segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O Paciente na Indução


Na Indução o paciente tem suas “amarras finais” rompidas. Passa por sua cabeça todos os pensamentos que lhe obsessionam e agridem. Ele recorda pessoas e situações que já deveriam estar resolvidas, mas que ficam se arrastando em pensamentos inúteis, que nada solucionam e trazem tristeza.

De início parece que o trabalho vai deixa-lo para baixo, mas ao passar as invocações e a absorção da corrente, a sensação de alívio é imediata. É como se aquele pensamento obsessivo, que não saía de sua cabeça, se esvaísse e ele pudesse refletir melhor. Em seguida, a luz bendita dos Pretos Velhos tranquiliza definitivamente o trabalho, trazendo de volta a mesma sensação de esperança de quando saiu dos Tronos.

Nem todos os pacientes estão em condições de enfrentar uma Indução. Por mais que possam mesmo precisar, somente nos Tronos as Entidades podem verificar o merecimento e as condições vibracionais necessárias, pois, neste aspecto, o paciente despreparado pode baixar seu padrão e não sair bem do trabalho.

A Indução é um maravilhoso trabalho de grandiosa precisão e poder. Dispõe de uma nave exclusivamente para sua realização. Ao passar pela Indução, as correntes negativas são absorvidas e rompidas pelo poder do trabalho.

Rompendo as correntes, a pessoa sai de lá pronta para um novo começo, e vigiando seu padrão vibratório, poderá evitar novas formações e seguir sua vida sem as “amarras” que antes atravancavam sua jornada. De modo que naturalmente os negócios parados começam a se mover, as pessoas voltam a se aproximar, e os problemas de irritabilidade e depressão desaparecem sem medicamentos fortes. A vida material caminha livre para seguir seus destinos kármicos.

Porém cabe ressaltar que: A Indução não é um trabalho mágico para sua “vida material”! É muito triste verificar que muitos médiuns chegam ao Templo pensando em fazer uma Indução em benefício próprio, afinal este trabalho rompe as correntes tanto dos pacientes, quando dos médiuns que dele participam na formação.

Ao entrar no Templo nossa preocupação deverá ser somente servir! Havendo a necessidade de passarmos por uma Indução, com certeza nossos Mentores nos proporcionarão a oportunidade.

Kazagrande

2 comentários:

caramba, muito bom o texto! kazagrande, eu me vejo nessa situação de pensamentos, sou doutrinador, me dê uma dica por favor! tipo, pensamentos diretos que ja era pra ta resolvidos, mas todo dia é uma aperriação danada!
como me preparar pra esse trabalho, eu ja participei, mas tipo, so se concentrando em servir? ou eu imagino meus problemas tbm pra poder ser invocados e quebrados? por gentileza, é muito importante pra mim isto! agradeço!

Salve Deus!

Se meu irmão Kazagrande me permitir, gostaria de escrever um pouco. Quem é o primeiro a se iluminar quando acende uma luz? Exatamente: aquele que a acendeu. Os maiores beneficiados, segundo merecimentos e necessidades, são os trabalhadores do serviço, na casa do Pai Seta Branca ou em qualquer outra casa de caridade. Mas, como é óbvio, estar a serviço numa casa de caridade do Evangelho não quer dizer necessariamente que sejamos um trabalhador daquela casa. Ora, é lógico, participo, contribuo, mas efetivamente só estarei inscrito naqueles trabalhos de amor e caridade, na Lei do Evangelho, quando também assim estiver participando, sem nenhuma intenção no coração que não seja servir e curar na luz de N. Sr. Jesus Cristo. De outra forma, meu irmão jaguar, seremos também um visitante, numa condição um pouco diferente, mas visitante.

O espírito espartano, na luz do Evangelho de N. Sr. Jesus Cristo, exige conduta, amor, humildade e tolerância, disciplina absoluta consigo mesmo.

Nosso maior inimigo somos nós mesmos.

Graças a Deus,

Adj. Hitupan - Hugo Sobreira - Crato - Ceará - Brasil
TEMPLO PATÁRIO - ADJ. TAVARES

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.