terça-feira, 25 de agosto de 2015

Os que ficam para trás


Muitas vezes lembramo-nos de caros amigos que ficaram para trás. Perderam-se de nós simplesmente na falta de contato, no tempo escasso que nos envolve em três vidas a serem mantidas nesta encarnação complexa, onde o necessário equilíbrio entre o material, emocional e físico tanto nos cobram...

Alguns mergulham em suas vidas materiais, e, a necessidade de “sempre fazer mais” facilmente consome o tempo que poderia ser mais bem dividido. Trazer o conforto para família ou semear um futuro sem onde possa ter “mais tempo”, está nossa luta diária, e estes desafios são apenas parte de um todo, não o objetivo final.

Outros permitem as emoções da personalidade dominarem por completo. Entregam-se ao desejo de fazer feliz os mais próximos e esquecem-se de tantos que podem estar igualmente precisando do seu afeto. O amor cativado gera responsabilidades e traz vibrações...

Existem ainda os que investem tudo na busca espiritual. Dedicam-se ao conhecimento e se isolam, sem compartilhar as conquistas ou, fanatizados pelo que acreditam, passam a tentar converter a fé alheia, afastando aqueles que os amam, mas não os entendem.

Todos estes ainda se debatem em seus karmas que não serão quebrados porque o equilíbrio ainda não chegou! Perdem-se pelas “prioridades” e tornam-se cada vez mais sós, mesmo que não percebam. Nossa vida é uma constante busca pelo equilíbrio, atreveria mesmo a dizer que nossa maior lição como encarnados é tentar alcançar o equilíbrio!

Porém resta o consolo de que a verdadeira ligação espiritual independe do binômio físico de “espaço-tempo”. Está registrada em nosso espírito e a afinidade se mantém mesmo quando distantes. Por isso existem aqueles que encontramos, anos depois de nos afastarmos, e “parece que foi ontem”. Os olhares se cruzam, o coração emociona e o abraço caloroso aparece. Não parece que os anos passaram, não existem as perguntas repletas de cobranças, apenas a saudade que de imediato se converte em um sentimento de carinho e respeito. Isto é afinidade espiritual, isto é amor incondicional também.

Outros... Simplesmente ficaram para trás! Os reencontros são frios, disfarçados, ou repletos de cobranças. Um grande amigo do passado passa a não significar mais nada, pois a escada da evolução é fatal. Até mesmo um grande amor pode se apagar por completo e transformar-se em apenas uma lição ou questionamento.

Resta lembrar as sábias palavras de Tia Neiva nos afirmando para que, quando encontramos um grande amigo, ou um grande amor, nos esforcemos para não perder vista, não deixa-los para trás, ou ficarmos para trás. Ninguém é de ninguém, mas as afinidades podem ser construídas dia a dia.


Kazagrande

1 comentários:

Salve Deus! a condição de aprendiz é sublime...

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.