Kazagrande

.

EXÍLIO DO JAGUAR

TEMPLO ANAVO DO AMANHECER - COCHABAMBA - BOLÍVIA.

TIA NEIVA - VALE DO AMANHECER

SEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A SUA SENTENÇA!!!.

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - BOLÍVIA - 2009 - 2015.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Por que não me avisaram?


Salve Deus!

Este período de recuperação está revelando muitas lições escondidas e necessárias compreensões para ajustes na vida até o momento levada.

Sim, meus irmãos e irmãs! É preciso sempre procurar os porquês, e buscar entender a lição contida em cada momento difícil atravessado.

Sei que muitos, ao passar pelas provações, erguem seus olhos ao céu e perguntam: “mas por quê?”. Alguns se revoltam, outros chegam ao cúmulo de colocar a culpa na Doutrina, ou querer confrontar os Mentores com: “Mas porque não fui avisado?”.

Aí eu pergunto: Estas atitudes de revolta, questionamento, falta de fé... Resolvem alguma coisa? Ou somente baixam ainda mais seu já combalido padrão vibracional e acabam por atrair mais tristeza para sua vida?

Todos sabem... Semana passada sofri dois, não um, mas dois enfartes! Quem me olha uma semana depois acha que foi uma coisinha simples. Mas na verdade foi bastante grave, não quero entrar em detalhes. Estive pertinho de “fazer as malas”. A maior dor física que já senti na vida... É realmente indescritível!

Mas... Em nenhum momento senti medo de morrer ou demonstrei algo de falta de fé ou cobrança da Espiritualidade. Encarei tudo com bom humor. Um dia deixarei minha esposa contar minhas atitudes para que não me achem pretensioso. Mas a grande verdade é que o único que me interessava era observar tudo e procurar aprender o que a vida naquele instante de dor ensinava.

Queria saber se estava desencarnando porque tinha chegado a hora ou porque estava fazendo alguma besteira. Queria entender a lição e poder cumprir as necessárias mudanças a partir daquele momento, se é que teria outra oportunidade.

Não senti nenhum medo de morrer... Eu sei o que tem do outro lado! Vivo isso todos os dias, sou um Doutrinador!

Quando a resposta chegou, e só chegou  porque meu padrão vibracional permitiu (lembre que você nunca vai entender nada e nem ter resposta nenhuma se seu padrão estiver baixo). Não adianta interrogar mentores se você não está pronto para ouvir ou para entender. Quando a resposta chegou me senti totalmente tranquilo. Soube que não iria desencarnar e me senti pronto para as necessárias mudanças. Agradeci e dormi em paz!

Sempre digo que sou muito falho ainda, que sou um Jaguar comum e me considero do povo, não das cortes e lideranças. E minha atitude não deve ser admirada, mas sim tomada como “comum” também entre aqueles que compreendem que esta vida é apenas uma caminhada de aprendizado.

No dia seguinte, nem os médicos e nem minha esposa, que tem uma grande fé, mas assistiu toda a cirurgia e entendeu a gravidade do quadro, acreditavam no paciente sorrindo, fazendo piadas e ameaçando fugir do hospital.


Kazagrande 

quarta-feira, 22 de julho de 2015

A Adúltera


Salve Deus!

O dia começava a clarear na Terra e a Clarividente apressava sua volta ao corpo, após longo tempo de permanência nos planos invisíveis. Fizera mil coisas, estivera em muitos lugares e recebera valiosas lições. Em seu coração e sua mente pulsavam as inúmeras preocupações relacionadas com sua missão na Terra. No momento pensava no retorno ao corpo que dormia a tempo de retornar as tarefas do dia a dia.

Habituada as caminhadas fora do corpo, mal percebia as fantásticas nuanças de tempo e espaço; às vezes andava, outras levitava e se transportava em frações de segundo. Tempo e espaço. Entidades de luz, espíritos sofredores, tantos enredos; às vezes sentindo-se tão grande e às vezes pequena...

Pensou que estava na Terra, mas estranhou o ambiente. As árvores eram simétricas, as ruas e casas pareciam feitas de plástico e o ambiente variado. Pessoas se movimentavam, mas tudo parecia irreal, nas cores, na iluminação e nos movimentos. Percebeu então que não era notada e sentiu certo alívio. Sua mente ágil já se reajustava à nova situação, concentrou-se por um breve instante e logo sentiu a emanação de Amanto cuja presença a colocou de imediato em estado receptivo. Amanto era o velho amigo de Capela, o Guia de tantas viagens, um dos Mestres mais constante a mante-la atualizada em sua luta doutrinaria. Despertou sua atenção uma longa fila de pessoas que se movia lentamente e cuja frente se perdia na distancia. Ia interrogar Amanto a respeito quando ouviu gritos de uma mulher que clamava algo em vós alta. Pelas palavras proferidas, Tia Neiva entendeu que ela se referia ao marido e que este estava para chegar. Chegar onde?

Ao Canal Vermelho, Neiva.

Canal Vermelho?

Sim Neiva, na sua camada etérea, no invisível do planeta; no mundo dos espíritos desencarnados que ainda não tem condições de chegarem às estrelas ou ao planeta Mãe.

E essa fila, para onde vai ?

Vai para o embarque. São espíritos que não precisam mais permanecer aqui, que já se conscientizaram de sua condição de espíritos desencarnados; completaram seus reajustes, e vão agora para as casas de recuperação, de refazimento.

Mas estes espíritos não tem evolução ?

Não muita. Na verdade eles vêm aqui apenas para completar o seu tempo e receber alguma disciplina.

É lindo este lugar (exclamou Tia), olhe que casas bonitas ! E aquelas árvores ? Aquilo que estou vendo pendurado nelas; o que é aquilo ?

São placas doutrinárias, uma espécie de sinalização. Poderíamos talvez compara-las com aquelas advertências de transito das estradas da Terra, embora não sejam realmente isso.

A Clarividente teve sua atenção novamente despertada pelos gritos da mulher que recrudescia. Pelo que pode deduzir das palavras, ela maldizia a Deus por permitir que o marido viesse para o Canal Vermelho, envez de ser enviado ao “inferno”.

