TIA NEIVA

TEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A TUA SENTENÇA

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

ADJUNTO ANAVO

MESTRE KAZAGRANDE

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - KAZAGRANDE.

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

O ÚLTIMO EDITORIAL


Durante o ano de 2010 nasceu o “Exílio do Jaguar”. Neste pequeno espaço doutrinário procurei semear coisas boas e produtivas para todos nossos irmãos e irmãs. Falei de coisas simples de Nossa Doutrina, jamais procurando gerar polêmica ou tomando posições agressivas. Falamos de nossos princípios básicos, de Tia Neiva e do Evangelho, brilhantemente sintetizado em Amor, Humildade e Tolerância. Tudo para semear o mais necessário entre nós Jaguares: A UNIÃO DO JAGUAR!

Estamos em uma Doutrina Crística em que ninguém pode fazer nada sozinho. O individualismo e o egocentrismo são faces de uma moeda escura de nenhum valor espiritual. Quando Pai Seta Branca decidiu acender os pequenos faróis que somos, preparou-nos para a formação de uma grande força, reunindo heranças transcendentais e todo um acervo de dores, que seriam transmutadas em amor incondicional através da Lei do Auxílio. Ele também sabia que um pequeno farol poderia ser engolido pelo escuro de uma noite sombria, assim preparou o Mestre Lua e para que a Voz Direta se fizesse presente junto ao Raio do Sol do discernimento: o Doutrinador!

Juntas, as forças do Sol e da Lua, dão a proteção segura na Conjunção de Planos que ora vivemos. Explicar esta Conjunção e a Unificação de Apolo em Cristo Jesus são novas tarefas que despontam e já começaram!

Vivemos um momento em que a cisão física não encontra eco no plano espiritual. Nenhuma busca pelo poder, ou riqueza material, através desta doutrina, terá respaldo nos mundos espirituais. Os poderosos e ricos de outrora já derramaram lágrimas de sangue para retornarem e recuperarem suas verdadeiras essências.

Sábio e poderoso é aquele que domina a si mesmo e não sente a necessidade de participar de uma cruzada contra seus irmãos, que vieram em compromisso coletivo reativar a Chama Divina nos corações perdidos, ou massacrados pela intolerância ou arrogância. Quem se deixa levar pelo radicalismo e personalismo de suas verdades transitórias, torna-se órfão de um Pai que é único em todas as casas, em todos os seus Templos!

Em muitas plantações de trigo é semeado também o joio. Este é apenas semelhante ao trigo, mas nada produz; enquanto com o trigo temos o pão da vida, o joio apenas se assemelha externamente ao trigo. Os verdadeiros Jaguares são o trigo...

Não se pode dar o que não se tem, e quem pouco tem, até isto lhe será tirado. A abundância de tudo que ofertamos está na compreensão que fazemos parte de um Todo, que só chegaremos a compô-lo, quando estivermos unidos em um só coração, que não mais sangra como em eras distantes, em que muitos irmãos eram sacrificados, em seus corpos físicos e suas mentes, por seres que foram grandiosos e não souberam amar e perdoar, apenas condenar e cobrar o respeito que não ofertavam.

A consciência de nossas premissas deixadas por Tia Neiva não são difíceis de compreender e deveriam ser igualmente fáceis de ser interiorizadas. Mas cada um tem seu tempo! Mais cedo ou mais tarde todos chegarão a esta compreensão. Aprender que é o PERDAO e não o TEMPO, que apaga as feridas, já seria suficiente. O tempo é curto e viver os sentimentos e a intuição verdadeira da individualidade desperta, pode ser mais simples que mecanizar a Doutrina e fabricar médiuns.

Uma árvore não se sustenta sem raízes, frutos não serão produzidos sem a água que vêm pela raiz e os raios que vêm do sol. Jaguar! Eis o poder absoluto da magia! Somos nós os caminheiros de Jesus! Não há culpados ou ignorantes, somos capazes de vencer a nós mesmos, ganhando a mais importante das batalhas.

Meus irmãos, não deixemos que nosso candeeiro se apague e nos falte combustível; guardemo-nos do mal da rebeldia. Deixemos de nos defender através do ataque e da incompreensão! Tudo nos foi entregue como se entrega uma jóia em estado bruto para ser lapidada e moldada. Nós mesmos somos “o oleiro nas horas incertas”, instrumento preciso da sabedoria dos antigos, semeemos a paz e colheremos a bem-aventurança. A maledicência e a fofoca nos afastam da verdade. O verdadeiro Pai é firme por amor, e não por vingança ou competição.

Este último editorial do ano de 2010 foi escrito em conjunto com o Mestre Lua Anderson Augusto, fiel companheiro desta pequena jornada no Exílio do Jaguar.

Amanhã, outro ano, outro editorial, a mesma jornada!

Com muito carinho e agradecimento pela presença de vocês em nossas vidas,

Kazagrande

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O Médium de Incorporação: APARÁ!


Quem me conhece pessoalmente sabe do especial carinho que dedico aos Aparás. Um médium de incorporação deve ser respeitado como nossa capacidade máxima de comunicação direta com os planos espirituais.

