quinta-feira, 10 de março de 2016

TEXTO NOVO - O segredo do Exilado – Parte I


Quando decidimos vir para a Bolívia eu estava com minha vida estabilizada no Brasil. Havia superado uma difícil fase financeira e já estava totalmente estruturado materialmente. Morava em uma boa casa, tinha um excelente emprego e, apesar das dificuldades geradas pelo poder que tinha nas mãos, a vida seguia bem. Tão bem que decidimos que chegava a hora de retribuir um pouco do muito que minha esposa já havia me apoiado. Seu sonho era estudar Medicina!

Pesquisamos, fizemos contas e em uma das palestras que realizava pelo interior do Brasil, encontrei um jovem que estudava Medicina aqui na Bolívia. Tudo aconteceu de forma tão natural e prática que não hesitamos: ela partiu para cá com o planejamento de no segundo semestre enviar minha filha mais velha e depois de um ano, já com tudo devidamente organizado, eu viria com minha filha mais nova.

Ao chegar aqui tudo mudou... Ela não conseguia resolver coisas simples, as pessoas que a receberam passavam por um grave quadro espiritual e para completar, a documentação para legalizar-se no país era muito burocrática e as informações desencontradas e imprecisas.

Após dois meses a ouvindo chorar no telefone, querendo já desistir e se arrependendo, eu tomei a decisão de largar tudo e vir imediatamente para cá! Eu tinha que apoiar verdadeiramente quem sempre esteve ao meu lado em tantas dificuldades vividas.

Cheguei aqui com a herança de guerreiro ativada no sangue! Mas... nada adiantou. Fui perdendo tudo, embaraçado na desorganização pública, corrupção e falta de informação e outros males que assolavam principalmente os brasileiros aqui.

No meio do maior turbilhão de minha vida nasceu o Exílio do Jaguar. Única forma de manter-me ligado à fé que me sustentava. Não tinha apoio real de ninguém. Nem de irmãos de Doutrina e nem mesmo conseguia chegar ao distante Templo de Santa Cruz.

Morávamos em uma quitinete de fundos, andava quilômetros a pé em busca de pequenos serviços para sustentar a família... Fiz instalações elétricas, consertei computadores, dei aulas de matemática, e até a fossa de nosso pequeno condomínio eu limpei para poder ajudar a descontar no aluguel.

Não havia mais nem sombra do poderoso diretor de TV em que havia me transformado antes. Era a missão no Exílio do Jaguar que me sustentava. Era a energia de vocês, que me escreviam contando seus problemas, suas dificuldades, suas dúvidas, que não me permitia chorar. Eu via que muitos de meus irmãos passavam por suas dores e que confiavam em minha palavra amiga, em meu abraço fraterno, em minhas orações... e sequer suspeitavam que do outro lado estava alguém vivendo as mesmas dores humanas.

No dia em que gastei minha última moeda, em que pensava em quanto poderia vender a pequena tv de 14” que tínhamos, para comer no dia seguinte, senti claramente “alguém” dizendo: “e agora? Não vai se revoltar? Chutar o pau da barraca? Cadê sua Doutrina, seus Mentores, seus irmãos?”  e outras coisas impublicáveis. Com estes pensamentos invadindo minha mente de maneira quase indominável, eu cheguei em casa e liguei o computador. Mergulhei naquele que era meu mundo, respondendo a vocês e escrevendo textos doutrinários para toda a semana. Senti claramente a presença de Pai João que projetava em minha mente “filho, nada irá lhe faltar, venceste a ti mesmo e agora poderá seguir adiante”.

A noite recebi uma chamada que um dinheiro absolutamente inesperado estava a minha espera...

(continua amanhã) – Como mudei minha vida. O segredo do Exilado e mais detalhes de como é possível mudar por completo, mesmo frente as mais terríveis adversidades.

* Na foto nossa primeira Turma de Centúria (Templo Anavo do Amanhecer de Cochabamba - Bolívia)


Kazagrande

4 comentários:

Poder seguir a diante é tudo que precisamos.Salve Deus!

Salve Deus Mano velho Kazagrande que o Mestre Jesus sempes esteja em nossos pensamentos e açoes.. para podermos ser tudo aquili que um dia juramos a ele ao retornar-mos a este planeta escola.. Ser o Homem Jaguar desbravador o Homem luz em cristo
Salve Deus !

Salve Deus!
Perdi o número de vezes que ao amanhecer a única força que me restava estava em abrir o e-mail e ler O EXÍLIO DO JAGUAR onde eu sabia que lá estava "a mensagem" que com certeza me faria seguir adiante...

Salve Deus.

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.