ÚLTIMOS TEXTOS

terça-feira, 30 de agosto de 2011

TRONO MILENAR

terça-feira, 30 de agosto de 2011 - 9 Comments



(texto baseado no original do Adjunto Hitupan, Mestre Hugo Sobreira)

"Olha meus filhos, em Cristo Jesus, eu fiz aqueles dois Tronos ali (apontando para os Tronos Milenares, ao lado da imagem de Pai Seta Branca), assim naturalmente, nós batizamos como Tronos Milenares... Junto aos olhos de Pai Seta Branca. Ali se recebem Espíritos Milenares... muitos que vêm dessas tiranias, da escravidão, Senhores de Escravos, assim, ex-combatentes, ódio, velhos Generais dessa guerra, Espíritos de Roma, Egito...”  Tia Neiva em gravação sem data.

Salve Deus!

Falar dos Tronos Milenares é considerar primeiramente o alerta de nossa Mãe Clarividente: “são espíritos milenares, muitos dos tempos de Roma, do Egito, de antes de Cristo”.

Não vamos ali para “conversar com nosso cobrador”! O espírito que está ali vive por séculos dentro do Plano Etérico da Terra! Desvendou os mistérios da magia horizontal e especializou-se no agregar de forças do magnético animal e manipulação de outros espíritos. Sua a Lei é o “toma-lá, dá-cá”. Verdadeiros magos negros, manipuladores de consciências, reis de cavernas e senhores de legiões de espíritos.

Atuam em povos inteiros, em tragédias de grande alcance que desprendem uma quantidade indescritível de energia a ser aproveitada dentro do etérico da Terra.

Não vão ouvir sua voz melosa falando de Jesus! Para eles Jesus foi um fracassado que morreu sem cumprir sua missão. A maioria reconhece e respeita a Deus. Certa vez uma entidade destas chegou aos Tronos, frente a dois Arcanos e antes de qualquer coisa disse: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade. Desmontou os médiuns na hora e quase saem dali doutrinados ao invés de cumprir a missão que se propuseram.

Para enfrentar um Trabalho como esse, requer um longo preparo e ainda muita disponibilidade para continuá-lo, pois dificilmente ele terá fim em um único encontro. O Trino Araken contava que havia um espírito destes que já tinha mais de décadas em contato com ele mesmo e não havia quase nenhuma possibilidade de encaminhá-lo, pois embora ele até desejasse, temia pela vingança de tantos que já havia destruído.

Somos muito pequenos frente à experiência milenar destas entidades imersas por milênios nos submundos. Respeitá-los é o primeiro passo, e se não houver conteúdo para conversar, que não os incomode! É bastante arriscado perturbar quem você não tem condições de sequer encarar.

Não adianta intelectualizar a prosa, pois uma conversa intelectual normalmente é aborrecida e eles não têm tempo a perder. A única arma capaz de sustentar um encontro destes é o verdadeiro amor! Não importam tanto as palavras, mas sim a emanação com a qual vêm revestidas. Se existir um pingo de vaidade na solicitação deste encontro... Salve Deus! Será descoberta e provavelmente exposto ao ridículo! Ou ainda pior, será manipulado pela própria energia e ingressará nas sombras da aura de um ser muito poderoso.

Não se pode medir forças! Além da vaidade, a arrogância é um sinal que detectam com facilidade e usam contra você mesmo.

Somente a real pureza das intenções e o amor incondicional pela missão é que podem conduzi-lo ao caminho para algum sucesso.

Ir buscar um “cobrador” nos Milenares??? Salve Deus! Somente um insensato faria isso! Pode até ser que um espírito destes tenha um reajuste com você, mas pode ter certeza que face ao império que hoje ele comanda, você é o menor de seus problemas. Um espírito milenar não fica preocupado com pequenas cobranças do passado, tem uma legião, uma caverna ou um reino para administrar!

Por tanto... Não vá em busca do que ainda não está preparado para enfrentar. Quando a hora chegar, e “se” ela chegar, tudo acontecerá naturalmente e a missão se delineará de maneira clara.

Salve Deus! Graças a Deus!

