quarta-feira, 4 de abril de 2012

Pai Joaquim das Cachoeiras



Texto enviado pelo Adjunto Adelano – Mestre Gilmar

Salve Deus!

O ano era 1780, os cafezais, a cana de açúcar e o cacau eram sinônimos de riqueza no sul da Bahia. 

 A feira de São Joaquim em Salvador era o ponto de troca e venda de todo tipo de mercadoria , ali além dos gêneros alimentícios , escravos trazidos nos Navios Negreiros eram expostos como qualquer outra mercadoria.

Germano Gonçalves Lêdo,  proprietário  da fazenda Barro Fundo, juntamente com sua jovem esposa estava a procura de mão obra para começar a colheita de cana açúcar  e a secagem do café que já havia sido colhido . Desce da carruagem preta e juntamente com Maria Dolores começam a examinar os escravos que  ali haviam chegado , vindo de Angola na Africa.

Depois de muito observar com alguns contos de réis levam um casal de escravos para sua fazenda. Um deles era um guerreiro que fora retirado e amarrado no porão do navio juntamente com tantos outros que foram levados ao Brasil. Também viera junto uma negra que seria a ama da filha de Dolores.

O Negro fora batizado a força e dado lhe o nome de Joaquim dos Santos. A negra recebera o nome de Isabel.

Como a fazenda era muito grande havia dois capatazes de confiança de Germano. Antônio de Pádua, homem sisudo , convicto de sua obrigação e dava sua vida por seu patrão e Emanuel Assunção, um pouco mais jovem, porem com o mesmo sentido de responsabilidade.

Tão logo a filha de Germano nascera, Dolores entregou a filha a Isabel, que já tinha engravidado  de um negro na senzala e ficara com a incumbência não só de cuidar de Ana Dolores, como também de ser sua ama de leite.

O tempo passou e Joaquim dos Santos já estava com quase setenta anos e Isabel além de cuidar dos filhos do coronel Germano era cozinheira da Casa Grande.

Aos capatazes ficava a responsabilidade de vigiar todas as ações dos negros na Fazenda , desde a colheita a seus rituais que de certa forma  eram permitidos pelo Coronel.

A lua no céu prateada iluminava aquele Vale e a noite em seu manto escuro era cortada pelo som triste dos atabaques que rompia o véu do tempo propiciando o reencontro dos negros com seus ancestrais. Vez por outra  Ana Dolores com uma maneira que não podia explicar se pegava na senzala assistindo aqueles negros dançarem  ao ritmo daquele som envolvente. Muitas vezes acaba dormindo no colo de sua ama de leite a qual chamava carinhosamente de Mimica. E a Sinhazinha sempre pedia que sua ama de leite fizesse para ela quindim de queijo, e para deixa-la sempre feliz a negra velha sempre atendia os mimos de Ana Dolores.

Neste caldeirão cármico  Emanuel o capataz mais jovem sentia uma paixão imensa pela Sinhazinha, mas não podia se declarar, pois o Coronel desejava que sua filha casasse com Doutor da cidade.

Adiantando um pouco nessa história Joaquim dos Santos que era chamado de Quinzinho já velho e não conseguindo trabalhar na lavoura, foi lhe- dado a incumbência de buscar lenha para alimentar o imenso fogão da Casa grande, e não muito raro quando trazia algumas  lenhas verdes era punido com algumas chibatadas. Mas o capataz mais velho, Antônio de Pádua, foi curado certa feita por Quinzinho e por isso afeiçoou se a ele profundamente. E o tempo foi passando quando o Coronel Germano determinou que o velho escravo Quinzinho fosse vendido em Salvador, pois não mais servia para casa, pois sua idade avançada não lhe dava condições de atender as demandas da Casa Grande.

Antônio de Pádua dirige-se a seu Patrão e  acaba comprando o velho escravo, levando a viver em sua casa.

Emanuel não conseguindo o intento da união com a Sinhazinha, passa toda a sua vida em profunda tristeza.

Um dia Antônio acorda de madrugada e ouve os gemidos de Quinzinho e ouve as seguintes palavras:

Sinhôzinho Antoin, esse vèio não vai dar lhe mais trabaio, mas quero que vós-suncê fique sabendo que um dia voltaremos a nos encontrar...

Com o desencarne de Quinzinho fecha-se mais um ciclo existencial no processo encarnatório de um grupo de jaguares.

1985 , arredores de Planaltina DF, vale do Amanhecer. Depois de tentar encontrar respostas em vários lugares um senhor de mais ou menos 25 a 26 anos de idade chega a doutrina. Vinha com o intuito de testar a incorporação de uma antiga amiga. Mas antes passa com Pai Jacó nos tronos vermelhos.

Pai Jacó ao receber aquele Senhor dirige-se ao doutrinador e lhe diz:

“Meu filho, hoje vou ganhar mais uma luz, por ter encontrado esse meu filho que agora está a minha frente”

Duas semanas depois não só o Senhor mas também sua esposa estavam desenvolvendo .

Ele médium de incorporação sente imensa dificuldade para conseguir desenvolver sua mediunidade. Naquela época havia o grupo seis que era composto por vários Doutrinadores que tinha muita ligação com Tia Neiva. Um desses instrutores chama o jovem Senhor que estava tendo dificuldades de incorporar e conversam muito tempo.  Alguns dias depois já definido sua caminhada como Apará tem como Guia Pai Joaquim das Cachoeiras.

