Kazagrande

.

EXÍLIO DO JAGUAR

TEMPLO ANAVO DO AMANHECER - COCHABAMBA - BOLÍVIA.

TIA NEIVA - VALE DO AMANHECER

SEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A SUA SENTENÇA!!!.

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - BOLÍVIA - 2009 - 2015.

sábado, 28 de maio de 2016

O Recomeço - 29/05/2016


Meus irmãos e minhas irmãs, Salve Deus!

Por fim estamos estabelecidos no Brasil. Um retorno difícil, cheios de pequenas complicações que somente pela tolerância, adquirida nos sete longos nas terras de Pai Seta Branca, foi possível superar.

É triste ver como muitos podem perder fé imersos em julgamentos! Estamos tão acostumados que acabamos por julgar a nós mesmos, e até aos Mentores, por conta de percalços que fazem parte da vida normal de qualquer ser encarnado.

É preciso acabarmos com a tendência de nos julgamos “tão especiais” que não teríamos lições a serem aprendidas à custa do teste de nosso caráter, ou contaríamos com uma bolha de proteção contra nossos reajustes e vítimas do passado.

Mesmo com a missão que assumimos em favor de servir à Luz, somos missionários kármicos! Não somos os seres iluminados que, ao aproveitar a possibilidade do trabalho espiritual, estaríamos livres de passar pelo necessário aprendizado que nos trouxe de volta à encarnação terrestre.

Nos momentos de dificuldade é que verificamos se realmente aprendemos algo! Se nossa paciência não é da boca para fora, ou se nossa fé “não é só pra bonito”. Afinal, sorrir para todos quando as coisas estão fáceis, qualquer um faz! Agora, seguir adiante, e com fé, nos momentos em que enfrentamos as dificuldades, é que demonstra os nossos verdadeiros sentimentos, que poderiam ser ocultados nos momentos de pretensa tranquilidade.

Somente na hora da dor é que revelamos quem somos! Por isso, por vezes ela é necessária, afinal, todos encarnados podem sentir dor, mas sofrer por ela é uma escolha.

Por vezes é preciso saber dimensionar o momento vivido e priorizar as áreas de maior necessidade. Vale lembrar que a dificuldade pode estar no físico (material e saúde), emocional (sentimentos e relações) ou mesmo dentro do fator espiritual. Devemos direcionar as energias, porém sem jamais esquecer qualquer um dos pratos da balança da triplicidade de nossos ser.

Aprendi a trabalhar ainda mais na dificuldade, embora procure me reservar e evitar expor qualquer opinião em momentos de tensão. Aprender a falar menos também é uma lição desta vida.

Escrevo este pequeno texto como uma reflexão interior e um sentimento de grande satisfação ao saber que venci mais uma! Agradeço de coração a toda vibração e carinho recebido! Tenho absoluta certeza e consciência de que vocês fazem minha jornada mais suave, e este compromisso me desperta para a responsabilidade a cada novo desafio.

Uma vez mais registro um pedido de perdão pela ausência, mas sei que já entendem o porquê da minha decisão: era hora de canalizar para o lado necessário e dedicar-me ao trabalho espiritual direto, pois considero e sei, que estes pequenos textos também fazem parte da missão assumida.


Um fraterno abraço, Kazagrande

domingo, 24 de abril de 2016

O RETORNO DO JAGUAR - Editorial 04/2016


Meus irmãos e irmãs, Salve Deus!


Uma vez mais venho pedir perdão pela ausência de participação e notícias. Infelizmente enfrentar as inúmeras questões materiais, que nos regem fisicamente, exige atenção desmedida. Este retorno de maneira definitiva ao Brasil não está sendo nada fácil.


Entendo a necessidade dos fechamentos e que tudo tem seu porquê, de maneira que jamais me revolto, mesmo face à maldade e incompreensão. Aprendi com nossa caminhada doutrinária que devemos observar com naturalidade as situações adversas e buscar os motivos materiais, emocionais e espirituais, que nos levam a enfrenta-las.


Não é porque somos missionários e porque “tentamos fazer tudo direitinho” que simplesmente nossos reajustes serão esquecidos. Existem lições a serem aprendidas e não cabe revolta face a oportunidades grandiosas de aprendizado e evolução. Revoltar-se significa envergonhar nossos Mentores e posteriormente ficarmos envergonhados ao compreender porque passamos tais situações.


Assim que resta cumprir “o restinho” da lição para poder seguir em frente com a certeza de mais uma etapa vencida nesta senda terrestre.


Esta semana possivelmente deva partir para o Brasil e fazer minha esposa retornar para receber pessoalmente sua documentação. Porém, se houver um pouco de boa vontade local, eu mesmo poderei levar tudo na próxima semana. Passaria meu aniversário (01/05) longe da família, mas satisfeito ao pensar em poder voltar com tudo cumprido e sem fazer minha esposa retornar uma vez mais.


É isso! Perdão novamente pela ausência e falta de notícias. Aprendi a ser aquele que sempre procura levar algo de bom e produtivo para todos, e me retirar nos momentos de viver minhas próprias mazelas. Sou um Jaguar comum, sempre repito, embora com todo sucesso que já possa ter obtido, também vivo as mesmas lições de vocês e enfrento as mesmas dificuldades quando são necessárias para a evolução.


Peço a vocês que lembrem deste futuro ex-exilado em suas orações e breve, muito breve, já estaremos juntos caminhando e compartilhando os aprendizados das últimas lições da vida.


Um fraterno abraço, Kazagrande

sábado, 26 de março de 2016

EDITORIAL - MARÇO DE 2016


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!


Peço perdão pela minha ausência na publicação de textos e respostas às mensagens e e-mails.


Nossa família passa mais um período de transição onde preparamos nosso retorno ao Brasil. Os entraves burocráticos da Bolívia são muito maiores que qualquer situação anteriormente vivida no Brasil. "Bom senso”, palavra de ordem em minha vida, é algo quase que inexistente para solução de problemas. Sentiria vergonha em relatar e explicar detalhadamente, por isso, peço apenas um pouco de paciência e breve estarei novamente em condições de seguir esta pequena jornada com o habitual comprometimento.


Entendo perfeitamente que muitos de nós passam por situações em que chegamos a nos questionar intimamente, porém, nem tudo é karma! Escapemos de qualquer fanatismo. As dificuldades são elementos de testes e evolução... Sempre!