Mas Amanto, que coisa esquisita ! Como é possível isso ?

Si Neiva, isso é perfeitamente possível aqui, pois é o melhor lugar para esses acontecimento, aliás ele foi criado para isso.Não esqueça que o espírito só se calma quando se vinga. Essa mulher foi assassinada pelo marido que a pegou em flagrante com outro homem. Como você bem sabe, isso na Terra é um ultraje, uma ofensa grave. Naturalmente ela se sentia justificada no que fazia.E a morte brusca a deixou sedenta de vingança. Daí a sua presença aqui no Canal Vermelho, onde as paixões ainda vibram mas tendem a se extinguir.

Mas porque aqui e não em outra casa transitória, num hospital do espaço ? Não é para isso que foram feitas as casas transitórias ?

Aqui também é uma casa transitória Neiva, só que tem condições técnicas especiais. Este Canal tem comunicação direta com o plano físico, o que permite a transferência do ectoplasma humano, diretamente por seus portadores. Com esse fluído os reajustes podem se completar em condições muito semelhantes aos da Terra física.

Você disse “diretamente”, como explica isso ?

Simples Neiva, os Médiuns ativos quando vão dormir, se transportam para cá e trazem com eles a preciosa energia mediúnica. Na verdade eles vêm para o Canal quando na Terra é noite e continuam aqui as tarefas que iniciaram durante o dia.
Bem Amanto, você sabe que eu posso entender perfeitamente, mas isso tem que ser explicado para nossos Médiuns e eu gostaria de mais detalhes, você sabe não? Afinal você é o professor e eu sou o “burro”.

Não Neiva, você não é o “burrão” como você diz, acho que você é mais um “burrinho” de Francisco de Assis.Mas deixemos isso de lado e vamos exemplificar (continuou Amanto).

O tempo do presente ciclo da terra está quase terminando e com isso todas as atividades estão sendo aceleradas. Milhões de espíritos ainda tem que completar seus reajustes e a tarefa dos Mentores Espirituais é imensa. Não existem na terra trabalhos de passagem o suficiente para dar conta de tanto espírito; a doutrinação é incompleta, o ectoplasma não da e o tempo dos trabalhos é curto demais. Por isso os Engenheiros Siderais construíram canais como esse, particularmente, este Canal se comunica diretamente com o Templo do Amanhecer, Quando o Doutrinador faz uma entrega e o espírito ainda não está pronto para Mayante, ele vem diretamente para um dos departamentos do canal. Na primeira oportunidade, que pode ser na mesma noite ou algum tempo depois, o Doutrinador vem completar sua Doutrina. Ele como encarnado tem a capacidade de trazer consigo seu ectoplasma. Devido à semelhança de ambiente, o espírito ainda se sente na Terra e é mais susceptível de receber a doutrina. É por isso que o Templo do Amanhecer trabalha 24 horas por dia, como vocês dizem.

Quer dizer que o Canal é uma extensão da terra ?

Num certo sentido sim, embora tudo aqui seja matéria etérea de outra natureza, outra dimensão. Mas da forma que na Terra física, as energias que suprem o Canal são oriundas do Sol e da Lua.

Amanto calou e Tia percebeu nisso um sinal de que era hora de voltar para o seu corpo. Olhou mais uma vez o cenário e sentiu-se tocada pela beleza do lugar. Mas uma vez ouviu a mulher que continuava a gritar e pensou consigo:

Meu Deus, não é justo que um assassino seja colocado num lugar tão bonito, num ambiente tão espiritual...

Naturalmente a mulher tinha consciência do lugar em que se encontrava, e também achava injusto que seu próprio algoz fosse levado para lá. Imediatamente lembrou-se da “Lei do Não Julgamento”, reequilibrou o pensamento procurando olhar o assunto por outro ângulo. A mulher também havia provocado àquela situação, esquecendo-se de seus compromissos conjugais, provocando o marido a esse extremo.

É (pensou), no fundo os dois são culpados.

Será que Tia já acordou ?

A frase cotidiana de suas manhãs lembrou-a que já estava em casa.

Salve Deus !
Tia Neiva - Sem data.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

UM PEQUENO ADJUNTO FELIZ – 20-07-2015


Salve Deus!
Meus irmãos e minhas irmãs,

Hoje após a consulta médica deverei estar retornando às atividades virtuais normais.

Antecipadamente venho agradecer e informar que está tudo bem!!!

À tarde começarei a registrar os agradecimentos e posicionamentos. Pela quantidade de vibrações e orações que recebi deveria era ter saído flutuando do hospital... rsrsrs

Como não poderia deixar de ser... Uma experiência destas provoca muitas mudanças e desde já muitas coisas novas irão se apresentar! Aqui no Face, no Exílio e em mesmo em minha vida, aonde incessantes descobertas sempre me conduzem a compreender melhor a natureza humana.

Mesmo as mais duras (e dolorosas) experiências são válidas e me fazem feliz depois, porque mais uma vez posso dizer que falo sempre do que VIVI e não do que OUVI.

Um fraterno abraço e até à tarde!


Kazagrande

sexta-feira, 17 de julho de 2015

FELICIDADE


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

É chegado o momento de semearmos a felicidade em nossas vidas. Somente como exemplos da vida cristã, felizes com a missão que assumimos, é que poderemos sermos perfeitos instrumentos para aliviar a dor dos que nos cercam, dos que nos são confiados, dos que nos são enviados e dos que confiam e nós.

É a hora de entender a necessidade do equilíbrio da triplicidade de nosso ser, e pararmos de gerar conflitos pelo extremismo em um único prato da balança da vida.

Precisamos aprender a nos disciplinar, a coordenar e aproveitar melhor o nosso tempo. Saber dividir seu tempo de maneira justa, entendendo as necessidades que implicam a triplicidade de nossa existência, é um dos primeiros passos.

Vamos dar atenção a nossa família! Aos nossos amigos, aos relacionamentos que na maioria das vezes foram programados por nosso próprio espírito. Reservar um tempo, com qualidade, para dar atenção a estes seres que fazem parte de nossas vidas e que nos amam!

