TIA NEIVA

TEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A TUA SENTENÇA

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

ADJUNTO ANAVO

MESTRE KAZAGRANDE

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - KAZAGRANDE.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Saindo “mal” dos trabalhos...


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!

Ao realizarmos um trabalho espiritual com perfeição, dentro de nossas diretrizes doutrinarias deixadas por Tia Neiva, deveríamos sair realizados, felizes e com as forças totalmente renovadas. Quando isso não acontece é porque “faltou” alguma coisa.

Quando saímos “mal” de algum trabalho, com dores, enjoos, cansados demais, enfim, “fora do eixo”, torna-se preciso refletir, com sinceridade, sobre o que poderia ter acontecido de errado. Se o problema é nosso, por conta de nosso padrão ou falta de concentração, ou se o trabalho fugiu das diretrizes da Clarividente.

Apresento algumas hipóteses que podem encontrar amparo em uma situação vivida, ou que fujam de alguma realidade pessoal, mas que servem para reflexão.

Se nos envolvermos com as dores dos pacientes ou tratarmos como algo mais próximo, mantendo a mente nas recordações de um atendimento, ou focando nas dores retiradas pelos Mentores, inevitavelmente nosso padrão baixa e atraímos o que não nos pertence. É preciso ser “profissional”, como dizia o Trino Tumuchy. Um médico presta o atendimento e acabou! Nada de ficar pensando ou mentalizando os atendimentos, e muito menos ficar tecendo comentários. Somos médicos em um hospital e sacerdotes em um confessionário.
“Nosso padrão vibratório é a nossa sentença”. Nesta frase, de Tia Neiva, encontramos toda a essência de nossa realização. Estando com o padrão vibracional elevado, vivenciando pensamentos e palavras positivas, nada negativo poderá nos alcançar.

Trabalhos ditos “especiais”, com comunicação de sofredores, também levam o Apará a participar de uma perigosa atração de sofredores que ainda não estavam preparados para serem atendidos e que trazem uma energia mais pesada, densa e difícil de manipular, sempre deixando uma “sobra” de negatividade, na aura do médium, que participou de um trabalho fora de nossas Leis. Comunicação com sofredor? Somente no Angical, e, em raras exceções, nos trabalhos de Julgamento.

Um sofredor somente poderá deixar seus resíduos negativos quando nosso padrão permite, ou quando fugimos da estrutura deixada pela Clarividente na condução dos trabalhos.

Mais um detalhe: O médium que participa somente de Trabalhos Iniciáticos, e deixa de lado os evangélicos, adoece!

Estas são algumas hipóteses para reflexão. A consciência da grandiosa missão confiada em nossas mãos deverá sempre trazer a realização! É preciso ser feliz nesta caminhada e a Espiritualidade proveem toda nossa harmonia física e emocional, quando buscamos cumprir o que foi por ela trazido, através de Tia Neiva.

Kazagrande


terça-feira, 22 de novembro de 2016

Que espíritos passam na Estrela Candente?


Estes dias observava o imenso desconhecimento sobre o que ocorre, na prática, na realização de um trabalho de Estrela Candente, pois nas aulas de Elevação de Espadas basicamente aprendemos “a trabalhar na Estrela”, e não atentamos para o porquê do compromisso assumido em participarmos ao menos uma vez por mês neste trabalho.

São diversas afirmações, muito fortes, que Tia Neiva fez a respeito da Estrela e tantas vezes são interpretadas de forma subjetiva e até incompreensível. Como, por exemplo, “que ela tem o poder de uma bomba atômica”. É verdade! Mas ocorre que na época, não existia nada mais poderoso a ser comparado, e Tia, ao ver a dimensão daquele poder, buscou o que seria mais poderoso no planeta para exemplificar. Pois, assim como uma bomba atômica ceifou a vida de milhares de pessoas em uma mesma explosão, a Estrela poderia modificar e encaminhar milhares de espíritos em uma única Consagração Perfeita.

Mas vamos ao nosso tema central: Que espíritos passam por ali?

Como de costume prefiro criar um exemplo para entendimento de todos...

Na Mesa Evangélica e nos Tronos passamos espíritos que, incorporados, fundem sua aura com a do Apará e passam a dispor de todo um sistema evangélico de limpeza e esclarecimento, que é finalizado com uma Chave Iniciática (Obatalá), abrindo um Portal para que possam ser recolhidos pela Espiritualidade e iniciar uma nova jornada.

