Kazagrande

.

EXÍLIO DO JAGUAR

TEMPLO ANAVO DO AMANHECER - COCHABAMBA - BOLÍVIA.

TIA NEIVA - VALE DO AMANHECER

SEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A SUA SENTENÇA!!!.

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - BOLÍVIA - 2009 - 2015.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Pequenas Decisões


Nossa vida é feita de escolhas...

Em nossa caminhada por este plano físico sempre aparecem momentos em que nossas decisões mudam ou determinam nossa trajetória!

Por vezes escolhas simples aos olhos de quem não está em nossos sapatos, mas que para nós são desafios em que vencer nossos “quereres” e ter a segurança de um entendimento correto, traz um verdadeiro drama para a mente.

Não se trata apenas das grandes mudanças, daquelas que afetam imediatamente nossa vida, como uma mudança de emprego, cidade ou mesmo uma separação em um relacionamento. Falo também de pequenas escolhas do dia a dia. Momentos em que afirmamos nosso caráter, ou nos decepcionamos com ele. Situações em que podemos fraquejar e manter o véu negro dos erros passados ou demonstrar que somos melhores a cada dia.

Não é fácil principalmente para aqueles que possuem uma mente desperta ou iniciando seu despertar. Ao entrarmos em uma Corrente que prega Amor, Humildade e Tolerância, nossa necessidade de decidir bem e pelo bem, torna-se quase uma obrigação.

Alguns ficam “travados” em busca de respostas simples para pequenas decisões cotidianas. Outros buscam respostas nas conversas com nossos Mentores. Ambos imbuídos em “tentar acertar” não percebem que parar e perder tempo pode ser tão negativo como uma escolha negativa.

Não percebem que nossos Mentores jamais irão decidir por nós! O livre-arbítrio será sempre preservado pela Luz, e por mais que você consulte, não terá uma resposta determinante, não de um espírito de Luz.

Mas então qual a solução? Como decidir certo, ou ao menos ter a segurança de estar tentando acertar?

Se alguém nos diz o que fazer, não existe mérito na decisão, não existe determinação de seu próprio caráter, não existe aprendizado na lição.

As opções que se apresentam, pela nossa tendência em seguir as conveniências, sempre irão nos direcionar para o mais fácil, para aquilo que socialmente poderá ser mais bem aceito.

Então respondo a pergunta deste texto: A maneira correta de decidir, de escolher, tanto nas coisas simples, como nas grandes decisões de nossas vidas, é seguir a voz de nosso espírito!

É preciso sentir o coração vivo e decidir pelo que você almeja, pelo que quer! Por mais que erre nestes momentos, estará sempre sendo verdadeiro e a lição será enfim aprendida e seu caráter real demonstrado.

De nada serve prometer e acabar agindo pela conveniência do momento se em seu coração  não vibra a força da decisão!

Sim... Temos nossas regras, mas elas  de nada servem se estão mascaradas por uma falsa satisfação! É preferível errar com a certeza de que seguiu sua trajetória, sua intuição, a voz de seu espírito, do que “acertar” pela conveniência de quem deseja apenas agradar sem ser verdadeiro.


Kazagrande

terça-feira, 19 de maio de 2015

Mato Grosso - Consagrações


Coordenação Regional do Estado do Mato Grosso

Meus irmãos,
Salve Deus!

Permitam apresentar-me: Sou o Mestre  Kazagrande, Adjunto Anavo, Presidente do Amanhecer de Cochabamba/Bolívia, e Coordenador dos Templos do Amanhecer de Rondônia e Acre, na regência do Trino Ajarã.

Recentemente recebi a missão de coordenar os seguintes Templos: Alto Araguaia, Alto Garça, Barra do Bugres, Cáceres, Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Guarantã do Norte, Guiratinga, Mirassol do Oeste, Pedra Noventa, Poconé, Rondonópolis (Cidade Alta), Rondonópolis (Nilmara), Sinop, Várzea Grande e Tangará da Serra.

Entendo que a função de Coordenador é apenas para auxiliar nas questões que os senhores julgarem pertinentes, jamais interferindo na condução dos Templos: O Adjunto é soberano em seu Templo! Assim aprendi.

Estou à disposição para auxiliar, ouvir seus anseios e colaborar em tudo que esteja ao meu alcance, visitando cada um dos Templos e atendendo aos pedidos que façam parte de minhas funções.

No dia 13 de junho teremos Consagrações no Templo Jaçarã, de Várzea Grande, e desejo poder atender a todos vocês. Para tanto, peço aos Adjuntos que estejam presentes, mesmo o que não forem levar componentes para  consagrar. Assim poderemos realizar uma reunião completa, traçar cronogramas de novas consagrações, planejar visitas e aulas de evangelização, se assim considerarem conveniente. Nossa reunião será no mesmo dia 13, às 17hs.

Aos Adjuntos que irão levar componentes, peço que enviem por e-mail, o mais brevemente possível, as listas com quantidades de Doutrinadores e Aparás para cada Consagração (Iniciação, Elevação e Centúria). Enviem para kazagrande@bolivia.com e com cópia para exiliodojaguar@gmail.com .

Também é importante que enviem todas as formas de contato disponíveis (telefones, watsapp, Facebook, e-mail) de maneira a estarmos sempre em contato. Após ter o contato de todos será criada a Página da Coordenação do Mato Grosso onde diariamente serão postadas informações e aulas para todo o corpo mediúnico.

Caso tenham algum assunto que desejem tratar particularmente, estarei no Mato Grosso desde o dia 06 de junho. Podem enviar as formas de contato e atenderei a todos com grande satisfação.

Um fraterno abraço,
Kazagrande – Adjunto Anavo

TELEFONE: 00**591-7991-7606 (** = SUA OPERADORA)
WATSAPP: +55 68 9972-8906

segunda-feira, 18 de maio de 2015

TEMPO ESPIRITUAL


“Só falta um pouquinho, meu filho…”

“Logo você vai receber esta graça...”

