TIA NEIVA

TEU PADRÃO VIBRATÓRIO É A TUA SENTENÇA

O CENTURIÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

ADJUNTO ANAVO

MESTRE KAZAGRANDE

PÉROLAS DE PAI JOÃO

Todos os direitos autorais e edições impressas doadas à Doutrina do Amanhecer.

MINHA MISSÃO É MEU SACERDÓCIO

EXÍLIO DO JAGUAR - KAZAGRANDE.

sábado, 30 de maio de 2015

O Roubo no Templo


A Ninfa entrava esbaforida no Templo e comunicava no Radar:

- Fomos roubados! A caixinha que ficava com o dinheiro reunido nas últimas semanas pela lojinha, lanchonete e doações dos médiuns sumiu da secretaria!

Inadvertidamente comentou em voz alta, e instantes depois, o burburinho tomava conta dos outros médiuns.

Alguns revoltados, querendo já procurar a velha espada de espartano e partir para procurar o ladrão. Outros apenas contendo a mesma revolta em respeito ao ambiente que se encontravam.

Quando finalmente o Adjunto inteirou-se do ocorrido, sentenciou:

- Salve Deus! Alguém deveria estar precisando mais do que nós.

Todos calaram, mas uma quase que inevitável tristeza abalou os corações dos missionários que consideravam injusta a situação.

****

Certa vez um Adjunto, imbuído em tentar a recuperação de um médium que havia se envolvido com drogas, levou-o para uma grande reunião em outro Templo. Pela ausência de acomodações, instalou-se em uma barraca cedida pelos membros locais, deixando o componente se acomodar junto com os demais médiuns de outros templos.

Ao despertar pela manhã deparou-se com um grupo na porta da barraca pedindo para revistar o local. Constrangido, porém respeitoso, saiu e permitiu que entrassem. Embaixo de seu colchonete encontraram um laptop, uma câmera fotográfica e alguns celulares.

****

Salve Deus!
Meus irmãos e minhas irmãs,

Roubos sempre são algo chocante, e mais ainda se ocorrem na área do Templo ou realizados por um irmão de doutrina.

Porém, como em todas as situações que se apresentam em nossa caminhada, não podemos nem assim julgar!

É natural que uma revolta inicial tente nos dominar, ou ainda sentimentos de decepção, raiva, injustiça, desconfiança e acusação, se apresentem em nossas mentes.

Mas, nem mesmo em grandes perdas podemos nos deixar abalar! Não nos é mais admissível permanecer em negatividade, gerar comentários e com isso vibrações negativas.

Permitir que uma corrente negativa forme-se pelas nossas vibrações em face de um ocorrido desta natureza somente irá atrair ainda mais situações negativas.

É preciso recordar da humildade do Adjunto do segundo texto e da simplicidade do Adjunto do primeiro relato: “Alguém precisa mais do que nós”. Nestas palavras reside a sabedoria da compreensão (da tolerância), a humildade de tratamento e o amor incondicional!

Cuidemos de nossos bens, tomemos mais precauções para evitar os problemas de furto, mas jamais nos apeguemos ao material de maneira que sua perda possa significar também a formação de uma corrente negativa e um preço ainda maior a ser pago pela nossa incompreensão.


Kazagrande 

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Existe mesmo livre-arbítrio?


Mensagem de uma Ninfa:

“Será que temos livre-arbítrio mesmo? Pois vejo que nos tornamos obrigados a agir de determinada maneira após entrar para a Doutrina. Quero me separar de um relacionamento falido, mas com isso não estaria abandonando minha missão ou fazendo mais karma?”.

Nosso livre-arbítrio é sempre soberano! Vamos a um exemplo bem simplório, mas que retrata bem a situação:

Uma pessoa obesa, gorda, entende que precisa emagrecer porque está sentindo efeitos negativos em sua saúde. Procura um Médico, um nutricionista, recebe uma dieta adequada para que possa emagrecer com saúde e melhorar sua qualidade de vida. Começa a seguir rigorosamente a dieta, mas... de vez em quando se depara com um doce e não resiste. Recebe um convite para uma macarronada e vai... é o livre-arbítrio atuando! Ela sabe que faz mal, que vai mentir para as pessoas que estão cuidando dela ao receitar a dieta, mas mesmo assim faz! Pode decidir!

O mesmo acontece dentro dos conhecimentos espirituais. Sabemos o que nos faz mal e nosso livre-arbítrio nos faz ainda assim tomar atitudes erradas, e sabe por quê? Porque nossa consciência ainda não está forte de nossas necessidades. Brigamos com nossas atitudes e com nossa consciência.

Se a pessoa obesa tiver a consciência de que restringir sua alimentação lhe dará melhor qualidade de vida e entender que abre mão de algo para obter algo melhor, tudo estará bem. Sua consciência proporcionará a ela uma felicidade maior que a satisfação transitória do alimento.

Nossos relacionamentos também são um fator de reajuste. Às vezes é preciso abrir mão de certas coisas, opiniões e gostos para uma convivência melhor e que nos trará mais satisfação que aquilo que “perdemos”.

Sim! Somos preparados para vivenciar nossos reajustes, nossos encontros, desencontros e reencontros, e ainda sermos felizes. Só sofremos pelos nossos apegos... E estes apegos são os mais variados: apego às pessoas, aos sentimentos, às coisas, e até mesmo aos nossos “quereres”.