Porém existem espíritos que formam grandes e poderosas falanges, espíritos acrisolados no Etérico há tanto tempo, por razões diversas, que devido ao grau de ferocidade não poderiam “incorporar” sem colocar em risco a integridade do Apará.

Meus irmãos e irmãs, existem espíritos que ficam tanto tempo no etérico e passam por tantas situações, que acabam literalmente se animalizando! Sim! Espíritos que consumiram ectoplasma de sacrifícios animais e vão agregando características animalescas ao seu corpo espiritual. Espíritos envolvidos em magia negra, espíritos que passaram por rituais onde os chamavam de demônios... Imaginem como fica aquele espírito “doutrinado” em uma seita destas que dizem que ele é um diabo, que é a expressão do mal, que é o Satanás... Este espírito, pelo poder da mente que espiritualmente plasma suas formas, já sai dali com rabo e chifres acreditando mesmo que é um demônio!

Também temos aqueles que, reunidos em gigantescas falanges, buscam provocar guerras, decisões políticas que afetam milhões, doenças coletivas, catástrofes... São escravizados por um “comando” insano de antigos líderes guerreiros e/ou religiosos, e visam influenciar atitudes que baixe o padrão vibracional de toda uma nação e com isso, uma imensurável liberação energética negativa pelo padrão baixo das pessoas com medo, frustradas, sofridas, vingativas... Todo sentimento negativo libera energia “aproveitável” pelos seres em padrão compatível. Imaginem em uma guerra, em um conflito político, ou até mesmo de torcidas de um time de futebol... Quanta energia absorvem e entregam a líderes que insistirão em manter este círculo vicioso do mal.

Estes espíritos, movimentados por um desejo incontrolável de vingança e frustração, não poderiam incorporar para receber um doutrina e limpeza de aura. Suas vibrações iriam desequilibrar o Apará e poderiam até mesmo atrair um obsessão interminável sobre aqueles que “tentaram” modificar seus objetivos traçados.

Somente na Estrela Candente podemos passar estes irmãos! Somente pelo poder Cabalístico da Estrela é que o Doutrinador impregna o esquife, formando uma cápsula de recepção para estes espíritos, sem a necessidade que incorporem para serem reencaminhados. Por isso a Tia dizia que a Estrela pode “parar uma guerra”. Podemos receber ali toda uma falange empenhada em provocar ações e interpretações que acabam em guerras, em políticas desvairadas, enfermidades e terror.

Este é nosso compromisso: uma Estrela por mês ao menos! Fazer a verdadeira caridade ao mais terrível espírito e total desconhecido.

Ainda temos muito para falar, esta foi apenas uma pequena introdução. Nos próximos dias estarei detalhando situações e aprofundando o assunto: “Que espíritos passam na Estrela Candente?”.
Kazagrande 

sábado, 19 de novembro de 2016

Tomei “uma”, e agora???



Esta dúvida aflige todo médium que deu uma “escorregada” e acabou ingerindo algo (ou muito) de bebida alcoólica, mas que não quer deixar a Doutrina. Escorregou, que voltar, e agora?

Antes de qualquer coisa é importante deixar claro que nossa Doutrina não condena quem faz uso do álcool! Não temos nada contra quem bebe! Mas quem entra oficialmente para a Doutrina, para cumprir esta missão Crística, deverá se abster do álcool apenas por uma questão técnica: “Nossa energia mediúnica circula em nosso sangue, e nosso sangue, contaminado pelos alcaloides formados pela ingestão de bebida alcóolica, torna-se impróprio para a realização da Cura Desobsessiva”. Este é o motivo! Sem fantasias, fanatismos ou invenções! Apenas devemos entender que, se ingerimos álcool, nossa energia não será aproveitada pelos nossos Mentores (1 –explicação mais detalhada lá no final J).

Bebi... Não posso mais trabalhar?

Salve Deus! Pode! Porém deve em primeiro lugar refletir sobre sua condição. Deve ser sincero e ver se quer mesmo parar de beber. Só pense em voltar se estiver seguro sobre o que quer.
Lembremos que por melhor que seja sua intenção, se sua energia não servir, não fará nada além de deixar algum irmãozinho com mais raiva por não ter o que receber naquele atendimento. Melhor considerar a possibilidade de voltar a ser um paciente

Como devo proceder para voltar aos trabalhos?