Vamos dar atenção ao trabalho material e à saúde de seu corpo físico! É preciso que lutemos pelo conforto e pela tranquilidade material, de maneira a estarmos em perfeito equilíbrio também! Alguns precisam de muito pouco para sentirem-se realizados... outros já precisam de muito mais! Não importa qual é seu caso, o que importa é que se sinta em equilíbrio físico e material.

Vamos trabalhar espiritualmente praticando a verdadeira caridade! Ir ao Templo esquecendo-se das mazelas da personalidade e para dedicar-se ao próximo.

É triste ver como tantos se debatem na missão pelos desequilíbrios na vida material, pelas dívidas, pela falta de um emprego digno... e desta maneira levam ao templo somente as próprias necessidades, esquecendo a missão que assumiram cumprir.

É triste ver como tantos irmãos e irmãs, esclarecidos, conhecedores da verdadeira vida, e da implacável escada evolutiva, ainda vão ao Templo rogar pelos seus relacionamentos, para encontrarem-se com uma “alma gêmea”.

Nada nos faltará no cumprimento de nossa missão se estivermos verdadeiramente em equilíbrio. Quando passemos a dividir nosso tempo com qualidade em cada prato desta tríplice balança.

Se precisa de um emprego, pagar suas dívidas, conforto... Não vá para o Templo ficar chorando para os Mentores. Parta em busca das soluções materiais na vida material! Acredite que você é um ser protegido. Conta com a assistência de tantos Mentores e com o conhecimento a ser compartilhado. Desperte, sinta-se privilegiado como é, faça suas orações e, com o padrão elevado, atraia para você todas as boas oportunidades do dia, todas as boas pessoas que precisam lhe encontrar. Tenha fé também no seu dia a dia, fora do Templo. No Templo não tem emprego ou dinheiro para emprestar, no Templo tem Trabalho Espiritual.

Se precisa encontrar um relacionamento tranquilo de amor, ou harmonizar o convívio que já existe, passe a ser mais afável. Fale de coisas boas, permita que pessoas boas sintam prazer em estar ao seu lado. Permita que as pessoas que lhe conhecem observem seu comportamento equilibrado, seu sorriso, sua esperança seu desejo de servir e vencer. No Templo não tem namoro ou fórmulas mágicas para atrair o amor, no Templo tem caridade espiritual. Quem pode atrair ou afastar pessoas boas, ou despertar o sorriso de quem ama, é somente você!

É hora de despertar! Sinto-me repetitivo ao escrever isso, mas ainda falta tanto e para tantos... Elevem seu padrão! Desperte a cada dia com mais vontade de viver e vencer. É preciso trazer para seu campo mental tudo o quê deseja com bondade, para que seja plasmado espiritualmente e por fim possa materializar no físico.

Todos os dias agradeça aos Mentores, mas agradeça também a si mesmo! Valorize suas qualidades e eleve seu padrão para que elas sejam notadas pelos outros.

É possível! Sim, eu perdi tudo, uma e outra vez... Mas estou aqui, e sou feliz!


Kazagrande

segunda-feira, 13 de julho de 2015

A Comunicação no Angical

O Angical é um trabalho da mais alta importância para o corpo mediúnico. Seria bom que pudéssemos participar de todos os Angicais do ano. Particularmente, quando perdia um Angical, por motivo de total força maior, ficava muito chateado.

O Angical é uma oportunidade única de conversar abertamente com uma vítima do passado. Uma das maiores provas que um Doutrinador ou um Dpará pode passar.

Inicialmente o Angical era restrito aos reajustes de nossa encarnação coletiva dentro da “Era dos 8”... Mas como o avinhamento do trabalho, e o crescente aumento de médiuns, muitos sem nenhuma ligação com esta passagem, espíritos de outras encarnações passaram a ter a oportunidade de encontrarem-se com seus devedores... conosco!

Passei dias procurando o quê escrever sobre este trabalho sem cair na mesmice das descrições de funcionamento, do ritual e da parte técnica, hoje, porém encontrei o que realmente nos falta.

Como comunicar-se com nossos cobradores!

Primeiramente o Preto Velho ou Preta Velha vai incorporar, dar sua mensagem e passar as primeiras informações sobre o espírito a ser recebido. Suas condições de revolta, de mágoa, sua atual situação... Nem sempre irá descrever a situação específica onde o desajuste ocorreu, pois demanda uma grande sintonia do Apará e uma segurança incontestável do Doutrinador, que normalmente está um pouco receoso sobre o quê vai acontecer.

Ao chegar nosso irmãozinho, damos as boas vindas, agradecemos a oportunidade, fazemos uma doutrina básica sobre o lugar, a missão desenvolvida e nossa atual condição, de espíritos encarnados em busca e a serviço da luz, que daquele momento em diante ele tem a oportunidade de falar. Não havendo uma comunicação imediata, deve-se voltar à doutrina, buscando sempre esclarecer que não somos mais as mesmas pessoas, que temos consciência que muito erramos no passado, e que hoje nossa missão é buscar reparar estes erros, mesmo sem saber exatamente quais são, devido a bênção do esquecimento pela reencarnação; estamos dispostos a encontrar uma forma de reajustar, de oferecer nosso trabalho como forma de auxiliar encontrar um mundo melhor do que aquele que por hora vive.

Normalmente esta segunda colocação, provoca o espírito a falar sobre suas atuais condições, e afirmar que você em parte, ou totalmente, é o culpado pela sua atual condição. Os relatos do irmãozinho têm duas finalidades: Primeiramente lhe fazer sentir culpado, arrojando sobre você a culpa de todas as desgraças pelas quais tenha passado; e segundo a bendita troca de energias. Ao permitir que o espírito fale, ele coloca para fora suas energias pesadas dando espaço a receber toda a emanação de luz e amor, presentes na grandeza do trabalho de Angical. Por isso, durante todo o tempo de conversação, a limpeza de aura não deve ser esquecida, pode ser feita com menos freqüência do que durante a doutrina propriamente dita, porem não pode ser deixada de lado.

Temos que ter a consciência de que nossa missão é encaminhar aquele espírito! Ele é o nosso paciente ali. Não importa o quanto de detalhes ele irá fornecer sobre nossa encarnação passada. Isso é o que menos conta, pois ele sempre dará a sua própria versão, e aproveitará a oportunidade para nos culpar de tudo, esquecendo suas próprias falhas, e o que ele possa ter feito para contribuir com sua atual situação.

