quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

RESGATE 01 – MÁRIO SASSI


De volta ao trabalho! Depois de merecidas férias, após sete longos anos sem parar, pude viajar com a família por alguns dias. Agora é colocar os e-mails em dia, responder aos comentários e publicar novos textos, enquanto termino a revisão do livro “Pérolas de Pai João”, que em breve chegará até vocês.

Hoje iniciamos uma nova série, visando o resgate de personagens de nossa Doutrina, cuja pouca informação, vai gerando mitos e lendas, ou simplesmente apagando a memória. Nada se sabe, ou se registra sobre o Mestre Mário Sassi (o primeiro desta série). Fala-se apenas do Trino Tumuchy e de que ele foi o responsável pelo Acervo do Vale do Amanhecer. Então, vamos saber um pouco mais sobre este homem, que ao lado de Tia Neiva, forjou todas as armas que hoje temos em nossas mãos. Amanhã, não percam: Mestre Nestor – Trino Araken! (E seguirei a ordem decrescente nos próximos textos desta série).


Mestre Mario Sassi, o Trino Tumuchy, foi um personagem de vital importância para nossa Doutrina. Ele trouxe a interpretação dos fenômenos mediúnicos de nossa Mãe Clarividente, compreendendo e explicando com lucidez, o quê Tia via nos planos espirituais e etéricos.

Conheceu Tia Neiva em 1965 e depois três anos, abandonou seu trabalho, sua vida social e familiar, para fundar com ela o Vale do Amanhecer, tornando-se seu companheiro a partir de 1968.

Mário Sassi, classificou, nomeou e ordenou os fenômenos, estruturando a Doutrina, que seguia apenas o ritmo prático das orientações da Clarividente.

Neto de italianos, “Seu Mário” foi criado no Brás, bairro tipicamente italiano da cidade de São Paulo, em meio aos imigrantes. De origem humilde, fez o curso secundário. Foi um dos responsáveis da juventude operária católica, e fez carreira em relações públicas, participando mesmo da fundação da primeira associação brasileira de relações públicas. Nesse setor, teve bons cargos e, quando encontra Tia Neiva, é conselheiro de relações públicas na reitoria da Universidade de Brasília, cargo que ocupou durante cinco anos, até 1968, quando então assume integralmente sua missão no Vale do Amanhecer.

Durante sua vida profissional, faz cursos noturnos na Universidade de São Paulo; realizava os exames com muita dificuldade, porque já trabalhava. Depois completou o curso de Ciências Sociais, na UNB, já em busca de respostas para os clamores do espírito.

Foi casado com uma socióloga e dos seus quatro filhos, sei que um vivia em Roma, outro era antropólogo, dedicado ao estudo indígena, e também teve uma filha formada em Jornalismo.

Sua vida era uma busca incessante de uma resposta a questões existenciais: "Eu fiz a trajetória de todos os membros da classe média típica... que procuram uma saída, que têm angustia, que entram numa religião, depois noutra, nesta, naquela, que querem sair da angústia e não conseguem... eu me preparei para ser pastor, e tentei o esoterismo. Não consegui nada de excepcional, em compensação sentia a angústia clássica, vivia procurando, procurando, procurando, e não encontrava nada... até o dia em que, de repente, descobri o ovo de Colombo. É a coisa mais simples do mundo encontrar–se religiosamente. Nossa civilização é que complica tudo".