Ser Apará é uma missão dolorosamente grandiosa. Ouvir, traduzir conhecimentos e instruções que por vezes ainda são muito difíceis para o próprio médium seguir. Imagine o conflito interior que vive um Apará, que com a voz direta, tem que respeitar seu juramento passando as instruções para um paciente e que muitas vezes ainda não consegue dominar aqueles mesmos instintos.

Um Apará sofre! Sofre a incompreensão dos Doutrinadores, que por vezes o julgam melindrosos, cheio de dedos. Sofre com a incompreensão de si mesmo. De muitas vezes não se sentir digno da grandeza da qual é instrumento. Sofre com a consciência da incorporação e as dúvidas que se acercam nesta hora.

Ser o instrumento de uma Entidade de Luz implica em ser o seu ouvido o primeiro a ouvir os conselhos, as orientações, as chamadas à razão...

Absorvendo as energias, ao contrario do Doutrinador, que as reflete, seu temperamento se torna mais facilmente variável. Manter o controle em ambientes cujo padrão vibratório geral está comprometido é uma árdua tarefa a cada dia. Por vezes se calam simplesmente porque necessitam controlar seu próprio padrão e sentem as influencias com mais intensidade. Ou ainda se afastam, abandonam simplesmente o lugar onde não se sentem mais a vontade.

Compreender o médium de incorporação é uma necessidade fundamental para os doutrinadores(as). Ser paciente nos momentos em que fecham. Identificando que algo não está bem e dispondo-se imediatamente a ajudar na mudança de sintonia.

A Ninfa Lua é a mais perfeita expressão da rosa em nossa Doutrina. Sensível, por vezes frágil, é destinada a encontrar um doutrinador que compreenda e participe de sua jornada.

As Ninfas têm a característica de buscar a segurança no Doutrinador. E este precisa habilmente saber individualizar-se como Mestre e entregar-se na missão, sem confundir seus sentimentos e distorcer seu compromisso.

Ser Ajanã é sentir-se uma sombra em um oceano de luz. É compreender primeiro, aceitar primeiro, ouvir primeiro, tolerar primeiro e nem sempre poder esperar a mesma reciprocidade.

Antes de criticar qualquer Ajanã devemos lembrar que é um Doutrinador que conduz as suas aulas de Desenvolvimento. Que o orienta sobre a conduta, lhe passa as instruções e por fim o libera para o atendimento, quando o avalia pronto!

Escrevo tudo isso para despertar a consciência da missão grandiosa de ser Apará! De trazer a Voz Direta, como receptáculo de uma Entidade de Luz! De iluminar, consolar, aconselhar e CURAR!

Kazagrande

Ciência e Doutrina II


Durante o período em que estamos trabalhando espiritualmente, devidamente mediunizados e mergulhados em nossa Individualidade, não temos uma noção exata do tempo que passa e do cansaço.

Porém, é natural, que após o encerramento do trabalho, passados alguns instantes, sintamos o desgaste energético natural do corpo físico.

A energia extra-etérica, que recebemos durante a realização, necessita de um tempo para ser transmutada na energia física, que necessitamos para a reposição do desgaste corpóreo.

Analisando cientificamente, chegamos a conclusão que o equilíbrio energético é perfeito! Ao doarmos nossas energias durante um trabalho espiritual, recebemos exatamente a mesma quantidade de retorno do Plano Espiritual, porém uma energia mais sutil, pura e que vem a nos auxiliar em nossa jornada. Esta energia renova nossas células e nos garante um equilíbrio físico-espiritual mais eficiente. Todavia, para ser devidamente aproveitada, necessita de um “tempo de acomodação”.

“O colete suado, pernas fracas e a vontade de tomar o cafezinho com pão de queijo, são provas incontestes do desgaste energético dos Jaguares na realização dos trabalhos. Podemos então entender que Energia é tudo aquilo com capacidade de produzir trabalho. É claro que através da variação desta energia, ou seja, de cada Trabalho realizado e de sua qualidade, advém os Bônus e/ou Merecimentos creditados por outra forma energética muito sutil: a Espiritual.”

Assim, após a reposição física, com a renovação energética acomodada, nos sentimos mais fortes, animados e verdadeiramente ansiosos pela próxima jornada de trabalho.

As energias existem em muitas formas e recebem diferentes nomes: Cinética, Elétrica, Potencial, Nuclear, Química, Magnética, Mental e Espiritual e ainda em muitas outras formas.  Os nomes se referem à origem ou a sua utilização. De qualquer forma são energias. Podem ser transformadas e por que não falar: manipuladas. Muitas se encontram disponíveis, no entanto, outras necessitam serem captadas ou mesmo produzidas. Uma vez disponível, essa energia não têm direção nem quantidade própria necessitando que uma força inteligente que as  direcione propiciando um objetivo e a quantidade certa. Sim, o médium Jaguar ao se desenvolver vai dominando a manipulação das energias. Na humildade e caridade ele encontra a dose certa.