O esclarecimento de que, ele pode sim, ir para um lugar melhor, é importante. Deixar claro que a oportunidade chegou, que pelas bênçãos de Deus este reencontro tem a finalidade de proporcionar-lhe uma passagem de reencontro com o perdão.

Não fique pedindo perdão, você não tem a consciência de seus atos passados, mas esclareça que todos temos os nossos erros, e nossos cobradores. Somente semeando o perdão é que podemos pedir perdão aos outros aos quais devemos. Assim, ele poderá compreender que, em algum momento, ele também se encontrará com seus próprios cobradores, e a atitude dele ao perdoar seus devedores também será levada em conta.

Não se trata de convencer o espírito a lhe perdoar. Isso seria uma atitude egoísta. Sua missão é encaminhá-lo é fazer ver que a atual condição dele não é boa, e o etérico não é seu lugar. Ele é um espírito que acima de qualquer coisa ainda tem em seu peito a centelha Crística que brilha, mesmo escondida pela capa de energia pesada que o envolve neste plano ao qual não pertence.

Aos poucos vá mostrando que você hoje é uma pessoa diferente. Que embora ainda assuma que tem muitas falhas, colocou-se a caminho de Deus. Que deseja sinceramente tornar-se uma pessoa melhor e sente que ele também merece esta oportunidade, de ir em busca de uma vida melhor.

Algumas vezes o espírito tem alguma hierarquia no plano em que vive. Esse é um ponto delicado. Pois seu temor de perder as conquistas que teve no etérico, adquiridas normalmente através de muita dor, pode fazer com que ele se recuse a seguir para a luz. Imagine que um general não ira aceitar tornar-se um mero soldado do “outro lado”.

Esta recusa, por parte do espírito, tem uma contra argumentação bastante efetiva: Fale de você! Mostre que sendo você a pessoa que o feriu, que o magoou, que era talvez bem pior do ele, conseguiu voltar-se para Deus. Obteve a oportunidade da reencarnação para esta bendita escola e hoje, ainda encarnado, sente que vale a pena ser um soldado da luz. Agora passo a passo vai conquistando sua hierarquia também na luz. E sem os dramas, dores, perseguições que se passam quando se está no etérico.

Fale que na Luz se pode confiar. Não existe o perigo eminente da traição. Daqueles que hoje ocupam um posto inferior e que esperam ansiosamente uma forma de derrubá-lo. Na Luz a fraternidade é real, a conquista é meritória e o amor é impulsiona a todos! Desperte neste irmão a vontade de viver de uma forma diferente. Sem a tensão do dia a dia que enfrenta.

Durante este tempo todo de conversação, permita ao irmãozinho ir falando, argumentando, nunca se revolte ou coloque qualquer sentimento negativo. Assuma os erros, independente de serem reais ou engrandecidos por ele. Sinceramente você não faria tudo de novo, porque acredita no caminho que agora trilha e lhe faz uma pessoa melhor. Continue limpando sua aura e tendo em mente seu objetivo principal de amar incondicionalmente aquele que lhe foi enviado!

Este amor, ao conversar, ao doutrinar, ao limpar a aura, ao falar com segurança é o ultimo a ser abordado. É a Chave de Ouro para encerrar o trabalho! Afinal, todos desejam ser amados. Encontrar seu grande amor perdido em alguma das estradas de nossas muitas vidas. Falar de deste amor, da necessidade de poder confiar, da paz!!! Sim, isto realmente comove o espírito. Pois são sentimentos que ele não desfruta e sente seu coração clamar por eles. Desperte nele a vontade de ir em busca deste tempo perdido! De voltar a amar! A confiar e redescobrir o sentimento de paz, de verdadeira paz que há tanto tempo não sente.

Explique que ele tem o livre arbítrio. Que não é obrigado a nada que não queira, desta forma ele deve dar a si mesmo a oportunidade, de ao menos ir conhecer o outro lado. Que se ele não gostar... Que volte para onde está! Mas que ao menos vá conhecer o quê deixou para trás.

Ao sentir a aceitação, ao sentir que despertou neste irmão sua vontade de reparar o tempo perdido, coloque toda sua emoção, todo seu amor e finalize a doutrina pedindo por ele! Deseje boa sorte, e que Deus Pai Todo Poderoso ainda permita um dia se abraçarem nos Planos Espirituais.

... Oh! Obatalá...

Muitas vezes, ainda no meio da conversação, nosso irmãozinho pode recusar-se a continuar ouvindo, e o Preto Velho voltar. O mentor responsável por este trabalho irá lhe auxiliar a como conduzir o restante da conversação, orientando e explicando o quê ainda falta ser dito, ou mesmo corrigindo algum relato feito na versão do irmãozinho. Isso para tranqüilizar e trazer a segurança na conclusão do trabalho.

Então trará de volta nosso irmão para a conclusão.

Também para o encerramento, a Entidade vem trazer sua bênção e recomendação final.

Meus irmãos. Queria descrever a parte técnina deste trabalho, mas achei que todos já devem ter lido e relido as Cartas de Tia Neiva sobre o Angical, já devem ter escutado muitas observações sobre como começar e encerrar, e também já decorado toda a ritualística. Logo me restava falar sobre a comunicação com nosso irmãozinho. Este é o verdadeiro objetivo! Vejam que nossas oportunidades para isso são poucas. Além do Angical, apenas excepcionalmente em alguns trabalhos de julgamento, e nos Tronos Milenares, é que podemos ter esta grandiosa oportunidade.

A restrição das comunicações com espíritos chamados sofredores, é justamente em virtude da necessidade de grande preparação para este evento. Somente 12 trabalhos por ano! Enquanto não se sentir devidamente preparado para doutrinar, ou receber um espírito, que poderá apresentar as mais diversas argumentações, e até mesmo desestruturá-lo com seus relatos, você pode continuar na Mesa do Angical. Lá passam os mesmos espíritos, só que já preparados pela espiritualidade, pelos seus mentores, para receber a doutrina daquela forma específica.