Bem, o certo é antes de tudo conversar com um Mentor, que irá avaliar a situação de sua aura e a impregnação de seu plexo, e dizer se está na hora de voltar ou se é preferível passar mais um tempo como paciente.
Se sua “pisada de bola” foi algo maior, mais público, deve procurar diretamente o Adjunto e receber dele a orientação. É a intuição dele que determina o tempo de afastamento, ou se deverá fazer uma reciclagem, assistir algumas aulas... Enfim: ele é o responsável por autorizar sua volta!

03 dias ou três meses afastado... Qual é o certo?

O certo é não beber!
Um médium só deve assumir a missão em nossa corrente se estiver seguro de sua decisão e força de vontade. Porém se recaiu, deve considerar vários aspectos: ao assumir sua missão dentro da Doutrina do Amanhecer, você não trabalha apenas quando vai ao Templo. Quando está dormindo, seu espírito completa os trabalhos, planeja junto com seus Mentores outras jornadas, e estando impregnado tudo tem que ser refeito.
Um Mentor poderá avaliar sua situação, mas somente o Adjunto é que autoriza o retorno aos trabalhos.

Mestre, cerveja sem álcool pode, né?

Uai... Se não tem álcool... Não tem álcool! Pronto!
Agora, se o título “Sem Álcool” for 100% verdadeiro, não vai gerar impregnação, somente terá um efeito mental que poderá induzi-lo ao erro, mas cada um é cada um...
É importante ressaltar que QUASE TODAS as bebidas SEM ÁLCOOL têm em letras pequenas no rótulo a inscrição “considerada sem álcool – teor alcoólico X”, assim, na verdade apenas têm uma quantidade considerada desprezível (pela sociedade) de álcool, mas não são completamente sem álcool. Leiam os rótulos!

Mestre, existem remédios à base de álcool, posso tomar?
Praticamente todos os medicamentos formulados com algum teor de álcool podem ser substituídos por outros que não necessitam deste componente. Não havendo possibilidade de substituição do medicamento (consulte seu “médico da terra”), consulte a Espiritualidade para continuar seus trabalhos durante o uso. Assim demonstra respeito, humildade e poderá contar com uma proteção especial. O Trino Tumuchy costumava afirmar que “nem uma colher de Biotônico Fontoura” deveríamos ingerir. Mas a Espiritualidade respeita todas as determinações das recomendações médicas e proporciona uma proteção especial para as reais necessidades.

Kazagrande

1- Ao trabalhar mediunicamente você passa a colocar à disposição da espiritualidade os seus fluidos energéticos. Seu ectoplasma é mesclado com a energia de nossos mentores e transforma-se em um “remédio”, próprio para a cura desobsessiva.

A impregnação por substâncias alcoólicas “envenena” seu fluido ectoplasmático, tornando-o impróprio para a realização da cura desobsessiva, nossa fundamental missão! Fisicamente o álcool deprime o sistema nervoso e afeta a sensibilidade do ectoplasma. Circulando no sangue, impregnado de ectoplasma, o álcool volatiza sua energia mediúnica. Permite que ela seja liberada sem uma incorporação ou sem uma manipulação dentro de um trabalho espiritual.

Liberando sua energia desta forma, ou seja, “envenenada”, ela servirá apenas para alimentar irmãozinhos menos esclarecidos, espíritos que necessitam do magnético animal para suas criações. O dito popular fala que Deus protege os “bebinhos”... Creio que a maioria já deve ter testemunhado alguma situação de extremo risco em que uma pessoa alcoolizada “escapou por milagre”. Óbvio analisar que na verdade são espíritos ainda fora da Luz, que fazem o que podem para salvar sua fonte de alimentação e induzi-lo cada vez mais ao vício.

Considerando a afirmação acima, podemos compreender que de nada adianta “beber” e ir trabalhar espiritualmente. Além de contaminados, já estaremos sob a “observação” de algum irmãozinho interessado em nos atrapalhar e fazer com que novamente voltemos a consumir. Para um espírito sem Luz, um médium, que dispõe de uma grande quantidade de energia em franca produção (esta é a principal característica do médium, um ser que produz energia ectoplasmática em excesso - mais do que precisa – para poder doar), é o alvo ideal!


Cabe ainda ressaltar que o consumo de uma bebida alcoólica leva uma direta distorção em nossa capacidade de avaliação. Clinicamente a bebida nos torna mais audaciosos e desinibidos, avançando por limites que em nosso estado normal estariam claramente definidos. Falamos mais e normalmente demais, e temos “coragem” além da exigência de nosso bom senso.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Qual “estação” sintonizamos?