Adjunto Hitupan - Mestre Hugo Sobreira

domingo, 28 de agosto de 2011

Celulares nos Templos

domingo, 28 de agosto de 2011 - 4 Comments



Celular nos Tronos

- Alô! É... eu estou aqui no Templo, com Pai Joaquim. Tá certo, eu peço uma bênção para você sim. Vou colocar seu nome na Mesa Evangélica... Pode deixar, eu levo água fluídica e explico que você não pode vir. Salve Deus!  

Pode parecer uma conversa normal a não ser pelo comecinho... É isso mesmo que vocês pensaram! O Doutrinador estava nos Tronos, com Pai Joaquim incorporado atendendo outro paciente.

Esse fato passou há algum tempo, no Templo Mãe! O impensado Mestre, obviamente, quase foi derretido pelas vibrações. Temendo ser muito duro na abordagem deste tema, necessário face a novos casos, prefiro a suave explanação do texto de “nosso Padrinho”.

Kazagrande

Celulares nos Templos

Por Anderson Augusto – Mestre Lua

Como qualquer outro objeto ou mesmo ferramenta de trabalho, o celular é apenas mais um instrumento da era tecnológica, que por vezes acreditamos ser impossível uma boa rotina na vida diária sem a sua presença. De qualquer modo, seu uso facilita a comunicação e agiliza muitos compromissos profissionais.

Porém, cabe a nós o bom uso de qualquer instrumento que possamos acreditar serem imprescindíveis em nossas tarefas. O trabalhador agrícola quando chega ao campo está focado em seu trabalho no cultivo da terra, já o motorista irá buscar maior atenção na condução do veículo sob seu comando. O cidadão comum ao participar de alguma reunião, instrução ou palestra coletiva, é orientado a fazer diminuir a presença do celular, retirando ao menos o som do mesmo. O condutor da palestra/instrução, na verdade, está pedindo de forma indireta e educada que os presentes estejam focados no assunto que será tratado.

Cada um de nós já pode perceber como um celular pode descontinuar uma conversa ou mesmo arranhar a sintonia de alguma reunião. A questão em si não é exatamente o celular e sim o foco. Aos irmos para o Templo, seja ele externo ou interno a nós mesmos, procuramos uma sintonia espiritual e sabemos que os sons inadvertidos podem sim provocar alguma desarmonia. Manter os celulares inativos nestas horas não é obrigação, é manter o foco, e manter o foco é ter respeito pelo que se faz e pelas outras pessoas, na verdade nossos irmãos.

Ofertar algum tempo de nossas vidas aos mentores espirituais e aqueles que nos procuram em suas dores é uma forma muito amorosa de respeito, que em verdade está em sua completude quando há o foco, o foco da doação. Despreocuparmos de algumas realizações materiais, conversas que podem ser adiadas ou ligações telefônicas supérfluas também é um bom trabalho. Mais um vez, vivemos na não-obrigação, e ser livre é fazer tudo o que podemos de forma menos egoísta possível.

Um trabalho espiritual com o envolvimento de forças extra-etéricas é algo de inimaginável junção de energias, por que então deixaríamos de observar o transtorno que pode ser oriundo de um pequeno instrumento de comunicação. Cabe a cada um buscar o respeito próprio, e em sua consciência analisar quão necessário é o celular nos momentos de concentração espiritual.

A distração pode ser uma armadilha para que nos entreguemos às propostas das percepções físicas e de pequenos prazeres que causam grandes estragos em ambientes dedicados ao auxílio dos necessitados.

Se necessitarmos do pequeno objeto de comunicação durante a maior parte do dia, então resta sim uma escolha: dedicar a solucionar as questões materiais ou buscar a melhor entrega no trabalho à Lei do Auxílio. No dia em que se há a proposição do trabalho com nossos mentores, no alívio das próprias dores e daquelas dos irmãos, já está configurada uma escolha. Se existe a impossibilidade de suspender o celular por algumas horas enquanto se dedica a Lei Maior, melhor será dedicar-se as causas que nos fazem transportá-lo.

