quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Evolução Estagnada


Sempre afirmei que o mais importante em nossa caminhada espiritual é prestar a caridade e encaminhar espíritos! Encaminhar espíritos é a nossa missão!

Porém é preciso avaliar que tudo a nossa volta faz parte de nossa evolução.
Quando vamos ao Templo temos várias opções de comportamento:

Podemos ir, realizar nossos trabalhos, prestar a caridade e não se envolver com ninguém, escapando de qualquer “fofoca” e desperdícios de tempo;

Podemos também fazer do Templo um ambiente de convívio social, onde nos envolvemos com todos e falamos de todos e ainda realizamos nossos trabalhos;

E ainda existe a possibilidade, assumida por diversos médiuns, de ir ao Templo para apenas conviver, conversar, expor suas frustrações e envolver-se em correntes negativas.

Qual seria o caminho certo? Muitos dirão que é apenas a primeira opção: ir ao Templo, realizar os trabalhos e “vazar”.

Mas... Sem nosso trabalho físico no Templo não haverá Templo! Nosso local sagrado exige manutenção e comprometimento. Possui contas a serem pagas, áreas a serem limpas e zeladas, reformas sendo exigidas, e pequenos carinhos que devem ser naturais com o lugar que amamos. Sem compromisso com a área física do Templo não há Templo!

Entendo que muitos não possuem condições financeiras para contribuir e outros não dispõem da força física para colaborar no que seja mais pesado. Porém demonstrar carinho e compromisso com a área sagrada não implica necessariamente gastar ou suar a camisa. Sempre existem pequenas tarefas,  ou como prefiro dizer “pequenos carinhos” que podem ser feitos: uma flor, o pó que se acumula nos quadros, uma limpeza nos castiçais, lavar um forro de mesa, etc.

Agora, o título deste texto é outro: “Evolução Estagnada”. Isso diz respeito ao médium da primeira opção que escolhe isolar-se de seus irmãos. Claro que em qualquer agrupamento humano existem pessoas que “nosso santo não bate” e não tem jeito de se aproximar; e sempre tem aqueles que vivem de suas cobrancinhas e pequenas intrigas.

Mas... A oportunidade de convívio também faz parte de nossa Evolução!!! Estar ao lado de pessoas que amamos é muito fácil, mas, se recebemos a oportunidade de testar nossa tolerância, e nosso caráter, perante certas pessoas, é porque temos que aproveitar. Aproveitar que as encontramos no Templo, pois poderia ser muito mais desagradável encontrar estas pessoas em nosso ambiente de trabalho, estudos ou como vizinhos. Creiam: Se deixamos de lado esta oportunidade, encontraremos pessoas com a mesma índole em situações mais desagradáveis.

É preciso aproveitar todas as oportunidades de evolução e isso implica em conviver.

É muito triste ver o médium se isolar, que se acha “o especial” e só vai ao Templo sem conviver com todos. Talvez ele, com sua pretensa evolução, é que deveria ser o instrumento de auxílio para aqueles que ainda vivem em suas intrigas. Isolar-se por completo também é falta de caridade.

Selecionemos nossas amizades, mas demonstremos caridade ao procurar ensinar com nosso exemplo. O Templo não é convívio social, mas deve ser convívio fraterno.


Kazagrande

6 comentários:

convivo com este tipo de situação ha oito anos.

Que essas palavras entre nas conciencias dos nossos irmãos e os façam pessoas mais tolerantes e participativas.
É bom entrar no templo e encontrar tudo limpinho não é? Então vamos ajudar galera!

salve deus sabias alavras dessa menssagem cada dia que assa devemos nos uliciarmos

Mas aqui.no templo mãe e td muito corrido,eu mesma vou ao templo trablho e volto pra kza

Salve Deus! mesmo assim ocorrem os encontros. Companheiros de trabalho, comandantes, etc... aí exercitamos nossa tolerância.
Um fraterno abraço,

Salve Deus Mestre, normalmente leio seus artigos, são extremamente instrutivos, entretanto quase nunca teço comentários, apenas clico em curtir como uma forma de dizer que gostei e assim incentiva-lo a continuar. Entretanto hoje não posso me furtar a comentar. Acredito que você dever receber inspiração do céu...O presente artigo e o que o senhor escreveu logo em seguida, sobre "convivência" veio no momento exato em que eu pedia a Pai Seta Branca que me desse sabedoria, pois em razão de comportamentos com os quais discordo (maledicência) entre jaguares já estava começando a isolar-me do convívio com alguns irmãos e quiçá do geral. Tenho certeza que os dois últimos artigos são a resposta que pedi ao nosso Pai. Daqui por diante vou trabalhar a famosa e dificílima tolerância, tendo sempre em mente que cada um está no seu tempo de evolução. Jesus o abençoe e que os mensageiros de Manhanty possam continuar a inspira-lo.
Muito obrigada.
Uma irmã em Cristo Jesus

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.