É claro que se trata de uma grande responsabilidade. Desde o início, o Jaguar passa por graduais modificações em seus plexos que irão permitir a emissão e manipulação de energias. Os mentores responsáveis pelo desenvolvimento os acompanham muito de perto, intervindo em suas energias, nos plexos, na parte Mental inconsciente, fazendo consciente apenas aquilo que pode servir ao desenvolvimento do médium.  Plexos são regiões de nosso corpo biológico, onde temos grande irrigação sanguínea bem como vasta rede de nervos interligados. Um plexo nervoso é uma rede de nervos entrecruzados semelhante a uma caixa de distribuição elétrica numa casa.

“Zifio, sem o amor e caridade nada se realiza! Nem a energia. Lembre-se de que esta pode voltar-se e realizar um trabalho contra você.”

Unificação da Ciência à Doutrina foi uma das premissas do Trino Tumuchy, desde os primeiros passos de sua caminhada como Mestre Jaguar. Ciência e Doutrina não são coisas contrarias! Caminham de forma intrínseca na formação do homem do terceiro milênio.

Licínio Fontana

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Pérolas do Trino Araken - 01


O PAI NÃO TOMA PARTIDO

“Às vezes escuto um médium dizer:  - Ah, mas PAI SETA BRANCA devia tomar uma posição, dar um jeito nisso...”

“Mas como? Para Ele todos são filhos, todos merecem o mesmo Amor, e o Amor Dele é Incondicional, ele não divide! Ele pode ajudar, se quisermos ser ajudados, mas castigar por quê? Vocês querem castigo maior do que as dificuldades que nós já trouxemos conosco? Uma Entidade que emite Amor, ela não castiga ninguém meus irmãos.”

DOUTRINAR:

“Meus irmãos, fazer uma Doutrina é fácil. Você chega, conversa com um Espírito e faz a Elevação dele. Agora, emitir uma emanação e uma Energia de Amor em benefício deste Espírito é muito diferente meus irmãos. Vocês acham que o Espírito não percebe, não sente?... Ele sabe, mesmo ele sendo Sofredor!”

“O Sofredor também, quando recebe uma Doutrina emitida com Amor, ele pode continuar Sofredor, mas ele nunca se esquecerá daquela Mensagem. É como uma sementinha que aos pouquinhos vai crescendo na Mente e no Coração deles. É pra isso meus irmãos, que JESUS nos concedeu esta oportunidade feliz.”

“Fazer a Doutrina como um papagaio e fazer a Elevação, isso não resolve meus irmãos! Não é assim! Porque ele que sabe, ele está vivo, ele está sentindo. E com isto meus irmãos, passam dias, meses, a vida passa, e amanhã nós poderemos ter uma grande decepção, porque nós usamos a boca, a palavra, mas o que há de mais precioso numa Individualidade, que é a Emanação, e ela só é possível se aquilo for feito por Amor, ou não se faz.”

LEIS e RITUAIS

“Temos regras, que nós chamamos de Leis. Porque existem regras? A mãe ou o pai fala assim ao filho: "Não vai por ali, porque você vai se machucar". Se é realmente perigoso faz-se ainda uma proteção, onde tem uma porta que dá para uma sacada, faz-se uma grade, para proteger o filho e ele não despencar lá de cima. Aqui nós temos regras, também para não nos machucarmos.”

“Temos Rituais. Por quê os Rituais? Vocês já se perguntaram o porquê dos Rituais? É meus irmãos, os Rituais servem para facilitar, para que sejamos protegidos durante aquele Trabalho. E muitas vezes nós nos rebelamos, nós complicamos, nós modificamos. Se nós tivéssemos realmente compreensão, nós não precisaríamos do Ritual. Nossa Mãe deixou tudo escrito, bonitinho, pra quê? "- É para os meus filhos caminharem, para os meus filhos não se machucarem, se libertarem". Assim ela dizia!”

"Salve Deus! Meus irmãos, conhecer as Leis e não obedecê-las, conhecer os Ensinamentos e não segui-los meus irmãos, é a mesma coisa que o médico fazer a consulta, dar a receita, e a pessoa não tomar o remédio.”

Trino Araken – Mestre Nestor (em memória)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

MENSAGEM NATALINA - 1


Salve Deus!

Meus irmãos, nesta data em que a sociedade através de alguns de seus representantes religiosos escolheram para celebrar o nascimento de Cristo a psicosfera da terra adquire um outra tonalidade, quando irmãos se cumprimentam e se vêem como emanações de amor de Deus Pai-todo-poderoso, através daquele que se reduziu de sua majestade para nos ensinar o caminhar.

O maior presente é tê-los aqui, a vibrar, a brilhar; assim como os três Reis Magos de Luz que atravessaram o deserto, naquela era de medo e escuridão, para saudar a presença do Divino e Amado Mestre Jesus, sabendo eles que Este seria o brilho constante no coração daqueles que enxergam através dos olhos da simplicidade e do perdão.

As luzes que ora vos chegam são remanescentes de Tua própria claridade. O ouro, um presente tão lembrado, foi apenas em pequena quantidade, a representar o Sol e a Luz daquele que vos rege, e a sua importância cósmica não permitira grandezas de valor material. Tão desprendidas, Senhor! Foram tuas obras; éramos apenas andantes e nos tornastes em caminheiros, assim como Tu! Não ensinastes nada aquém do amor, e tuas dores foram a redenção do Espírito!