Por fim, tudo tem o seu lugar e a sua hora, cabe-nos através da maturidade que já adquirimos decidirmos qual é o nosso verdadeiro foco em cada momento de nossas vidas.

Somos chamados, mais uma vez, a vivermos uma juventude espiritual, a mesma em que o espaço individual é uma coletividade de muitas realizações. Jesus, o Caminheiro, é a força da simplicidade a brilhar em nossos corações, e a Paz que sempre indicou é a Luz do Pai Supremo a fazer sentido em nossas vidas! São os novos tempos, os novos Jaguares, mas o mesmo Evangelho de Cristo Jesus! Salve Deus!

Anderson Augusto - Mestre Lua

sábado, 27 de agosto de 2011

A fome na África e o Papel Do Jaguar

sábado, 27 de agosto de 2011 - 4 Comments



Por Anderson Augusto - Mestre Lua

Na região conhecida como “Chifre da África”, no leste do continente africano, que abrange a Somália, a Etiópia, o Djibouti, a Eritreia e partes de outros países, ocorre nos dias atuais uma das maiores crises humanitárias da história. Milhares de pessoas estão morrendo de fome; tantas outras estão sendo dizimadas por grupos armados em disputas políticas ou de controle territorial. Sim, há a expiação de grande quantidade de espíritos que vieram em busca de redenção. Contudo, “entidades” ainda mergulhadas em consciências “desregradas” procuram fazer em uma mistura de dor e desespero a fonte de seu alimento em terras férteis de sangue.

Então qual o papel do Jaguar neste plano de ajuda?

Pois bem, alimentar o corpo com doações alimentícias é fator de auxílio transitório, que apenas torna o doador satisfeito com a própria atitude, que nem sempre indica a real intenção, pois o humano comum doa o que lhe sobra. O verdadeiro alimento é o espiritual, e sempre o será. A matéria, como energia condensada, estará sempre a mover-se em transformações impermanentes. Não que isso seja argumento para que possamos nos ausentar quando procurados por um faminto. Mas nosso papel estende-se além da manutenção dos corpos físicos de nossos irmãos.

Não adianta ficarmos imersos nos noticiários a chorar pelas crianças em desnutrição, isto não as ajuda e nem fortalece os seus frágeis corpos. Ao Jaguar cabe aliviar estas dores, que são da transição planetária, através daquilo que foi preparado fazer: trabalhar na Lei do Auxílio, empregando suas forças mediúnicas nos Templos do Amanhecer.

Mas como trabalhar mediunicamente ajudaria no combate à fome?

De maneira tão grandiosa que a simples mente humana tem dificuldade em compreender. Os “mestres” da guerra, desencarnados que estimulam seus seguidores encarnados a lutar entre si, encontram uma passagem eficaz nos trabalhos de Estrela Candente. Já os soldados, também desencarnados, que conduzem seus iguais na matéria, têm a sua oportunidade em muitos trabalhos na Doutrina do Amanhecer, para um novo começo. Deste modo, faz-se a “cura” na causa e não simplesmente curativos nos sintomas.

A Lei no Carma não cessará e a fome física não deixará de existir completamente (ao menos até a finalização completa da Era de Expiação), mas o verdadeiro alimento do espírito continuará a ser distribuído, pois de nada vale um corpo bem alimentado com uma alma sem ter conquistado seus méritos de evolução.

Por fim, o problema não é a fome em si, e sim o sentimento daqueles que passam por ela, que tantas vezes entregam-se à escuridão pela incompreensão dos desígnios do Pai. E tantos outros, mesmo desencarnados, ainda presos nesta dimensão aumentam a densidade psicofísica da região, impedido a entrada dos auxiliadores que irão levar iluminação a tantas almas.

Eis o papel do Jaguar: a desintegração do excesso de forças negativas, a reintegração dos que podem renascer e a cura dos que ainda ajudarão aos demais a ver o Sol. Esta sim, é a forma de se acabar com a fome do mundo.

Anderson Augusto - Mestre Lua

Um agradecimento real



Por uma Ninfa Sol, leitora do Exílio do Jaguar

Salve Deus, irmão em Cristo.

