de nossa herança cigana seja tão marcante em nossa Doutrina, em algumas Falanges e mesmo em determinados trabalhos, temos que ter em conta que nesta passagem, especificamente na Tribo dos Katshimoshi, a maioria de nossos irmãos teve um triste fim!Agravando suas dívidas e relegando às dores do plano etérico, diversos destes irmãos. Costumo dizer que quem melhor terminou foi Mãe Calaça, e olhe que ela foi devorada viva por lobos.

A alegria, a beleza, as músicas, a herança cigana enfim, deve ser revivida nas festas e celebrada entre nossas Falanges nos trabalhos que a elas foram consagrados.

Os Tronos? Salve Deus! Repito: Quem atende e manipula neste setor são os Pretos Velhos!

Ah... Mas um Cigano não pode se apresentar nos Tronos? Aprendi que uma Entidade de Luz possui total respeito aos nossos Trabalhos. De modo que, se uma Entidade de origem cigana, necessitar dar sua mensagem, virá com a roupagem de Preto Velho, e sua emanação transmitirá o quê for necessário e do merecimento do atendido.

Aprofundando um pouco este tema, mas sem fugir da simplicidade que caracteriza estes textos, devo lembrar que um uniforme é definido pelo próprio nome: Uniforme – forma única! Ao ir para os Tronos e querer se “fantasiar” de cigana (ou mesmo cigano), colocando adereços que representam esta magia, está desrespeitando nossas leis e envergonhando nossos Mentores (na verdade não se envergonham, mas se entristecem ao ver um médium que não compreende e respeita o mais sagrado setor do Templo: Os Tronos!).

Os Tronos são para os Pretos Velhos! Salve Deus!

Vamos desfrutar de nossa herança, e da alegria que nos proporciona, nos locais e na hora certa.

Nos Planos Luminosos da Espiritualidade Maior (recordando que só trabalhamos com Entidades de Luz), o espírito adquire consciência de si mesmo. Recorda as diversas passagens que teve sobre o planeta e vive a sua individualidade plena, sem apegar-se a nenhuma destas passagens.

Ao voltar para trabalhar com nós encarnados, assume uma “roupagem”, ou seja, apresenta-se de uma determinada maneira e com determinado nome, que nem sempre é da mesma forma que vive nos Planos Espirituais.

Por exemplo, um Preto Velho pode nunca ter vivido uma encarnação como escravo, é uma Entidade de Luz que usa a roupagem determinada para aquele atendimento.

Muitos de nós Jaguares encarnados e outros tantos que já se evoluíram, tiveram suas passagens dentro de uma encarnação coletiva como ciganos. Têm uma herança e sentem esta sintonia espiritual.

Compreendendo isso, não podemos nos aferroar na sintonia de que vamos consultar ou incorporar um cigano! Na verdade é uma Entidade de Luz, que pode ter esta passagem, ou não!

Nos Tronos, quem atende é o Preto Velho! Salve Deus! Houve um tempo, em que excepcionalmente um ou outro espírito, em roupagem cigana vinha trazer sua mensagem em uma tônica diferente. Infelizmente a falta de compreensão dos médiuns e principalmente a vaidade despertada pela exuberância desta encarnação, adormecida em nossas lembranças, levava muitos ao fanatismo e crendices, situações que são abomináveis dentro da Doutrina.

Nossos Ciganos são Espíritos de Luz! Nada têm haver com os mitos dos Ciganos endinheirados, malandros e traiçoeiros que se pregam por aí!

Foi uma triste passagem, ricamente contada em uma das Cartas de Tia Neiva, e que quando relemos, compreendemos o quanto foi triste aquela jornada. Quanta dor!!!

Trazemos hoje a recordação desta passagem para nossas festas, na alegria e união que pode simboliza a magia cigana, jamais nas crendices e na fama de “fazer riqueza” pelas profecias e adivinhações.