Pouco temos a buscar, pois o encontro de nossas almas edifica a coragem dos que já foram guerreiros, conquistadores, imperadores, para transformar todo um reinado de expansão física em um único objetivo: o nascimento de Cristo dentro de cada um! Este é o retorno que não há dia nem lugar, apenas a bem-aventurança dos que não mergulham nos egos transitórios e não precisam mais do combate que não seja à sua própria imperfeição.

Jesus, tu que permitistes amar e ensinar, mesmo que muitos já não podem mais te enxergar, somos vossos fiéis representantes, faça-nos merecedores de tocarmos em tuas sandálias!

Nesta época de festas, troque o verdadeiro presente com seu irmão, permitindo-se ver através dele; que suas falhas, suas dúvidas e incompreensões sejam a fortificação da tolerância e compaixão; nem mesmo o mais forte aço poderemos levar conosco, ele também se reduzirá ao mínimo para fazer parte do todo. Benditos sejam os teus frutos da sabedoria, em haver transitado pelo bem e pelo mal sem ter a necessidade de julgar-se conhecedor absoluto da vida!

Trago-vos o incenso e juntamente minhas orações para que neste Natal continuem a receber o Cristo em suas forças, e Ele estará presente toda vez que suas palavras se fizerem em verbo por nós. Salve Deus!

Mestre Lua Mago
Anderson Augusto

Ciência e Doutrina I


Matéria, Energia, Força e Trabalho são conceitos Científicos e Espirituais que no nosso dia a dia utilizamos sem muitas vezes sabermos o seu real significado. Cientificamente não são conceitos difíceis. Ao contrário, mostram como são esses fenômenos da criação, e esclarecem para o quê servem. A Doutrina Espírita, e em Particular a Doutrina do Amanhecer, se encontra e caminha junto com a Ciência.  Está claro que tudo é obra de Deus Pai todo Poderoso, mas que por diferentes caminhos a Ciência contribui para a compreensão dos fatos envolvidos nos trabalhos Mediúnicos, tão comuns no dia a dia dos Jaguares. O entendimento dependerá do contexto em que explicamos e das palavras utilizadas. Salve Deus!

A ciência nos conduz ao conceito de matéria como sendo tudo aquilo que é palpável (possui massa) e que ocupa lugar no espaço.  Observe que no início de todas as Consagrações na Estrela Candente somos convidados pelo dirigente a formar a fila magnética observando a hierarquia do Mestrado.  Sim, somos matéria! Possuímos um invólucro material que deve se posicionar de acordo com a hierarquia da Doutrina. Uma das propriedades dessa matéria é de não ser possível duas ou mais pessoas ocuparem um mesmo lugar no espaço.  Por isso, há de se ter um mínimo de ordem, motivo pelo qual aparece a fila.

A matéria e a energia desde o princípio andam juntas e são interdependentes. No universo, matéria e a energia se transformam uma na outra num processo sem fim. Estabelecem-se num equilíbrio dinâmico, porém sempre se conservando em ambas as formas e com isso permitindo a vida como a conhecemos.

Einstein explicou exatamente isso, e ainda afirma que tudo neste universo é relativo. Relativo à que? O que é relativo? Expliquemos: Na física o termo relativo indica: a dependência da posição e do estado que você se encontra ao observar um fenômeno qualquer. Simplificando, “onde você está” e “como você está”, são os relativos. Isto porque podemos mudar de posição, de velocidade e também de condições de estado energético. Assim é muito importante definir se você esta parado, em movimento, e acredito que posso acrescentar: energizado, mediunizado ou harmonizado, uma vez que nestes estados há movimento de energias.

Matéria é Energia concentrada, e o ser humano é representa a capacidade máxima de condensação de energias.

Licínio Fontana

A COLUNA DO MESTRE LUA


Há alguns acrescentei aqui, no Exílio do Jaguar, a “Coluna do Mestre Lua”. Um espaço para publicação de textos dos nossos irmãos Ajanãs.

A Coluna foi inaugurada com um texto do Mestre Anderson Augusto, do Adjunto Ypuena, e já recebeu o acréscimo de outras duas publicações: “Mansão Ypuena”, de Paulo Montandon, e “LIBERDADE” de Anderson Augusto.

Hoje publico o texto do deste companheiro que nos concede a Voz Direta com o título de “A INTENÇÃO”.

Mesmo sem haver divulgado anteriormente, percebo que já é grande o número de acessos e recomendo que valerá a pena dar uma passadinha por lá, e colher estas pérolas da Voz Direta.

Um fraterno abraço,
Kazagrande

domingo, 19 de dezembro de 2010

Nem sempre é culpa do Apará!


Ao vermos um Apará gritando, esmurrando os Tronos, dando risadas, permitindo comunicações de sofredores ou mesmo realizando gestos intimidadores durante uma incorporação de um irmãozinho (virando-se para o Doutrinador, gesticulando ameaçadoramente), normalmente já consideramos que o médium está desequilibrado!