Maravilhoso relato e de grande valia para nosso crescimento espiritual, bem como despertar para o compromisso e dedicação na nossa Doutrina do Amanhecer.

Lendo esse texto, cada vez mais me conscientizo de que tudo é perfeito e grandioso nos planos de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que realmente não podemos duvidar da Justiça Divina.

Sou uma Ninfa Sol, do Templo ......... do Amanhecer; depois de algumas tentativas frustradas devido a muitas dificuldades em família de fazer parte efetivamente desta doutrina maravilhosa, no início desse ano, precisamente março do ano corrente, fiz meu desenvolvimento, agora com absoluta tranqüilidade e apoio irrestrito da família, marido e filhos; já no final do meu desenvolvimento, recebi a notícia de que estava com um câncer.

Entre tantos mais difíceis, o meu era o “melhor” de se ter. Detectaram logo no início, um tumor com dimensão de 0,70 cm e uma grande chance de cura.

Corri a me cuidar e, por incrível que pareça, tranqüilizar e segurar a insegurança e o medo da minha família; me questionavam de onde vinha tanta tranqüilidade e segurança. Eu sabia que era do privilégio de fazer parte dessa Doutrina de Luz, e de me sentir compromissada com os seus propósitos de auxílio ao próximo, a aqueles que estão na escuridão em profundo sofrimento.
Jamais reclamei! Cheguei mesmo a questionar, algumas vezes, se merecia tamanha oportunidade de ter uma situação difícil para resolver, e ao mesmo tempo poder contar com uma legião de benfeitores que me auxiliavam e me protegiam o tempo todo?

Superei a cirurgia, 45 dias depois, uma única dosagem de radioterapia, o quê me custou maiores dificuldades. Isolamento total devido ao alto nível de radiação com que saí do hospital, depois os enjôos terríveis, mas graças ao meu Pai Seta Branca e Sua Mão, que me segurou o tempo todo, não duvidei, nem me senti vítima, porque acredito que nossos resgates são conseqüências de nossas atitudes, de agora ou de outrora.

Esforcemos-nos e nos conscientizemos no sentido de agradecer sempre e incondicionalmente, mesmo diante de sofrimentos e dificuldades, porque com certeza ali já estamos recebendo a Misericórdia Divina.

Agora, superada essa fase de desafios, me prepara para fazer a minha Iniciação, que começa no próximo dia 17/julho. Estou super feliz e muito ansiosa, com a oportunidade concreta de poder me doar mais ao meu irmão sofredor que perdura nas ilusões.

Salve Deus

sábado, 20 de agosto de 2011

O Centurião e Jesus

sábado, 20 de agosto de 2011 - 3 Comments


Por Anderson Augusto, Mestre Lua

Na antiga Roma eram os deuses os orientadores ocultos dos destinos dos homens. A força física era considerada como uma virtude de beleza e poder, e quando aliada à experiência de combates e conquistas, transformava qualquer homem em um semi-deus as vistas de um povo marcado pela adoração do ouro.

Idos de 27 a.C. e começava um período de grandes transformações nas regiões próximas ao Mar Mediterrâneo, quando Otaviano, também nomeado como Augusto, o primeiro Imperador Romano, daria início a um período de grandes batalhas e conquistas territoriais, que atingiriam toda a borda marítima da região.

Mais uma vez, espíritos Capelinos que já haviam tido outras oportunidades encarnatórias no planeta Terra, estariam ocupando cargos notáveis nesta cultura expansionista, ao passo que tantos outros exilados estariam assim também expiando, agora sob o domínio de algozes, seus destemperos sentimentais praticados em outras vidas quando haviam estado na posição de mandatários.

Naquele tempo, a escravidão e os maus tratos ainda eram marcas indeléveis quando do reencontro de consciências que não aproveitaram tantas oportunidades em acender a chama da fraternidade.