“Sim, minha filha, só tenha um pouco de paciência que não vai demorar...”

Quantas vezes nos deparamos com mensagens de nossos Mentores afirmando que logo “tudo vai dar certo”?

E por que parece que sempre demora demais?

Meus irmãos e irmãs, costuma-se justificar a demora na atenção aos nossos pedidos pela “diferença de tempo nos Planos Espirituais”, mas não é bem assim...

Na verdade, sempre que fazemos um pedido para a Espiritualidade e nossos Mentores respondem que sim, que vamos ser atendidos, a demora não acontece pela diferença de contagem de tempo e sim pela nossa falta de condições de receber. Por vezes, temos o merecimento, o momento é adequado, a Espiritualidade está pronta para nos auxiliar, mas... Nós não permitimos!!!

Sim, nosso padrão vibratório baixo, nossos pensamentos imersos na desilusão, pessimismo e outras lembranças negativas, não permite que recebamos o auxílio tão esperado.
Vivemos o reflexo de nosso padrão vibracional: “seu padrão vibratório é a sua sentença”.

Como podemos esperar coisas boas, soluções, curas e auxílios, se estamos mergulhados na falta de fé ou apenas querendo “barganhar” com nossos Mentores? Não é possível! Pedir é muito fácil, mas temos que estar em condições de receber. Temos que estar abertos, positivos, otimistas, para que a intuição esteja aguçada, para que nossos Mentores possam nos inspirar as soluções, para que o caminho naturalmente apresente a solução igualmente positiva!

A resposta está sempre dentro de nós. Somente vibrando de maneira positiva, tendo fé, é que podemos atrair coisas e pessoas boas, que podemos trazer as soluções e não ficar agravando os problemas pela nossa energia pesada e intolerante.

Quando falo em fé, não é a fé em desejar algo, é a fé incondicional! Sem colocar imposições ou horrivelmente tentar “negociar” com a Espiritualidade, fazendo promessas para depois. É ter atitude a partir do momento em que se deseja atingir um objetivo.

É visualizar e passar a desfrutar da energia do que se deseja.

Tudo se plasma primeiramente de maneira energética. A realização de nossos desejos se dá em três etapas: primeiro a nível emocional (desejamos algo que irá nos fazer bem), depois registramos e plasmamos no campo espiritual a energia a ser manipulada, para que então possamos materializar no físico.

Tudo é energia, e se processa primeiramente pela manipulação energética. Se compreenderem esta máxima, possuirão o poder de receber tudo que estiver ao seu alcance, na medida de seu merecimento e de sua sintonia positiva.

“Entregue aos pés de Pai Seta Branca”... Esta outra frase, tantas vezes repetida, traz a libertação da ansiedade. Entregou, está entregue! Passe a viver como se já houvesse recebido. Passe a atrair pessoas, coisas e situações boas para sua vida, liberto do problema.

Quando a Espiritualidade, quando seus Mentores dizem “sim”, a você só cabe vibrar positivamente, sem ansiedade e com real certeza de que tudo está sendo resolvido.

Para mim, homem ansioso e extremamente prático, foi muito difícil absorver este conceito, mas a partir do momento em que troquei a ansiedade pela verdadeira fé, tudo mudou! Você pode mudar toda sua vida também!

Um fraterno abraço,
Kazagrande

quinta-feira, 14 de maio de 2015

O Tempo de cada um…


Não podemos exigir a evolução de ninguém de acordo com nosso próprio tempo de compreensão. Cada um possui seu tempo, vinculado diretamente a transcendência de seu espírito.

Ingressar em nossa Doutrina não significa que a pessoa está evoluída ou que imediatamente passará a ser mais compreensiva, tolerante e humilde. Significa apenas que “está a caminho”!

Por vezes insistimos em nos decepcionar com nossos irmãos de fé que ainda engatinham na compreensão das mensagens deixadas por nossa Mãe Clarividente. Muitos vivem seus dramas pessoais intensamente e sofrem por não conseguir separar suas personalidades da Individualidade que deveria prevalecer dentro do Templo.

Estão a caminho... é o quê importa! E, estar a caminho não determina um tempo “x” para que despertem a Individualidade, apenas estão a caminho! Alguns despertam para a essência evangélica de nossos ensinamentos em poucos dias, outros levam meses e existem os que levam anos, décadas, se debatendo com os próprios karmas, levando suas dores para dentro do Templo, onde deveriam assumir, na verdade, o compromisso de cuidar das dores alheias.

Iludem-se que entrar para a Doutrina lhes trará a solução de todos os seus problemas, que podem ter estabilidade material e emocional. Que podem “ter dinheiro” ou “encontrar sua alma gêmea”. Não é assim!

Assumir um compromisso de trabalhar espiritualmente significa: trabalho! Trabalho e mais trabalho.

Obviamente ao tratarmos das dores alheias passamos a ter maior compreensão, mais tolerância, pois deveríamos passar a analisar cada lance da vida com novos olhos. Deveríamos sempre olhar o quê os outros não atinam imediatamente. Podemos analisar com o conhecimento dos dois planos!

Ao nos tornarmos mais afáveis, tolerantes, compreensivos, passamos também a atrair pessoas melhores para nossas vidas, oportunidades melhores, que antes não eram visualizadas por conta de nosso negativismo. Já repararam que quando você está reclamando de algo, logo aparece outra pessoa reclamando mais? Até quando fica falando que está com dor de cabeça, logo aparece outro dizendo que a dele dói mais? Reclamamos de problemas financeiros e nos juntamos com outros ainda mais “quebrados” que nós.

Porém, ao olharmos a vida sob a ótica deixada por Tia Neiva, elevamos nosso padrão vibratório, ficamos “mais positivos”, e passamos a atrair naturalmente o bom e produtivo para nossas vidas.

