terça-feira, 2 de dezembro de 2014

O que é a verdade?


Certa vez ouvi que uma lenda antiga dizia que a verdade foi enviada por Deus ao mundo em forma de um gigantesco espelho. E quando o espelho estava chegando sobre a face da terra, quebrou-se, partiu-se em inumeráveis pedaços que se espalharam por todos os lados.

As pessoas sabiam que a verdade era o espelho, mas não sabiam que ele havia se partido. E por essa razão, as que encontravam um dos pedaços, acreditavam que tinham nas mãos a verdade absoluta, quando na realidade possuíam apenas uma pequena parte.

Mas... Quem poderia ter a verdade absoluta?

A verdade absoluta só Deus a possui e a vai revelando ao homem na medida em que este esteja apto para conhecê-la.

Assim é que os inventores, os cientistas, os pesquisadores, vão descobrindo a cada século novas verdades que se acumulam e trazem o progresso da humanidade.

É como se fossem juntando os pedaços do grande espelho e conseguissem abranger uma parcela maior.

Desta maneira a verdade é conquistada graças aos esforços dos homens e não por uma revelação bombástica sem proveito para quem a recebe.

Onde estará a verdade então?

Nosso egoísmo, nosso apego, nosso orgulho e vaidade, não nos permite enxergar onde estaria a verdade, mas ela está em toda parte, latente, dentro e fora do mundo e é, muitas vezes, confundida com a ilusão.

Adormecida em nossa consciência, desperta em faíscas levando ao encontro com a Individualidade. A verdade se sobrepõe a nossa personalidade.

“A verdade vos libertará!”. Sim! Liberta nosso espírito completando nossos pensamentos e intuições. Vibra nos átomos, cresce pelo espaço e nos permite o contato do verdadeiro inteiror (microcosmo) com o “nossa casa” (macrocosmo).

A verdade é o Senhor em nosso íntimo, é Deus!

Assim podemos entender porque o Divino Mestre se calou quando Pilatos lhe perguntou:

- O que é a verdade?”.

O trabalho espiritual, a verdadeira caridade, a Lei do Auxílio, nos aproxima cada vez mais da verdade! O contato com a Individualidade a desperta!


Kazagrande

0 comentários:

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.