No castelo do Apará Pai Joaquim das cachoeiras manda chamar o instrutor que havia conversado com  aquele aparelho e lhe diz:

Meu filhos hoje quero lhe revelar uma coisa e lhe fazer um agradecimento!

_Salve Deus meu Pai, estou aqui a vosso dispor! Responde o instrutor:

Meu filho quero lhe agradecer por duas situações distintas e diferentes em que você esteve presente a este Preto velho!

Há muito tempo, desencarnei em seus braços e aqui neste local renasci por tuas mãos!

Quando o casal foi fazer sua elevação de espadas o mesmo Instrutor convidou os dois para serem seus padrinhos. Ele (Ajanã) padrinho e ela (Ninfa Sol) Madrinha. Depois de algum tempo aceitaram .

O Instrutor marcou com os dois para que fossem diante de Tia Neiva para reafirmar aquele compromisso. E assim aconteceu!

Tia Neiva disse ao instrutor: É meu filho agora não poderás dizer como Ditinho que não tem padrinho!

E também: Meu filho! Seu Padrinho ainda vai contar a você a história dele!

Meu filho. Você não sabe quem é esse Mestre! Só mesmo o Pai Seta poderá dizer!

Um dia em um trabalho em que estavam os três reunidos, Padrinho, Madrinha e o Afilhado, Pai Joaquim das cachoeiras contou essa história acima...

Observações:  Existe uma falange imensa de Pai Joaquim das cachoeiras , cada Preto Velho assume uma roupagem de um de sua várias encarnações, mas como suas palavras certa vez perguntado quem ele seria, respondeu:

Sou o Pai Joaquim das Cachoeiras, mais um pouco do Aparelho!
Uma das grandes características de Pai Joaquim das cachoeiras e seu grande amor e sua capacidade de levar aqueles vão até ele uma paz imensa, onde suas palavras consegue desarmar corações endurecidos como um verdadeiro emissário do Cristo Jesus!

Gilmar – Adj. Adelano
                

11 comentários:

Muito lindo,e de emocionar e amar cada vez esse preto velho de luz e amor,uma historia linda para pensarmos o quato somos abençoados em nossas caminhadas salve Deus.

Salve Deus Pai joaquim das cachoeiras,quanto Amor!!!Ninfa lua Tagana

So atravea deste conhecimento de nossa mae e que sentimos que cada vez mais,devo amar o meu proximo.obrigado meu mestre.beto unai M.G

sou doutrinadora e tenho uma ligaçao e muito amor aos pais joaquins das cachoeiras. meu padrinho de iniciaçao e fui madrinha de iniciaçao, sendo os dois pai jaquim das cachoeira. e tudo tem uma razao de ser e nada é por um acaso. fiquei sabendo na minha individulidade o porque dessa ligação e me emocionei muito. que pai joaquim nos abençoe hoje e sempre

sou doutrinadora e tenho uma ligaçao e muito amor aos pais joaquins das cachoeiras. meu padrinho de iniciaçao e fui madrinha de iniciaçao, sendo os dois pai jaquim das cachoeira. e tudo tem uma razao de ser e nada é por um acaso. fiquei sabendo na minha individulidade o porque dessa ligação e me emocionei muito. que pai joaquim nos abençoe hoje e sempre

salve deus, lendo esta linda historia,não tem como não se emocionar sendo eu aparelho de pai joaquim!! não sei ainda qual a nossa ligação mas tenho certesa de que e por boas causas,lendo essa.. era como se ele estivesse ao meu lado,trsmitindo todas as suas maravilhosas energias chorei muito não sei porque, mas sei que não foi de tristesa nesse momento estou chorando mas com uma emensa alegria dentro de mim,obrigado pai joaquim das cachoeiras por fazer parte da minha vida!! salve dues lucilene costa mota nifa lua!!!

Agradeço a Deus pela rica e feliz oportunidade de ter conhecido a doutrina do amanhecer. Comecei como doutrinador, cheguei a me centuriar, mas após 2 meses, graças a Deus tive q mudar minha força de trabalho. E para alegria meu Preto Velho é Pai Joaquim das Cachoeiras, que amo de paixão. acredito eu que além de meu mentor espiritual Pai Joaquim das Cachoeiras é meu Pai espiritual. Salve Deus meu pai, e obrigado por estar sempre junto a mim em todos os momentos de minha vida.

Salve Deus! É de se emocionar sim, é muito bonito as palavras de um preto velho, ainda mais quando o meu se dá pelo nome de Pai Joaquim das Cachoeiras. Agradeço ao meu Pai Seta Branca por eu ter hoje essas forças em minhas mãos para ajudar os que precisam trabalhando na lei deixava por Tia Neiva.. Salve Deus. Mestre Lua!

Que história emocionante. Salve pai joaquim das cachoeiras!!!

Eu sou apará do templo Nerano de Caxias-MA, sou aparelho de Pai Jacó das Cachoeiras. Já busquei sobre a história dele e não achei muitas informações e gostaria muito de conhecer sua história. Você poderia me ajudar?
kayronlobo@hotmail.com

Salve Deus!

E de emocionar mesmo veio as lágrimas nos meus olhos !

Amo o Pai Joaquim das Cachoeiras com todo o meu coração!!! Salve Deus, meu querido Pai!

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.