O tempo era, literalmente, marcado pelo sol, que rodeava escravos e senhores, em diversas glebas de produção de milho, sorgo e trigo e outros cultivos. A espada reluzia a cessar muitas vidas, principalmente a dos que não honrassem seus deveres com o Estado. Havia os que empregavam suas forças no plantio nas próprias terras ou nas de outrem, outros canalizavam suas energias na administração pública e tantos outros transformaram-se em condutores de ordens imperiais ou de cobranças de impostos.

A Força Militar era de orgulho e respeito singular entre o povo romano, pois seus conhecimentos nas artes do estratagema e da disciplina era o que sustentava uma elite de homens destemidos e que muito amedrontava os oponentes. Uma figura destacava-se naquela época, carregava sempre um histórico pessoal de vitórias e coragem, além de possuir um tratamento de dignitário: era o Centurião.

A base de todas as conquistas territoriais romanas estava alicerçada nesta figura de imponente presença à época. Os Centuriões não iam observar seus agrupamentos em batalhas, mas sim estar sempre à frente dos mesmos, sendo, por vezes, os primeiros a serem feridos. Grande parte perecia em Campos de Batalhas e os que retornavam colhiam suas glórias em reconhecimento e prêmios materiais.

Mas, apesar de tamanha imponência histórica, o fato maior, que nos faz perseverar na fé, foi o encontro entre o Mestre Jesus e um Centurião quando o Amado Mestre passava pela localidade de Carfanaum (Mateus 8:5)(Lucas 7:1), na época um vilarejo e ponto de apoio às tropas romanas, hoje uma pequena localidade pertencente ao Estado de Israel, ao norte do Mar da Galilélia. O Centurião estava com um de seus servos bastante enfermo, sem mesmo poder locomover-se, e encontrando-se com o Mestre Jesus solicitou-lhe que intercedesse em seu favor.

“E Jesus lhe disse: Eu irei e lhe darei saúde.” (Mateus 8:7)

Imediatamente o Centurião disse que não era digno ter Jesus sob o seu telhado, mas que uma única palavra que o Mestre dissesse, saberia que o seu servo seria curado (Mateus 8:8).

Naquele momento, o Centurião estava dando provas da verdadeira fé, que na verdade, em seu significado maior, não é aquilo que queiramos que aconteça e criamos uma certeza nisto, mas sim uma entrega e comunhão sincera com o poder de Deus Pai-Todo Poderoso, que naquela situação era representado pelo Amado Mestre Jesus.

“E maravilhou-se Jesus, ouvindo isto, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tanta fé.”(Mateus 8:10)

O Romano, naquele momento como “invasor” nas terras das tribos na região de Israel, surpreendeu a Jesus de maneira tal que o Mestre concedeu-lhe energia Crística e esse se dirigiu a seu servo, o qual recebeu a cura e se restabeleceu de imediato. Naquele momento, o bravio Centurião transformara-se, em realidade, em servidor, e deste modo, um pouco pôde entender da proposta da vinda do Caminheiro.

Muitos e muitos Jaguares são feitos Centuriões nesta transição planetária e receberam uma nova Missão! Agora cientes da causa de suas espadas contra si mesmos, emanam a razão e o poder do encontro com a força de Cristo Jesus! Revigora a Luz do Sol!

Desta vez, a maior conquista e reconhecimento é ver-se definitivamente sob a égide da Cura e do Conhecimento, e os maus tratos, estes já se foram, tudo neste ponto é transformação.

Não há maior dignidade para um Centurião do que a sua humildade.

Não há maior preparo para um Centurião do que a sua tolerância.

Não retornariam tantos Centuriões se não fosse o amor.

Anderson Augusto - Mestre Lua

domingo, 14 de agosto de 2011

Agradecimento do Templo Oremano

domingo, 14 de agosto de 2011 - 1 Comment


sábado, 13 de agosto de 2011

Medicina Espiritualista

sábado, 13 de agosto de 2011 - 1 Comment


Sabendo que minha esposa é estudante de Medicina, e também durante toda sua vida dedicou-se a enfermagem, um humilde casal de vizinhos a procurou em noite destas para uma “consulta”.

Já haviam passando em três Médicos diferentes e cada um passou uma lista diferente de remédios, para diferentes diagnósticos sem contudo que encontrassem efeitos restauradores.