A receptividade encontrada nas milhares de publicações e mensagens destes anos de trabalho somente existe porque falo das coisas que vivi. A compreensão das dores, enfrentadas por muitos que me escrevem, somente existe por eu mesmo as ter vivido antes! Então... Que mais uma vez possa ter a experiência na carne e logo poder falar (escrever) com a propriedade de quem superou sem perder a fé.


Um fraterno abraço, e obrigado mais uma vez, por todo carinho constantemente manifestado por vocês!



Kazagrande

domingo, 20 de março de 2016

A crise na Pátria do Evangelho


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!

Foram muitos pedidos para que me manifestasse doutrinariamente a respeito da situação atual que enfrenta nossa Pátria Mãe.

Não misturamos jamais Doutrina com Política! Isso será ponto pacífico neste texto. Tia Neiva nos ensinou claramente a não trazermos nossas tendências ideológicas para dentro do Templo, pois inevitavelmente estaríamos fechando as portas para algum grupo... Nossa Doutrina deve ser isenta e manter as portas abertas todos que necessitem de auxílio, independente de suas crenças políticas ou ideologias.

Aprendemos também que, em nossos trabalhos, principalmente em nossas Contagens (força maior da maioria dos Templos do Amanhecer) devemos incluir em nossas orações os nossos governantes. Devemos entender que, independente de nosso posicionamento “fora do templo”, temos a obrigação de pedir por eles, para que acertem mais, para que beneficiem a todo o povo deste país.

Desta maneira entendam que “doutrinariamente” sempre estarei a favor de orarmos por nossos dirigentes e governantes.

Como cidadão brasileiro politizado, tenho um posicionamento que não me compete revelar em um texto doutrinário. Observo as multidões na rua manifestando suas crenças, ideologias ou permitindo serem manipuladas. Não me unirei ao clamor das ruas, mas jamais observarei passivamente! Sou Jaguar! Minha missão é despertar um clamor diferente: O CLAMOR DA CONSCIÊNCIA DO HOMEM ESPIRITUALIZADO!

Seria o momento de unirmos nossas forças! Movimentar em um único dia específico todas as Estrelas em caráter especial, somando forças, unificando em um Grande Trabalho de Contagem todos os Templos, em um mesmo horário, em sintonia com aqueles que podem chegar a estas Estrelas!

Seria o momento de entendermos o poder que foi depositado em nossas mãos e pararmos sermos crianças brincando com uma bomba atômica!

Seria o momento da Espiritualidade poder contar conosco vibrando unificados em favor de nosso país, da Pátria do Evangelho!!!

Seria o momento de cada Adjunto Koatay 108 honrar o Manto Sagrado do cabedal de forças que lhe foi confiado!

Ilusão? Utopia? Alienamento? Chamem como quiser!!! EU sei que é possível, ou que seria possível movimentar o maior poder Espiritual deste planeta contribuindo com os esforços de nossos Mentores, que, incansavelmente se dedicam a evitar que enfrentamento entre as massas das ruas se transformem em uma liberação energética negativa que alimentará, ainda mais, o poder dos Falcões que manipulam nossos pretensos líderes políticos.

Vejo atitudes de valor, alguns adjuntos corajosos que convocam estrelas especiais, como vozes solitárias gritando em um deserto habitado por tantas mentes ainda adormecidas. Estes homens de valor tentam fazer sua parte!

Se houvesse união não seriam gritos solitários! Nosso povo, em sua absoluta maioria, espera a atitude de uma liderança verdadeira que conclame a unificação!!!

Se a convocação não fosse para uma Estrela Especial, mas sim para um momento mágico de amor e compromisso missionário onde todos, em sintonia, fossem chamados para um mesmo dia de trabalhos em favor de nosso país, todos, livres das amarras jurídicas das ordens físicas, trabalhassem em qualquer templo, em qualquer Estrela, apenas com o desejo único de servir à Espiritualidade... SE... Mudaríamos o destino de nosso país... Silenciosamente, sem tomar nenhum partido!

Deixo aqui meus respeitos aos que clamam no deserto, e manterei sempre a esperança de que, um dia, uma liderança maior desperte as consciências para tudo que temos nas mãos. Sei que todos nós esperamos por isso... Mas até lá, que cada um some-se a estes que clamam e não permitam que as poucas vozes solitárias se calem.

Kazagrande

17/03/2016 

quinta-feira, 17 de março de 2016

Opiniões Diferentes


Mesmo estando unidos sob a égide de uma mesma Doutrina com os princípios fundamentados em Amor, Humildade e Tolerância, sempre aparecerão pontos de discordância em relação a interpretações e pontos de vista.

Temos personalidades próprias e, como todos deve saber, ainda em constante evolução. É muito difícil formar uma mesma ótica sob todos os aspectos, mesmo que exclusivamente doutrinários.

Nesta convicção de Individualidades distintas e personalidades ainda mais, vemos o quanto é bela a Sabedoria Divina que nos permite interagir e sempre ter o quê aprender com cada um que passa a fazer parte de nosso convívio.

Mantendo esta linha de raciocínio fica patente que mesmo fazendo parte de uma “tribo”, ou seja, de um grupo de espíritos afins, e mesmo que este grupo seja Crístico, regido pelos três conceitos supracitados, sempre poderá haver discordâncias em relação as diversas observações sobre temas doutrinários - comparações, idéias, interpretações e pensamentos.

Na família, no trabalho material, em todos os aspectos de nossa vida é assim, e não é exclusividade de nossa Doutrina, basta observar qualquer religião e suas diversas correntes internas ou mesmo dissidências formadas.

Nossa Doutrina não é, em absoluto, dogmática! É dinâmica e sempre está evoluindo. Creio por isso a insistência do Trino Tumuchy em sempre negar que a Doutrina do Amanhecer fosse uma religião. Dizia ser uma ciência espiritual. Somos cientistas e médicos do espírito! E como cientistas e médicos, não podemos ficar estagnados. Estamos sempre aprendendo, reciclando, reavaliando pontos de vista e evoluindo nosso nível de aculturamento e conhecimento efetivo.

Todo o acervo deixado pela Clarividente está disponível para quem deseje se aprofundar e evoluir a nível de conhecimento. Ao mesmo tempo as simples técnicas aprendidas durante o Desenvolvimento podem nos manter no trabalho, semeando o bem e praticando a caridade, mesmo que nunca cheguemos a ler uma única carta de Tia Neiva.