Todos nós, em algum momento de nossas jornadas, passamos por sensações desanimadoras, é natural! Estamos envolvidos com diversas forças espirituais que nos circundam e influenciam diretamente nosso humor e disposição. Se, por um lado, temos nossos Mentores a nos proteger a incentivar, por outro, temos espíritos, que fazem parte de nossa caminhada e, que procuram interromper o processo evolutivo que ingressamos e os afastará definitivamente de nós.

É nosso padrão vibracional que determina qual destas forças irá atuar com mais intensidade e influenciar nossas decisões e reações. Quando mergulhamos no negativismo, ficaremos ainda mais negativos por conta destas influências. Se buscamos positivar nossos pensamentos e semear a esperança para nossa vida, recebemos o incentivo de nossos Mentores.

Nossas Entidades estão sempre ao nosso lado querendo nos auxiliar e proteger. Somos nós que impedimos pelo nosso pensamento negativo! Imagine um rádio... é preciso sintonizar uma estação para poder ouvir a música. Temos nossos Mentores em uma frequência e nossos “irmãozinhos” em outra. Se “movemos” nosso padrão para baixo sintonizamos a música deles (irmãozinhos), e, mesmo os Mentores desejando ajudar, não conseguem nos projetar energias e intuições, por estarmos em outra estação.

Por isso a célebre frase de Tia Neiva: “Seu padrão vibratório é sua sentença”. Recebemos sempre o que emitimos, consciente ou inconscientemente.

“Perceber” em qual estação estamos sintonizados faz total diferença em nossas vidas! Observar quando nos envolvemos em conversas não produtivas e que atraem coisas ruins para nossas vidas. Recordo sempre de um amigo que tinha que enviar seu filho em uma viagem de avião. Durante uma semana, em qualquer lugar que o encontrasse, vinha a mesma ladainha: “esta companhia sempre mexe nas bagagens, já soube de fulano que roubaram a câmera dele?”, “e outro que ... isso e aquilo”. Enfim, falava sempre da possibilidade de ter a bagagem do filho violada. Eu explicava que já tinha realizado quase uma centena de voos pela mesma companhia e nunca me aconteceu nada. Mas ele não desistia e eu passei a ignorar e mudar o assunto perguntando outra coisa qualquer.

Imaginam o resultado, não é? A bagagem do filho dele foi violada! Coincidência, intuição? Não! Ele atraiu aquilo que tanto repetia! Já reparam que quando começa a falar de doenças, ou mesmo roubos, logo aparecem outras pessoas com o mesmo assunto, conduzindo sua vibração para baixo e falando que “a dor dele é pior”, ou que sabe de um caso de roubo ainda mais terrível? É a atração pura e simples das frequências vibracionais!

Imagine o que podemos atrair quando falamos de coisas boas... Quando relatamos nossas experiências na Doutrina, ou contamos tudo de bom que pudemos fazer em determinadas situações, seja dentro ou fora do Vale?!

Melhor atrair o que nos faz bem, o que permitirá nossa frequência receber a sintonia de nossos Mentores, e não a emissão de cargas negativas que alimentam nossos irmãozinhos e suas cobranças.

Salve Deus!

Kazagrande

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Quem conduz esta Doutrina...

“Quando eu daqui me for, os filhos de Tia Neiva irão sofrer muito, mas os filhos de Pai Seta Branca irão levar essa doutrina a frente”. Tia Neiva – Gravação de Aula dominical – 1.984.

Após o desencarne de Tia Neiva ocorreu uma inversão no sistema de sustentabilidade de nossa Doutrina. Com Tia Neiva presente, ela dava o direcionamento e sustentava o sistema pela sua liderança; os “filhos de Tia Neiva”, aqueles mais próximos e dependentes dela, estavam firmes ao seu lado. Sem ela presente fisicamente, esta sustentabilidade passou a ser dos Filhos de Pai Seta Branca, médiuns que hoje, em sua maioria absoluta, não conheceram a Clarividente, mas que pela fé sustentam nossos trabalhos.

Deveria ser a Fé e o Conhecimento (a ciência), porém muitas lideranças incorreram na senda da “velha estrada” e insistem em tentar dominar pela fé, quando deveriam estar na verdadeira Escola do Caminho, onde se prega que o conhecimento liberta!

Ocultar as palavras da Clarividente, desfazer do conhecimento do Tumuchy (enviado justamente para traduzir o que Tia trazia espiritualmente), são atitudes dos que mergulham em um dos mais tristes e perigosos atos de dominação: escravizar sentimentos!