Em 1965, ele passa por uma crise pessoal; familiar e profissional ao mesmo tempo, decorrente de uma aversão pela sua imagem social. Descreve o espaço social "sofisticado" dos grandes hotéis de Brasília, que exige um trabalho de representação, de estratégias de distinção, obriga a forjar um personagem, a beber coquetéis especiais. "Eu era metido a besta", resumia ele. Decide então desaparecer como se fosse uma espécie de suicídio simbólico, fugir para a Europa, no anonimato: Quando cheguei (à Doutrina), já havia preparado meu suicídio. Mas não era o suicídio de quem mete uma bala na cabeça, achava isso nada elegante! Queria um suicídio sofisticado, sair da minha identidade. Já havia preparado tudo; um dia, ia desaparecer da circulação e reapareceria lá na Europa. Tinha o sonho de conhecer a Europa porque tinha sido criado por imigrantes europeus. Naquele tempo tinha nojo das pessoas, era irascível, arranjava muitos inimigos. Era o que imaginava, ia abandonar tudo; de fato deixei tudo isso de uma outra maneira. Não era uma renúncia romântica, não, foi uma mudança prática. De uma só vez me livrava de tudo."


Os familiares, colegas e conhecidos de Mário Sassi julgaram-no ainda mais louco, pois Tia Neiva vivia na periferia de Brasília, em barraco de madeira, com um templo construído com tábuas já usadas, cercada de pessoas humildes. Essa gente simples, muitos sequer eram alfabetizados, recebiam os fenômenos da Clarividente com relativa naturalidade, e as perguntas incessantes de Mário Sassi fazem com que o apelidem rapidamente de "o intelectual".

Em 1969, Tia Neiva e Mário Sassi recebem JUNTOS o pedido de Pai Seta Branca para fundar o Vale do Amanhecer.

Em 1978 foi Consagrado TRINO TUMUCHY. Desencarnou em 25 de Dezembro de 1995. Escreveu diversos livros e livretos, aos quais é interessante que todo Médium tenha conhecimento.

Seu afastamento, após o desencarne de Tia, foi motivado por divergências sobre a condução da Doutrina. Tentou fundar uma nova “corrente”, mas todos os que inicialmente o seguiram, voltaram ao Vale.

Encontrei com ele em 1994, um ano antes de seu desencarne, quando a Ninfa Lucia Pimentel o trouxe de volta para o Vale. Recordo como se fosse hoje a minha emoção ao intempestivamente o abraçar e dizer: “Seu Mário, foi pelo senhor que um dia cheguei aqui! Foi um livro seu que encontrei, perdido em um biblioteca pública, que me mostrou o caminho! Foi por suas mãos que cheguei ao Vale! Sempre quis lhe contar isso”. Ele não conseguiu dizer nada... Apenas correspondeu o abraço e deixou uma lágrima rolar no canto dos olhos.

Pai Seta Branca, incorporado em Tia Neiva, quando fez a Iniciação do Trino Tumuchy, e lhe disse:

“Você é um missionário de Deus e, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, terá que anunciar as premissas da civilização do Terceiro Milênio, recebidas por intermédio desta médium Clarividente.

Você dará testemunho do Espírito da Verdade, cuja missão é marcar a transição milenar.

Os três anos que teve de aprendizado e disciplina seriam poucos de não fosse a grande bagagem de que é portador, pelas vidas que já teve neste planeta. Hoje mesmo dar-lhe-ei provas dessas vivências transcendentais.

Mas não tente, nunca, ultrapassar a verdade, pois o Homem se alimenta apenas daquilo de que se pode dar testemunho.

A transição real irá começar em 1984, quando Capela, o Planeta Monstro, fizer sentir à Terra sua aproximação. Abrirei para você um novo mundo e você escreverá com o Espírito da Verdade.

A Clarividente, que coloco à sua disposição, tem seus olhos entregues a Nosso Senhor Jesus Cristo. Também você confiou a Ele sua paz e sua tranqüilidade, cujo penhor é a ausência de qualquer deslize moral.

Tudo será feito pelo amor de um Deus todo poderoso e estarei aqui sempre que você precisar de alguma afirmação.”  Pai Seta Branca na Iniciação do Trino Tumuchy


Kazagrande

11 comentários:

Salve Deus mestre, suas palavras, seus ensinamentos. a verdade que o mestre coloca em seu blog, sobre a verdadeira essência dessa doutrina deveria alcançar, os veteranos da doutrina do amanhecer, que por acharem que estão em um grau muito elevado, pode chegar e despencar em cima de outros suas iras e frustrações. E assim deixar entender que o tempo não melhora o jaguar, que o tempo transforma os jaguares em pessoas cruéis e sem amor no coração. Salve Deus.