A mudança vem de dentro para fora. Pela consciência e compreensão é que podemos mudar nossas vidas e sermos felizes. Não é você entrando para a Doutrina que tudo vai mudar, é a Doutrina entrando em você e lhe auxiliando a promover a necessária mudança interna, que naturalmente se refletirá no seu exterior... em sua vida material, em sua vida amorosa, em sua saúde...

Pare de reclamar, de julgar os outros e olhe para dentro de si mesmo! Entenda que também cada um tem seu tempo e, se você conseguir despertar com este pequeno texto, não queira exigir que o outro também desperte.


Kazagrande

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Sobrecargas



Em muitos momentos de nossas vidas nós acreditamos estar sobrecarregados com tantas ocupações e responsabilidades, perante a família, trabalho, estudos e templo.

Porém, nunca recebemos algo que não buscamos, consciente ou inconscientemente.

Deixando a vida fluir com naturalidade, aceitando os desafios que se apresentam, sem sofrer pelas novas propostas que surgem espontaneamente, e não buscando envolver-se com o quê não nos pertence; teremos sempre as forças necessárias para seguir em frente.

As dificuldades, em sua maioria, proveem de duas vertentes: quando abraçamos uma causa, um problema ou mesmo uma cobrança que não nos pertence, que faz parte da ¨cruz¨ do outro; ou quando nos enredamos em nossos ¨quereres¨. O estres é inevitável quando fazemos isso. A sobrecarga do peso dos karmas alheios, ou de nossos desejos desmedidos, trazem o esgotamento físico, mental, e as consequentes enfermidades.

Dividir nosso tempo, de maneira útil e equilibrada, é o primeiro passo para o real e necessário equilíbrio pleno de nossas vidas, para a felicidade.

Deixemos de nos envolver nas vidas alheias, deixemos a vida seguir seu curso natural, e nada que você não possa resolver irá se apresentar.

Tia Neiva afirmava que quando enxugamos as lágrimas dos outros, não temos tempo para ficar enxugando nossas próprias lágrimas. Enxugue as lágrimas de todos que lhe forem enviados, confiados ou que naturalmente aparecerem em seu caminho. Mas nunca tente carregar a cruz alheia... Ela não lhe pertence! Não temos como saber que espírito está carregando aquele karma. Ensine, aconselhe, abrace, chore junto se sentir que deve, mas não tente trazer para você o quê não lhe pertence, o quê faz parte da evolução daquele ser.

Deseje seu progresso, trace seus objetivos, sonhe! Sonhe até com o quê possa parecer impossível. Mas não condicione nenhum de seus desejos. Não exija que a realização venha da maneira que você quer. Apenas saiba o quê quer, não precisa ficar pensando em como vai obter.

Escrevo todas estas coisas hoje, refletindo sobre minha própria vida. Lembrando como era difícil obter qualquer coisa ou atingir qualquer objetivo, quando ficava planejando o caminho de chegar até ele. Lembro quando percorria quilômetros a pé, para chegar até o centro da cidade sem gastar o dinheiro da passagem, para comprar um bilhete de loteria, como uma esperança de mudar meus destinos. Em um país estranho, com idioma e costumes diferentes, sem perspectivas, com todas as opções viáveis esgotadas, sem dinheiro, restava sonhar e escrever... Nada mais! A esperança naquele bilhete parecia a última.

Pai João – Oh, meu filho, vai ser com trabalho! Você vai recuperar tudo que já teve e vai ter muito mais, mas será com trabalho.

Eu ficava pensando: “Agora estou frito! Vou ter que trabalhar 200 anos neste país só para poder comprar uma casa”. Eu fazia as contas de caso encontrasse um bom emprego e conseguisse economizar (coisa que nunca havia conseguido), ainda levaria pelo menos três anos para comprar um carro velho. Isso continuando a morar mal e fazer a compra dos mantimentos para o almoço com moedinhas.

Um ano depois eu olhava aquele passado recente e não acreditava! Não havia emprego para mim, então eu criei meu próprio trabalho! Hoje imitado por muitos aqui. Havia editado um livro com recursos próprios (O Centurião) e doado integralmente, tanto a edição impressa como todos os direitos autorais. Estava morando em uma boa casa, em um excelente bairro, tinha um carro fantástico, a família unida e dezenas de e-mails para responder diariamente.

É... foi com trabalho! Muito trabalho! Trabalho material, trabalho espiritual e trabalho em prol da união e amor familiar.

Por isso escrevo estas linhas, e volta e meia recordo deste passado ainda recente. Recordo que é possível. Observo que, se acho que estou sobrecarregado, reflito primeiro se existe alguém se “encostando”, ou se estou querendo demais e do meu jeito. Concluindo que está tudo correto, é agradecer e seguir adiante! Dividindo o tempo de maneira equilibrada entre físico (trabalho e saúde), mental (emocional e família) e espiritual (trabalhos no novo Templo e no Exílio do Jaguar).

Por isso algumas vezes demoro um pouco mais para responder os e-mails, sempre procuro equilibrar o tempo. Mas quando me dedico é com todo o amor do mundo e com total respeito por aqueles que me escrevem.

Obrigado por fazerem parte de minha vida, da vida desta pequena família! Amo vocês e esta pequena missão com todas minhas forças!

Kazagrande

terça-feira, 12 de maio de 2015

Pontos de Desequilíbrio


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

Em nossas vidas temos diversos “pontos de desequilíbrio” que fazem parte de nossa personalidade atual, provenientes de nossa formação cultural ou dos relacionamentos afetivos que vivemos até o presente momento. Estes são transitórios e podem ser superados pelas constantes mudanças que sofremos nesta mesma encarnação.

Também existem pontos de desequilíbrio que fazem parte de nossa Individualidade, podem ser defeitos e até mesmo falhas de caráter, e nos propomos a superar pela experiência que já adquirimos em nossas encarnações.

Identificar, trabalhar e superar estes pontos é fundamental para nossa verdadeira evolução. Sejam os pontos transitórios, decorrentes de nossa atual experiência, ou aqueles que despertam de nosso espírito para serem eliminados nossa consciência transcendental.

