quarta-feira, 8 de abril de 2015

2ª PARTE: Comunicações de uma Entidade de Luz


Continuando nosso assunto de ontem:

Uma Entidade de Luz não interfere na Medicina terrestre: Não receita chás, banhos de descarrego, ervas, e muito menos medicamentos! Por mais que o Apará seja Médico, e visualizando o quadro do paciente entenda que determinada atitude poderá trazer uma substancial melhora de seu quadro físico.

Quem está comunicando é a Entidade, não o Apará! Seus conhecimentos e intuições são aproveitados para a transmissão da mensagem, mas jamais interferem na vida do paciente. A Entidade recomendará que procure o “Médico da Terra” para reavaliar seu quadro clínico, mesmo entendendo claramente que poderia estar tomando um medicamento que provoca um efeito contrário! Observem bem: Não vai receitar e tão pouco suspender um medicamento!

Uma Entidade de Luz não dá “Mensagens para o Aparelho”, ou manda o Doutrinador procurar o Aparelho depois de desincorporado. Quando necessário deixará as lembranças na consciência do Apará! Trabalhamos na Individualidade, logo não existe o João, a Maria e o José, para que enviem recados para a Personalidade.

Uma Entidade de Luz não provoca ansiedades. Não vai passar nenhuma comunicação em que o coração da pessoa “fique pesado”. Seu objetivo será sempre dar esperança e elevar o padrão vibratório do interlocutor. Algumas vezes pode até chamar a atenção, mas sempre com muito amor! Amor e Razão são as tônicas que regem uma comunicação  espiritual elevada. Leiam as mensagens de Pai João e reparem que mesmo nos momentos em que nos chama a razão seu amor é imenso e sua sabedoria não permite que fiquemos com o coração pesado.

Uma Entidade de Luz não compartilha nossos sentimentos negativos. Não tem ciúmes, vaidade, egoísmo e nem se magoa com qualquer dúvida por parte do paciente ou do Doutrinador. Se tiver uma comunicação interrompida porque o Doutrinador teve dúvidas, irá ficar feliz ao saber que está trabalhando com um Doutrinador preocupado em fazer o melhor e trabalhar sem dúvidas. Irá respeitar a “puxada” e permitir a passagem, agradecendo ao Doutrinador depois. Eles são amor e não entram em nossas sintonias de sentimentos negativos.

Uma Entidade de Luz transmite fé! Prefere que o paciente saia desacreditado dela e do Apará, do que desacreditado de si mesmo.

Uma Entidade de Luz não vem para “mandar no Templo”. Não incorpora nos Tronos com mensagens constrangedoras que provocam  mal-estar em todos. O comando da Doutrina é do Doutrinador e a responsabilidade pelos acertos e erros também. O livre-arbítrio é respeitado como lei máxima para que um Mentor possa trabalhar na Corrente Indiana do Espaço.

Entendo o sofrimento dos Aparás que tantas vezes olham pelos  “olhos da Entidade” e compreendem tantas coisas que precisam ser  corrigidas, mas sem o poder temporal para fazê-las. Mesmo assim, jamais devem permitir que seus próprios sentimentos ou compreensões interfiram nas mensagens.


Ainda temos que falar das profecias e previsões, das revelações de vidas passadas, das superstições e fanatismos, das contagens de trabalhos... Tudo isso dentro das comunicações. Por tanto... Amanhã nova continuação!


Kazagrande

3 comentários:

salve que maravilha de ensinamento

Adorei hj me sinto com mais segurança

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.