Já escrevi anteriormente que estas manifestações não são, em absoluto, qualquer sinal de “força”, muito pelo contrário, são falta de conduta de um médium mal preparado e consciente durante a incorporação.

Porém nem tudo é culpa do Apará!

Além da formação do médium estar a cargo de um Instrutor Doutrinador, que tem por obrigação ensinar os conceitos, que Tia sempre insistia, de que nossa Doutrina é fidalga e prima pela elegância, existe toda uma ritualística a ser cumprida para evitar interferências e estes tristes desequilíbrios.

Ao adentrarmos no Templo nossa tônica deve ser outra, pois entramos em contato com nossa Individualidade, desde o momento do primeiro passo, ao abrirmos nosso plexo (“Meu Senhor e meu Deus”), temos que voltar nossa mente para a realização com a qual vamos nos comprometer.

Fazemos nossas reverências, uma Prece ao Pai, seguimos para a Preparação, cumprimos este passo e chegamos a Mesa Evangélica! Trabalhar na Mesa Evangélica não é “só quando eu quero”. Faz parte de uma seqüência para estar em condições de ir aos Tronos. Ali entregamos os irmãozinhos que nos acompanharam, ou nos foram confiados pela Luz que refletimos de nosso Plexo Iniciático.

Ao sair da Mesa, antes de ir aos Tronos, tem o Castelo do Silêncio! A passagem por ali não é uma formalidade, faz parte de uma seqüência de preparação dos médiuns, visando anular interferências e evitar desequilíbrios.
O Doutrinador, com a mente ágil, sente-se pronto imediatamente para o Trabalho e normalmente acaba apressando o Apará. Salve Deus! O Apará precisa de muita sintonia, ele vai ser receptáculo de um Ser de Luz, trazendo mensagens que podem mudar o destino de uma pessoa. Vamos tratar com vidas humanas, entrar em suas vidas!

Não posso crer que nada em nossa Doutrina tenha sido trazido dos Planos Espirituais sem um verdadeiro motivo.

Assim, ao entrarmos no Castelo do Silêncio, temos um tempo para nos interiorizamos. O Apará orando, pedindo conscientemente pelo segurança que precisa nesta realização; o Doutrinador tranqüilizando seu espírito e encontrando-se com a paz necessária neste momento.

O Doutrinador que vai para os Tronos, para ele mesmo consultar com o Preto Velho, está do lado errado! O quê está fazendo de uniforme? Vai consultar? É PACIENTE!!!

Meus irmãos e irmãs... Ainda têm mais! Chegando aos Tronos o Apará precisa de um tempo. Vai sentar-se, fazer sua prece, isolar-se do mundo e entregar-se a missão. Somente quando estiver seguro é que vai dar o sinal para receber a ionização.

Salve Deus! É muito difícil que depois de todo este preparo (eu nem citei os cruzamentos realizados na entrada do setor de Tronos), de toda esta tranqüilidade, conduzida com elegância pelo Doutrinador, é muito difícil que ainda assim possam acontecer os desequilíbrios nos Tronos.

Agora... Quando apressamos o Apará, quebramos sua sintonia, não respeitamos as instruções básicas recebidas lá no Desenvolvimento, por arrogância ou orgulho, achando que a quantidade de medalhas no colete “nos garante” para ir direto para os Tronos... Salve Deus!

A culpa nem sempre é do Apará!

Kazagrande

sábado, 18 de dezembro de 2010

Os Três Reinos de minha Natureza


Os Três Reinos de minha Natureza; Personalidade e Individualidade; Alma e Espírito; e outros.

Existem alguns conceitos básicos em nossa Doutrina que devem ser claramente compreendidos já nos primeiros passos. Porém, muitos, envolvidos pela rapidez com que desenvolvemos as técnicas doutrinárias, acabam ficam com idéias não muito claras a respeito.

Os Três Reinos de minha Natureza – Consideremos o ser humano encarnado um ser “tríplice”, ou seja formado por três “plexos”. Para que possamos compreender bem este conceito é necessário analisar separadamente cada um destes três plexos:

O Plexo físico – Este é simples de explicar! É o seu corpo. Pura e simplesmente o corpo que seu espírito ocupa nesta encarnação. Não “é” você, mas faz parte de você. Ele tem um tempo de vida útil que irá se esgotar e morrer, mas você não morre com ele, por que ele apenas é um terço do que o ser humano encarnado representa.

O Plexo Mental – Ou sua Psique. Neste ponto é que começam algumas dúvidas, pois normalmente conceituamos que alma é espírito são a mesma coisa, certo? Errado!!! Em nossa Doutrina distinguimos bem “alma” de “espírito”. Consideramos como “alma” o quê hoje você representa nesta encarnação. O José, João ou Maria... É a sua encarnação atual! Sua Personalidade.