Para formar um par no Angical deve-se ter a consciência da responsabilidade que é esta comunicação. A oportunidade única de dialogar e colocar em prova toda sua experiência doutrinaria!

Um trabalho essencial para os que desejam evoluir dentro da doutrina, compreendendo as próprias falhas sem deixar baquear-se por elas.

Um fraterno abraço,

Kazagrande

domingo, 12 de julho de 2015

Ainda mais Trabalho!


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

As dificuldades desta faixa kármica, que está sendo atravessada coletivamente,  já apresentam seu lado positivo também: Sim! Na maioria dos Templos do Amanhecer, e mesmo no Templo Mãe, a movimentação para participação nos trabalhos foi intensa.

Em tantos anos de doutrina poucas vezes recordo uma unificação tão intensa de jaguares com um objetivo comum nos trabalhos: Trabalhar em prol da Doutrina!

Vamos agradecer ao Pai esta oportunidade, mesmo que tenha vindo de maneira tão dura, trouxe de volta um pensamento comum, que já estava sendo esquecido.

Milhares de espíritos foram elevados ontem! Correntes e forças negativas foram neutralizadas. O Jaguar superou o choque e a tristeza e transformou em trabalho espiritual!

Mas ainda falta!

Temos hoje, domingo, a mesma oportunidade de controlarmos a língua e trabalharmos ainda mais.

Temos a segunda-feira de Angical.

Temos uma longa semana de provocações e provações na manipulação das energias da Queda da Bastilha.

Mas sei que podemos! E que vale a pena passar esta faixa kármica trabalhando e sentindo a presença da Espiritualidade para nossas decisões futuras!

Um fraterno abraço,

Kazagrande

sábado, 11 de julho de 2015

A HORA DO TRABALHO


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!

Chegou o momento de pedir pela Doutrina do Amanhecer!

Ainda não compete comentar fatos, pois inevitavelmente em algum momento todos saberão meu posicionamento. Porém é imprescindível nesta hora buscar o esclarecimento da Espiritualidade.

Como sempre afirmei, somente quando elevamos nosso padrão vibracional é que se torna possível ouvir a Voz do Espírito e sentir a presença de nossos Mentores.

Hoje, pela manhã, chorei ao fazer minhas orações e pedi uma resposta, um sinal... E quase de imediato tudo pareceu mais claro!

Por este entendimento é que venho humildemente rogar que todos se unifiquem em favor da Doutrina do Amanhecer. Não em favor de A ou B. Independente de nossas convicções pessoais, de nossas escolhas, apenas unamos nossas vibrações em favor da Doutrina!

Para tanto, para ouvir a Voz de nosso Espírito, e sentir a presença de nossos Mentores, é preciso trabalhar espiritualmente. Vamos neste fim de semana nos dedicar apenas aos trabalhos! Estrelas Candentes, Mesas, Sublimação, Turigano, e tudo mais que faz parte deste enorme acervo deixado por nossa Mãe Clarividente. Ah... Emendemos com a segunda-feira do Angical!

Muitos estão prisioneiros... dediquem-se porque esta jornada, na semana da Bastilha, é coletiva!

Não falo para esquecer os fatos, tapar o sol com a peneira. Jamais! Mas apenas para buscarmos sentir a real sintonia do difícil momento atravessado e nos prepararmos para nossas decisões pessoais. Cada um é responsável pela sua própria jornada!

Não julguemos ou mascaremos nossos julgamentos com avaliações premeditadas ou influenciadas! Vamos ouvir a Voz de nosso espírito que planejou esta caminhada pelos planos físicos e sentir a missão que nos compete.

Tudo que passa ao nosso redor deve nos levar a uma profunda reflexão sobre nossos valores, sobre os valores da Doutrina. Participar e comandar pode ser fácil, mas buscar ser um exemplo ao assumir uma posição de liderança implica em cativar pelas atitudes, palavras e ações.

Não é preciso medo, a missão continuará a ser cumprida enquanto estivermos elevando e resgatando espíritos.

As decisões pessoais de cada um deverão partir pelo contato com a Espiritualidade, jamais pela revolta ou pelo impulso. Sinta o que seu espírito clama primeiro, e depois se posicione. Eu estou fazendo isso, por isso não escrevi durante esta semana, apenas republicando textos e acumulando e-mails.

Eu senti minha resposta, e desejo muito que cada um sinta a sua! Nada de angústias, ansiedades e principalmente nada de comentários que geram energias e correntes negativas. Vamos definir nossa caminhada na Individualidade de cada um! Vamos Trabalhar de verdade neste fim de semana e prol da Doutrina!

Todos erramos em maior, ou menor intensidade. Porém todos que assumem uma liderança são conscientes do que representa a vida pública e o tamanho da responsabilidade inerente ao papel livremente assumido.

Trabalhemos em favor da Doutrina do Amanhecer, com o coração livre e sintamos da Espiritualidade qual nosso papel nesta hora.


Kazagrande

sexta-feira, 10 de julho de 2015

A Bastilha


Aproxima-se o 14 de julho, data em que “comemora-se” a “Queda da Bastilha”. Tia nos relatava que tivemos uma forte participação em mais este momento decisivo da humanidade.

Realmente foi um marco indelével! Considerado o principal evento da Revolução Francesa de 1789, portanto há 226 anos atrás. Os nobres da corte real e o clero, intocáveis até então, viveram a partir daí, um longo e terrível pesadelo, pagando regiamente, até mesmo com suas vidas, suas centenas de privilégios e riquezas acumuladas nos séculos anteriores.

Os ideais de "Liberté, Egalité, Fraternité” (Liberdade, Igualdade e Fraternidade), tomaram as ruas e levaram a população servil, e quase que escravizada pelo regime feudal, a modificar, profunda e definitivamente, os conceitos da época, que aparentava não permitir a chegada de um raio de luz sequer para o futuro.

Muitos de nós, hoje encarnados como Missionários de Seta Branca, estivemos presentes... Dos dois lados! Como líderes de uma revolução, que embora munida de valores sensatos, transformou-se em um banho sangue; ou como os beneficiários de um sistema de opressão e injustiça.