Não podemos manipular as pessoas pela fé ou pela energia envolvida nas consagrações! É preciso o esclarecimento, a Luz da Compreensão e do Conhecimento! Não somos religiosos, somos cientistas espirituais! Trabalhadores esclarecidos e que progridem com naturalidade em suas vidas materiais, emocionais e espirituais! Não existe sentido na fé fanatizada, sem explicações coerentes, ou que pregue que estamos aqui para sofrer! Estamos aqui para sermos felizes! Para cumprir nossa jornada, nosso aprendizado, nossos reajustes e ainda sermos felizes. Ninguém encarna somente para sofrer! Nem o mais endividado dos espíritos viria nesta condição!

Esta Doutrina continua porque VOCÊS trabalham!

Não são os que conheceram Tia Neiva, ou aqueles que ostentam classificações “especiais”... São os que trabalham de verdade! Que movimentam a Mesa Evangélica, que atendem os pacientes nos Tronos, na Cura e na Linha de Passes.

São aqueles que entendem que a voz de comando é prioritária e um dom a ser despertado, e que deve transmitir emoção!

São os Ajanãs que não precisam se preocupar com comandos. São Ninfas Sol que tudo sabem e se calam. São as Ninfas Lua que trazem a Voz Direta com o amor, o carinho e a humildade de nossos Mentores!

Quando entramos para a Doutrina, assumimos esta missão pelo encanto, pelo amor, pela fé! Não entramos seguindo alguém, ou porque fulano disse que era bom. Entramos pela Espiritualidade. Por isso repito sempre que: “infeliz daquele que é seguidor de homens”! Até mesmo aqueles que estavam na Doutrina exclusivamente por Tia Neiva acabaram se perdendo. Somente os que persistem pela fé em Pai Seta Branca, e pelo conhecimento da Escola do Caminho de Nosso Senhor Jesus Cristo, é que seguem e sustentam esta Doutrina! Sem os filhos de Pai Seta Branca restariam apenas um bando de caciques brigando entre si e sem os “índios” que dão o sustento energético e realizam os trabalhos sem preocuparem-se com líderes impostos.

Orgulhe-se de ser “índio”, e ore pelos “caciques”... Eles precisam muito!

Kazagrande

terça-feira, 15 de novembro de 2016

HOMENAGEM - TIA NEIVA


Seus segredos ainda não foram todos desvelados, e seu Canto Universal é a cada dia mais presente neste plano.

Ela deu um Farol ao Mundo: O Doutrinador! O Terceiro Verbo em sua linha Iniciática que ilumina os planos com sua ciência e fé.

Ela trouxe a consciência ao Médium de Incorporação e o fez o Apará! A Voz Direta a nos encaminhar.

Ela deu sua vida, sua família, sua paixão e seu Amor à Missão que lhe foi confiada.

Deixou o exemplo, suas palavras escritas e toda a estrutura pronta para caminharmos. Para cumprirmos a Nossa Missão! Para deixamos de nos debater em nossos destinos cármicos e avançar pelo Amor Incondicional que semeou.

Salve Deus!

Que mais poderia fazer? Deixou tudo em nossas mãos e tudo o quê temos que fazer é trabalhar, trabalhar e trabalhar!

Trabalhar por nós mesmos. Reajustar o que um dia desequilibramos por não saber amar. Semear o Amor, o Perdão!

Trabalhar, porque pelo trabalho podemos ir além de nossos reajustes... Podemos evoluir! Ganhar de novo o direito de voltar para casa.

Trabalhar pelos que não conhecemos, por aqueles que também não fazem parte de nossos destinos cármicos e assim semear uma amizade inesquecível!

Quantos espíritos encaminhados... Quantos que poderão estar a nossa espera para nos receber ao realizarmos a nossa passagem... Rostos que nunca conhecemos, mas que nunca nos esqueceram, que nunca esquecerão o Apará, que um dia os recebeu, e o Doutrinador que um dia os encaminhou, permitindo mudar toda a sua vida, recomeçar de novo em mundo melhor.

Realmente ela cumpriu sua missão! Muitos perdem-se em suas vaidades e orgulhos... Horizontalizam uma Doutrina que nos chegou verticalmente. Mas não importa! Para estes um dia a consciência também chegará, pois depois de Tia Neiva, sempre haverá, em algum lugar, em algum tempo, um Doutrinador e um Apará, seus filhos, prontos para recebê-los incondicionalmente.

Salve Deus, Nossa Mãe! Seu tesouro não está nas mãos dos gritam pela sua posse. Seu tesouro está no coração daqueles que seguem sua jornada ouvindo a doce melodia de seu Canto Universal que ecoará eternamente pelos filhos de amor que consagraste.