Este é um ponto de grande diferenciação de nossa Doutrina perante outras correntes espíritas ou espiritualistas. Nas outras o estudo é exigido para permitir o avanço e compreensão. No Vale do amanhecer é opcional. Do mais simples trabalhador braçal ao mais culto catedrático, todos terão as mesmas possibilidades de crescer dentro da Doutrina e pelo merecimento dos trabalhos realizados.

Permanece o conhecimento disponível... Para quem queira, para quem necessite de “mais” para poder seguir em frente.

Já ouvi a infeliz frase de que “quem tem o conhecimento tem o poder”... Por isso muitos líderes envolvem-se com terríveis energias, colocando a perder a oportunidade que possuem, ao querer serem “poderosos”.

O conhecimento está para ser difundido, explicado, ampliado! Não importa se toda a platéia é capaz de compreender, e normalmente a maioria não é! Mas nem por isso deve ser guardado a sete chaves e imposto como uma prerrogativa “dos especiais”.

Mais do que isso... Quem é que é dono da verdade?  Quem tem suas interpretações isentas de erros?

Cada Individualidade tem com que contribuir e precisa ser despertada para que o conhecimento não se restrinja às cartas deixadas, seja acrescentado pela herança transcendental de cada um que agrega mais um valor, mais uma informação, mais uma ótica dentro do momento atual.

As divergências que falei no início, quando observadas dentro do equilíbrio espiritual, são fatores de esclarecimento e evolução.

Ao mesmo passo, quando colocadas como fator de ruptura, ou de desunião, tornam-se inúteis disputas sem fundamentos na infantilidade da alma.

Nossas bases doutrinárias devem ser preservadas. Isso é inquestionável!!! Mas que esta preservação não seja manchada pelos orgulhosos e “sabetudos” colecionadores de acervo que decoram palavras e não absorvem o real conteúdo. Arrogando-se de donos da verdade, maculando com palavras ferinas, cuidadosamente e ironicamente direcionadas aos antagonistas, sem qualquer amor em suas apresentações.

Cada um de nós é senhor do próprio destino e livre para expressar-se. O livre-arbítrio nos encaminha ou nos condena, dentro de nossas próprias decisões. Nossa opinião sempre pode ser manifestada, mas sempre deverá ser encarada como “nossa opinião”, jamais como verdade absoluta!

Ninguém é dono da verdade ou “senhor do Acervo”! Sempre haverá o quê aprender. Ninguém é tão pobre que nada tenha a oferecer e nem tão rico que nada tenha a receber.

Kazagrande

A Intuição


Quando nos preparamos para reencarnar existe todo um planejamento. Em conjunto com nosso Mentor avaliamos nossos possíveis encontros e reencontros, nossas possibilidades materiais, nossas capacidades intelectuais, nossa futura família... Ou seja: traçamos nosso “melhor destino”. É como se nos preparássemos para uma viagem e verificássemos quais os pontos a ser visitados e que cabem em nosso orçamento.

Ao encarnarmos nossa personalidade não possui tais lembranças. Chega ao mundo físico sem o roteiro desta viagem, mas conta com um “guia turístico” (nosso Mentor) e com o “mapa guardado no bolso” (a Intuição).

Sempre que estamos em momentos decisivos de nossa vida “sentimos” que devemos tomar determinadas ações, dizer certas coisas, nos aproximar ou afastar de determinadas pessoas. Sentimos por vezes acima da razão apresentada pelos fatos concretos. Sentimos um “caminho natural” que se apresenta, mas que nem sempre é o quê queremos seguir naquele momento. Esse “sentir” é a voz do seu espírito que está “olhando o mapa”.

Em nossa vida nós sofremos pelos nossos “quereres”. Sofremos por não seguir o caminho que naturalmente se apresenta em nossas jornadas. Pois quando traçamos o planejamento de nossa encarnação, sempre é incluído um tópico: felicidade! Podemos cumprir nossas metas kármicas, realizar nossos reajustes e ainda sermos felizes! Ninguém vem a este plano somente para sofrer e ser infeliz, nem o mais endividado dos espíritos.

Encarnados, nos rendemos às facilidades, aos desejos e aos devaneios, demonstrando claramente a fragilidade de nossas propostas virtuosas quando esperando a oportunidade da reencarnação.

Meus irmãos e irmãs, Salve Deus! Nossa vida não precisa ser complicada. Basta seguir o caminho que naturalmente se apresenta e nossa intuição somente irá confirmar o quê estamos fazendo. Nossos “quereres” complicam tudo! Somos muito mais que esta personalidade transitória. Temos um espírito dotado da experiência de muitas vidas!

Sempre que chegam os momentos decisivos, nossa intuição se apresenta. Aprenda a respeitar sua intuição. Aprenda a escutar primeiramente a voz do seu espírito. Recorde as técnicas de mediunização, e não se assombre se sua intuição “lhe disser” algo muito diferente do que você gostaria de fazer. Para ter a segurança necessária e realizar as mudanças que você já sabe serem necessárias, faça uma oração! Invoque seus Mentores e sentindo a Luz presente consulte novamente sua intuição. Ela não irá lhe enganar, pois é a voz de seu próprio espírito. E fique de olhos nos “sinais”.


Kazagrande

Não me deixam trabalhar...



Seguir o Caminho Natural é sempre o correto! Quando nos preparamos par enfrentar esta jornada física, nos reunimos com nossos Mentores e escolhemos nossas provas, encontros e desencontros. E apesar de existirem cobranças e necessários reajustes, acredite: ninguém, NINGUÉM, está fadado a ser infeliz nesta vida. Chegamos com tudo nas mãos para seguir bem e cumprir nosso papel no teatro da vida, provando que faremos na prática o quê dissemos ter entendido “lá em cima”.
Triste é nossa personalidade cheia de quereres... Queremos isso, queremos aquilo... Muitas vezes repletos de boas intenções, mas colocamos o nosso querer acima do planejamento espiritual e o choque energético se torna inevitável. As coisas dão errado e nossos Mentores fazem o possível para nos proteger de nós mesmos!
O quê eu preciso fazer para poder cumprir minha missão? Trabalhar! Ah... Então vou fazer!
Não lhe deixam cumprir sua missão??? Tudo bem!!!
Quem o impediu passa a ser responsável por todos os espíritos que iam ser encaminhados por você! Não importa se ia dar conta ou não, a responsabilidade passa a ser de quem proibiu o médium de trabalhar! É muito sério! Na Espiritualidade não tem meio termo, é razão!
Não há porque se revoltar, entrar no padrão dos que ainda vivem a insensatez da velha estrada. Somos conscientes, somos diferentes! Nossa “luta” é na Luz, na oração pelos menos esclarecidos e semeando oque possa realmente ser bom e produtivo para todos nossos irmãos. Enquanto nos deixam trabalhar, assim devemos cumprir! Se nos impedem? Salve Deus! A estrada é longa e não podemos ficar parados na porta. Sigamos nosso caminho e continuamos e distribuir nossas sementes.
Kazagrande