Passados mais de dois séculos, hoje, como missionários, ao se aproximar esta data, ainda sentimos os efeitos da energia não manipulada, dos reajustes a serem equilibrados, dos irmãos que ferimos por não saber amar.

Tivemos a oportunidade de passar pelos planos espirituais, e mais do que isso: a oportunidade de uma nova encarnação, enquanto muitos ficaram enredados em suas tramas no etérico, e ainda clamam pela justiça contra aqueles que assassinaram seus sonhos.

No mundo, na política, na sociedade em geral e até mesmo na Doutrina, muitos ainda revivem este momento à beira de um novo colapso.

Condutores de povos, sejam por suas posições sociais privilegiadas, ou postos dentro de sistemas doutrinários (seitas, igrejas, religiões, maçonaria, nas presidências), salvo honrosas exceções, mostram graves limitações de caráter, de ética e de decência. Os valores do espírito, de amor, humildade e tolerância, são quase esquecidos, não fosse por uma consistente parte de jaguares que, em silêncio, mas com firmeza, insistem em pregar a união, tendo Pai Seta Branca e os ensinamentos de Tia Neiva como Norte. São estes Mestres e Ninfas, com sua fé, acima de tudo, e sua postura de honestidade e respeito, os verdadeiros guias de nosso tempo: silenciosos e humildes jaguares da última hora, rendidos apenas ao compromisso de trabalhar de acordo com sua Iniciação, seguindo seu juramento e compromissos.

Na verdade a maioria dos Jaguares hoje quer apenas poder trabalhar em prol da Humanidade, e estes conseguem equilibrar as energias nocivas que impregnam o etérico. Não fazem questão de aparecer, de mostrar quem são, apenas cumprem a jornada, sem se preocupar com classificações, elogios ou recompensas.

Temos consciência do quê a União representa e vivemos nesta vibração; praticamos a Doutrina pensando apenas em curar a dor do próximo e naturalmente se beneficiando com os frutos desta escolha.

Estes Jaguares de verdade tornam-se pessoas mais serenas. Por vezes vivem suas faixas cármicas mais pesadas, mas compreendem que se deve esperar o tempo certo, e sentem que a necessária mudança está se processando a pleno vapor.

São conscientes de que o tempo de revoltas e radicalismos já passou. Não são os líderes humanos, pois consideram a verdadeira liderança na idéia de um Jesus Caminheiro, pregando seus conceitos para o atual momento em que vivemos. A força e motivação em elevar a Bandeira Rósea do Astral, liberta corações e mentes do sistema antropomórfico. Traz a paz e a harmonia no lugar da angústia, da vaidade, do poder temporal e do sectarismo.

Não ficam totalmente livres de carma, pois resgatar é o quê trouxe todos de volta a este plano físico. Porém com a consciência desperta passam por esta vida com segurança de suas ações e controle de seus desejos. É praticamente impossível não perceber a Presença Divina em seu íntimo! Os conflitos existenciais então, apenas aparecem para provocar a necessidade de mudanças para iniciar um novo estágio existencial. Há de se reconhecer a força que nos convida a experimentar o novo, o desconhecido, o desafio que a espiritualidade representa, que nos exige mais e mais expansão de consciência, autoconhecimento e, sobretudo o abandono das velhas e conhecidas emoções negativas: o orgulho, a vaidade, a mágoa, o ódio, o rancor, a culpa...

"O sol nasceu às 4h08 daquela terça-feira, dia 14 de julho de 1789, e, apesar da luminosidade, a cidade anunciava um dia encoberto e frio naquele verão, no qual os termômetros marcavam 12 graus pouco antes do meio-dia."

Diferente do frio que envolvia a cidade, o ambiente dentro de seus muros acalorava-se, pois uma verdadeira tempestade formava-se para romper as estruturas do Reinado de França. A tensão já não era tão latente, estava presente no ar, nas casas e começa a tomar as ruas, mas seria o dia 14 o ápice do que se chamaria Revolução Francesa.

O Sistema Feudal, escorado nas largas costas de uma monarquia absolutista, caracterizava-se fundamentalmente pelo enriquecimento a custa da ralé, da força servil motriz, dos chamados “comuns”.

O clero e a nobreza eram intocáveis! Sequer recolhiam os pesados impostos, sendo sustentados pelos “comuns”. A riqueza dos reis de França era ostentada claramente em sua sede, o Palácio de Versalhes, construído por Luiz XIV, chamado de Rei Sol.

Como a despesa da monarquia e do clero era demasiada, o déficit estatal crescia desordenadamente, chegando na época da revolução a cerca de 5 bilhões de libras. Tendo a natureza dado sua parcela para forçar a mudança, um desastre na colheita anterior, e um sofrível inverno em dezembro, a falta de alimentos provocava rebeliões cada vez mais freqüentes. Os alimentos começavam a faltar na mesma proporção da consciente insatisfação.

Obviamente a vaidade e orgulho não permitiam que os governantes e o clero abrissem mão de seus privilégios. Em 5 de junho de 1789, o rei Luiz XVI convocou a Assembléia dos Estados Gerais, que deveria contar com membros de todas as camadas sociais (nobreza, clero e comuns).

O clero e a nobreza queriam que o voto fosse separado por Estado, e os “comuns”, o voto por cabeça, pois representavam 95% da população.

As pequenas revoltas populares, inicialmente por conta da escassez de alimentos, unificaram-se em 14 de julho de 1789, quando os "comuns" buscaram as armas para lutar. Artesãos, Médicos, Advogados, unidos ao povo em geral invadiram a Bastilha, um presídio político considerado símbolo máximo da monarquia absolutista, mataram os guardas, decapitaram o diretor, exibindo sua cabeça na ponta de uma lança em praça pública, e libertaram os presos.

Um banho de sangue característico das revoltas populares.

Após a Queda da Bastilha, a Assembléia Constituinte aprovou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, nos moldes da carta norte-americana, defendendo a liberdade de expressão e afirmando que todos podem falar, escrever e registrar livremente seus pensamentos.

Foi o início de uma nova etapa para a Humanidade, principalmente para o Velho Continente.

Kazagrande

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Ainda falta Amor!