Somos “testados” diariamente por estas características e sofremos por não saber amar. Sofremos porque nossos “apegos” são invariavelmente mais fortes que nosso desejo de evolução ainda adormecido na maioria dos seres encarnados atualmente.

A pergunta é: O que nos leva ao desequilíbrio? O que nos faz gritar, alterar nosso comportamento? O que nos faz sofrer mesmo que disfarcemos este sofrimento em justificativas diversas?

Pessoas? Vale a pena sofrer por pessoas? Não entendemos ainda que o amor deve ser puro, incondicional? O apego nos relacionamentos nos faz sofrer... Amar incondicionalmente é não impor condições para este amor e também não sofrer pelas diferenças de caráter. Amar é respeitar o outro, seus sentimentos, por mais controversos que sejam ou agressivos em sua imaturidade. Se nós amamos, não podemos sofrer por amor. Se sofremos, não é amor... é reajuste, cobrança! Todo reajuste deve acabar por amor, seja cedendo em seus “quereres”, ou abrindo mão do próprio relacionamento.

Ligações de apego e comodismo não são por amor... São obsessões a serem eliminadas de nossas vidas!

Humildade não é humilhação, porém só se sente humilhado àquele que o orgulho ultrapassa o próprio amor! Ser humilde é ser acessível e tratável. Humildade é também saber retirar-se antes de se fazer presente a humilhação.

Tolerância é a compreensão independente da aceitação! Você tolerar simplesmente por compreender ou tentar compreender ao outro, e isso não quer dizer que concorda com ele. Tolerância é o primeiro passo do Amor Incondicional.

Amor... Humildade... Tolerância! Eis a receita para sanar nossos pontos desequilíbrio! Sejam pessoas ou situações. A lição ensinada pelo Divino Mestre há tanto tempo e que ainda hoje lutamos por compreender.

(Dinheiro nos desequilibra??? - CONTINUA>>>)
Kazagrande

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Quero equilíbrio!


Ao buscar sentir sobre o quê escrever nesta manhã, sentindo já o peso da responsabilidade por estar com a “caixa de entrada” cheia de emails, comecei a recordar de como minha vida mudou no último ano. Sentindo um imenso amor me envolver, retirando-me do turbilhão de compromissos que vêm à cabeça no planejar o dia.

Um amor intenso, repleto de boas energias e vibrações, que traz a certeza do caminho estar sendo trilhado com segurança e objetivo claro. Que impede que os problemas naturais do cotidiano e da convivência com tantas pessoas, tornem-se dignos de nota.

Este Amor está disponível para todos! É possível despertar o Espírito, a Individualidade e sentir-se parte integrante e ativa da mudança pela qual nosso planeta está passando, e de forma positiva.

Somos médiuns! Temos um Karma “pesado” - por isso a condição mediúnica, não é mérito, é necessidade - e também somos missionários!

Temos em nossas mãos a oportunidade de ultrapassar nossos grandes compromissos, superar nossos reajustes e ainda semear muito a ser colhido quando retornarmos ao plano espiritual.

Temos também a possibilidade, arrisco dizer “a obrigação”, de sermos felizes! Basta que compreendamos um pouquinho que este plano físico nos oferece a intensidade dos sentimentos humanos a serem encarados de forma positiva.

“Pagar as dívidas” apenas faz parte da jornada pedida e planejada. Os reajustes, reencontros, se aproximam, se concretizam e devem findar com o reequilíbrio. Nenhum, repito, nenhum médium vem a este plano para ser infeliz ou apenas acertar suas contas... A condição mediúnica proporciona a possibilidade de ir muito além, pela prática da caridade, pela oportunidade de fazer o bem a aqueles que “não tem nada com nosso karma”.

Muitas vezes, preocupados com nossas vidas, com os problemas, com dinheiro, trabalho, saúde, acabamos indo ao Templo em busca de ajuda. Vamos chorar nossas mazelas e pedir socorro aos nossos Mentores... Mas não deve ser assim!

Temos que ir ao Templo apenas para cumprir a missão, vamos para servir, para pedir pelos outros, desconhecidos, encarnados e desencarnados, que desesperados e sem esclarecimento, não têm nada nas mãos além da esperança de ainda encontrar esperança...

E os nossos problemas? Salve Deus!

Tudo que precisamos realmente fazer é “nos permitir ser ajudados”. Nossos Mentores (Pretos Velhos, Cavaleiros, Guias, Princesas, Ministros, etc, etc) querem muito nos ajudar! Querem que você possa ser feliz, independente de seu karma e do que ainda tenha que reajustar. Mas só podem nos auxiliar se nosso padrão vibratório permitir! Temos que estar em condições de receber!

Por isso, se vamos ao Templo realmente para servir, se deixamos nossos problemas do lado de fora da porta e nos dedicamos verdadeiramente a servir ao próximo, a praticar a Lei do Auxílio, que reza pela caridade a aqueles que nos são confiados, não pela ligação, mas porque podemos auxiliar sem nada esperar em troca; nossos pensamentos se libertam! Nosso padrão se eleva ao ver (sentir) o irmãozinho sendo encaminhado, ao ver as lágrimas do paciente agradecido, ao compreender que a maioria não teve a mesma coragem de assumir uma missão além do cumprimento de seus reajustes.

E... Ao elevar nosso padrão, permitimos que nossos Mentores nos auxiliem! Passamos a naturalmente atrair coisas e pessoas boas. Nossa aura muda e os caminhos fluem com naturalidade. O emprego inesperadamente aparece, o dinheiro deixa de faltar (difícil sobrar para um Jaguar que tanto mal uso já fez anteriormente), e a promessa de nosso Pai pode ser cumprida: “Nada lhe faltará no cumprimento desta jornada”.

Pode parecer muito difícil esquecer os problemas, mesmo que por apenas alguns momentos. Mas no Templo, não é você, o ser humano! É a Individualidade, o espírito com experiência transcendental que já passou por situações bem piores em tempos onde tudo era mais doloroso, difícil e demorado.