Eu estava no quarto, ouvindo atento a demorada conversação, enquanto tentava concentrar-me em mais um texto.

Após a “consulta”, onde basicamente ela procurou tranqüilizar o casal, e orientar dentro de seus conhecimentos, o mais provável, indicando um especialista. Eu nitidamente “sentia” que o casal voltaria.

Passados mais alguns dias, depois da tal consulta ao especialista, encontramos o casal no portão de casa, quando chegávamos dos afazeres diários. Desta vez participei da conversa “energeticamente”. O comportamento do casal, e os sintomas descritos levavam claramente a crer em um diagnóstico mediúnico.

Sem poder me conter, entrei na conversa perguntando sobre a religiosidade do casal. Eram evangélicos! A orientação espiritual nestes casos, onde a fé condena determinadas práticas espiritualistas, é bastante delicada. Pois nosso respeito deve ser total, e a orientação ministrada com o máximo de cuidado para não chocar, e ao mesmo tempo direcionar para o tratamento dentro de crenças que nem sempre conhecemos os rituais.

Porém, cada vez mais a alma humana carece de esclarecimentos e questiona como se conduzir perante determinados dogmatismos claramente superados pelo avanço dos conhecimentos espirituais.

Falar de reencarnação, carma, obsessão e por fim, doenças espirituais, está cada vez mais fácil e compreensível para pessoas com um mínimo de esclarecimento.

A Medicina, antes de se tornar uma ciência, era um culto. Antes da ciência de Hipócrates, existia o culto a Esculápio. Antes da existência de um hospital, havia o templo. A Patologia tem somente 2.500 anos, o culto do espírito se perde nos cálculos de tempo.

Torna-se a cada dia mais natural que se busquem novas luzes para a ciência de curar. O Mediunismo é uma dessas luzes.

Entre os enigmas da Medicina, talvez o maior seja justamente o da diagnose. E o grande problema da diagnose é a interpretação correta das causas. É difícil, senão impossível, interpretar-se corretamente uma situação em que não temos todos os dados do problema.

Entre as fontes onde se podem buscar as causas das doenças, muitas se tornam inacessíveis ao médico convencional, preso à ortodoxia científica. Entretanto, são inúmeros os relatos de médicos que localizaram a causa de distúrbios, em certos pacientes, de forma completamente alheia aos métodos habituais. É a chegada, com toda a força, dos Médicos Espiritualistas!

Mesmo com os recursos da Patologia atual, ainda é o médico que faz o diagnóstico. Partindo desse ponto, podemos apontar os caminhos em que a mediunidade pode ajudar o médico.

A diagnose médica atual joga com dois tipos de incertezas: o estado psicofísico do diagnosticador e a sintomatologia do diagnosticado.

No primeiro caso, a experiência pessoal do médico, em seus estudos e práticas, é acessada, com maior ou menos precisão, de acordo com seu estado no momento da diagnose; no segundo, o doente manifesta os sintomas, conforme seus momentos psicofísicos, e sua capacidade de explicação.

Quando o diagnóstico médico vem acompanhado da mediunidade aplicada, o mediunismo, esta variação de precisão se descarta, pois devidamente sintonizado, o Médico-Médium capta as vibrações necessitando apenas admitir e determinar as origens dos estímulos, que são do campo físico, psíquico ou espiritual.

Lembremo-nos que mediunizar-se é colocar-se em estado receptivo às emanações vibratórias de campos de forças diferentes. Percebida a causa fundamental do incômodo do paciente, o problema se resume na interpretação correta dos dados fornecidos.

Abaixo podemos acompanhar o depoimento do Dr. José de Ribamar Tourinho da Associação Médico-Espírita do Brasil:

Obs.: Podemos considerar a citação de realinhamento de Chakras, como nossa Cura Iniciática.

Obs.: Podemos considerar como Centuriões, a equipe de desobsessão.