Abrir mão não deve necessariamente significar sofrimento, pois depende do motivo pelo qual estamos abandonando certas atitudes, palavras e pensamentos.

Um reencontro sempre é planejado pelos dois lados! E sempre o reajuste é prometido pelo amor! Porém, se uma das partes não entende, não desperta para a necessidade de perdoar, então a outra está liberada do compromisso. Se você cumpre sua parte e não pode ser feliz, é hora de seguir seu caminho. Se não consegue ajudar, mesmo tentando com todas as forças, a escolha não foi sua, foi da outra pessoa envolvida. Por isso... hora de seguir em frente!

Minha irmã, entendo perfeitamente sua explanação, mas somente você pode avaliar as reais possibilidades de escolher continuar tentando ou seguir seu caminho. Qual o melhor? Aquele que naturalmente se apresentar! Se entende que não há mais o quê fazer, ou se avalia que ainda é possível. Aí reside seu livre-arbítrio! E esta escolha não pode lhe trazer mais sofrimento, pois se for assim, ou sua consciência não despertou ou escolheu o caminho errado.

Não temos como avaliar “as consequências”, pois, acredite, como o Divino Mestre um dia falou: “O escândalo há de vir, ai de quem for o instrumento”. Às vezes é necessário!

Um fraterno abraço,

Kazagrande

terça-feira, 26 de maio de 2015

SER JAGUAR


SER JAGUAR,
OU QUERER SER JAGUAR,
OU ARROGAR-SE O DIREITO DE USAR UM COLETE...

Muitos alegam serem jaguares, por terem sido "iniciados"...

Outros por terem sido "iniciados" e serem filhos de jaguares...

Outros tanto usam palavras bonitas, construções verbais adequadas para "sensibilizar" e apresentar suas classificações...

Alguns são reconhecidos porque conheceram Tia Neiva, são veteranos e posam de mestres conhecedores de seu acervo...

Outros, omissos, displicentes, faladores, e se dizem Jaguares...

Outros mais, mercantilistas, acham no Vale do Amanhecer a oportunidade de encontrar incautos, crentes e confiantes “irmãos” para "usá-los" em sua busca de poder, certos de que o "colete com classificações" o dá o verniz que precisam para robustecer seus argumentos...

Alguns outros vão e vem... Sem nunca terem feito nada!

Absolutamente nada! Não suaram seus coletes!

São velhos no tempo de doutrina. Só isto.

Só falam e criticam, sem nunca terem arregaçado as mangas das camisas e suado pelos ideais de Tia Neiva, mas se dizem jaguares...

A Doutrina do Amanhecer sempre foi e continuará sendo o que sempre foi!
Sempre foi a coragem de Tia Neiva! A chegada em uma época de passagem da Terra em momentos de grandes mudanças!

Um instantâneo do momento vivido e ao mesmo tempo uma amostragem do todo!

Se hoje faz muito menos do que verdadeiramente poderia, é porque os que “se dizem jaguares” de hoje nada fazem.

Falam mais que fazem.

Criticam mais que produzem. Como é fácil criticar...

Os verdadeiros jaguares que vibram e sentem a Doutrina em suas veias, que além de "estarem jaguares", são, efetivamente, JAGUARES, sentem-se ultrajados ao ver tudo isto...

“Mestres” que não cumprem suas mais simples promessas, seus solenes juramentos...

Aqueles ficam tristes ao ver os seus irmãos trapacearem, mentirem, perjurarem, enganarem seus irmãos, seus afilhados, seu Templo, e arrogarem-se o direito de serem chamados: JAGUAR!

Nossos “segredos” já estão na Internet! O Acervo Doutrinário!

Ah, para quem não sabe, até mesmo descrições de trabalhos, Leis e Chaves Ritualísticas, exclusivas de Centuriões, também!

Jaguar não pode ser reconhecido pelo conhecimento do acervo!!!

Jaguar é aquele que cumpre seus solenes juramentos, honrando, respeitando, protegendo, amparando, ensinando, aprendendo aos que o rodeiam, familiares, amigos e Irmãos de Doutrina!

Jaguar lembra todos os dias do primeiro e tão simples compromisso da Iniciação: os Três horários!

Jaguar é aquele que não engana o próximo, com mentiras, promessas e projetos inalcançáveis, nem a si mesmo!

Jaguar é o socorro do fim de um ciclo! É aquele que recebe de braços abertos até mesmo àquele que desesperado está para lhe agredir.

Jaguar é JAGUAR... Aquele que usa e HONRA seu colete.


Kazagrande

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Como decidir bem


Nosso livre-arbítrio é o fiel da balança!

Tudo posso, mas nem tudo me convêm.

Meus irmãos e irmãs, é necessário que aprendamos a escolher sem sofrer. E falando em sofrer, lembremos que o próprio sofrimento não deixa de ser também uma escolha.

Quando nos ferimos, ou somos feridos, temos sempre a opção de perdoar, de nos perdoar, e, após um breve período para a necessária absorção energética, seguirmos adiante sem ficar remoendo as mágoas do passado.

Consideremos que as perguntas para nortear nossas escolhas são muito simples: Agir assim, pensar assim, falar assim, me fará bem? Fará bem aos outros?

Com esta resposta já podemos escolher com segurança. Podemos escolher nossa atitude, sentimento ou pensamento, e decidir se devemos mantê-lo!