quinta-feira, 10 de março de 2016

TEXTO NOVO - O segredo do Exilado – Parte I


Quando decidimos vir para a Bolívia eu estava com minha vida estabilizada no Brasil. Havia superado uma difícil fase financeira e já estava totalmente estruturado materialmente. Morava em uma boa casa, tinha um excelente emprego e, apesar das dificuldades geradas pelo poder que tinha nas mãos, a vida seguia bem. Tão bem que decidimos que chegava a hora de retribuir um pouco do muito que minha esposa já havia me apoiado. Seu sonho era estudar Medicina!

Pesquisamos, fizemos contas e em uma das palestras que realizava pelo interior do Brasil, encontrei um jovem que estudava Medicina aqui na Bolívia. Tudo aconteceu de forma tão natural e prática que não hesitamos: ela partiu para cá com o planejamento de no segundo semestre enviar minha filha mais velha e depois de um ano, já com tudo devidamente organizado, eu viria com minha filha mais nova.

Ao chegar aqui tudo mudou... Ela não conseguia resolver coisas simples, as pessoas que a receberam passavam por um grave quadro espiritual e para completar, a documentação para legalizar-se no país era muito burocrática e as informações desencontradas e imprecisas.

Após dois meses a ouvindo chorar no telefone, querendo já desistir e se arrependendo, eu tomei a decisão de largar tudo e vir imediatamente para cá! Eu tinha que apoiar verdadeiramente quem sempre esteve ao meu lado em tantas dificuldades vividas.

Cheguei aqui com a herança de guerreiro ativada no sangue! Mas... nada adiantou. Fui perdendo tudo, embaraçado na desorganização pública, corrupção e falta de informação e outros males que assolavam principalmente os brasileiros aqui.

No meio do maior turbilhão de minha vida nasceu o Exílio do Jaguar. Única forma de manter-me ligado à fé que me sustentava. Não tinha apoio real de ninguém. Nem de irmãos de Doutrina e nem mesmo conseguia chegar ao distante Templo de Santa Cruz.

Morávamos em uma quitinete de fundos, andava quilômetros a pé em busca de pequenos serviços para sustentar a família... Fiz instalações elétricas, consertei computadores, dei aulas de matemática, e até a fossa de nosso pequeno condomínio eu limpei para poder ajudar a descontar no aluguel.

Não havia mais nem sombra do poderoso diretor de TV em que havia me transformado antes. Era a missão no Exílio do Jaguar que me sustentava. Era a energia de vocês, que me escreviam contando seus problemas, suas dificuldades, suas dúvidas, que não me permitia chorar. Eu via que muitos de meus irmãos passavam por suas dores e que confiavam em minha palavra amiga, em meu abraço fraterno, em minhas orações... e sequer suspeitavam que do outro lado estava alguém vivendo as mesmas dores humanas.

No dia em que gastei minha última moeda, em que pensava em quanto poderia vender a pequena tv de 14” que tínhamos, para comer no dia seguinte, senti claramente “alguém” dizendo: “e agora? Não vai se revoltar? Chutar o pau da barraca? Cadê sua Doutrina, seus Mentores, seus irmãos?”  e outras coisas impublicáveis. Com estes pensamentos invadindo minha mente de maneira quase indominável, eu cheguei em casa e liguei o computador. Mergulhei naquele que era meu mundo, respondendo a vocês e escrevendo textos doutrinários para toda a semana. Senti claramente a presença de Pai João que projetava em minha mente “filho, nada irá lhe faltar, venceste a ti mesmo e agora poderá seguir adiante”.

A noite recebi uma chamada que um dinheiro absolutamente inesperado estava a minha espera...

(continua amanhã) – Como mudei minha vida. O segredo do Exilado e mais detalhes de como é possível mudar por completo, mesmo frente as mais terríveis adversidades.

* Na foto nossa primeira Turma de Centúria (Templo Anavo do Amanhecer de Cochabamba - Bolívia)


Kazagrande

TEXTO NOVO - O segredo do Exilado – Parte II


A chamada telefônica era de um amigo, aliás, do único verdadeiro amigo que havia encontrado e que se esforçava em retirar de mim qualquer resíduo das mágoas do passado.

- Kazagrande, lembra daquele senhor que lhe apresentei para fazer um site, há uns dois meses? Pois é, ele passou aqui em casa agora à noite e deixou um dinheiro para você.

Eu nunca mais havia tido qualquer contato com aquele senhor. Sequer havia um projeto definido! Do nada ele apareceu e deixou um dinheiro adiantado. Acreditem, se no Brasil isso já é muito difícil, aqui na Bolívia é impossível... Mas, nada é impossível para Espiritualidade!

Deste dia em diante, do dia que gastei minha última moeda, nunca mais me preocupei com dinheiro!

Hoje lembro com um sorriso no canto da boca dos dias em que percorria quilômetros a pé em busca de comprar um bilhete de loteria, pois considerava que o único jeito de recuperar o quê havia tido seria ganhando na loteria.

Certa vez, voltando com o bilhete da esperança nas mãos, já sonhando em como iria gastar o dinheiro, senti a presença de Pai João: “meu filho, vai ser com trabalho”.

“Pronto! Tô lascado!” Eu fazia as contas e pensava: “bem, se eu arrumar um bom emprego (não havia nenhuma possibilidade em vista), gastar só necessário e comer mal, em uns três anos vou poder comprar um carro velho...