Nas festas podemos liberar e reviver com Luz esta herança. Porém, não devemos nos envolver nos mitos e querer “virar ciganos” no dia a dia e muito menos dentro do Templo! Descaracterizar o uniforme com diversos colares, pulseiras, brincos barulhentos e até usar o “cinto de utilidades do Batman” com um monte de coisas penduradas, somente vai atrair uma indesejável vibração. Além de retirar a funcionalidade da indumentária. Somos elegantes mas discretos! Jamais “espetaculosos”!

Enfeitar-se com toda cor e magia cigana é lindo! Mas é para as festas. Para nos unir em um momento em que um belo trabalho também é realizado distante de nosso olhar físico!

Kazagrande

O Livro-Ponto do Vale (Pérola d Pai João)


Obs.: Desconheço a autoria, mas ao deparar-me com este texto no Blog da Cigana Aganara (http://ciganaaganara.blogspot.com/), não pude deixar de republicá-lo aqui. Boa leitura! Kazagrande

O jaguar chega ao templo bem cedo e logo, após colocar seu " branquinho", vai para dentro do Templo onde faz alguma arrumação, começa a imantrar e a defumar. Era um dia de Retiro Espiritual e àquela hora, o Templo ainda estava vazio. O jaguar, de nome Antônio, um Ajanã, vê um Doutrinador se harmonizando em frente ao Pai e percebe que é um amigo que não vê há muito tempo, para lá se dirige.

   _ Salve Deus, meu irmão, há quanto tempo? Você está meio sumido, hein?!

  _ Salve Deus, Mestre Antônio! É... Estou com alguns problemas lá em casa, sabe como é, a patroa está acamada porque fez uma cirurgia e estou dando assistência, sabe como é, né?

   _ Mas, meu irmão, olha a missão! Alertai! Acontecem estas coisas porque o jaguar não vem ao Templo, você sabe não é? - Disse Antônio se retirando.

  E assim se passou o dia no Templo.

  No dia seguinte, Antônio ao se dirigir ao trabalho sofre um acidente e desencarna.

  Ao chegar na Pedra Branca, Antônio encontrou seu Mentor e seu cavaleiro que o aguardavam. Antônio chegou e foi muito bem recebido pelos espíritos; porém, achou a recepção  muito " fria". Pensou que quando chegasse ao Astral seria recebido com mais festa pelos Mentores. E não deixou por menos, expõe a sua indignação.

   _ Salve Deus! è assim que vocês me recebem? Eu pensei que seria mais bem recebido; afinal tenho 30 anos de trabalho incessante na Doutrina!

  _ Salve Deus, meu filho! Você está se preocupando á toa. todos são recebidos aqui da mesma maneira; estamos felizes por você ter chegado bem, ter cumprido a sua trajetória... -Falou o Preto Velho humildemente.

   _ Mas... Salve Deus!- insistiu Antônio- Eu sempre me dediquei muito à Doutrina! Foram 30 anos! Quantas vezes deixei de acompanhar meus filhos á festas e reuniões na escola para ir ao templo! Quantas vezes deixei de dar assistência à minha família... Deixei de viajar, ir à paria ou ao cinema para trabalhar em prol da Doutrina!. respirou fundo e disse;- Quero falar com pai João de Enoque, Ele saberá me dar o devido valor!

  _ Salve Deus, Mestre, pai João é muito ocupado!- Alertou o Cavaleiro.

Mas o jaguar tanto insistiu que foi levado à presença de Pai João de Enoque. Então, Antônio se acalmou, tinha certeza que Pai João saberia entendê-lo e fazer-lhe justiça! E assim chegou diante do Grande executivo.

  _ Salve Deus, meu filho amado! Chegou bem?- Perguntou pai João de Enoque tão logo viu o jaguar.

  _ Oh, Salve Deus, pai João de Enoque, cheguei bem, sim senhor.- respondeu Antônio. E logo, sem perder tempo, começou a sua reclamação sobre a recepção que teve e esperou que o Grandioso Mentor lhe desse razão, pois percebeu que pai João tudo escutava, calmamente, sempre abanando a cabeça em sinal de aprovação. Falou, falou e falou sem parar por muitos e longos minutos, repetindo dezenas de vezes a palavra "injustiça". De repente, o jaguar parou de falar um pouquinho para tomar fôlego e neste momento Pai João aproveitou para falar um pouquinho.