Não existe justificativa para seguirmos sofrendo com ações passadas que não nos fizeram bem e cuja energia impregnada pode seguir nos fazendo mal. Valerá a pena? Por isso afirmei que o sofrimento também é uma escolha! Ao sermos feridos não vale a pena seguir com o pensamento atrelado a dor sofrida, tem que perdoar e seguir em frente. E perdoar de verdade é esquecer! Não é isso que pedimos aos nossos cobradores quando os encontramos nos Angical, ou no Julgamento?

Temos também nos perdoar, deixar de sofrer com nossos próprios erros. Somos humanos e a Terra é um planeta escola. Erramos e somente a consciência de que podemos e devemos fazer melhor é que nos dará alento de prosseguir na jornada. Ficar estagnado se culpando e pensando que “poderia ser diferente”, não vai resolver nada. Daqui tiramos a segunda grande pergunta a ser feita antes de uma escolha: “Vai resolver?”. Simples assim: Resolve se revoltar, se culpar, jogar a culpa em algo ou alguém? Não!

Apesar de termos um plano espiritual traçado para esta encarnação, somos senhores de nossos destinos! Vai fazer bem? Resolve? São duas pequenas máximas a serem levadas à reflexão na hora de nossas escolhas. Guarde em seu coração estas perguntas e antes de permitir que qualquer negatividade persista em sua mente e coração, responda com sinceridade, assim poderá seguir adiante evoluindo e sem sofrer.


Kazagrande

sábado, 23 de maio de 2015

Consagrações e Estrutura Doutrinária


Coordenação Regional dos Templos do MT

Ofício 01/2015
22 de maio de 2015

REf.: CONSAGRAÇÕES 13/05/2015 – Templo Jaçarã / Várzea Grande

Na qualidade de Coordenador Regional, venho informar:

1º - Todos os “cargos” e nomeações de assessores especiais anteriormente realizados pelo antigo Coordenador já não existem. Quando tivermos a oportunidade de nossa primeira reunião geral estarei aberto a qualquer Mestre ou Ninfa que deseje auxiliar nesta jornada, assumindo novas missões!

2º - Não há nenhum Mestre autorizado a cobrar qualquer valor pelas Consagrações! Os valores estão sendo determinados pela PRIMEIRA VEZ no final desta missiva, e deverão ser repassados diretamente e SOMENTE ao Mestre Leandro, enviado pelo Trino Ajarã com esta missão. O pagamento será somente no dia da Consagração, jamais antecipadamente.

3º - As informações sobre a quantidade de médiuns que receberão suas consagrações deverão ser informadas ao CASTELO DOS DEVAS DO TEMPLO JAÇARÃ com cópia a esta coordenação. Deverão informar além da quantidade para cada ritual, a mediunidade e o sexo de cada médium, preferivelmente as fichas já prontas. As formas de contato estarão todas ao final deste ofício.

4º - Teremos os seguintes auxiliares para esta Coordenação Regional (NENHUM NOME FOI DEFINIDO):

·       Mestre ou Ninfa Devas Auxiliar da Coordenação para Registro Mediúnico

·       Mestre Devas Auxiliar da Coordenação para Consagrações

·       Mestre Recepcionista responsável pela formação de Recepcionistas nos Templos

·       Mestre Janatã responsável pelo Curso de Janatãs

·       Mestre Lança Vermelha

·       Mestre responsável pala manutenção do Realinhamento no Templos

·       Mestre ou Ninfa responsável pela Orientação Jurídica

·       Uma Ninfa de cada Falange responsável por orientar as regentes de cada Templo, fornecendo materiais, manuais, etc.

5º - A abertura de novos Templos:

·       Todos deverão obter o “Termo de Posse” assinado pelo Trino Ajarã, sem o qual o Templo encontra-se irregular;

·       Para obter o Termo de Posse deverão consultar primeiramente seu Adjunto de origem e obter os conselhos de sua experiência. Então comunicar esta coordenação suas intenções para que realize consulta junto aos Adjuntos Presidentes mais próximos. Somente em comum acordo é que o pedido será encaminhado ao Trino.

·       O limite de 100Km, determinado por Tia Neiva, entre um Templo e outro deverá ser respeitado, porém condições especiais poderão ser analisadas desde que JAMAIS gerem problemas ou divisões com Templos próximos. Em nossa Doutrina não pode haver concorrência, somente a sincera intenção em poder somar, nunca dividir!

6º - Todos estes temas e muitos outros serão tratados exclusivamente na Reunião Geral dia 13/06.

Agradecendo de coração todo apoio e carinho já recebido por todos com os quais já consegui contato,
Registro meu fraterno abraço,
Kazagrande

VALORES DAS CONSAGRAÇÕES:
INICIAÇÃO R$ 65,00
ELEVAÇÃO R$ 55,00
CENTÚRIA R$ 55,00

CONTATOS COM O ADJUNTO ANAVO, MESTRE KAZAGRANDE
TELEFONE: 00**591-7991-7606 (** = SUA OPERADORA)
WATSAPP: +55 68 9972-8906

CONTATOS COM O TEMPLO JAÇARÃ
Adjunto Jaçarã – Mestre Aurélio
FIXO: 65-3695-1206

CELULAR E WATSAPP: 65-9992-9969

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Pequenas Decisões


Nossa vida é feita de escolhas...