O Plexo Mental é representado pela sua alma. É você hoje, sem considerar outras encarnações. Chamamos “Mental”, porque é controlado pela sua mente, pelos seus desejos e fruto de sua atual experiência. Reflete a maneira como foi criado, os bons e maus princípios que aprendeu nesta vida, e o quê pensa e age com reflexo. Ao morrer o Plexo Físico (o corpo), as lembranças de sua mente nesta encarnação (Plexo Mental) irão agregar-se ao seu Plexo Espiritual... Ao seu Espírito. Por tanto, a alma é apenas uma personalidade transitória que agora você está vivendo e registrando em sua mente. Muito diferente do seu Espírito!

O Plexo Espiritual – Considerando que já compreendemos que a alma é apenas “você hoje”, sua personalidade e lembranças de sua vida atual, fica mais fácil compreender a diferença clara quando vamos falar em espírito. O espírito é o seu EU verdadeiro! Este é você! Não é apenas o José, João ou Maria! É a soma de tudo o quê você já viveu nesta e nas outras encarnações. Com a morte do corpo, a alma passa a ser apenas uma lembrança a mais na sua memória espiritual. Como espírito você é a soma de suas muitas passagens por este e outros planos!

O primeiro questionamento neste ponto é sobre o “despertar”. “Quer dizer que quando eu desencarnar vou perder minha personalidade de Kazagrande e imediatamente passar a ser um espírito carregando a lembrança desta última “atuação no palco da vida terrestre”?”

Bem... Cada caso é um caso! Sim, existem aqueles que já estão preparados para recordar de suas outras passagens quase que de imediato. Mas a maioria precisa de um tempo de adaptação de retorno a sua condição espiritual. Vai desligando-se dos apegos da última passagem e tomando consciência, aos poucos, de sua real condição.

A capacidade de, ao retornar ao mundo espiritual, desprender-se dos apegos materiais da alma e dos desejos do corpo, é que determinam seu tempo de adaptação.

Quanto mais claramente compreendermos que não somos apenas um corpo, ou apenas a personalidade que atualmente vivemos, mais rapidamente poderemos estar em contato com o espírito, grande motivo de nossa mediunização.

Kazagrande

domingo, 12 de dezembro de 2010

Saudades de um Exilado!


Para a Confraternização das Filhas e Filhos Adotivos de Koatay 108 em 12/12/2010.

Meus irmãos e irmãs. Saudade é uma palavra muito pequena para traduzir o sentimento que me invade nesta época do ano em especial!

As recordações são tantas, e tão boas, que se desordenam na mente ao provocar as lágrimas da emoção.

Lembrar do Orfanato traz de volta o som das crianças correndo, dos sorrisos nas travessuras, do Pai Nosso nas refeições, das lágrimas no dia do encerramento daquela missão.

Falo encerramento, pois eu não poderia afirmar que o Orfanato fechou! Ele insiste em se manter aberto em nosso coração, como a lembrança da expressão viva de um lar de acolhimento e segurança.

Se mantém vivo pela insistência daqueles que consideram que uma missão não pode ser “fechada”. Tia Lúcia e a Vó do Bordados não desistem! Todos os anos nos reúnem aqui em uma celebração da vitória, de mais um ano em nossas vidas, sem romper o fraterno laço que nos uniu nesta passagem terrena.

Este é o primeiro ano sem o “Tio Capitão”...

Sem sua voz de comando a nos guiar, ensinar, e orientar, com firmeza e carinho, os passos que necessitavam de sua segurança!

Aos mais velhos, que tiveram a oportunidade com sua convivência marcante, fica o compromisso de ter na mente as preciosas lições de disciplina, respeito e organização recebidas.

Aos mais jovens, que começam a se espelhar em seu exemplo, cabe dizer que ficamos um pouco mais velhos... Temos que amadurecer na marra, e saber que não podemos decepcionar quem sempre acreditou em nós!

Tenho certeza que muitos ainda escutam sua voz dizendo “vamos, vamos, vamos!”, nos dando a segurança de que não devemos parar. Temos que cumprir com o quê nos comprometemos.

Resta ainda dizer que não há dúvidas: O céu vai ficar muito mais organizado com ele por lá!

Saudades,

Kazagrande
12/12/2010

Quem é?


Quem é aquela senhora tão distinta misturada em meio àquelas crianças? Que brinca, presenteia, traz alegria e esperança em meio a uma saudade intraduzível pelas palavras humanas?

Quem é aquela “Vozinha” que emana a Luz da União? Que promove os reencontros, que renega a possibilidade de esquecer e emana uma ligação espiritual na missão trazida por Tia Neiva?

Quem é aquela criança disfarçada de Vovó? Que vive intensamente seus sentimentos e lembranças com a pureza do coração de menino que crê que todos podem ser bons, valendo sempre a pena semear, ensinar e amar?

Seria Vovó Marilú? Às vezes eu acho que sim, pois sua projeção de amor e comprometimento, com o quê faz e assume, é tão grande e forte, que confunde a Voz Direta com a Ação Direta, e traz a emanação de um Ser de Luz.

Na verdade é a “Vó dos Bordados”! Carinhosamente assim chamada por gerações de “ex-meninos e meninas de Orfanato”, ex- funcionários, amigos, agregados e por todos que de alguma maneira fizeram parte das Crianças de Tia Neiva.