Não tem magia, oração, trabalho especial, força de Adjunto, ou qualquer outra fórmula que vá “dar jeito em sua vida” sem que você aprenda a controlar seu padrão vibratório! Tem que aprender a pensar positivo, ver as coisas com os olhos do espírito e compreender que somos fruto do que emitimos, do que pensamos, do que semeamos.

“Eu não queria muito... Só um pouquinho de estabilidade material e familiar para poder me dedicar mais ao trabalho espiritual”... Salve Deus! Mas não é isso que todos querem? Quem é melhor que o outro para receber assim “de mão beijada” a estabilidade e o equilíbrio?

A estabilidade e o equilíbrio vem de dentro para fora! Vem do espírito consciente, que vibra positivamente! Vibre assim, o máximo que puder, e permita ser ajudado.

Kazagrande

O custo das palavras


Existe entre os Grandes Iniciados uma expressão para designar a maledicência: “lashon hará”.

Em praticamente todos os agrupamentos humanos, sejam sociais, religiosos, filosóficos, etc., os membros enfrentam os indesejáveis efeitos vibracionais provocados pelos ainda “inconscientes”, ou inconsequentes.

O “lashon hará” se apresenta sob várias formas: a mais comum é quando uma pessoa fala a outra sobre os aspectos negativos de uma terceira pessoa. São pequenos machucados na alma, envolvendo neste caso:

1) Quem fala: expressando pura negatividade, atrai a mesma negatividade;

2) Quem ouve: recebe toda aquela negatividade destrutiva;

3) De quem se fala: aquele que não ouve, mas sente e de acordo com seu padrão vibracional sofre o peso energético.

Este tipo de lashon hará é comum e aparece de muitas maneiras disfarçadas, mas não por isso menos nocivas. Por exemplo, quando você está com um amigo e começa a falar mal do governo, você realimenta a sua negatividade, a de seu amigo e daquele que exerce a função de governante. Mesmo que o governante seja desonesto, se o seu comentário não tiver um caráter construtivo simplesmente não o faça.

Mas existem outros tipos de lashon hará, também nocivos e mais difíceis de serem identificados. Você vive lamentando sobre si mesmo para os outros. "Coitadinho de mim, estou sempre doente, sem dinheiro, insatisfeito". Neste caso o número de pessoas afetadas é de apenas dois, mas o efeito sobre suas vidas é igualmente devastador.

Um terceiro tipo de lashon hará ocorre quando você ouve a maledicência de um outro. Seja seu amigo de infância, seja seu parente mais próximo, quando sentir que este começa a despejar negatividade em seus ouvidos, experimente correr dali e estará fazendo uma nobre ação para ambos.


Enfim, meus irmãos e irmãs, se ainda duvidam da importância de evitar todo este mal provocado pela negatividade da palavra experimente um exercício: passe uma semana inteira sem falar mal dos outros, sem falar mal de si mesmo e evitando ao máximo ouvir a negatividade alheia. Prepare-se, não será tarefa fácil, mas o resultado final pode ser um milagre em sua vida.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

A Responsabilidade do Doutrinador nos Tronos


Salve Deus!

Recebi um comentário considerando a “responsabilidade do Doutrinador nos Tronos” e não posso deixar de reafirmar:

A responsabilidade em um Trabalho de Tronos é do Doutrinador!

Assim nos ensinou o Trino Tumuchy e o Trino Araken, que sempre fez questão de reafirmar nos Cursos de Sétimo Raio que ministrou.

Um Doutrinador é um médium preparado, que devido a sua mediunidade tem a consciência expandida no momento em que está mediunizado. Desta forma, pelos chackras, recebe as energias da Entidade incorporada, pois através da Ionização está intimamente ligado ao Apará e ao trabalho ali desenvolvido! Assim, é capaz de sentir nitidamente a troca de energias de uma incorporação. Somente não identificará a troca se não estiver atendo e bem mediunizado! Em tempo: Um Doutrinador tem a obrigação de ouvir claramente toda a comunicação da Entidade, não pode trabalhar em dúvidas.

Mas vejamos o que diz Tia Neiva:

“... O Doutrinador é responsável pelo que faz o Apará. A interferência de um espírito cobrador em um Trono, como inúmeros casos que eu conheço, por displicência do Doutrinador, pode arrasar a vida de um Homem. Sim, o Doutrinador é a única testemunha defesa.

... O Doutrinador está se preparando para não ter dúvidas - essa a minha insistência! Nos enfermos, pela atuação de uma projeção negativa, obsessiva, a tendência é confundir o ambiente para que não se obtenha um diagnóstico preciso para levar a vítima ao seu objetivo.

... O Doutrinador não é simplesmente um Doutrinador, porque o coração do Homem é um santuário de Deus vivo. O certo é que todas as vidas individuais são centros de consciência na vida única. A sensibilidade afetiva se encontra em todas as formas de vida, pois em tudo existe a essência divina e, por conseguinte, aí proliferam o amor e a sabedoria. Meu filho, nossa obra chegou, agora, a um plano superior de desenvolvimento espiritual, superior aos ensinamentos elementares e às simples manifestações. É chegada a hora dos Grandes Iniciados. Veremos, num futuro próximo, grandes acontecimentos que se desencadearão aos nossos pés, fenômenos que vão nos ligar deste mundo a outro.” (mensagens extraídas da Carta de Tia Neiva datada de 13 de setembro de 1984)

Uma faixa magnética não passa pelo médium de incorporação sem a puxada do Doutrinador ou sem o devido consentimento do mesmo. O Doutrinador iniciado é mais útil ao trabalho do que mesmo os próprios guias, que, para terem um trabalho eficiente, o fazem com as ordens dos Doutrinadores, aos quais respeitam e acatam. O médium de incorporação é um simples instrumento. Ele não tem, absolutamente, condições de fazer um trabalho perfeito ou dar uma comunicação perfeita sem a presença e cuidados de um Doutrinador. Nos meus olhos de clarividente, não vejo condições curadoras sem esta perfeita manipulação de forças e de ectoplasmas.