Em nossa caminhada por este plano físico sempre aparecem momentos em que nossas decisões mudam ou determinam nossa trajetória!

Por vezes escolhas simples aos olhos de quem não está em nossos sapatos, mas que para nós são desafios em que vencer nossos “quereres” e ter a segurança de um entendimento correto, traz um verdadeiro drama para a mente.

Não se trata apenas das grandes mudanças, daquelas que afetam imediatamente nossa vida, como uma mudança de emprego, cidade ou mesmo uma separação em um relacionamento. Falo também de pequenas escolhas do dia a dia. Momentos em que afirmamos nosso caráter, ou nos decepcionamos com ele. Situações em que podemos fraquejar e manter o véu negro dos erros passados ou demonstrar que somos melhores a cada dia.

Não é fácil principalmente para aqueles que possuem uma mente desperta ou iniciando seu despertar. Ao entrarmos em uma Corrente que prega Amor, Humildade e Tolerância, nossa necessidade de decidir bem e pelo bem, torna-se quase uma obrigação.

Alguns ficam “travados” em busca de respostas simples para pequenas decisões cotidianas. Outros buscam respostas nas conversas com nossos Mentores. Ambos imbuídos em “tentar acertar” não percebem que parar e perder tempo pode ser tão negativo como uma escolha negativa.

Não percebem que nossos Mentores jamais irão decidir por nós! O livre-arbítrio será sempre preservado pela Luz, e por mais que você consulte, não terá uma resposta determinante, não de um espírito de Luz.

Mas então qual a solução? Como decidir certo, ou ao menos ter a segurança de estar tentando acertar?

Se alguém nos diz o que fazer, não existe mérito na decisão, não existe determinação de seu próprio caráter, não existe aprendizado na lição.

As opções que se apresentam, pela nossa tendência em seguir as conveniências, sempre irão nos direcionar para o mais fácil, para aquilo que socialmente poderá ser mais bem aceito.

Então respondo a pergunta deste texto: A maneira correta de decidir, de escolher, tanto nas coisas simples, como nas grandes decisões de nossas vidas, é seguir a voz de nosso espírito!

É preciso sentir o coração vivo e decidir pelo que você almeja, pelo que quer! Por mais que erre nestes momentos, estará sempre sendo verdadeiro e a lição será enfim aprendida e seu caráter real demonstrado.

De nada serve prometer e acabar agindo pela conveniência do momento se em seu coração  não vibra a força da decisão!

Sim... Temos nossas regras, mas elas  de nada servem se estão mascaradas por uma falsa satisfação! É preferível errar com a certeza de que seguiu sua trajetória, sua intuição, a voz de seu espírito, do que “acertar” pela conveniência de quem deseja apenas agradar sem ser verdadeiro.


Kazagrande

terça-feira, 19 de maio de 2015

Mato Grosso - Consagrações


Coordenação Regional do Estado do Mato Grosso

Meus irmãos,
Salve Deus!

Permitam apresentar-me: Sou o Mestre  Kazagrande, Adjunto Anavo, Presidente do Amanhecer de Cochabamba/Bolívia, e Coordenador dos Templos do Amanhecer de Rondônia e Acre, na regência do Trino Ajarã.

Recentemente recebi a missão de coordenar os seguintes Templos: Alto Araguaia, Alto Garça, Barra do Bugres, Cáceres, Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Guarantã do Norte, Guiratinga, Mirassol do Oeste, Pedra Noventa, Poconé, Rondonópolis (Cidade Alta), Rondonópolis (Nilmara), Sinop, Várzea Grande e Tangará da Serra.

Entendo que a função de Coordenador é apenas para auxiliar nas questões que os senhores julgarem pertinentes, jamais interferindo na condução dos Templos: O Adjunto é soberano em seu Templo! Assim aprendi.

Estou à disposição para auxiliar, ouvir seus anseios e colaborar em tudo que esteja ao meu alcance, visitando cada um dos Templos e atendendo aos pedidos que façam parte de minhas funções.

No dia 13 de junho teremos Consagrações no Templo Jaçarã, de Várzea Grande, e desejo poder atender a todos vocês. Para tanto, peço aos Adjuntos que estejam presentes, mesmo o que não forem levar componentes para  consagrar. Assim poderemos realizar uma reunião completa, traçar cronogramas de novas consagrações, planejar visitas e aulas de evangelização, se assim considerarem conveniente. Nossa reunião será no mesmo dia 13, às 17hs.

Aos Adjuntos que irão levar componentes, peço que enviem por e-mail, o mais brevemente possível, as listas com quantidades de Doutrinadores e Aparás para cada Consagração (Iniciação, Elevação e Centúria). Enviem para kazagrande@bolivia.com e com cópia para exiliodojaguar@gmail.com .

Também é importante que enviem todas as formas de contato disponíveis (telefones, watsapp, Facebook, e-mail) de maneira a estarmos sempre em contato. Após ter o contato de todos será criada a Página da Coordenação do Mato Grosso onde diariamente serão postadas informações e aulas para todo o corpo mediúnico.

Caso tenham algum assunto que desejem tratar particularmente, estarei no Mato Grosso desde o dia 06 de junho. Podem enviar as formas de contato e atenderei a todos com grande satisfação.