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

É hora de deixamos de nos preocupar com o quintal do vizinho! Por que não praticar a caridade no dia a dia, libertando-nos do egoísmo e da inveja?

É hora de pensarmos em nossa evolução, de deixar de lado as picuinhas e servir aos nossos Mentores como MÉDIUNS!

Muitos irmãos e irmãs passam a vida se lamentando... Lamentam seus fracassos, suas dores, suas enfermidades... Lamentam a falta de dinheiro... Mas não se contentam em lamentar (claro! É impossível contentar-se com lamentações), necessitam olhar para o quintal alheio.

Não! Não devemos ter raiva, e nem nos enfurecermos com comentários maldosos, fofocas e maledicências. Precisamos dar a caridade a estas pessoas! Suas vibrações não poderão nos alcançar se nós não permitirmos!

Jamais devemos pensar em revidar a um mal-amado! Pois estas pessoas sofrem! Sofrem com seus próprios problemas e ainda choram pela amargura de suas invejas, ao ver o outro prosperar.

Lembremos que nossa proteção contra qualquer vibração está em nosso padrão vibratório. Se estivermos bem, nada nos atingirá! Se aprendermos a amar, principalmente aos que tentam nos atingir, estaremos evoluindo. Amar o bonito, às pessoas que lhe fazem bem, até os bandidos fazem! É preciso sublimar qualquer sentimento negativo contra aqueles que, na sua incompreensão, ainda se julgam nossos inimigos.

Não é preciso ter pena... Sentir dó... Não porque cada um de nós é fruto absoluto de seus pensamentos, palavras e ações. Semeamos livremente e obrigatoriamente colheremos.

Tento com este pequeno texto um despertar para romper os ciclos viciosos de vibrações negativas que envolvem a muitos de nós jaguares. Não podemos cobrar o esclarecimento nem mesmo de nossos irmãos, pois cada um tem seu tempo. Oremos em favor de seu despertar, nada mais.

Nossa visão deve ser espiritual, compreendendo, mesmo que não aceitemos; amando, mesmo sem ser amados. Nas palavras de Assis, nosso Grande Pai Seta Branca, encontraremos a resposta sobre como nos comportarmos perante a qualquer situação, rompendo, de nossa parte, qualquer emanação negativa e desfavorável contra qualquer ser.

Kazagrande

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

- São Francisco de Assis

Pérola para refletir neste fim de semana


Jaguar!

Parece que somos passageiros na eternidade, mas a verdade é que somos eternos dentro do temporário. Ou seja, somos o eterno no movimento da vida que segue.

Tudo passa! O que marca é a experiência adquirida.

As culpas e as mágoas também passam.

No rio da vida, as águas do tempo curam tudo, pois diluem no eterno as coisas passageiras.

As experiências vão, mas o aprendizado fica. A evolução é inevitável.

Aprenda que a dor é um aviso, o adversário um instrutor, o obstáculo uma lição, e o passado uma advertência.

Pai João
(gravado há muitos anos)

sábado, 27 de junho de 2015

TEXTO NOVO - Insubstituível


Em nossa missão ninguém é insubstituível! Claro que a Espiritualidade precisa de nós e na verdade investe e acredita em nós, porém, existem milhões de médiuns esperando o momento de iniciarem suas jornadas e muitos com muito mais evolução e condições para cumpri-la.

Nossos Mentores acreditam em nós: aceleram e aliviam nossos karmas, apresentam oportunidades para aqueles que permitem... Permitem? Sim! Somos nós que permitimos ser ajudados! Nosso padrão vibratório determina a frequência com a qual estamos sintonizados. Estando bem, vibrando positivamente, independente das condições da vida física, passamos a receber a emanação de nossos Mentores e consequentemente a cumprir o roteiro de nosso próprio espírito com mais naturalidade. Como todos chegam com possibilidades de serem felizes... Poderão ser felizes!

Do contrário, baixando nosso padrão, nos envolvendo em energias pesadas, não podemos ser “ajudados”. Por mais que seu Mentor queira e se esforce, você está em uma frequência diferente, e não pode captar suas vibrações, suas intuições. Com isso entra diretamente em sua faixa kármica e passa a viver seus reajustes com o peso do padrão que carrega.

Na Espiritualidade, além do Amor, impera a Razão! Nossos Mentores têm um “limite de atuação” que se chama “livre arbítrio do tutelado”. Ou seja: não vão interferir em nossas decisões, por mais erradas que sejam. Se não podem lhe intuir, devido sua frequência distante da Espiritualidade, não há maneiras de abrandarem nossas necessárias provas.

Pela Lei da Razão você fica a mercê de seu karma, e seu Mentor, entristecido, obriga-se a se afastar e recolher-se em oração para que você desperte novamente. Ele estará sempre ao seu dispor, quando seu padrão vibratório permitir...

Por isso de nada adiantam as preces repletas de desespero, pois no desespero não há fé! Por isso não adianta “cobrar dos céus uma resposta”, pois a resposta está dentro de você mesmo.

Ouvir a voz do espírito é seguir o caminho que naturalmente se apresenta. Nada de “forçar a barra”, ou ceder aos nossos impulsos. Saímos de nossa trajetória pelos nossos quereres, pela nossa pressa.

Quantas vezes abandonamos oportunidades que a vida oferece, porque acreditamos que “é muito pouco”, que “eu mereço mais”? Nas oportunidades mais simples é que as grandes vitórias se revelam! Na humildade requerida é que se prova ter condições de ter mais. Recordo minha própria experiência, quando estava em um momento da vida em que “seria impossível” ou demoraria muito tempo para recuperar tudo que já havia perdido; e na simplicidade, na humildade em aceitar o trabalho que a vida naturalmente me apresentava, o impossível aconteceu! Inexplicavelmente tudo mudou! No ano passado, tentei por diversas vezes “fazer contas” de tudo que havia feito no ano... Desisti! As contas nunca fechavam, mas realizei tudo que havia planejado.

Meus irmãos e irmãs, jamais pensem que podem chantagear a Espiritualidade, que se pode barganhar com um Mentor. Ninguém é insubstituível! Se você não tem fé, não consegue vibrar positivamente ou ainda acha que “muito importante” para a missão... Salve Deus! Logo outro estará em seu lugar e provavelmente muito mais agradecido que você, pois já chega com a compreensão do sofrimento que você ainda terá que passar.