Kazagrande

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Sem Mãe


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!

Amanhã, 15 de novembro, completará 31 anos que Tia Neiva, nossa Mãe em Cristo, nos deixou fisicamente. Inevitavelmente, aqueles que buscam a essência de nossa Doutrina, procuram um elo de ligação com um passado que vai tornando-se cada vez mais distante.

Tia Neiva trazia uma segurança incomparável, não apenas pela sua Clarividência, que determinava os rumos a serem seguidos e as constantes “novidades” do Plano Espiritual, mas também pela presença da Mãe! Aquela que acolhia, entendia, tolerava e resolvia. Meia dúzia de suas palavras, ou mesmo um olhar com um esboço de sorriso no canto dos lábios, resolvia e decidia qualquer situação. Sua liderança era inquestionável!

Vivemos uma orfandade deste sua partida. Uma orfandade provocada pela falta de amadurecimento de seus ensinamentos em nosso coração. Ela preparou o Doutrinador para ser seu “substituto”. Não “um doutrinador”, mas “O” Doutrinador. O médium capaz de decidir com a intuição diretamente conectada com os mesmos Planos Espirituais que a regiam. Aquele que sentiria o clamor dos mais sofridos, se emocionaria ao encaminhar a cada espírito em uma mesa ou trono. O Doutrinador que viveria a essência de seus ensinamentos na prática, sem semear discussões inúteis ou questionamentos não produtivos.

O Doutrinador que respeitaria a Voz Direta trazida pelo Apará, mas que ao mesmo tempo seria consciente da missão de ter nas mãos o livre arbítrio, jamais ferido por qualquer comunicação do Céu.

O Doutrinador que onde chegasse fosse o Farol da Luz do Amor! Falando de coisas boas e produtivas, trazendo sempre alento e esperança! Trazendo a liderança conquistada e nunca imposta por classificações.

O Doutrinador despido das vaidades e avesso às adulações. Que entendesse os mais pobres e permitisse a caminhada daqueles que sequer podem comprar a primeira fita. Que entendesse os mais ricos, rejeitando suas benesses materiais, mesmo que fossem por uma boa causa... Não pode haver agradecimento material! Não pode haver impedimento aos que nada de material  podem oferecer também.

Não falarei do que vejo, do que sinto, do que calo... Apenas convido a todos para que não desistam de buscar este Doutrinador! Que deixem de procurar nos homens, e passem a encontrar em seu coração.

Aos Aparás, que recordem que quando falamos “Doutrinador”, não falamos da mediunidade atribuída em seu teste mediúnico. Falamos daquele que “carrega a Doutrina em seu coração”... Este é o verdadeiro Doutrinador!

Kazagrande
14/11/2016


sábado, 12 de novembro de 2016

Nas margens do Titicaca eu chorei


Remontar os séculos, reviver as heranças... Nas margens do Titicaca eu chorei!

Chorei pela história não contada, perdida entre lendas e mistificações.

Chorei ao sentir o espírito livre e desperto, aberto além dos mistérios da mente e atento a tudo que verdadeiramente o cerca.

Não foi triste e nem alegre, apenas consciente do tanto que existe a ser feito e quanto já foi abandonado em outras civilizações.

Como é grande nossa responsabilidade! Muito grande para se perder em banalidades do físico, entre fofocas, maledicências e improfícuas divisões. Ainda nos perdemos em busca de um poder temporal que não é regido pela Espiritualidade.

Mesmo com tanta responsabilidade, nossa missão é tão simples: Amar e Curar! Nada mais verdadeiramente importa, pois não nos trará evolução. O poder não evolui, o quê evolui é a nossa capacidade de amar. Se perguntássemos a cada nova atitude: Estou amando? Ou simplesmente: Meus atos, palavras e pensamentos estão fazendo o bem? Saberíamos exatamente como agir, como sermos felizes!!!

Para muitos a felicidade ainda está ligada diretamente ao “ter”, pois eu afirmo: você terá!

Para outros ainda existe a necessidade de ter alguém ao seu lado, e novamente afirmo: você encontrará!

Tudo o quê precisamos para bem cumprir esta missão, estará em nossas mãos, sim: é possível!

Não escrevo com a mente sonhadora, mas com a experiência de quem viveu e sabe que despertar o espírito lhe traz tudo para sua felicidade. Já somos Jaguares, e temos o poder de plasmar nossos pensamentos em realidade. As palavras proferidas tem um poder incalculável na realização de nossos sonhos e no cumprimento desta jornada.

