sábado, 22 de abril de 2017

DISCIPLINA



A grande herança de nossa saudosa Esparta não é a “espada do guerreiro”, mas sim a “disciplina do soldado”. Hoje não temos mais as ordens do Rei Leônidas, mas aprendemos, paulatinamente, a disciplina de Pai João.

Falar em disciplina não implica somente em nossas questões doutrinárias, pois aqui no Exílio do Jaguar tratamos também de nossa vida física, onde a felicidade pode ser atingida por atitudes que possam trazer a prosperidade e semear a necessária evolução do espírito.

É preciso largar a espada, abandonar as respostas ferinas, desarmar-se... Não é possível sermos pessoas melhores, e semear a evolução, enquanto insistimos em ferir os outros pelas palavras e vibrações. Libertar-se da negatividade e da preguiça são primeiros passos para atender ao chamado da disciplina.

Em nossa Doutrina a disciplina é marcada por compromissos que vamos amealhando no transcurso de nossas consagrações. Primeiro assumimos o compromisso de renovar nosso juramento de Iniciação, todos os dias, três vezes ao dia (12, 15 e 20 horas), emitindo em favor de todo o Universo a Energia do Jaguar Iniciado, que se unifica a todos, encarnados e desencanados, que passaram por este ritual. Depois vamos acumulando outros compromissos: Retiro, Estrela... A cada novo passo, mais um compromisso assumido.

Para nossa vida física não existe melhor começo, ou recomeço, que reavivar este compromisso e insertar, no dia a dia, mais rotinas de ações que semeiem vibrações positivas e contribuam em atrair pessoas e oportunidades melhores para nossas vidas.

Anteriormente falei em acordar cedo (Texto: A Preguiça), em ter um sorriso de “bom dia”, de metas traçadas para cada dia. Devemos aliar estas ações à criação de rotinas mais ou menos fixas para nosso dia, por exemplo: Ter horários em que determinamos, e cumprimos, atividades benéficas para nosso corpo. Algum tipo de exercício, uma caminhada, algo dentro das possibilidades do físico de nossa idade. Horários para alimentar-se, para convívio familiar, para o trabalho, ou mesmo a procura dele. Também é importante direcionar uma parte do tempo para sua missão espiritual.

A balança de nossa vida é tríplice, assim como também somos seres tríplices. Corpo, mente e espírito, vida física, psíquica e espiritual. Equacionar nosso tempo de forma sensata é a chave do equilíbrio e do sucesso! Ter tempo para o físico (vida material, trabalho, estudos, saúde); ter tempo para a vida psíquica (vida emocional, amores, família, relações sociais) e ter tempo para a vida espiritual (nossos trabalhos no templo).

Não é possível ser feliz vivendo extremismos! Não será feliz internando-se no Templo, pois ali não traz dinheiro e não é lugar para conversas sociais ou afetivas. Não seremos felizes mergulhando no trabalho material e esquecendo o restante, e menos ainda se nos entregamos a uma paixão e deixamos de lado o trabalho e o espírito. Equilíbrio é a chave! Tudo é importante, e tudo ao mesmo tempo, não resolve direcionar sua energia somente para um dos pratos da balança. Somos tríplices eu repito!

A disciplina em cumprir o planejado, porém estando aberto às intuições, é uma das melhores maneiras de ser feliz! Todas as vezes em que abandonei algum destes pratos a vida desandou. Trabalho, família e Templo, em uma divisão consciente de prioridades, tempo e dedicação igual para cada uma.

Kazagrande

5 comentários:

Muito bacana mestre mas como conciliar vom equilibro quando nosso marido nao e da doutrina se quando vou e brigas sofro porquê tenho muita fe mas como deixar algurm com raiva srmpre ele e evangélico nao aceita .me ajude ter forcas

Salve Deus!
Que sejamos capazes de organizar o nosso tempo para e assim doarmos o que há de melhor em cada um de nós. Que o equilíbrio faça parte de nossas vidas!
Parabéns pelos textos sábios.

Salve Deus mestre gostaria que me ajudasse, o mestre que consagra em um templo so pode trabalhar nela, se mudar de templo porque nao pensa como o adjunto ta indo contra a doutrina? To me sentindo sufocada no templo porque vejo nas cartas da tia e ate na suas postagens coisas diferentes do que acontece no templo. Parece que tudo que o adjunto fala e lei e se nao concordamos estamos contra tia neiva. Realmente sinto que o adjunto ta o tempo todo com o chicote na nao!vou para o templo quando vejo tao falando que o trabalho e para corpo mediunico e eu estou la para atender o paciente. Desculpe pelo desabafo. Obrigado.

Salve Deus mestre gostaria que me ajudasse, o mestre que consagra em um templo so pode trabalhar nela, se mudar de templo porque nao pensa como o adjunto ta indo contra a doutrina? To me sentindo sufocada no templo porque vejo nas cartas da tia e ate na suas postagens coisas diferentes do que acontece no templo. Parece que tudo que o adjunto fala e lei e se nao concordamos estamos contra tia neiva. Realmente sinto que o adjunto ta o tempo todo com o chicote na nao!vou para o templo quando vejo tao falando que o trabalho e para corpo mediunico e eu estou la para atender o paciente. Desculpe pelo desabafo. Obrigado.

Salve Deus! Aposto que Casa Grande tem respostas demais sensatas para orientar,como grande conhecedor dá doutrina que é. Contudo,gostaria de deixar um comentário.
Quando se consagra em um demplo,passamos a fazer parte de um time. Toda vez que sentimos vontade de ir a outro templo, com certeza,desfalcados esse time. Eu, particularmente não sinto vontade de ir a outro templo. Primeiro que o ministro que me levou ao castelo de iniciação está aqui comigo e depois, quando saímos para conhecer deixamos de somar em nossa casa.
Nossa doutrina é maravilhosa e não nos falta nada...Nossa doutrina não é para escravizar e sim para libertar. Ninguém é obrigado a nada porém, se assumimos um compromisso é nosso dever cumpri-lo.
Não trabalhamos para ninguém a não ser nós mesmo. A lei do auxílio é nossa ferramenta, os pacientes nossa matéria-prima e o coletivo nossa força.
Boa sorte irmã em sua jornada. Salve Deus!

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.