Um fraterno abraço,
Kazagrande – Adjunto Anavo

TELEFONE: 00**591-7991-7606 (** = SUA OPERADORA)
WATSAPP: +55 68 9972-8906

segunda-feira, 18 de maio de 2015

TEMPO ESPIRITUAL


“Só falta um pouquinho, meu filho…”

“Logo você vai receber esta graça...”

“Sim, minha filha, só tenha um pouco de paciência que não vai demorar...”

Quantas vezes nos deparamos com mensagens de nossos Mentores afirmando que logo “tudo vai dar certo”?

E por que parece que sempre demora demais?

Meus irmãos e irmãs, costuma-se justificar a demora na atenção aos nossos pedidos pela “diferença de tempo nos Planos Espirituais”, mas não é bem assim...

Na verdade, sempre que fazemos um pedido para a Espiritualidade e nossos Mentores respondem que sim, que vamos ser atendidos, a demora não acontece pela diferença de contagem de tempo e sim pela nossa falta de condições de receber. Por vezes, temos o merecimento, o momento é adequado, a Espiritualidade está pronta para nos auxiliar, mas... Nós não permitimos!!!

Sim, nosso padrão vibratório baixo, nossos pensamentos imersos na desilusão, pessimismo e outras lembranças negativas, não permite que recebamos o auxílio tão esperado.
Vivemos o reflexo de nosso padrão vibracional: “seu padrão vibratório é a sua sentença”.

Como podemos esperar coisas boas, soluções, curas e auxílios, se estamos mergulhados na falta de fé ou apenas querendo “barganhar” com nossos Mentores? Não é possível! Pedir é muito fácil, mas temos que estar em condições de receber. Temos que estar abertos, positivos, otimistas, para que a intuição esteja aguçada, para que nossos Mentores possam nos inspirar as soluções, para que o caminho naturalmente apresente a solução igualmente positiva!

A resposta está sempre dentro de nós. Somente vibrando de maneira positiva, tendo fé, é que podemos atrair coisas e pessoas boas, que podemos trazer as soluções e não ficar agravando os problemas pela nossa energia pesada e intolerante.

Quando falo em fé, não é a fé em desejar algo, é a fé incondicional! Sem colocar imposições ou horrivelmente tentar “negociar” com a Espiritualidade, fazendo promessas para depois. É ter atitude a partir do momento em que se deseja atingir um objetivo.

É visualizar e passar a desfrutar da energia do que se deseja.

Tudo se plasma primeiramente de maneira energética. A realização de nossos desejos se dá em três etapas: primeiro a nível emocional (desejamos algo que irá nos fazer bem), depois registramos e plasmamos no campo espiritual a energia a ser manipulada, para que então possamos materializar no físico.

Tudo é energia, e se processa primeiramente pela manipulação energética. Se compreenderem esta máxima, possuirão o poder de receber tudo que estiver ao seu alcance, na medida de seu merecimento e de sua sintonia positiva.

“Entregue aos pés de Pai Seta Branca”... Esta outra frase, tantas vezes repetida, traz a libertação da ansiedade. Entregou, está entregue! Passe a viver como se já houvesse recebido. Passe a atrair pessoas, coisas e situações boas para sua vida, liberto do problema.

Quando a Espiritualidade, quando seus Mentores dizem “sim”, a você só cabe vibrar positivamente, sem ansiedade e com real certeza de que tudo está sendo resolvido.

Para mim, homem ansioso e extremamente prático, foi muito difícil absorver este conceito, mas a partir do momento em que troquei a ansiedade pela verdadeira fé, tudo mudou! Você pode mudar toda sua vida também!

Um fraterno abraço,
Kazagrande

quinta-feira, 14 de maio de 2015

O Tempo de cada um…


Não podemos exigir a evolução de ninguém de acordo com nosso próprio tempo de compreensão. Cada um possui seu tempo, vinculado diretamente a transcendência de seu espírito.

Ingressar em nossa Doutrina não significa que a pessoa está evoluída ou que imediatamente passará a ser mais compreensiva, tolerante e humilde. Significa apenas que “está a caminho”!

Por vezes insistimos em nos decepcionar com nossos irmãos de fé que ainda engatinham na compreensão das mensagens deixadas por nossa Mãe Clarividente. Muitos vivem seus dramas pessoais intensamente e sofrem por não conseguir separar suas personalidades da Individualidade que deveria prevalecer dentro do Templo.

Estão a caminho... é o quê importa! E, estar a caminho não determina um tempo “x” para que despertem a Individualidade, apenas estão a caminho! Alguns despertam para a essência evangélica de nossos ensinamentos em poucos dias, outros levam meses e existem os que levam anos, décadas, se debatendo com os próprios karmas, levando suas dores para dentro do Templo, onde deveriam assumir, na verdade, o compromisso de cuidar das dores alheias.

Iludem-se que entrar para a Doutrina lhes trará a solução de todos os seus problemas, que podem ter estabilidade material e emocional. Que podem “ter dinheiro” ou “encontrar sua alma gêmea”. Não é assim!

Assumir um compromisso de trabalhar espiritualmente significa: trabalho! Trabalho e mais trabalho.

Obviamente ao tratarmos das dores alheias passamos a ter maior compreensão, mais tolerância, pois deveríamos passar a analisar cada lance da vida com novos olhos. Deveríamos sempre olhar o quê os outros não atinam imediatamente. Podemos analisar com o conhecimento dos dois planos!

