quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Convivendo com a Clarividente


Certa feita estava escalado no Radar e fui ter com tia, para perguntar o que fazer com um caso diferente qualquer, nem me lembro mais qual era. Estávamos muito mal acostumados com a disponibilidade da Clarividente, tudo perguntando, mesmo já sabendo, “só para ter certeza”. Era uma noite de quarta-feira e Tia estava na sala da Casa-Grande, com os principais Devas, entregando cavaleiros ou o povo aos mestres, não sei direito.

Cheguei por trás mesa, bem juntinho de um dos seus ouvidos e fiz lá a minha pergunta. Para minha surpresa, ela começou a dizer, em voz alta, olhando para mim, algo como: - Que é isso? Me respeite. Não aceito isso. Vá embora daqui...etc. Todos na sala me olharam assustados, imaginando que coisa horrível eu não devia ter dito para ela; até Mestre Fróes me puxou pela camisa e disse que era melhor eu sair dali. Atônito, envergonhado, voltei para o templo sem entender nada e passei o resto do trabalho tentando me harmonizar para não piorar as coisas, com toda aquela responsabilidade da corrente-mestra nas costas.

Sou obrigado a confessar que fiquei zangado com Tia achando que, daquela vez, ela pirara mesmo. No outro dia, pela manhã, passei pela Casa Grande antes de vir para a cidade, disposto a esclarecer o que acontecera. Entrei pelo escritório do Seu Mário e vim andando pelo estreito corredor que levava até uma saleta, antes da sala de visitas, e tinha, à esquerda, o banheiro, a direita o quarto do casal. Vi Tia sozinha no quarto, sentada em uma cadeira de balanço, passando muito mal.

Parecia que o ar que lhe chegava pelo tubo preso ao nariz estava falhando, pois ela já deixara um dos braços cair pelo lado da cadeira e mantinha a mão do outro braço sobre o peito. Antes que pudesse acudi-la, na verdade, pelo que me ocorria, correndo atrás de Guto ou de Preu, que sabiam como mexer com a bala de oxigênio, ouvi-a dizer algo absolutamente inesperado para as circunstâncias. Em vez de dizer “socorro”, "está doendo" ou “ai, meu Deus”, ela disse: - Jesus, eu te amo! Quem diria isso em um momento assim, quando a própria sobrevivência está duvidosa? Quando a dor se impõe e a consciência vai se perdendo? Fiquei tão surpreso quanto encantado.

Era a forma mais linda que já vira de se dizer: “o conhecimento de que tudo é bom nos liberta do mal”. Foi preciso um esforço enorme para reagir e buscar ajuda. Passado o susto, tomado pelo arrependimento dos pensamentos irados que tivera pela bronca aparentemente sem sentido da véspera, comecei a repassar os acontecimentos e a ficar em dúvida se ela estava, realmente, olhando para mim, enquanto reclamava daquele jeito. Parecia, agora notava, que olhava um pouco além de mim, mais atrás, como para alguém que estivesse logo às minhas costas, provavelmente dizendo palavras bem diferentes das minhas, que a teriam irritado tanto.

Vendo e ouvindo o que só uma clarividente poderia. Muito provavelmente enfrentando quem me acompanhava para me fazer o mal. Ah! O tempo é um velho andarilho, cinzento e de pés gregos, que não se cansa, é rápido, tudo leva... Mas nem tudo. Nem tudo.

João do Valle
Adjunto Trino Otalevo

2 comentários:

Simplesmente maravilhoso. A quando da minha passagem pelo Templo Mãe, tive oportunidade de conhecer Mestres que viveram bem de perto com a Tia. Como eram bons esses momentos em que me foram passadas as histórias de cada um vividas com a nossa Mãe. Aproveito para homenagear aqui esse Mestre Maravilhoso, que me contava episodios que depois me faziam chorar de pena por não ter tido essa oportunidade de conhecer a MULHER, a MÃE, a nossa MENTORA Tia Neiva. Obrigado Mestre Valdemar.

Adjunto Trino Otalevo... Foi grande apoio da falange Franciscanas... foi grande amigo do meu Pai... e continua sendo grande amigo da minha família!

Forte abraço,

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.