As chaves são: o equilíbrio de nossa tríplice balança e o padrão vibratório!

Ser Doutrinador, ser Apará, ser Médium!!! Despertar o poder adormecido, a herança abandonada por não saber amar... Aprender a amar!!! É o quê basta! Não importam opiniões e posições. Está em nossas mãos e pronto! Cumpra sua jornada, Jaguar! Desperte para sua missão e seus caminhos se abrirão. Não se envolva em energias que não fazem parte do que deve ter aprendido. Disputas, intrigas e questionamentos são inúteis. Vá ao Templo para trabalhar e depois volte para sua casa. Forme seu lar e traga felicidade aos seus familiares. Dedique-se no seu trabalho material ou abra sua mente para as oportunidades que chegam naturalmente, não importa quão pequenas ou “humilhantes” possam parecer.

Sei que não sou a voz solitária que clama a beira da lágrima da Estrela Candente, somos muitos e aos poucos vamos despertando, cada um no seu tempo. Sei apenas que meu tempo chegou e não posso mais brincar.


Kazagrande

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Onde estará a Doutrina?


Estará nos homens que recebem as classificações, ou na ternura da Ninfa Lua, de branquinho, fascinada pelo amor de seus Mentores?

Estará nas ordens e determinações, ou na pureza daqueles que nada sabem e tudo fazem?

Estará no peito do Centurião, ou na realeza do Trino?

Estará na Ninfa humildemente envergando a indumentária de “escrava”, ou na suntuosidade do glamour das cortes?

Pode estar em toda parte... Não sei!

Sei apenas de um lugar... Na ponta da espada que um dia apontei ao meu peito, no meu coração! Não estará nunca nos templos de paus e pedras, nunca estará na crença dos homens que seguem homens... Estará sempre na intuição do Doutrinador!

Kazagrande



“Não ande atrás de mim, não sei saberei liderar;
Não ande em minha frente, pois não sei quero segui-lo;

Ande ao meu lado para caminharmos juntos”.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

As cores do Templo



Estes dias estava ouvindo umas besteiras a respeito dos motivos de tantas cores em nossos Templos, e agora até mesmo um fanatismo que vai muito além dos significados originais.

Vocês querem saber porque nossos Templos são coloridos? Porque as paredes não são pintadas de maneira monocromática?

Para que todos entendam vou reproduzir uma pequena história contada em um destes corujões de Tia Neiva:

Às vezes um espírito demora muito tempo para poder chegar aqui no Vale. Ai pelo merecimento dele, pelas orações dos familiares espirituais, ele começa a avistar ao longe, como se estivesse em cima de um morro, ele vê nosso Templo. Uma construção como a nossa com uma bandeira cor de rosa em cima.

Lá no etérico não tem luz do sol, e com isso não tem cor, é um mundo todo cinzento.

Este espírito então começa a caminhar... Enquanto ele caminha vai refletindo na vida, vai perdoando, vai se perdoando, entendem? Ele chega aqui pronto!

Então ele caminha, alguns caminham por anos. Quando ele entra no Templo o primeiro choque que recebe é voltar a ver as cores. Para ele que só via o cinzento tudo toma uma nova forma! Passa a ter luz e cor! Fica maravilhado ao reencontrar-se com as cores, se sente no céu! O cheiro da mescla parece o mais fino perfume, e nossos mantras, mesmo que estejam desafinados, são a expressão da mais bela música para ele! Onde ele estava não tinha cor, fedia e só tinha gritos!

Ao ver esta descrição de Tia Neiva creio que todos podem estender porque não dá para aceitar fanatismos. Nossas coisas são assim, com explicação lógica e simples e que na verdade abrem todo um leque para outras explicações que ainda podemos explorar face esta colocação.


Kazagrande

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Murro em ponta de faca



“Dar murro em ponta de faca” é uma expressão antiga que se refere a “insistir em vão”!

Existe uma diferença muito grande entre perseverar e insistir naquilo que é inútil. Perseverar é ter a consciência de lutar pelo que merece nosso esforço, e que, mais cedo ou mais tarde, surtirá efeitos práticos. Ao passo que “dar murro em ponta de faca” é insistir por orgulho, vaidade ou mesmo por ignorância.

Perseverar traz a determinação do espírito imbuído em cumprir a missão e fazer valer sua jornada por este plano físico. É preciso não abandonar aos que verdadeiramente clamam por aprender, entender e evoluir. Porém não é aceitável insistir onde os resultados não alcançam o nível do esforço empregado. É assim em todos os setores de nossa vida!