Ao nos tornarmos mais afáveis, tolerantes, compreensivos, passamos também a atrair pessoas melhores para nossas vidas, oportunidades melhores, que antes não eram visualizadas por conta de nosso negativismo. Já repararam que quando você está reclamando de algo, logo aparece outra pessoa reclamando mais? Até quando fica falando que está com dor de cabeça, logo aparece outro dizendo que a dele dói mais? Reclamamos de problemas financeiros e nos juntamos com outros ainda mais “quebrados” que nós.

Porém, ao olharmos a vida sob a ótica deixada por Tia Neiva, elevamos nosso padrão vibratório, ficamos “mais positivos”, e passamos a atrair naturalmente o bom e produtivo para nossas vidas.

A mudança vem de dentro para fora. Pela consciência e compreensão é que podemos mudar nossas vidas e sermos felizes. Não é você entrando para a Doutrina que tudo vai mudar, é a Doutrina entrando em você e lhe auxiliando a promover a necessária mudança interna, que naturalmente se refletirá no seu exterior... em sua vida material, em sua vida amorosa, em sua saúde...

Pare de reclamar, de julgar os outros e olhe para dentro de si mesmo! Entenda que também cada um tem seu tempo e, se você conseguir despertar com este pequeno texto, não queira exigir que o outro também desperte.


Kazagrande

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Sobrecargas



Em muitos momentos de nossas vidas nós acreditamos estar sobrecarregados com tantas ocupações e responsabilidades, perante a família, trabalho, estudos e templo.

Porém, nunca recebemos algo que não buscamos, consciente ou inconscientemente.

Deixando a vida fluir com naturalidade, aceitando os desafios que se apresentam, sem sofrer pelas novas propostas que surgem espontaneamente, e não buscando envolver-se com o quê não nos pertence; teremos sempre as forças necessárias para seguir em frente.

As dificuldades, em sua maioria, proveem de duas vertentes: quando abraçamos uma causa, um problema ou mesmo uma cobrança que não nos pertence, que faz parte da ¨cruz¨ do outro; ou quando nos enredamos em nossos ¨quereres¨. O estres é inevitável quando fazemos isso. A sobrecarga do peso dos karmas alheios, ou de nossos desejos desmedidos, trazem o esgotamento físico, mental, e as consequentes enfermidades.

Dividir nosso tempo, de maneira útil e equilibrada, é o primeiro passo para o real e necessário equilíbrio pleno de nossas vidas, para a felicidade.

Deixemos de nos envolver nas vidas alheias, deixemos a vida seguir seu curso natural, e nada que você não possa resolver irá se apresentar.

Tia Neiva afirmava que quando enxugamos as lágrimas dos outros, não temos tempo para ficar enxugando nossas próprias lágrimas. Enxugue as lágrimas de todos que lhe forem enviados, confiados ou que naturalmente aparecerem em seu caminho. Mas nunca tente carregar a cruz alheia... Ela não lhe pertence! Não temos como saber que espírito está carregando aquele karma. Ensine, aconselhe, abrace, chore junto se sentir que deve, mas não tente trazer para você o quê não lhe pertence, o quê faz parte da evolução daquele ser.

Deseje seu progresso, trace seus objetivos, sonhe! Sonhe até com o quê possa parecer impossível. Mas não condicione nenhum de seus desejos. Não exija que a realização venha da maneira que você quer. Apenas saiba o quê quer, não precisa ficar pensando em como vai obter.

Escrevo todas estas coisas hoje, refletindo sobre minha própria vida. Lembrando como era difícil obter qualquer coisa ou atingir qualquer objetivo, quando ficava planejando o caminho de chegar até ele. Lembro quando percorria quilômetros a pé, para chegar até o centro da cidade sem gastar o dinheiro da passagem, para comprar um bilhete de loteria, como uma esperança de mudar meus destinos. Em um país estranho, com idioma e costumes diferentes, sem perspectivas, com todas as opções viáveis esgotadas, sem dinheiro, restava sonhar e escrever... Nada mais! A esperança naquele bilhete parecia a última.

Pai João – Oh, meu filho, vai ser com trabalho! Você vai recuperar tudo que já teve e vai ter muito mais, mas será com trabalho.

Eu ficava pensando: “Agora estou frito! Vou ter que trabalhar 200 anos neste país só para poder comprar uma casa”. Eu fazia as contas de caso encontrasse um bom emprego e conseguisse economizar (coisa que nunca havia conseguido), ainda levaria pelo menos três anos para comprar um carro velho. Isso continuando a morar mal e fazer a compra dos mantimentos para o almoço com moedinhas.

Um ano depois eu olhava aquele passado recente e não acreditava! Não havia emprego para mim, então eu criei meu próprio trabalho! Hoje imitado por muitos aqui. Havia editado um livro com recursos próprios (O Centurião) e doado integralmente, tanto a edição impressa como todos os direitos autorais. Estava morando em uma boa casa, em um excelente bairro, tinha um carro fantástico, a família unida e dezenas de e-mails para responder diariamente.

É... foi com trabalho! Muito trabalho! Trabalho material, trabalho espiritual e trabalho em prol da união e amor familiar.