Todos os anos, ao aproximar-se do Natal, Vovó Noel vem substituir um Papai Noel que nem sempre é presente na casa dos membros desta fraternidade que nos une.

Chega com seus muitos sacos de amor, de carinho, de respeito, de lições de compromisso, persistência, disciplina... E presentes!

Presentes preparados ao longo de um ano inteiro. Com emanação pessoal, um por um embalado com o papel colorido de um exemplo prático de Amor Incondicional.

Salve Deus, Vovó “Marilú” José dos Bordados! Que seu exemplo jamais seja esquecido, como nunca nos esqueceu!

Que a Luz bendita que emana de suas mãos, ao envolver cada presentinho, toque nosso coração, e que nesse momento nossa gratidão e nosso amor, possam retribuir um pouquinho do muito que recebemos da senhora.

Que o Pai Nosso das Crianças seja mais uma vez emitido, agora em seu favor! Como nossa pequenina mensagem de carinho pedindo por sua proteção, por sua saúde, por sua família, pelos seus amores, levando ao seu coração um pouquinho do muito que deposita em nosso favor durante o ano todo, enquanto se prepara para este dia!

Vale do Amanhecer, 12 de Dezembro de 2010.

Filhos e Filhas Adotivas de Tia Neiva...
Netos e Netas Adotivas da Vó dos Bordados!

(Redigido pelo seu “neto exilado”... Tio Rodrigo)

domingo, 5 de dezembro de 2010

PRECISAMOS DO REIKI?


Ao chegar aos Tronos o paciente diz seu nome e sua idade, sendo apresentado à Entidade. Normalmente então, o Preto Velho ou a Preta Velha, inicia um reequilíbrio energético na aura do paciente. Impõe suas mãos, sem a necessidade de tocar, pois, dispondo do ectoplasma dos médiuns, em conjunto com a energia espiritual atuante, pode literalmente reordenar a vibração do paciente.

A partir de então dá uma mensagem preliminar e abre um intercâmbio energético, permitindo que o paciente fale. Ao falar emite sua energia, normalmente pesada, em virtude de seus problemas, de suas dores e frustrações, e recebe, através dos “passes”, uma limpeza gradativa, que vai reequilibrar sua tônica vibratória.

Havendo necessidade, um irmãozinho pode ser trazido para ser doutrinado e encaminhado. Este por sua vez recebe uma técnica similar, agora aplicada pelo Doutrinador.

Ao terminar o atendimento o paciente sai “aliviado”, com uma evidente melhora de seu padrão vibratório e com sua aura em condições de receber o benefício de outros trabalhos, que podem ou não, ser necessários.

E o quê acontece com um paciente de Reiki? Não é basicamente a mesma coisa, com a diferença de que não pode haver o encaminhamento do espírito causador do desequilíbrio, e não há uma complementação com outros trabalhos?

E o “passista” do Reiki? Não estaria ele também aplicando uma técnica similar a dos Pretos Velhos visando a re-harmonização da aura do paciente? Obviamente em uma voltagem diferente, com uma assistência espiritual igualmente benéfica, porém muito mais limitada.

Dizer que não existe um Ritual ou que não se manipula diretamente uma energia dentro do Reiki, seria desmerecer esta nobre técnica oriental, que cumpre sua função com assistência de espíritos designados para este auxílio. Da mesma maneira que ocorre com as diversas correntes místicas e religiosas, igualmente benéficas, mas que operam em uma “voltagem” diferente da nossa Corrente. Cada Corrente tem sua característica própria!

Meus irmãos e irmãs, precisamos do Reiki? Não temos em nossa Doutrina as mesmas técnicas e ainda muito mais que nos foi trazido pela Clarividente direto dos Planos Espirituais?

Não desmereço, de forma alguma, esta técnica fantástica e efetiva, porém não podemos negar que, naquele momento, estamos operando em uma Corrente diferente e que sim, recebemos assistência de nossas Entidades. De modo que cobrar por uma aplicação destas, também seria uma segunda e ainda mais grave falta de conduta.

Já recebi diversos emails sobre este assunto e creio que bastaria uma pergunta simples para responder a todos os questionamentos sobre este tema: PRECISAMOS MESMO DO REIKI?

Não serão nossas Entidades capazes de proporcionar o quê precisamos e merecemos?

Creio que aqueles que respondem que precisamos do Reiki, estão muito distantes de conhecer a capacidade de nossa Doutrina e ainda não vislumbram tudo o que temos nas mãos. Salve Deus!

Kazagrande

sábado, 4 de dezembro de 2010

EDITORIAL DEZEMBRO 2010


Sobre Ensinar e Corrigir

“Eu vim para ensinar, não para corrigir”. Nesta máxima, de Tia Neiva, encontramos grande parte da responsabilidade ao assumir uma Consagração. Seja para receber ou para ministrá-la.

Consideramos que devemos ensinar! Assim, temos que ter a segurança de haver aprendido corretamente. Ao Consagrar a Centúria será considerado um médium completo e preparado! E não se pode mais corrigir um Médium que atingiu este patamar dentro da Doutrina, pois consideramos que tudo que ele necessitava saber, para caminhar “com as próprias pernas”, já lhe foi ensinado.