Uma coisa que é ainda obscura para mim foi o episódio de Mário Sassi ter se afastado do Vale do Amanhecer e ter tentado fundar uma outra corrente.

Há um documento intitulado "A Cisão", que é composto por 3 cartas, o qual estudei bastante durante algum tempo. Cheguei à conclusão que as críticas levantadas pelo Trino Tumuchy têm fundamento, mas a atitude tomada não foi das melhores.

Por outro lado, cabe a nós não nos esquecermos dos alertas levantados pelo Trino Tumuchy para que não caiamos nos defeitos básicos que sempre derrubou (e derruba) o Jaguar na sua trajetória reencarnatória: a cobiça e a vaidade.

Em relação a este texto, só tenho uma palavra: "OBRIGADO".

Puxa vida... muito bom!! precisamos disso conhecer mais e mais!!

me lembro muito bem desse dia e das lagrimas.muitas lagrimas.foi injustiçado.e aqueles que as provocaram,pagam o preço.entendam como quiserem.Salve Deus.

Um belo trabalho Kazagrande, resgatando a figura do Seu Mário que já anda meio esquecido, pois muitos jaguares parecem ter memória curta. Eu, que o conheci, até hoje não entendi bem o que lhe aconteceu: se foi uma grande provação ou um desentendimento com a família Zelaya. Só sei que ele dedicou-se de corpo e alma a Doutrina do Amanhecer e queria que a Doutrina não estagnasse na rotina cansativa dos Trabalhos. A intensão era avançar e progredir melhorando o corpo mediúnico interiormente, através da busca das virtudes e do domínio dos defeitos. Infelizmente não foi bem compreendido, e hoje vemos o excesso de detalhes que são valorizados nos aprisionando no Templo Exterior, e fazendo nos esquecer de que o verdadeiro Templo que nos interessa precisa ser edificado no nosso Interior, pela vivência diária dos ensinamentos do Santo Evangelho!

O nosso inesquecível TRINO TUMUCHY "Seu Mário"...
Um homem de grande sabedoria transcendente que lidou a partir do seu despertar com enorme responsabilidade para com o grupamento de espíritos conhecidos hoje como Jaguares e principalmente com a humanidade que há de conhecer seu trabalho nos próximos anos...
Um homem que como qualquer outro homem encarnado por vezes se ajoelhou diante de suas dificuldades, mas provou por inúmeras vezes não temer o teu próprio sacerdócio!
Um homem, um Trino, uma lenda hoje viva pelos seus feitos benéficos que superaram em muito suas pequenas falhas...

Obrigado Trino Tumuchy!
Obrigado Adjunto Anavo!

Ao inesquecível Mestre Mário Sassi, o meu muitíssimo obrigado pelas belas lições, pelas maravilhosas aulas, em fim, por tudo que nos ensinou.
Eu particularmente tive o prazer de encontrá-lo em 1993, infelizmente ele já não tinha tanta saúde como eu esperava, mas foi de uma atenção ímpar!
Meu querido irmão Kasagrande, bela ação esta, a de nos dedicar estas linhas maravilhosas que tão bem fazes.... Se já era acompanhente fiel ao seus escritos, a partir de hoje, o serei ainda mais.
Salve Deus meus queridos irmãos em Cristo. Que a paz do senhor Jesus esteja sempre a nos acompanhar, fazendo-nos mansos de coração...