Existem muitas comunicações perfeitas entre nós, graças a Deus! Temos médiuns perfeitos! Quando o médium se mostra com toda euforia para a incorporação, começam a se esgotar suas energias, e sua comunicação fica perigosa porque seu ectoplasma entra em decadência, não mantendo uma conjunção com o Doutrinador. A função dos espíritos que labutam no nosso trabalho profissional é conjugar os ectoplasmas para a realização de curas. O médium que recebe espíritos sem qualquer disciplina própria poderá acertar uma profecia, porém aqui tratamos com profissionais e, como tal, exigimos essa disciplina. O Espiritismo ainda não se difundiu, conforme meus olhos de clarividente registram, justamente por causa desta falta de disciplina. Os meios de manipulação de forças nos trabalhos são propícios à perfeição, dependendo unicamente da humildade e disciplina de cada médium. Se um médium incorporar sem disciplina, seu Doutrinador poderá ser chamado à atenção, severamente, por mim!” (Extraído da Carta de Tia Neiva datada de 7 de maio de 1974)

Não há qualquer espírito que passe por nossos trabalhos do qual não se faça a entrega obrigatória! Nosso trabalho é exclusivamente de Doutrina! Não aceitamos, em hipótese alguma, palestras, nos Tronos deste Templo do Amanhecer, de Doutrinadores com entidades que não sejam os nossos Mentores, espíritos doutrinários!

Mesmo fora do Templo, consta-me que os Doutrinadores que palestraram com exus, etc., atrasaram suas vidas, pois eles não se afastaram de seus caminhos. A obrigação do Doutrinador é fazer a doutrina, conversando amigavelmente com o espírito, procurando esclarecê-lo, continuar seu amigo, porém fazer sua entrega obrigatoriamente, com o que ressalva sua responsabilidade perante os Mentores. Outros Doutrinadores estão com suas vidas atrasadas simplesmente por sua irreverência com os Mentores, acendendo para estes duas velas, saindo fora de seu padrão doutrinário. Entre eu e os exus há um laço de compreensão e respeito mútuo. Porém, um Doutrinador, por não ser clarividente, não está em condições de dialogar com eles, exceto no âmbito da Doutrina.” (Extraído da Carta de Tia Neiva datada de 7 de maio de 1974)

Os Doutrinadores devem ter mais amor e não se esquecerem de que existem muitas correntes acima de suas cabeças. Você é corrente positiva ou é corrente negativa! Jaguar quer dizer “Força da Terra”. Jaguar positivo é força positiva da Terra. Mas é força da Terra! Se você não tiver convicção, se não tiver uma conduta perfeita, como pode ser um Jaguar positivo? Como poderá ser um Doutrinador se não tiver os sentimentos de ajudar? Não é só ser livre de preconceitos, não é mostrar ao povo que você é bom, não é querer parecer ao mundo que você é um santo, não! O Jaguar é o Homem que não pediu a Deus a paz e sim, duas espadas. É o Homem que pediu a luta crística, que pediu a Deus a luta pelo Cristianismo! Recebeu a espada do Bem e a espada do Mal. A espada do ectoplasma animal é a espada do Bem. Por conseguinte, meu filho, você pode fazer o que bem quiser, mas deixará de ter uma espada! Se você não souber manejar estas forças, se não procurar, em seu coração, o bom caminho, o sentimento de ajudar os outros, se não tiver força ou não puder aniquilar o Mal, também não terá forças para manejar a espada do Bem.

Vamos, meus filhos! Vamos nos preparar para termos uma conduta à altura de nossos sentimentos. Não é procurar ser como eu sou... Não é procurar os meus sentimentos... É me seguir? Não! É seguir nas minhas palavras procurando seguir os seus sentimentos. E eu seguirei vocês, para nunca decepcioná-los. Se você não tem um sentimento religioso, como vai desenvolver suas forças mediúnicas? Só para ficar contando o que você fez? Só para contar as graças que recebeu, recebendo elogios? Salve Deus! Estou seguindo vocês! Eu sigo o sentimento... Nós seguimos o sentimento, o sentimento Crístico, mas tudo dentro da sua capacidade de aceitar e de sentir...” (Extraído da Carta de Tia Neiva datada de 27 de junho de 1976)

“O Doutrinador é um poderoso foco de Luz, cujos raios atingem a fronteira intelectual que ilumina todo o ciclo da vida. Ele esclarece e justifica as chamadas Ciências Ocultas, explicando racionalmente suas deduções, os porquês das vidas astral e física. É o canto universal, é a vida de povos com caráter e sua natureza. Estão sempre a receber a mais viva Luz! Ser um Doutrinador é ser um profundo conhecedor, até ser um cientista. Sim, cientista é ter conhecimento das coisas, dos fatos e dos fenômenos em si mesmo, em sua natureza e em suas origens. Analisa e expõe a origem da evolução humana; a criação das matérias; o significado de átomos e células; a formação dos seres; e a força psíquica, proporcionadamente. O Doutrinador se utiliza de seus conhecimentos fundamentais, cuja linguagem é sempre clara. É ciência da Luz e do fenômeno simples, dirigindo somente o seu raciocínio, sem esquecer a independência de seu caráter. A sinceridade e suas convicções provam o fato de ser um Doutrinador. Para nunca se enganar, persuasivo autor; sempre de olhos abertos, sempre no alerta dos fatos, dos fenômenos da vida; sempre o sentido no fenômeno e na vida fora da matéria. O Doutrinador deve sentir-se o “extraordinário”, sublime, palpitante de sua silenciosa manifestação doutrinária nos extrasensoriais e no Homem, até sentir estar penetrando em suas três emissões, sempre exposto à Justiça Universal. Expressivo e atento, é o Doutrinador confiante. Assim é o Doutrinador!” (Extraído da Carta de Tia Neiva datada de 24 de junho de 1978)