Menos de um ano depois daquele dia, eu tinha uma caminhonete seminova, morava em um bom bairro, as meninas em boas escolas e ainda já havia lançado o livro “O Centurião”, com recursos próprios e doando toda a edição impressa, bem como todos os direitos autorais, a nossa Doutrina.

Meus irmãos é irmãs, quando falo que tudo é possível, eu não falo da boca para fora! Eu vivi, eu sou a prova viva que a Espiritualidade presente em nossas vidas pode mudar nossos destinos! É preciso aprender pequenas lições, sim é preciso entender o porquê das coisas. Tia Neiva já nos ensinava este segredo, que irei revelar a vocês, desde o princípio de sua jornada “seu padrão vibratório é a sua sentença”. Ou vocês acham que foi fácil uma viúva com quatro filhos, sem apoio de ninguém físico, vendo espíritos o tempo todo (e de todo tipo), formar toda a herança que ela nos deixou?

Nos momentos de maior desespero foi que compreendi a essência de nossa Doutrina. Quando me perguntam quanto tempo tenho de Doutrina, eu não tenho orgulho em contar os anos, prefiro sinceramente dizer que tenho apenas quatro anos, porque fazem apenas quatro anos que compreendi verdadeiramente o quê Tia tanto insistia em suas cartas.

Nosso padrão vibratório é a nossa sentença! Temos que nos equilibrar para poder equilibrar o mundo! Nossa missão verdadeira tem uma dimensão muito maior do que podemos imaginar. Nossa vida não é apenas para passar o tempo. Se viemos como médiuns é porque temos energia para ser doada em prol da humanidade.

Mas Mestre, como começar a mudar? Como reverter os problemas que enfrento? Qual é este “segredo”? Qual a fórmula mágica?

Meus irmãos e irmãs, terminarei este relato e com todo carinho contarei o quê fiz, na prática, para que tudo mudasse.
Continua amanhã...


Kazagrande

TEXTO NOVO – PARTE 3 - O segredo do Exilado


Nada é por acaso!

Meus irmãos e irmãs, quando enfrentarmos situações difíceis é porque existe uma lição a ser aprendida. Entendo perfeitamente o quanto é complicado aceitar esta máxima quando estamos no meio da tempestade. Principalmente porque a maioria dos “conselheiros de plantão”, que chegam cheios de boas intenções e soluções mirabolantes sem saber completamente nossa realidade, jamais viveram problemas como os nossos.

Mas hoje que lhes fala é um irmão exilado, que viveu todas as intempéries do próprio orgulho, que sofreu a dor moral das perdas, que caiu “lá de cima” e foi ao fundo do poço. Alguém que gastou o último centavo no momento que estava mais só, com uma família para sustentar em um país estranho, de costumes diferentes e com um idioma que você compreende, mas os nativos não lhe compreendem...

Venho afirmar que nada é por acaso! Que a lição existe e precisa ser aprendida, que somente quando despimos nossas máscaras de orgulho e vaidade é que podemos serenamente contemplar a verdade. Não podemos nos esconder em justificativas, em nos colocarmos como vítimas (principalmente com o conhecimento espiritual que detemos)... Precisamos buscar a voz de nosso espírito para compreender onde nos desviamos do caminho previamente traçado. Onde nossos “quereres” da personalidade se sobrepuseram aos objetivos programados por nossa Individualidade.

É preciso parar de sofrer! É preciso refletir com clareza, assumir os erros e seguir adiante! Sim, seguir adiante, pois o passado já não pode ser mudado, porém jamais será tarde para construir um novo futuro.

Depois de quinze anos sem férias, no final do ano passado e início deste ano, eu saí com a família pelo Brasil. Acabava de receber a missão de iniciar nossa Doutrina em Cochabamba e resolvi que deveria também ver a realidade de mais templos. Foram 45 dias pelas estradas, mais de 15.000 Km no volante.

Energizado pelos trabalhos que tive a oportunidade de participar e finalmente “descansado”, após nosso regresso fui conhecer a cidade a mim designada. Em seguida conheci alguns jaguares locais e pedi que me auxiliassem a encontrar um local para o Templo, pois na semana seguinte queria que iniciassem os trabalhos. Ninguém acreditou! Ninguém se mexeu... Pela dificuldade de encontrar um lugar, pela espera de mais de 10 anos para que a Doutrina pudesse voltar para cá (há 10 anos iniciaram um templo que durou apenas 2 meses).

Quando cheguei na outra semana: nada! Então disse “amanhã temos que ter trabalho, precisamos do lugar hoje!”. Olhei para o retrato de Tiãozinho na carteira e falei:

- Tião (nossa relação é assim, íntima...rsrss) eu disse que amanhã ia ter trabalho e agora não posso ficar na roubada. Se esta missão é minha mesmo, me ajuda aí camarada!

Saí acompanhado de uma senhora que nem era da Doutrina e ao meio-dia em ponto assinamos o contrato de aluguel de um local perfeito para iniciar a missão. Esta história eu contei aqui (http://exiliodojaguar.blogspot.com/2013/02/espiritualidade-sempre-presente.html ).

Cinco meses depois já temos nossos primeiros Centuriões formados e emitindo. Formei meu Padrinho e minha Madrinha, e esta semana já colocamos a Mesa e os Tronos funcionando AO MESMO TEMPO!!! Isso com 25 pacientes na fila de espera! Aprendi que a avaliação de um Templo é pela chegada dos pacientes. Se tiver energia, os pacientes chegam!

Em outra ocasião irei contar detalhadamente a história de nosso pequeno templo, hoje acrescento este relato para que compreendam que não falo apenas do lado material. Que a vitória obtida pelo “segredo do exilado” estende-se pelo espiritual e emocional também!

Finalmente virá a quarta parte desta história, dedicada somente a parte prática e acessível a todos nossos irmãos e irmãs! Na sexta-feira 30/08/2013, estarei publicando.

Um fraterno abraço,


Kazagrande

Última Parte – O Segredo do Exilado


“Seu padrão vibratório é a sua sentença”. Tia Neiva

Meus irmãos e irmãs, Salve Deus!

Nós somos o reflexo absoluto de nossas ações, de nossas palavras e de nossos pensamentos. É impossível trazer coisas boas para nossas vidas enquanto ainda nos mantivermos atrelados à negatividade.

Sei que nos policiamos muito a respeito de nossas ações. Procuramos ao máximo evitar praticar o mal, pois entendemos as consequências. Porém precisamos ir mais além!