   _ Mas, filho, você foi recebido tão bem! Como são recebidos todos os missionários de Seta Branca; não entendo porque você, filho, está tão aborrecido. Salve Deus, meu filho?

   _ Mas, pai João, vocês estão errados! Não podem tratar e receber todos os jaguares do mesmo jeito! O Senhor sabe que nem todos os Mestres do Amanhecer são iguais...

   _ Sim, meu filho, concordo com você. Mas, sabe, para o Criador de todos nós, somos todos iguais e recebemos o mesmo tratamento!

   _ Mas, Pai João- insistiu Antônio- Isto não é certo! De que adianta o esforço na Terra se este não é reconhecido neste plano? Veja, o meu caso; eu trabalhei durante 30 anos, acredito ter resgatado muitos espíritos sofredores, obsessores... sinceramente, esperava uma recepção melhor!...

   Antônio pensou um pouco e disse:

  _ È Pai João, estou vendo que é verdade o que dizem: " assim na Terra como no Céu"... aqui, como lá tem injustiças... o privilégio, as "panelinhas". Eu penso que deve ser estudada a possibilidade de se colocar um livro de ponto na recepção dos Templos do vale do Amanhecer para que vocês saibam quem REALMENTE trabalha no Vale do Amanhecer. Estes, devem ser recebidos mais efusivamente!

 _ Mas, filho, este livro de registro já existe- replicou Pai João.

 Antônio arregalou os olhos, espantadíssimo!!!

 _ Ué, tem???- Perguntou Antônio, muito surpreso! Tá vendo? Nunca me deram este livro prá assinar! Vai ver só a "panelinha" assinava!

 pai João riu muito ( coisa rara de acontecer), que até se sacudiu. _ Mas, filho você assinou o livro todos estes 30 anos!

_Assinei?!- falou Antônio cada vez mais espantado_ Engraçado, não me lembro!( Será que o desencarne faz a gente esquecer algumas coisas?)

_ Olha, filho, está tudo anotado e registrado, desde o primeiro dia que você chegou ao Amanhecer! Salve Deus! Quer ver? Vamos começar pelo dia do Retiro, que foi seu último dia antes do desencarne. Você chegou ao templo às 8:30, não foi?

_ Foi, sim Senhor._ falou Antônio já presumindo que teria o reconhecimento do Mentor.

_ E saiu do templo ás 23:00 Horas, não é filho?- Continuou pai João

Antônio até estufou o peito de tanto orgulho. Agora sim, estava sendo reconhecido!

_ Isto mesmo, pai João... Ninguém trabalha como eu naquele templo...

_ Pois é, filho, está tudo registrado. Está registrado aqui que naquele dia você participou da primeira Mesa Evangélica e assim foi possível o encaminhamento de muitos sofredores que faziam fila no Setor Evangélico.

_ Isto mesmo! isto mesmo!- Antônio já se sentia justiçado. pai João de Enoque era realmente um sábio; um Executivo sábio e justo.

_ É, filho, você trabalhou bonito! -Pai João de Enoque fez uma breve parada e logo falou:- Filho, aqui está registrado que logo que  saiu da Mesa Evangélica você foi á lanchonete do Templo.

_ Sim, Pai... o Senhor sabe, para chegar cedo eu saí de casa sem tomar o café da manhã- justificou o jaguar.

_ E o café esta bom, filho?- perguntou pai João, com interesse.

_ Estava sim, Pai João, muito bom- respondeu Antônio

_ Ah, Salve Deus. Então isto explica porque o filho ficou 1 hora na lanchonete! Respirando fundo, pai João, continuou:_ Depois você foi ao banheiro e demorou também um tantinho, não é? Salve Deus... O café fez mal?

_ Não, Pai; eu encontrei um jaguar que falta muito ao trabalho espiritual e estava orientando o mesmo a participar mais dos trabalhos... o Senhor sabe, né?