SALVE DEUS
QUERIDOS IRMÃO DESTA CORRENTE ,OBSERVEI SEUS COMENTAROIS
E ME ADIMIREI MUITO COM O TABALHO QUE O TRINO TUMUCHY VEI FAZENDO
MUITOS ACHARAM QUE ELE ESTAVA DESEQUILIBRADO POR TENTAR ALERTA
A TODOS A CHEGADA DOS GRANDES INICIADOS
SALVE DEUS
HOJE TEMOS RELATOS DESSES GRANDIOSOS ESPIRITOS POR TODA PARTE
QUE VISAN TRAZER A EVOLUÇÃO DO PLANETA TERRA.
ACHO QUE ESSE TRABALHODEVERIA SIM TER CIDO ESTUDADO COM MAIS PROFUNDIDADE
POR QUE VEJAN VOCEIS NO QUE A NOSSA GRANDIOSA DOUTRIANA ESTA SE TRANSFORMANDO
MESTRES QUE ACHAN QUE NÃO TEMOS MAIS NADA A APRENDER, QUE LIMITAM OS CONHECIMENTOS DESSA DOUTRINA JULGANDO QUE NÃO PRESCISAMOS SABER DEMAIS
E FAZENDO COM QUE NOSSA DOUTRINA FIQUE MECANISADA SO SE FALANDO DE RITUAIS E NÃO DANDO CONTINUIDADE AO TRABALHO DE EVANGELIZACÃO
AS ENERGIAS NÃO ESTÃO SENDO SENTIDAS POR MUITOS JAGUARES E PRINCIPALMENTE O AMOR NÃO ESTA SE FAZENDO PRESENTE DENTRO DOS CORAÇAOES DE MUITOS DE NOSSOS IRMÃOS SALVE DEUS PEÇO A VOCES QUE REFLITAN PARA QUE JUNTOS POSSAMOS DAR CONTINUIDADES A ESSA CORRENTE QUE A CADA DIA ESTA SE EVOLUINDO ,E EU PERGUNTO
E NÓS, VAMOS ACOMPANHAR ESSA EVOLUÇÃO ,OU IREMOS DEIXAR QUE NOSSOS ESPIRITOS PERCAN MAIS UMA VEZ ESSA OPORTUNIDADE DADA POR DEUS PAI TODO PODEROSO?

Salve Deus Mestres e Ninfas!

Sou um admirador fiel das obras do Trino Tumuchy, não podemos esquecer os nossos ancestrais, fundadores da Doutrina.

Grato Adjunto Anavo Mestre Kazagrande.

Salve Deus Meu Irmão !
Parabéns pela iniciativa, pessoas que exerceram papéis tão necessários e importantes na formatação de nossa doutrina, merecem esse trabalho feito por você, sob inspiração da espiritualidade maior. Me lembro dele, do Nestor, e de tantos mestres e ninfas que aos poucos vão nos deixando fisicamente e sequer são mencionados... Em 1988 ingressei no amanhecer, no Amuraçuy de Belo Horizonte, era um moleque, e "morria de medo de espírito", com o passar do tempo, fui compreendendo melhor o alcance dessa doutrina, seu imenso potencial.
Puxa ! como era bom passar horas dentro de um ônibus para participar de um 1º de maio, consagração de adjuntos, aulas com o Nestor, cultura e por aí vai. Continuo firme nessa estrada ( apesar das faltas naturais de um pecador... ), e sou mago deste amanhecer. Escrever sobre essas figuras é discorrer não somente sobre o mestre ou a ninfa... mas sobretudo sobre um legado, sacrifício, dedicação e também sofrimento.
Pessoalmente, não foi nada agradável ver nosso Mário numa cadeira de rodas no radar da estrela no dia do doutrinador.
Posto isso, me pergunto como será que eles veem do plano em que estão, os acontecimentos aqui na terra?
Que saudade da UESB !!
Naquele tempo eu não precisava me preocupar com siglas, bastava ir ao templo e trabalhar com amor, hoje, são mil e um argumentos para provar que esse ou aquele "lado" está certo.

Meu irmão, obrigado e desculpe pelo desabafo.

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.