Precisamos parar de “falar mal”. Quando falamos, emitimos energia com grande intensidade! Imaginem... Usamos a voz para desprender a energia que limpa a aura do sofredor com a doutrina que emitimos, esclarecendo e emanando aquele espírito. Agora, se falamos mal das pessoas, vivemos reclamando, falando mal de tudo, do governo ao seu irmão de uniforme... Que tipo energia estaremos emitindo? Que tipo de vibração estaremos atraindo? Será que esta energia será também aproveitada pelos nossos Mentores? Ou será que ela irá atrair obsessores?

Precisamos parar de pensar coisas negativas! Parar de ficar lembrando coisas que não nos fazem bem e que não podemos fazer nada para mudar. Não basta apenas não fazer o mal... Não basta apenas não falar do mal... É preciso também deixar de pensar no mal!

Resumindo esta primeira parte: DEIXE DE SER NEGATIVO! Pare de atrair cosias negativas para sua vida! Pare de pensar nos problemas e pense em soluções, visualize as coisas resolvidas. Não pense no que faz falta, visualize o quê realmente deseja para sua vida, sem colocar condições, sem exigir que seja da maneira que você quer. Apenas tenha foco, tenha em mente o quê precisa, ou melhor, o quê deseja, e não fique imaginando como vai adquirir! Isso não lhe compete. Sua parte é saber realmente o quê quer e vibrar nesta frequência!

Seus Mentores só podem lhe ajudar quando você permite! Quando seu padrão vibratório permite. Que tipo de intuição ou auxílio você acha que pode receber no momento em que está somente pensando e falando de coisas negativas?

Vamos à PARTE Prática:

Pela manhã, antes mesmo de levantar, mentalize seu dia com as coisas boas. Não pense nos problemas, pense em tudo já resolvido. Não pense de forma vai resolver, apenas pense que estará resolvido. Não condicione nada!

Antes de sair de casa faça suas orações! Não tem uma forma fixa para isso, apenas deixe que seus pensamentos cheguem até as coisas boas e produtivas e vibre com elas em conjunto com seus Mentores. Se sentir a intuição faça sua emissão, eleve seu pensamento e seu padrão, antes de encarar a jornada física diária.

Recorde de seus três horários! Nestes horários, jaguares de todos os lugares, em todos os planos e tempos, estarão vibrando em conjunto, unindo-se à Corrente Indiana do Espaço e formando uma poderosa egrégora de Luz. Desfrute deste momento! Não importa se forem 15 minutos antes ou depois. Mas una-se a esta energia, sinta a intensidade do amor de tantos iniciados vibrando em conjunto!

Lembre que sua vida é equilíbrio tríplice! Trate bem sua família e amigos, eles são parte de sua alma. Trate bem suas coisas materiais, sem apego a nada, porém com respeito pela vitória que cada uma delas significa. Trate bem suas Entidades, pois representam seu lado espiritual.

Sorria para as pessoas, quebre as indisposições com seu sorriso! Lembre-se de dar ênfase a cada “bom dia” que desejar. Agradeça sempre, não tenha vergonha de errar e pedir perdão. Sinta que você pode, que é forte, que está bem assistido. Estas pequenas atitudes de cortesia, de educação e de alegria, fazem uma diferença incrível! Pois geram boas vibrações em seu favor!

Também é importante entender que ninguém precisa da ajuda do “coitadinho”. Todos querem pessoas que possam ajudar, que possa valer a pena estar ao lado! Abandone a “síndrome de vítima” e esqueça a sintonia do “injustiçado”. Nada acontece por acaso, tudo tem um porquê e uma explicação. Existe uma lição a ser aprendida, um orgulho a ser quebrado, uma vaidade a ser superada!

Com seu padrão elevado poderá atrair pessoas e oportunidades para sua vida! Com seu padrão elevado poderá mudar sua vida!

Não falo da boca para fora! Eu sou aquele que fui ao fundo do poço pelos meus próprios erros e resgatei-me, ou mereci o resgate ao compreender: “Seu padrão vibratório é a sua sentença”. Tia Neiva


Kazagrande

sexta-feira, 4 de março de 2016

Por que a falta de controle?


(respondendo aos comentários atrasados)

Realmente, a “vontade de bater, xingar e às vezes até voar no pescoço do doutrinador ou do paciente” é quase incontrolável!

Porém, devemos ter em conta que ela só será externada se encontrar, no próprio aparelho, sentimento semelhante, para criar uma simbiose mental e traduzir em impulso físico ou verbal.

Deixar o irmãozinho liberar esta energia, não vai ajudar em nada o Doutrinador, que também possui seus sentimentos próprios e receios naturais, que podem em conjunto mesclarem-se com a energia liberada, colocando a perder todo o trabalho, dando mais força ainda ao sofredor.

A responsabilidade do Doutrinador é de emanar a aura do médium e do irmãozinho, com sua energia mediúnica vibrante e na tônica do amor.

Claro que não podemos criticar quem ainda não compreende, ou não recebeu a orientação necessária sobre como se conduzir nestes momentos delicados. O Apará não pode se render aos sentimentos do irmãozinho, justamente ao contrário! Tem que vibrar para que ele compreenda aquelas palavras e mentalizar (visualizar) a sua Elevação.

Vejo que normalmente os médiuns que mesclam suas energias com a do sofredor, dando vazão aos sentimentos que lhe invadem, são justamente os que saem “passando mal” e com vibrações de todo tipo. Ao passo que os que se controlam e possuem uma incorporação perfeita, saem tranqüilos e com a sensação da missão verdadeiramente cumprida.

Também conheço médiuns de todos os tipos, veteranos e “graduados” com os mais diversos comportamentos. Tia nos ensinava que o médium mais sujeito a mistificação é justamente o mais antigo e de maior classificação.

Não falo em “falta de conduta”, mas sim, em falta de conhecimento! A falta de conduta se dá quando o médium tem esclarecimento e não segue as leis que nos regem neste Amanhecer, e uma das Leis que Tia mais primava era justamente a elegância nas incorporações, e o comportamento de Cavalheiro do Doutrinador.