Kazagrande

FANTASMAS DO PASSADO


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

Será que vale a pena prender-se ao passado? Sofrer por recordações ou pessoas que fizeram parte de nossa vida?

Para responder estas questões olhemos por um lado doutrinário primeiro: Por que tantos espíritos ficam presos no plano etérico? Por que temos tanto trabalho encaminhando a irmãozinhos que por vezes insistem em seguir sofrendo, ao invés de seguirem o caminho evolutivo, de irem em busca de suas verdadeiras jornadas?

A resposta é “APEGO”.

Tudo a que nos apegamos nos faz sofrer! Prender-se aos sentimentos do passado, aos bens perdidos, e até mesmo aos seres amados distantes, pode gerar uma séria obsessão traduzida pelo APEGO.

É o apego às tristezas, aos sentimentos de perda e vingança que resumem o acrisolamento no Etérico. Se não aprendermos, ainda na vida encarnada, a nos libertarmos de tudo que não nos faz bem, mesmo Iniciados em uma Doutrina Crística sem igual, como a Doutrina do Amanhecer, ainda estaremos sujeitos a ficar vagando em um plano paralelo, lamentando nossas decepções e procurando os seres e as coisas às quais alimentamos com apego.

Salve Deus! Tudo é energia! Magnetizamos nossos próprios pensamentos pela energia, criando ou destruindo. Se vibrarmos no presente, procurando viver cada momento, aproveitando as oportunidades, passamos a construir um futuro que cada vez mais apresentará novas oportunidades. Porém, se insistimos em vivenciar o passado, recordando as vitórias ou lamentando os infortúnios, não teremos o quê construir... é energia passada, já manipulada! Passamos então a viver algo mais imaterial que o futuro.

Falo assim porque o futuro se constrói a cada dia! Somos fruto e reflexo absolutos de nossos pensamentos, palavras e ações. O passado é “mais” imaterial porque não pode ser mudado.

Sentir saudade somente será bom se trouxer as lembranças de momentos felizes, mas viver destas lembranças não trará novas e construtivas energias. Os sentimentos positivos do passado jamais podem trazer a frustração pelo presente que esteja decadente.

É preciso renovar os sentimentos! Semear NO PRESENTE o que verdadeiramente desejamos, através de nossos pensamentos, palavras e ações!

Libertar-se ainda de toda frustração, esquecer os erros e preservar as lições apenas.

Perdoar!!! Perdoar a si mesmo e a qualquer pessoa, por qualquer situação vivida. Entenda: Já passou! Não tem como consertar! Siga adiante e deixe de lamentar, e trazer para o presente, dores e tristezas.

Sorria porque o passado passou. Houve tristezas ou alegrias... Restaram as lições e a inspiração.


Kazagrande

Como eu devo rezar?


Qual a melhor oração ou prece?

Muitos de nossos irmãos e irmãs encontram dificuldade para encontrar “a maneira correta de rezar”, de fazer suas orações.

Alguns se entregam aos modelos fixos, repetem nossas orações e mantras, outros se perdem em meio ao pensamento desordenado, entre seus desejos e necessidades.

Qual seria a “melhor prece”? Ou qual a maneira “correta de rezar”?

A oração é a linha de contato entre seu espírito e a Espiritualidade! Logo, o primeiro passo é buscar o contato com seu próprio espírito. É preciso “parar” um pouco, mediunizar-se e esquecer as mazelas do dia a dia. Entendo que a maioria acaba procurando a oração justamente quando está mais aflito, lembrando-se de rezar somente na hora da dor. Porém é importante entender que o contato com seu espírito está acima das dores da personalidade, e é justamente nesta compreensão que começamos a superar o quê nos aflige. Mediunize-se, sinta que você não é apenas esta personalidade transitória, que possui a experiência de tantas outras passagens pelo plano físico.

Para esta mediunização inicial as formas fixas de oração ajudam muito! Mas não reze como um robô, repetindo as palavras decoradas como uma gravação. Para ter o efeito desejado é preciso que viva cada frase da oração. Ore devagar... Sentindo cada frase, entendendo “com a alma” a profundidade que transformou aquelas palavras em um DDD para seu espírito.

Pronto! Você estará em sua Individualidade, em contato com seu espírito, que é uma partícula Divina! Possui a Centelha Crística que uniu seu terceiro plexo.

Agora é o momento de deixar fluir as palavras. Dirija sua oração diretamente a Deus, a Jesus, ao Pai Seta Branca, ou ao Mentor que considera mais próximo de você. Mas direcione seus pensamentos, não perca a concentração nestes breves momentos de contato direto. Não precisa escolher palavras difíceis, usar formalidades e perder com isso a pureza, a essência do sentimento que o une a Espiritualidade. Deixe fluir! Fale com naturalidade, obviamente com muito respeito, mas “sem forçar”, sem querer demonstrar algo que você não é de verdade.

Outro ponto importante: Não tente “manipular” seus Mentores! Fazer promessas como “se eu conseguir isso prometo que faço isso”, ou ameaças do tipo “se não der certo isso eu largo a Doutrina”... Simplesmente não funciona! Seus Mentores não estão preocupados com os desejos de sua personalidade, estão para velar por seu espírito e pelos compromissos assumidos antes de sua oportunidade de encarnar. Caso tenha seguido o primeiro passo deste pequeno texto (entrar em contato com o próprio espírito pela mediunização), isso nem passará pela sua cabeça.

Para terminar lembre sempre de agradecer. Lembre também que, se não entende o quê está passando em sua vida, o primeiro pedido é a compreensão, o entendimento. Nossos Mentores estão sempre dispostos para nos auxiliar, mas na maioria das vezes “nós não deixamos”! Mergulhamos em orações desesperadas e com o padrão baixo. É preciso fazer com que a oração eleve seu padrão, lhe coloque em contato com a Espiritualidade, para que assim, com o padrão elevado, possamos estar em condições de receber as intuições que podem nos trazer as esperadas soluções para qualquer problema. Como sempre: “Seu padrão vibratório é a sua sentença”.

Kazagrande