quarta-feira, 16 de julho de 2014

Doutrinando nos Tronos e na Mesa


Meus irmãos e minhas irmãs,
Salve Deus!

Existem vários questionamentos a respeito das “doutrinas” emitidas pelos Doutrinadores e Doutrinadoras nos trabalhos de Mesa e Tronos.

Alguns trabalham a vida toda usando o mesmo modelo que aprenderam nas aulas de Desenvolvimento. Outros apresentam doutrinas elaboradas, cheias de invocações. Alguns seguem a intuição e outros ainda enrolam como podem, sem sequer se lembrar do que deveriam dizer.

Quem está certo?

Salve Deus! Certo está aquele que coloca amore em suas palavras, que emite a doutrina pensando que tem em sua frente um irmãozinho cansado de sofrer e que aquela oportunidade servirá para aliviar o peso de sua aura, clarear seus pensamentos e abrir um portal para o caminho evolutivo.

A doutrina “padrão”, o modelo ensinado no Desenvolvimento é eficaz. Mas recordemos que é um modelo. Diz exatamente o quê o espírito precisa ouvir, ou seja: onde ele está; que ele é bem vindo; qual a condição que se encontra e o quê precisa fazer para isso mudar. Explica também que naquele momento, se elevar seus pensamentos, poderá ter uma oportunidade de mudar seus caminhos. Ou seja, a doutrina é perfeita... desde que seja emitida com emoção! É preciso ter consciência do que se está fazendo naquele momento! Nossa emoção é que libera verdadeiramente a energia mediúnica, é um processo técnico que em outra oportunidade gostarei de explicar.

O “robozinho”, médium que usa a doutrina padrão sem emoção, olhando para os lados, sem se dar conta de que existe um irmão sofrendo a sua frente, realiza o trabalho depositando sua energia, limpando a aura, mas não transmite a segurança necessária para aquele espírito. O espírito pode até não nos ouvir, ou não compreender a doutrina, mas ELE SENTE! Sente o amor em suas palavras, a verdade sendo proferida, a oportunidade chegando nas mãos... ou sente sua indiferença!

Intuir a doutrina é lindo, pois o médium também sente a aura do irmãozinho e direciona a doutrina com emoção para sua real necessidade.

Agora, “inventar” doutrinas mirabolantes é perigoso! Por exemplo: “meu irmão você será agora conduzido às Casas Transitórias de São Francisco de Assis...” E se o espírito não estiver pronto? E se ele não merecer? Quem vai pagar a “passagem e estadia” lá nas Casas de São Francisco é o Doutrinador! Adeus Bônus guardados... se existirem!

Invocar o Cavaleiro da Lança Vermelha, pedindo a presença com – 0 – , também tem custo! Invocações, com a exceção de sua Princesa nesta hora, poderão até ser atendidas, pois é um Mestre ali pedindo, mas acreditem, na Espiritualidade opera a Lei da Razão, e tudo tem um custo!

Por isso, o mais correto será sempre uma doutrina simplificada, padronizada ou não, mas que sai de seu coração, que tenha emoção para ser sentida pelo irmãozinho! Com Amor tudo é possível!


Kazagrande

0 comentários:

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.