Mal formados? Desequilibrados? Talvez... Mas o quê realmente pesa é o momento em que o médium atravessa em sua vida e o quanto ele mesmo está precisando externar sua energia. O sofredor ao encontrar este campo fértil sente mais facilidade e aí o médium acaba “debaixo dos Tronos”. Por isso a necessidade de total responsabilidade ao ir para os Tronos! Nosso compromisso não é só com o paciente físico, é também com o paciente espiritual! E estes não podem encontrar um lugar para aumentar sua negatividade, e sim, para contê-las! O Apará, médium Iniciado na Corrente Indiana do Espaço, por esta característica é consciente e pode controlar as reações. Somente não conseguindo, quando sua própria energia está compatível com a do irmãozinho... De modo, que é melhor nem ir para os Tronos, se não puder se controlar. Pois sairá dali pior do que entrou ou terá que contar com o merecimento de ter ao lado um Doutrinador que possa trabalhar dobrado: controlando aparelho e sofredor. De qualquer forma, os dois acabam esgotados.

Em nossa Doutrina, segundo descrito pelo Trino Tumuchy trabalhamos com a “projeção do Mentor”! Ele não entra e domina o corpo do Apará! Projeta sua energia e intuição para a realização do trabalho. Quando chega o sofredor, o Mentor se afasta (por isso a sensação da voz do Mentor se distanciar) e permite que o irmãozinho, projete. Com a “Puxada”, o Doutrinador abre a aura do Apará para que ele receba a projeção da aura do irmãozinho, que passará a receber a limpeza propiciada pelos movimentos iniciáticos do Doutrinador e sua emissão de ectoplasma através da doutrina verbal.

Quanto ao controle dos movimentos físicos... Salve Deus! O Apará, Iniciado em nossa Corrente, tem o controle de seus movimentos. Obviamente, quando seu nível de mediunização é muito forte, ele sente com maior intensidade os movimentos projetados pela Entidade de Luz. Porém, jamais, repito, porque são palavras de Tia, jamais uma Entidade de Luz viola a vontade de um médium. Ela projeta e o movimento só se realiza com a permissão do médium! Dores não podem provir de uma Entidade de Luz, que nunca força o médium a nada.

Kazagrande

Doutrina na Internet



Permeiam aqueles que desejam serem detentores da verdade e portadores de um pretenso segredo oculto de nossa Doutrina, gerando superstições e escravizando sentimentos de dependência, entre médiuns ainda não esclarecidos ou incautos nas concepções físicas da hierarquia.

Nossa Doutrina não possui nada secreto ou oculto! Pode parecer muito dura esta frase, mas é a pura verdade! Os pretensos segredos são apenas alegorias do que existe a ser desvendado de nosso próprio interior, um conhecimento a ser despertado, independente da capacidade intelectual ou cultural do descobridor. O espírito é o real princípio inteligente da vida e desde sua origem acumula experiências de diversas passagens. Olhando deste prisma, nada é novo, apenas vivemos a experiência física para colocar em prática um conhecimento já previamente adquirido e situações previamente planejadas.

Claro que não concordo com a divulgação aberta de Rituais, Chaves e Leis, exclusivas do Mestrado, mas também avalio que estes conhecimentos são inócuos aos que não possuem um plexo Iniciático.

Recordemos que Tia Neiva, ao lado de Mário Sassi, expuseram o Vale em diversas revistas, filmes, reportagens de jornais e de televisão, bem como figurações especiais em novelas. Tudo que era possível em comunicação massiva da época, porém, obviamente, sem qualquer proselitismo. Pareciam dizer, creio eu: “Existimos sim! Não temos nada a esconder!” Os resultados eram variados, do sensacionalismo à credibilidade, mas sempre atraindo curiosos e turistas.

Tenho certeza que Seu Mário (Trino Tumuchy – Mestre Mário Sassi) estaria hoje na internet, respondendo e-mails e escrevendo diariamente para jornais, revistas e quem sabe um blog como o nosso. Tia Neiva gravaria aulas para que Mário Sassi as explicasse às mentes comuns que buscassem na rede algum lenitivo espiritual.

Para os que consideram exagero de minha parte, vejamos as palavras do próprio Trino nos prefácios de seus livros:

Destina-se o livro, portanto, a todas as mentes abertas, à realidade sem nome, sem rótulo e sem preconceito.
Pouco importa quem seja você.
A obra se destina a todos.
A forma direta e a linguagem íntima se devem ao fato de que esse trabalho se destinava apenas à distribuição interna, entre nossos médiuns. Foi impresso para distribuição mais ampla porque foi decidido que assim seria mais útil.

Tia Neiva em suas Cartas e Mestre Mário Sassi em seus escritos, sempre se dirigiam ao espírito, para a individualidade do leitor, por isso pouco importava se houvesse um entendimento imediato. A emanação presente nas palavras ficaria gravada pelo espírito e despertada nas horas precisas. Quantas vezes você já releu algo de nossa Doutrina e teve a claríssima sensação de estar lendo pela primeira vez?

O Eldorado da comunicação permite uma evolução a nível mental extremamente acelerada. Nada mais fica oculto por muito tempo! Nem mesmo os ditos arquivos secretos de governos... Seria errado, então, trazer a beleza dos ensinamentos recebidos, à luz das multidões? Creio que não! Creio que errado é seguir a velha escola de dominar pelo conhecimento e tiranizar pelo ocultismo.

Certa vez, eu estava fazendo umas cópias de uma Carta de Tia Neiva no trabalho, aproveitando o custo reduzido, dois colegas se aproximaram e pediram para ver... Após a leitura, duas opiniões totalmente diferentes: “Amigo, eu não entendi nada”... e ... “Amigo, que maravilha! De onde vêm as palavras? Era exatamente o quê eu precisava ouvir (ler) hoje!”. Os dois tinham o mesmo nível cultural e inclusive frequentavam a mesma igreja evangélica.

Textos espirituais são para o espírito. Quando está preparado, vai entender. E isso acontece com nós mesmos, a cada releitura.

Kazagrande

Um pouco mais do Trino Tumuchy

... Mas, sua capacidade de atendimento está próxima dos limites numéricos, e a angústia humana atinge dimensões cada vez maiores. Isso tem conduzido ao planejamento de levar seus benefícios a maior número de pessoas. Parte desse plano é a síntese literária, a comunicação escrita e a notícia. Com isso, o Vale ingressa no rush atual da comunicação, porém comunicação de fatos reais, verificáveis.