Por isso escrevo estas linhas, e volta e meia recordo deste passado ainda recente. Recordo que é possível. Observo que, se acho que estou sobrecarregado, reflito primeiro se existe alguém se “encostando”, ou se estou querendo demais e do meu jeito. Concluindo que está tudo correto, é agradecer e seguir adiante! Dividindo o tempo de maneira equilibrada entre físico (trabalho e saúde), mental (emocional e família) e espiritual (trabalhos no novo Templo e no Exílio do Jaguar).

Por isso algumas vezes demoro um pouco mais para responder os e-mails, sempre procuro equilibrar o tempo. Mas quando me dedico é com todo o amor do mundo e com total respeito por aqueles que me escrevem.

Obrigado por fazerem parte de minha vida, da vida desta pequena família! Amo vocês e esta pequena missão com todas minhas forças!

Kazagrande

terça-feira, 12 de maio de 2015

Pontos de Desequilíbrio


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

Em nossas vidas temos diversos “pontos de desequilíbrio” que fazem parte de nossa personalidade atual, provenientes de nossa formação cultural ou dos relacionamentos afetivos que vivemos até o presente momento. Estes são transitórios e podem ser superados pelas constantes mudanças que sofremos nesta mesma encarnação.

Também existem pontos de desequilíbrio que fazem parte de nossa Individualidade, podem ser defeitos e até mesmo falhas de caráter, e nos propomos a superar pela experiência que já adquirimos em nossas encarnações.

Identificar, trabalhar e superar estes pontos é fundamental para nossa verdadeira evolução. Sejam os pontos transitórios, decorrentes de nossa atual experiência, ou aqueles que despertam de nosso espírito para serem eliminados nossa consciência transcendental.

Somos “testados” diariamente por estas características e sofremos por não saber amar. Sofremos porque nossos “apegos” são invariavelmente mais fortes que nosso desejo de evolução ainda adormecido na maioria dos seres encarnados atualmente.

A pergunta é: O que nos leva ao desequilíbrio? O que nos faz gritar, alterar nosso comportamento? O que nos faz sofrer mesmo que disfarcemos este sofrimento em justificativas diversas?

Pessoas? Vale a pena sofrer por pessoas? Não entendemos ainda que o amor deve ser puro, incondicional? O apego nos relacionamentos nos faz sofrer... Amar incondicionalmente é não impor condições para este amor e também não sofrer pelas diferenças de caráter. Amar é respeitar o outro, seus sentimentos, por mais controversos que sejam ou agressivos em sua imaturidade. Se nós amamos, não podemos sofrer por amor. Se sofremos, não é amor... é reajuste, cobrança! Todo reajuste deve acabar por amor, seja cedendo em seus “quereres”, ou abrindo mão do próprio relacionamento.

Ligações de apego e comodismo não são por amor... São obsessões a serem eliminadas de nossas vidas!

Humildade não é humilhação, porém só se sente humilhado àquele que o orgulho ultrapassa o próprio amor! Ser humilde é ser acessível e tratável. Humildade é também saber retirar-se antes de se fazer presente a humilhação.

Tolerância é a compreensão independente da aceitação! Você tolerar simplesmente por compreender ou tentar compreender ao outro, e isso não quer dizer que concorda com ele. Tolerância é o primeiro passo do Amor Incondicional.

Amor... Humildade... Tolerância! Eis a receita para sanar nossos pontos desequilíbrio! Sejam pessoas ou situações. A lição ensinada pelo Divino Mestre há tanto tempo e que ainda hoje lutamos por compreender.

(Dinheiro nos desequilibra??? - CONTINUA>>>)
Kazagrande

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Quero equilíbrio!


Ao buscar sentir sobre o quê escrever nesta manhã, sentindo já o peso da responsabilidade por estar com a “caixa de entrada” cheia de emails, comecei a recordar de como minha vida mudou no último ano. Sentindo um imenso amor me envolver, retirando-me do turbilhão de compromissos que vêm à cabeça no planejar o dia.

Um amor intenso, repleto de boas energias e vibrações, que traz a certeza do caminho estar sendo trilhado com segurança e objetivo claro. Que impede que os problemas naturais do cotidiano e da convivência com tantas pessoas, tornem-se dignos de nota.

Este Amor está disponível para todos! É possível despertar o Espírito, a Individualidade e sentir-se parte integrante e ativa da mudança pela qual nosso planeta está passando, e de forma positiva.

Somos médiuns! Temos um Karma “pesado” - por isso a condição mediúnica, não é mérito, é necessidade - e também somos missionários!

Temos em nossas mãos a oportunidade de ultrapassar nossos grandes compromissos, superar nossos reajustes e ainda semear muito a ser colhido quando retornarmos ao plano espiritual.

Temos também a possibilidade, arrisco dizer “a obrigação”, de sermos felizes! Basta que compreendamos um pouquinho que este plano físico nos oferece a intensidade dos sentimentos humanos a serem encarados de forma positiva.

“Pagar as dívidas” apenas faz parte da jornada pedida e planejada. Os reajustes, reencontros, se aproximam, se concretizam e devem findar com o reequilíbrio. Nenhum, repito, nenhum médium vem a este plano para ser infeliz ou apenas acertar suas contas... A condição mediúnica proporciona a possibilidade de ir muito além, pela prática da caridade, pela oportunidade de fazer o bem a aqueles que “não tem nada com nosso karma”.