“Quando o doutrinador faz uma entrega e o espírito ainda não está pronto para Mayante, este vem diretamente para um dos departamentos do Canal. Na primeira oportunidade, que pode ser na mesma noite ou algum tempo depois, o doutrinador vem completar sua doutrina. Ele, como encarnado, tem a capacidade de trazer consigo seu ectoplasma. Devido à semelhança do ambiente, o espírito ainda se sente na Terra e fica mais susceptível de receber a doutrina. É por isso que dizemos que o Templo do Amanhecer trabalha vinte e quatro horas por dia!” (Extraído da Carta: Meus Primeiros Passos no Canal Vermelho, Tia Neiva/ Amanto Sem data)

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Horizontal e Vertical


De uma forma bem simplista podemos definir a ocorrência de nosso trabalho mediúnico em duas “posições”: horizontal e vertical.

Quando entramos em contato com nossa Individualidade, com o nosso espírito, estando mediunizados e em condições de operar em contato com a Luz e seus mensageiros, operamos na “vertical, ou seja, estamos emitindo “para cima” e recebendo da mesma fonte as mensagens e energias.

Ao mesmo passo, quando não estamos bem sintonizados, devidamente mediunizados, ou mesmo nosso comportamento dentro dos trabalhos se torna incompatível com nossos Mentores, operamos na “horizontal” na faixa “etérico-terrestre”.

Na vertical recebemos diretamente as forças dos planos espirituais superiores. As mensagens nos chegam com clareza e as dúvidas se dissipam pela nossa intuição. Nos sentimos mais seguros, pois estamos ligados a nossa verdadeira missão, permitindo que nossos Mentores estejam em um contato direto e puro.

Já na horizontal, o contato se dá através de nossa personalidade. Não estando devidamente mediunizado, em contato com seu espírito, e por conseguinte, com sua missão, a emissão e recepção de forças passa a ser horizontal, dentro dos planos terrestres, possibilitando as interferências, tanto de irmãozinhos quanto do próprio médium.

Nossa capacidade de mediunização e nossa conduta doutrinária é que definem se vamos trabalhar, emitir e receber na “horizontal” ou “vertical”.

A função dos nossos mantras (considere mantras não somente os hinos, mas sim o conjunto completo de sons, gestos e atitudes) é justamente facilitar este trabalho na vertical.

O verdadeiro motivo da existência de tantos rituais, Leis, Chaves, etc, é fazer com que nossa atenção fique voltada para o quê temos que cumprir. Deixando nossa mente “ocupada” com a realização de eventos, que fazem parte de uma seqüência, que visa também trazer um comportamento compatível para ligação espiritual-vertical, além de agregar a precisão Iniciática.

Vejamos o quê nosso trabalho mais básico exige, os Tronos, por exemplo!

Sem contarmos todo o Ritual de Preparação na Pira, que já tem toda uma ritualística a ser cumprida, recordemos passo a passo nossa ida a um trabalho de Tronos.

Primeiro passamos pelo Castelo do Silêncio, tomamos sal e perfume, e durante alguns instantes nos harmonizamos para depois irmos em conjunto (doutrinador e apará), já em uma “pré-sintonia” para o setor de trabalho. Ao chegarmos, registramos nossa presença junto ao Comandante, pedindo sua permissão, e desta forma também às Entidades responsáveis pelo setor, que o acompanham.

Ao entrar na área, realizamos uma reverência e um cruzamento entre Doutrinador e Apará antes de nos sentarmos (percebam a ritualística só para poder sentar em um Trono). Aí vem uma nova harmonização e uma intensificação da mediunização, os dois se concentram por instantes, o apará realiza sua prece, o doutrinador “visualiza” sua Princesa, seu Cavaleiro, e só então estarão prontos para a “Ionização”, para unirem suas auras em um conjunto único de recepção vertical.

E mais... Antes de iniciar o atendimento aos pacientes, a Entidade incorpora, é oficialmente identificada em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo e o doutrinador recebe então uma “conferência” se sua aura também está em condições de iniciar o trabalho.

Só então é que iremos iniciar um atendimento.

Já haviam atentado para tantos detalhes? Fazemos tão automaticamente que nem nos damos conta do quanto de preparação existe basicamente para efetivar esta ligação vertical, que irá evitar as interferências horizontais (de irmãozinhos e do próprio médium).

Um par devidamente preparado, seguindo toda a ritualística com atenção, dificilmente estará correndo riscos de uma interferência! O comportamento, aliado a sintonia e mediunização, seguindo todos os passos com tranqüilidade e atenção, dão toda a segurança necessária para o fiel cumprimento da missão.

Ao mesmo passo, os que estão pelo Templo, e resolvem “vamos para os Tronos” e simplesmente vão, sem nada de preparação, mesmo que suas intenções sejam as melhores possíveis, estarão se expondo aos riscos de ficarem “meia fase”. Tendo que esforçar-se para manterem-se na vertical e ainda se expondo desnecessariamente aos riscos de uma horizontalização de forças e das interferências que pode trazer.

O maior alerta é para nós Doutrinadores apressados, que querem iniciar logo o trabalho! Respeitemos a intuição dos Aparás, que normalmente querem paciência e calma. Precisam deste tempo de harmonização, sentem esta necessidade. Nós Doutrinadores, devemos aproveitar para também intensificarmos nossa capacidade de concentração e “nos ligar” com toda a atenção e energia nesta verticalização.

Kazagrande

sábado, 2 de maio de 2015

Trabalho e Conhecimento


Em meios a tantos Trabalhos Espirituais, Rituais, Leis, Falanges Missionárias com coloridas Indumentárias, Radares, Complexos Iniciáticos, terminologias próprias, etc., já perceberam na real simplicidade de nossa Doutrina?