E então, nossos Mentores e Guias Espirituais nos autorizaram a divulgação de nossos contatos com seres de outros planetas, seres físicos, concretos, existentes no Universo. Com essa divulgação, eles visam à preparação da humanidade para a generalização desses contatos, dos quais somos, apenas, um núcleo experimental. Eles, os seres de outros planetas, virão e se entrosarão com os habitantes da Terra, neste século, fisicamente.

Para que esses fatos reais não possam ser confundidos com fantasias, eles vão sendo escritos na sua atualidade e com flash-backs de fatos passados. O relato culminará com projeções de acontecimento futuros, a serem verificados na medida em que se concretizem".

Progredir na vida!


Meus Estimados irmãos e irmãs,
Salve Deus!

Hoje volto a escrever um editorial pessoal de reflexão e agradecimento de maneira pessoal, diferente dos textos que normalmente publico diariamente aqui no “Exílio do Jaguar”. 

É possível tudo mudar em nossas vidas!

É possível recomeçar, sair do zero absoluto. É possível olhar ao redor e de repente, estar sem perspectivas, sem soluções, “sem saída” e apenas com uma verdadeira mudança interior, mudar também o exterior de nossa vida.

Quando cheguei à Bolívia, terra em que nosso Pai Seta Branca encarnado viveu, vim para realização de sonhos e metas. Mas inicialmente “tudo deu errado”. Gastei todo o dinheiro de reserva e tudo o quê poderia dar errado, aconteceu. Cheguei ao ponto de ir deitar-me a noite sem qualquer possibilidade para o dia seguinte, além de “sair andando” por aí...

Não sou sozinho, tenho duas filhas menores e a esposa. Não havia nada para dizer a elas...

Nos primeiros meses eu ficava revoltado, fazendo planos mirabolantes e contando com a sorte. Perguntava aos céus: “mas por quê?” Eu não compreendia o quê estava errado! O quê eu teria feito para que nada desse certo e que coisas aparentemente simples se complicassem tanto. Revolta? Sim revolta! Eu sou humano e tenho todos os sentimentos negativos que todos podemos ter quando nos sentimos ameaçados e sem possibilidade de reagir.

Havia deixado um bom emprego, uma casa confortável, poder, liderança, influência política, crédito, reconhecimento e muito, mas muito orgulho e vaidade. Agora amanhecia sem perspectiva nenhuma, em um país estranho, onde ninguém me conhecia, acreditava ou abria uma porta de verdade.

Em um momento, em que quase exclusivamente por falta de qualquer opção, voltei os olhos ao Pai, sabendo que simplesmente não havia o quê pedir, eu aceitei.

Aceitei que havia uma lição a ser aprendida. Que o quê estava passando tinha que ter algum sentido, ou toda a minha crença seria uma ilusão. Desejava aprender e entender o quê se passava. Voltei a rezar. Lembrei de cumprir nossos três horários e procurar manter a mente focada o máximo de tempo possível.

Após uns dias mantendo o padrão assim elevado, sem pedir, vivendo um dia de cada vez e com a mente voltada apenas para o quê eu poderia fazer de bom naquele dia, vigiando meus pensamentos, palavras e ações... Após uns dias, senti vontade de voltar a escrever e criei o Exílio do Jaguar. Nascido exatamente no meio do maior turbilhão de minha vida. Pensei que se não podia fazer nada além de ir vivendo um dia de cada vez, que tal se eu aproveitasse para semear um pouquinho para o futuro?

No dia em que postei o primeiro artigo senti a presença de uma Entidade, uma presença tão forte e luminosa que eu achei que iria mudar de mediunidade. Não tive dúvidas: era Pai João!

Pai João não chega na vida de um Jaguar para “passar a mão na cabeça”! Vem para disciplinar e abrir os olhos para a razão. E assim foi!

Em plena descoberta do “Exílio do Jaguar” eu vivia um inferno material. Cheguei ao ponto de literalmente gastar minha “última moeda”. Isso mesmo, a última moeda que tinha na vida. Dali para frente só vendendo as coisas de dentro de casa. Mas neste dia... o dia da última moeda, eu senti claramente a mensagem “não vai se revoltar de novo agora?”; “você está acabado!”; “não tem nada para fazer e nem para comer amanhã”; Mas diante disso, eu sentia uma tranqüilidade explicável somente pela confiança de que “estava tudo certo”.

Realmente estava tudo certo! No dia seguinte me chamaram para realizar um trabalho, recebi adiantado e nunca mais tive uma grande dificuldade material.

Não que tudo tenha virado um mar de rosas, mas tudo passou a fluir com naturalidade. Vivi os percalços, que todos nós estamos fadados a passar, mas com dignidade e mantendo o padrão elevado. A cada final de dia, ou início de dia, eu parava para escrever aqui no Exílio, e isolava-me de qualquer influência externa, ou mesmo pensamento, que não fizesse parte da linha de “semear” que impulsionou os primeiros passos e que até hoje se mantém.

Passei por um assalto, fui “inexplicavelmente” mordido por um cachorro, passei dias como o que republiquei em “um dia na vida do exilado”... Mas realmente minha vida interior mudou e estas mudanças chegaram ao exterior com o tempo, mas com muito pouco tempo.

Sem nada, sem ninguém, sem dinheiro, sem nem falar o idioma do país, e estou aqui! Valeu, e vale a pena!

Queria escrever compartilhar com vocês as mudanças de minha vida!

Queria contar, mas não por orgulho ou vaidade, mas para dizer apenas: É possível sim! É possível mudar tudo em nossas vidas. Não desista! Pare de ficar clamando ajuda e permita ser ajudado! Nossos Mentores só podem nos auxiliar se nosso padrão vibratório permitir!

Pare de ficar se envolvendo em “política doutrinária”, de participar e até ouvir conversar improdutivas. Pare de pedir e passe a fazer! Lembre de seus três horários! Já pensaram em quanta energia se movimenta nestas horas? Peça apenas a compreensão da lição que precisa aprender!

Não vá ao Templo para “ver se a vida melhora”... Vá pelos outros! Você não vai para “ser ajudado”, vai para ajudar! Somente receberá algo de acordo com sua sintonia e merecimento! Horas de trabalho espiritual são muitos diferentes de “horas dentro do Templo”.

Deixo-lhes um fraterno abraço, agradecendo de coração a presença de vocês nesta pequena jornada!

Kazagrande