Muitas vezes, preocupados com nossas vidas, com os problemas, com dinheiro, trabalho, saúde, acabamos indo ao Templo em busca de ajuda. Vamos chorar nossas mazelas e pedir socorro aos nossos Mentores... Mas não deve ser assim!

Temos que ir ao Templo apenas para cumprir a missão, vamos para servir, para pedir pelos outros, desconhecidos, encarnados e desencarnados, que desesperados e sem esclarecimento, não têm nada nas mãos além da esperança de ainda encontrar esperança...

E os nossos problemas? Salve Deus!

Tudo que precisamos realmente fazer é “nos permitir ser ajudados”. Nossos Mentores (Pretos Velhos, Cavaleiros, Guias, Princesas, Ministros, etc, etc) querem muito nos ajudar! Querem que você possa ser feliz, independente de seu karma e do que ainda tenha que reajustar. Mas só podem nos auxiliar se nosso padrão vibratório permitir! Temos que estar em condições de receber!

Por isso, se vamos ao Templo realmente para servir, se deixamos nossos problemas do lado de fora da porta e nos dedicamos verdadeiramente a servir ao próximo, a praticar a Lei do Auxílio, que reza pela caridade a aqueles que nos são confiados, não pela ligação, mas porque podemos auxiliar sem nada esperar em troca; nossos pensamentos se libertam! Nosso padrão se eleva ao ver (sentir) o irmãozinho sendo encaminhado, ao ver as lágrimas do paciente agradecido, ao compreender que a maioria não teve a mesma coragem de assumir uma missão além do cumprimento de seus reajustes.

E... Ao elevar nosso padrão, permitimos que nossos Mentores nos auxiliem! Passamos a naturalmente atrair coisas e pessoas boas. Nossa aura muda e os caminhos fluem com naturalidade. O emprego inesperadamente aparece, o dinheiro deixa de faltar (difícil sobrar para um Jaguar que tanto mal uso já fez anteriormente), e a promessa de nosso Pai pode ser cumprida: “Nada lhe faltará no cumprimento desta jornada”.

Pode parecer muito difícil esquecer os problemas, mesmo que por apenas alguns momentos. Mas no Templo, não é você, o ser humano! É a Individualidade, o espírito com experiência transcendental que já passou por situações bem piores em tempos onde tudo era mais doloroso, difícil e demorado.

Não tem magia, oração, trabalho especial, força de Adjunto, ou qualquer outra fórmula que vá “dar jeito em sua vida” sem que você aprenda a controlar seu padrão vibratório! Tem que aprender a pensar positivo, ver as coisas com os olhos do espírito e compreender que somos fruto do que emitimos, do que pensamos, do que semeamos.

“Eu não queria muito... Só um pouquinho de estabilidade material e familiar para poder me dedicar mais ao trabalho espiritual”... Salve Deus! Mas não é isso que todos querem? Quem é melhor que o outro para receber assim “de mão beijada” a estabilidade e o equilíbrio?

A estabilidade e o equilíbrio vem de dentro para fora! Vem do espírito consciente, que vibra positivamente! Vibre assim, o máximo que puder, e permita ser ajudado.

Kazagrande

O custo das palavras


Existe entre os Grandes Iniciados uma expressão para designar a maledicência: “lashon hará”.

Em praticamente todos os agrupamentos humanos, sejam sociais, religiosos, filosóficos, etc., os membros enfrentam os indesejáveis efeitos vibracionais provocados pelos ainda “inconscientes”, ou inconsequentes.

O “lashon hará” se apresenta sob várias formas: a mais comum é quando uma pessoa fala a outra sobre os aspectos negativos de uma terceira pessoa. São pequenos machucados na alma, envolvendo neste caso:

1) Quem fala: expressando pura negatividade, atrai a mesma negatividade;

2) Quem ouve: recebe toda aquela negatividade destrutiva;

3) De quem se fala: aquele que não ouve, mas sente e de acordo com seu padrão vibracional sofre o peso energético.

Este tipo de lashon hará é comum e aparece de muitas maneiras disfarçadas, mas não por isso menos nocivas. Por exemplo, quando você está com um amigo e começa a falar mal do governo, você realimenta a sua negatividade, a de seu amigo e daquele que exerce a função de governante. Mesmo que o governante seja desonesto, se o seu comentário não tiver um caráter construtivo simplesmente não o faça.

Mas existem outros tipos de lashon hará, também nocivos e mais difíceis de serem identificados. Você vive lamentando sobre si mesmo para os outros. "Coitadinho de mim, estou sempre doente, sem dinheiro, insatisfeito". Neste caso o número de pessoas afetadas é de apenas dois, mas o efeito sobre suas vidas é igualmente devastador.

Um terceiro tipo de lashon hará ocorre quando você ouve a maledicência de um outro. Seja seu amigo de infância, seja seu parente mais próximo, quando sentir que este começa a despejar negatividade em seus ouvidos, experimente correr dali e estará fazendo uma nobre ação para ambos.


Enfim, meus irmãos e irmãs, se ainda duvidam da importância de evitar todo este mal provocado pela negatividade da palavra experimente um exercício: passe uma semana inteira sem falar mal dos outros, sem falar mal de si mesmo e evitando ao máximo ouvir a negatividade alheia. Prepare-se, não será tarefa fácil, mas o resultado final pode ser um milagre em sua vida.