Aprender a abrir mão e seguir em frente, aceitar o que possa parecer uma derrota, também é sinal de evolução e abre as portas para o novo, para a liberdade criativa tão necessária ao espírito encarnado que deseja evoluir.

Precisamos aprender que nem sempre é possível “consertar” os erros, porém sempre será possível parar tudo e começar de novo. Difícil, eu sei, ah como eu sei! Mas imprescindível para poder continuar avançando e semeando um futuro melhor. Em nossos relacionamentos, em nossos empregos, estudos, e até na Doutrina, devemos avaliar o retorno dos investimentos físicos e emocionais para decidir seguir em frente, ou simplesmente mudar tudo e recomeçar.

Datas especiais sempre são momentos que trazem a energia necessária para refletir, avaliar e decidir! Um aniversário, a passagem do Ano, Natal, Páscoa, enfim... cada um tem um momento especial que conduz à reflexão e, se houver a necessária coragem, promover as mudanças ou determinar ainda mais afinco no investimento atual.

Reclamar, lamentar-se, criticar, nada que produza negatividade poderá ser útil nesta hora. A avaliação deve ser sincera, sem máscaras e sem medos. Os sentimentos despertados podem vir com alguma frustração, mas será por este despertar que chegará a intuição das decisões.

Marque uma data para sua reflexão! Escolha o dia em que se despirá das ansiedades e não contabilizará o investimento, mas sim o retorno recebido! Veja o quanto vale a pena perseverar, ou se apenas está dando murros em ponta de faca. 30 de outubro, aniversário de Tia, será a minha data.

Um fraterno abraço,

Kazagrande

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Dar um tempo???



Todos nós passamos por algum momento em que pensamos em desistir de tudo. Por alguns instantes, horas e às vezes por dias, esquecemos o que já recebemos, como era nossa vida “antes”, nossa personalidade, caráter, obsessões, dilemas, etc., e consideramos “seriamente” a possibilidade de abandonar a missão e seguir em frente sem as obrigações, compromissos e até exigências enfrentadas ao frequentar o templo.

Salve Deus!

Estes momentos, em que a irresponsabilidade e ingratidão falam mais alto, são perfeitamente normais, pois o Jaguar é um espírito livre! Anseia por estar solto no mundo para fazer o que quiser de sua vida. Porém é também o espírito da disciplina espartana, que não desiste e sabe ser fiel aos princípios.

Perseverar na caridade, no cumprimento do compromisso, na lealdade ao Juramento proferido, é para aqueles que realmente possuem o transcendente de Jaguar, os outros estão liberados para seguir suas jornadas e agregarem-se a outras missões ou ainda terminarem suas vidas na satisfação física e frustração espiritual.

Arrumar desculpas para justificar o afastamento, ou mesmo para “dar um tempo”... ( - Aqui cabe um comentário a parte... Dar um tempo??? Salve Deus! “Dar um tempo” é o que se diz quando se quer enrolar alguém porque está com dó de terminar, ou ainda não se sabe se a pessoa com quem se está traindo vai dar certo. Dar um tempo nos seus Mentores? Na Espiritualidade? Na sua MISSÃO? Quem diz que vai dar um tempo é porque deseja ver se “dá certo” viver fora do compromisso que espontaneamente assumiu, e, enquanto vai dando certo, fica longe, quando o sapato aperta volta correndo dizendo que “já passou o tempo”).

Mas voltando... Arrumar desculpas para justificar o  afastamento para os outros é fácil, difícil é dar explicações para nós mesmos, para nosso espírito que cobra a lealdade ao compromisso espiritual. Para nosso espírito que sabe de nossos reencontros e cobranças e o quanto sairá mais caro por não estarmos aliviando o karma dentro da Lei do Auxílio.

Não pensem que eu são “tão santinho” que nunca pensei em dar um chute no pau da barraca... Sou humano igual a todos, e até hoje, as vezes, passam estes pensamentos bestas pela cabeça. Hoje em dia, pela experiência, com muito menos frequência, mas o suficiente para me recordar algo que escrevi há bastante tempo atrás:

“Que minha lealdade e gratidão sejam tão fortes quanto os desafios que sugerem rompê-los, mesmo que precise provar que o impossível de hoje será o possível de amanhã. Porque eu sou aquele que sonha, mas nunca para de lutar enquanto sonha!”.

Kazagrande