Tia Neiva conseguiu o quê inicialmente seria impensável em termos praticidade para a Doutrina Espírita: permitir o acesso simplificado à Cura Desobsessiva!

Qualquer um com sintomas de mediunidade, com problemas originados por desequilíbrios espirituais que incitam o desenvolvimento mediúnico, pode ter acesso e rapidamente colocar em prática o reequilíbrio de sua aura e o desenvolvimento de sua mediunidade. Sem importar realmente sua condição social, econômica ou cultural.

Ao passar pelos Tronos, tendo identificada sua condição mediúnica e recebendo o convite, o paciente pode buscar o Desenvolvimento.

As maiores críticas que recebemos externamente são justamente o maior fator positivo ao nosso favor: Não exigimos nada do médium! Nem estudos, nem aculturamento, conhecimento, condição econômica ou social, nada! Apresenta-se para a Triagem, determina sua mediunidade (como Doutrinador ou Apará) e depois de normalmente sete aulas, está apto a trabalhar.

Em meio a tantas informações citadas no primeiro parágrafo, isso pode parecer surreal e fantasioso, mas não é! É justamente o contrário. Tia Neiva apresentou a solução para os que sofriam com fenômenos mediúnicos de uma maneira prática, até então inimaginável: primeiro se aprender a trabalhar, e depois, com o tempo, o médium descobre se tem necessidade de partir em busca do conhecimento. Ou seja: primeiro ele se cura! Equilibra sua aura, desenvolve seu plexo, harmoniza seu Sol Interior e recebe os conhecimentos básicos para poder colocar em prática suas primeiras realizações mediúnicas. Depois, de acordo com sua necessidade, curiosidade ou mesmo capacidade intelectual, pode ir, ou não, em busca da informação e conhecimento para sua alma.

Falo “para sua alma”, porque seu espírito já é dotado de toda a informação necessária. Somos preparados ainda no período de planificação encarnatória, para sermos médiuns (acepção prática da palavra, pois todo ser encarnado é um médium).

O Desenvolvimento visa despertar a Individualidade e o conhecimento “adormecido”, para que a prática prevaleça sobre a instrução.

Alguns chegam à Doutrina cheios de perguntas, desejam conhecer tudo, saber tudo, e sofrem muito pela dificuldade inicial, sem compreender a máxima “quando o discípulo está pronto, o mestre aparece”. Colecionam acervos, leem todos os livros em menos de um mês...

Outros passam meses, anos e às vezes a vida toda, sem questionar. Apenas cumprem seu trabalho, doutrinam, emanam e encaminham espíritos.

Os dois estão corretos! E nenhuma atitude é garantia de que a Doutrina será absorvida em sua mais bela essência: amor, humildade e tolerância!

Para a Doutrina do Amanhecer o mais importante é trabalhar, é praticar a caridade! O conhecimento está “ali”, está à disposição! Temos inúmeras cartas, alguns livros e muita cultura que só chega pela própria prática de participação em todos os trabalhos.

Desde meus primeiros passos na Doutrina, como “perguntador nato” que sou (um verdadeiro chato, lembraram meus instrutores), sempre afirmei que o dia que não encontrasse uma resposta coerente no Vale, eu abandonaria meu colete e procuraria em outro lugar! É... Eu continuo aqui!!!

Não precisa correr! Cada um tem seu tempo! O conhecimento, embora aparentemente seja adquirido externamente, na verdade já existe dentro de cada um e o agente externo é apenas o catalisador que ativa a memória transcendental. Já repararam que por vezes buscamos uma determinada resposta, e quando finalmente a encontramos “parece que já sabíamos”, ou “não era nada diferente do que pensava”?

Trabalhe e comprovará que “quando o discípulo está pronto, o mestre aparece”.

Kazagrande

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Quando o Doutrinador Sente e Vê



A principal característica de um Doutrinador desenvolvido não é “não incorporar”! Salve Deus!  

O que determina a mediunidade de um Doutrinador é sua capacidade de expandir a consciência, observar e interpretar os fenômenos de maneira intuitiva e clara!

O Doutrinador mediunizado é aquele que compreende e explica baseado no despertar de sua consciência transcendental. Recebe as intuições dos Mentores sem a necessidade de incorporar para “ouvir” as mensagens, ele verdadeiramente “sente” o fenômeno e torna-se capaz de traduzi-lo.

Certa vez me perguntaram sobre este tema e considerei conveniente desmistificar a condição do “doutrinador robô”, que apenas repete frases feitas, doutrinas pré-concebidas e não “sente e nem vê nada”.

Na verdade o Doutrinador tem uma mediunidade tão clara quanto a do Apará! Pressente as energias e atua com rapidez nas mudanças que se apresentem.

Em um atendimento nos Tronos, enquanto o Apará tem seus sentidos entorpecidos pela projeção da Entidade, o Doutrinador tem os mesmos sentidos aguçados. Passa a ouvir com mais clareza e por isso, muitas vezes, sente uma certa dificuldade de concentração em função dos ruídos. Ocorre que sua aura se expande e é como se dominasse todo o ambiente.

Direcionando corretamente sua atenção ao atendimento, por vezes, pode visualizar mentalmente o quadro do paciente encarnado ou desencarnado. Não que “veja com os olhos físicos”, mas forma-se em sua mente a projeção, através das energias que capta do paciente, ou do irmãozinho, ali presente.

Baseado nesta “visualização”, pode direcionar sua doutrina e de forma intuitiva atingir com maior precisão a necessidade espiritual vigente. Quando mais tarimbado pelos anos de trabalho espiritual, agirá com mais destreza e os fenômenos se descortinarão cada vez mais claramente aos seus olhos.

Sim, o Doutrinador “vê” mentalmente e “sente” toda movimentação energética, e, como tudo que provêm da Luz, tem objetivo produtivo e útil.

A sensibilidade mediúnica independe da característica mediúnica (Doutrinador ou Apará), depende da capacidade de mediunização!

Kazagrande