quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

O convívio com nossos Mentores de Luz


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!

Despertemos para a grandeza que temos nas mãos: Convivemos com seres de Luz!

Ao entrarmos para um trabalho de Tronos encontramos nossos Mentores, espíritos que já superaram todas as etapas kármicas e hoje possuem a condição espiritual de revestirem-se de uma singela roupagem de “Pretos Velhos” para transmitir, diretamente dos Planos Espirituais, a Mensagem Divina de Amor, Humildade e Tolerância.

O Apará, ao tornar-se receptáculo desta Luz e canal responsável pela transmissão das Mensagens da Luz, deve posicionar-se com o mais profundo respeito! Ter em Mente a nobre missão que lhe é confiada e controlar suas emoções. Entendo a dificuldade encontrada ao receber “tanta energia”, também é compreensível a euforia de estar sob a projeção luminosa, porém é preciso recordar quem são nossos Mentores: são seres de Luz e seu comportamento deve ser compatível com o amor que eles projetam, não com a euforia da energia recebida.

O Doutrinador deve ter em conta a oportunidade grandiosa de servir ao lado de um Mentor!!! Seu carinho, sua gratidão pela oportunidade deve superar qualquer sentimento inferior que tente lhe dominar. Uma Entidade deve receber as cordiais saudações e nosso profundo respeito pelo desprendimento em assumir a árdua missão de escutar as mazelas humanas e aconselhar a cada um como se fosse um verdadeiro filho d’alma, sem distinguir qualquer preferência, e sem jamais interferir no livre arbítrio.

Sem jamais interferir no livre arbítrio... Esta é a máxima das mensagens de qualquer Mentor de Luz! Mesmo sem apresentar qualquer decisão, sem dizer “faça isso ou aquilo”, o Mentor consegue despertar a esperança no coração do ouvinte, eleva seu padrão e o faz ter forças para acreditar que “tudo pode dar certo”.

Mesmo quando o interlocutor não escuta o quê desejava, sente a força interior ser despertada. Mesmo ao receber uma mensagem de alerta, seu espírito vibra pela possibilidade de um novo aprendizado, de um desafio, sem jamais gerar a ansiedade ou a expectativa de algo de ruim vir a acontecer.

Por vezes a mensagem não é compreendida... Por vezes usam parábolas, comparações que nem sempre entendemos, mas que ficam registradas em nosso espírito e virão à tona no momento propício. Quantas vezes refletimos: “ahhh era disso então que o Mentor falava...”? Com os pacientes ocorre sempre assim! A mensagem fica adormecida, incompreendida em meio a uma parábola, porém, na hora precisa, desperta. Alguns passam pelo Vale uma única vez e ficam com aquela sementinha... Anos depois despertam (na hora certa!) e voltam já prontos para seu desenvolvimento mediúnico. Quantos casos já vimos assim?

A convivência com nossos Mentores é algo sublime! Aproveitem ao máximo as mensagens que chegam aos pacientes, pois nelas estará também tudo o quê você precisa. Cada paciente é encaminhado para o par (doutrinador / apará) de maneira que este par também possa receber tudo que lhe compete, sempre!


Kazagrande

1 comentários:

salve Deus! pela simplicidade!

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.