Mas o quê dizer daqueles que não receberam a instrução? Aqueles que não aprenderam pela falta do ensinamento, e não por sua negligência? Creio firmemente que é necessário entender que estes precisam aprender, não estarão sendo corrigidos. Assim encontramos uma nova pérola de Tia: “Mestres ensinando Mestres”.

Não gosto de ficar falando dos acessos deste nosso pequeno espaço, mas posso afirmar que muitos que diariamente escrevem (e realmente são muitos), são Centuriões com dúvidas básicas, que vão deste os primeiros Trabalhos até Conduta Doutrinária. Posso observar claramente que não são, em sua maioria, médiuns que foram negligentes com sua busca espiritual. Tanto que, ao se depararem com este simples blog, sentem que podem encontrar algum esclarecimento sobre suas dúvidas.

Assim... Mesmo sendo Centuriões, seguem aprendendo. Poderíamos afirmar que lhes faltou instrutor, porém é mais sensato considerar que “quando o discípulo está pronto, o mestre aparece”.

Estes últimos dias, com o texto “Fábrica de Médiuns” e as reflexões sobre a Carta de Tia Neiva aos Instrutores, pudemos perceber a grande falta de instrutores comprometidos com a necessidade de ensinar com precisão, tanto em relação às técnicas, quanto em relação aos passos para evolução.

É claro que também temos excelentes instrutores que precisam estar despertos para “o quê não foi ensinado”... Pois assim não estarão corrigindo, estarão complementando o que em algum momento, por algum motivo, faltou!
Cursos, reciclagens, consagrações, de nada valem se o Instrutor, lá do Desenvolvimento, não tiver sido formado passo a passo. Recebendo toda a segurança que vai necessitar para assumir tão grande compromisso.

Consertar o quê ficou para trás? Seria corrigir! É importante olhar para o futuro e ver o quê pode aprender com os erros do passado, e assim, melhor ensinar!

Kazagrande

Sobre download de Filmes e Livros Espíritas


Nosso Lar: Para baixar clique aqui - http://www.fileserve.com/file/xZ9VPKd
Recebi de uma leitora um questionamento sobre pirataria, e que “um missionário não poderia compartilhar estas coisas”! Aqui está a resposta:
Salve Deus!

Rogo ao Pai que me faça ser entendido nesta explanação. Esclarecendo sua dúvida e olhando sempre pela perspectiva da necessária divulgação das mensagens boas e produtivas que o mundo espiritual nos envia.

Destaco que Chico Xavier sim foi um verdadeiro missionário - instrumento do verdadeiro autor: André Luiz, o qual não deve estar recebendo nenhum centavo de direitos autorais.

Chico psicografou 412 livros. Nunca admitiu ser o autor de nenhum destes livros. Vendeu mais de 20 milhões de exemplares. Reverteu todo o lucro para instituições de caridade. Nasceu e morreu pobre. Se Chico nos alcançasse com o avanço da Internet, creio que estaria com algum site no ar para divulgar seus livros livremente, sem precisar de qualquer editora.

Devemos considerar que, especificamente sobre o “Nosso Lar”, o filme já se tornou um grande sucesso de bilheteria, obtendo uma renda muito superior a qualquer investimento, e sendo impossível que hoje sua disponibilização em rede ocasionasse algum real prejuízo. Somada a bilheteria até o fim do mês de setembro, Nosso Lar acumula 3.418.358 espectadores e renda de R$ 31.401.986 e consagra-se como a terceira maior bilheteria de um filme nacional.

O objetivo dos livros e filmes espíritas divulgados no Exílio do Jaguar é o aculturamento do médium pelo conhecimento, seguindo as primícias do Trino Tumuchy e da própria filosofia de Chico Xavier.

Sinceramente somente agora estou sabendo que espíritos têm direitos autorais, que existem médiuns e espíritos que compactuam com as práticas monetárias, materialistas, capitalistas, jurídicas do Planeta Terra e que estas são superiores e mais importantes que a divulgação do que a divulgação da mensagem.

Sempre acreditei que todo livro de autoria de um espírito, ou mesmo um filme baseado em obra mediúnica, fosse para benefício de todos e não para benefício de quem tem cinema na cidade ou pode comprar um livro.

É importante lembrar que os links deste blog foram encontrados na própria internet. Até mesmo grandes portais espíritas, como o Kardec Online, para onde também escrevo artigos de nossa Doutrina do Amanhecer, com grande aceitação pelos demais espíritas, também disponibiliza milhares de livros, filmes e vídeos, para download. O mesmo acontecendo com diversos sites de entidades nacionais e estaduais que representam a doutrina espírita em nosso país.

Considerando que hoje, o direito autoral material pertence a FEB, e esta se abstêm de manifestar-se sobre a livre divulgação de suas obras (creio que a pedido do próprio Chico), nada resta a acrescentar.

Sinceramente, espero ter esclarecido sua dúvida, olhando sempre pela perspectiva da necessária divulgação das mensagens boas e produtivas que o mundo espiritual nos envia.

Um fraterno abraço, Kazagrande