_ Sei sim, filho. mas, com isto você  perdeu muito tempo e manipulou uma energia negativa que poderia ter sido manipulada adequadamente na manipulação dentro do templo em favor dos mais necessitados. E você, filho, quase perdeu o encerramento do 1º intercâmbio...- falou pai João tristemente._ mas, filho, aqui está registrado que no 2º intercâmbio você estava presente, certo? Trabalhou na primeira mesa e no Trono. Mas, depois só temos registro de trabalho ás 20:30.

_ Sabe, Pai João... Dei um tempinho para ver um jogo de futebol na Televisão da lanchonete. Sabe, Pai ... final de campeonato...

_ Ih, filho! – assustou-se Pai João. Veja estes registros aqui: no Trono você discutiu com o Comandante, na Junção ficou pensando numa dívida a pagar, depois, ficou observando e desejando uma ninfa que estava no Templo...

 E Pai João foi mostrando ao Jaguar toda a sua atuação naquele Retiro e este descobriu que trabalhara menos do que 4 horas naquele dia. O jaguar se calou, ele sabia que, durante 30 anos de missão este tinha sido sempre o seu comportamento,  e que desse jeito, se contabilizasse o tempo realmente trabalhado, talvez não chegasse a 5 anos. Achou melhor se despedir e se retirar da frente de João de Enoque.

Antônio tinha sido recebido de forma melhor do que merecia!

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Dúvidas sobre a Iniciação


Mandaram eu fazer a Iniciação agora e não me sinto segura, existe algum risco?

Minha irmã, NINGUÉM pode dizer a você quando deve fazer sua Iniciação!!! É uma decisão sua, pessoal e de sua total escolha, de acordo com sua preparação e intuição. Veja o quê a própria Tia Neiva escreveu a respeito:

“A Iniciação Dharman Oxinto está dentro da lei de uma conduta doutrinária. É difícil falar sobre a Iniciação Dharman Oxinto, difícil por ser tão sublime. Uma Iniciação mal conduzida, não sabemos a quem fará tão mal: a quem recebeu, a mim Koatay 108 ou ao indivíduo que o conduziu até o Salão Iniciático. A Iniciação Dharman Oxinto é realizada com muita precisão.

Meu filho, mestre Jaguar, nosso povo está aumentando e sabemos, pois, que tudo que temos é adquirido com trabalho e amor. Toda nossa dedicação dia a dia se aprimorando já diz com certeza: vem aumentando nossa Luz! Sinto dizer que estamos correndo riscos em nossa vida iniciática se não formarmos aquele velho critério que eu sempre digo: a Iniciação, ou a hora de efetivamente de iniciar o Homem, dando seu direito de seu trabalho na linha espiritual. Tia Neiva, em 17 de maio de 1984

Outras dúvidas:

O quê muda com a Iniciação e qual é a sua finalidade?

Ao adentrarmos em um Castelo de Iniciação assumimos um grande compromisso com a Doutrina, pois fazemos um solene Juramento. Deitamos em um esquife e morremos para a vida que hoje conhecemos: Deita-se o homem e levanta-se o Médium!

Passamos, a partir deste momento, a dispor de mais forças, agora de origem iniciática e nosso plexo é preparado para tanto.

Temos ao nosso dispor sete Mantras de Luz e de acordo com nossa sintonia poderemos receber todos... ou não.


Existe prejuízo se continuarmos como Aspirantes?

Não, cada um tem seu tempo e deve seguir suas intuições.


O Iniciado aumenta sua sensibilidade e capacidade de percepção?

Sim, nitidamente. Mas obviamente sempre de acordo com sua capacidade de mediunização e sintonia em determinado trabalho.


Se passamos por várias reencarnações será que não iniciamos em alguma delas?

É possível que sim, mas recordemos que somos uma nova personalidade e é centrados nesta encarnação que buscamos, ou não, a disponibilidade pra novos compromissos ou renovar os antigos.


A iniciação é condição para sermos bons médiuns?

Não. Apenas agrega forças e obviamente responsabilidades! Traz segurança e ao mesmo tempo necessidade de maior precisão nos Trabalhos.

Kazagrande

O 1º de Maio em um Templo pequeno


Relato de um Comandante  -  

   Neste Primeiro de Maio posso dizer que fiz minha parte. Pedi autorização ao meu presidente para ser o primeiro comandante do Trabalho Oficial e fiz uma grande movimentação para que os médiuns estivessem dentro da área interna do templo às 14hs40min., e tivéssemos uma abertura muito especial, afinal para mim é também um dia mais que especial pois é como se fosse também o meu aniversário de doutrina pois foi no 1º domingo de maio de 2008 que eu tive o meu primeiro contato com a doutrina.

Muitos mestres que eu gostaria que estivessem no Templo não apareceram, mas de certa forma a Espiritualidade é tão sábia que foi melhor assim, pois o Templo estava tão cheio de médiuns que já não dava para entrar mais ninguém. Para acomodar os pacientes durante a Bênção tivemos de acomodar médiuns na mesa evangélica ou ficar de pé. Bom, pelo menos é melhor ficar em sintonia com o Ministro incorporado do que ficar fora do Templo com conversas paralelas.

Eu pedi permissão a João de Enoque e quebrei um pouco o protocolo da harmonização da abertura lendo uma pérola de preto velho atribuída à Pai Joaquim das Cachoeiras, às 10 para as 3 meu Adjunto disse algumas palavras e exatamente às 7 para as 3 eu iniciei a harmonização lendo texto de 7 minutos que busquei no site do nosso irmão Kazagrande, O Exílio do Jaguar.

Faltando 10 segundos para as 3 pedi a todos para fazer a Prece Iniciática em conjunto, pois muitos Mestres andam se esquecendo deste compromisso, pedido que o Ministro tinha feito um mês atrás. Exatamente às 3 horas fiz a Preparação e a Chave Evangélica de Abertura e os trabalhos foram abertos. Foi uma precisão absoluta.

Muitos médiuns se emocionaram com a abertura e me agradeceram pessoalmente porque aquele texto era tudo o que eles precisavam ouvir naquele dia, e sentiram que foi uma energia diferente, um dia especial, era o bálsamo curador daquelas palavras, verdadeira pérola mesmo!!! Que vieram de um grande iniciado, eu fui apenas o instrumento que teve a feliz oportunidade de ler e a coragem de quebrar o costume de se abrir apenas com uma breve harmonização apenas um Pai Nosso como manda o Manual de alinhamento, tive um pouco de receio de mudar, mas minha tranqüilidade veio com as palavras do Ministro que me confortaram apoiando nesta minha decisão, muitas vezes a gente fica com medo de fazer diferente das receitas de bolo com receio de estar fora da lei ou com receio de receber “vibrações”, mas penso que “ai” daquele que vibra num Comandante que está puxando a força da abertura de um trabalho com amor, e a única coisa que posso dizer disto é :  Salve Deus!

Graças a Deus foi um ótimo trabalho, não arredei o pé do Radar nem por um minuto para que nada saísse de sintonia.

Então para mim foi mais que um dia especial, foi também mais um dia de aprendizado que Pai Seta Branca me proporcionou, e a todos que reclamavam de algo, eu busquei palavras inspiradas naquele texto. Tenho certeza que muitas correntes negativas, formadas entre o julgamento do comportamento do outro, foram quebradas pela compreensão semeada.

Então meu irmão, venho compartilhar esta felicidade com o senhor que também ajudou na evolução e na missão de um irmão. Tenha certeza que milhares de Jaguares devem sentir o mesmo, e que Pai Seta Branca lhe dê forças para mais este ano de trabalho que inicia para o Doutrinador e para todos os Jaguares.

Salve Deus!

Recebi este texto por email e só posso registrar que somente aos nossos Mentores cabe qualquer mérito e agradecimento. Sem a emanação de nossas Entidades de Luz, seriam apenas palavras tantas vezes já repetidas e incapazes de chegar ao coração de outro irmão Jaguar.

Kazagrande