O médico espírita desperta nas pessoas uma esperança de que pode solucionar as mais difíceis patologias da medicina. E talvez tenham razão, quando nós, médicos espíritas, exercitamos com mais consciência e fé a nossa mediunidade intuitiva, ou seja, aprendemos a permanecer conectados, através da expansão de consciência, com o indispensável mundo paralelo onde as equipes espirituais, nossos mestres, nos ensinaram ou nos querem ensinar como desvendar os mistérios ou dificuldades da medicina e de todas as ciências do planeta.

Foi através do exercício ou expansão da consciência, através da sensibilidade dos médiuns de nosso grupo de estudo que tivemos êxito com o caso do menor Rafael, um autista, filho de mãe desquitada, pobre, que sobrevive de lavando roupas; o qual após peregrinar por vários consultórios médicos e instituições psiquiátricas, chegou ao nosso atendimento fraterno, no Centro Espírita Lar de Jesus, já com diagnóstico médico de autismo, mostrando total desligamento da realidade cognitiva, olhar distante, balbuciando ocasionalmente alguns ruídos, entendidos com grande dificuldade por sua mãe.

Rafael chegou ao nosso atendimento com dez anos de idade e a mãe, Maria de Jesus, desesperançada quanto à saúde mental de seu filho. Nós a encorajamos a ter fé, acreditando no amparo divino através das equipes espirituais que assistem todo o planeta, dirigido pelo nosso Mestre Jesus. Encaminhamos o garoto para tratamento de desobsessão, já que, além de autista, a percepção de vibrações de baixa freqüência era evidente.

Na cabine de passe, aplicamos durante seis meses, uma vez por semana, deitado em uma maca, o que chamamos de realinhamento de chakras ou técnica das polaridades.

Aplicamos essa técnica com a intenção de ajudá-lo a retomar ao seu corpo físico, já que o autista mantém-se dissecado de seu corpo por escassez de ectoplasma. Esta informação foi passada a nós, em reunião mediúnica, por equipe científica do plano espiritual, que nos orientou desde o início do tratamento a manter o realinhamento de chakras em Rafael. Também orientou a participação de médiuns de efeito físico ou de sustentação de nossa equipe de desobsessão, com a finalidade de doar o ectoplasma necessário ao acoplamento total de Rafael ao seu corpo físico. Rafael a cada uma das sessões seguintes, mostrava-se centrado mais no presente, passando então a falar e procurar pelas pessoas do atendimento fraterno.

Já faz um ano que Rafael entrou para uma escola especial. Já sabe ler, o que aprendeu sozinho. Também escreve com boa letra e já se compreende o que ele fala. Seus desenhos expressam com clareza o seu pensamento, mostrando grande inteligência, principalmente através de seus desenhos arquitetônicos de fachadas de edifícios.

Na impossibilidade de ir à escola por dificuldade de transporte, Rafael se aborrece e se agita desesperadamente. Ele gosta de ir à escola porque é lá que tem aprendido a desenvolver boa comunicação e relacionamento interpessoal.

O relato completo do Dr. Pode ser encontrado na Revista Cristã de Espiritismo n. 25, páginas 54-58. Onde trata de também “Vida Intra Uterina” e “Conversando com Bebês”. Recomendo!

Kazagrande

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

O Tempo de cada um

quinta-feira, 11 de agosto de 2011 - 2 Comments



Texto do Mestre Lua Anderson Augusto    

Por que as coisas parecem não se realizar na minha vida? Tenho a impressão de que tudo dá errado...

Salve Deus! A realização de nossos projetos e planos é diretamente proporcional ao nosso padrão vibratório. Nosso karma pode ser atenuado, mas o quê faz parte de nosso aprendizado na Terra, será vivido. Não podemos nos entregar ao medo do fracasso, pois Deus, nosso Amantíssimo Pai, está presente em todos os momentos de nossa vida, e a explicação para cada fato está dentro de nós: “O Senhor tem seu Templo em meu íntimo! Nenhum poder é demasiado ao poder dinâmico do meu espírito.”

Por vezes agimos de forma lógica e metódica, e ao final não obtemos sucesso como esperado. Não podemos subjugar nossas intuições, e o melhor é caminhar sem medo, ousando tantas vezes quanto necessário e sempre entregando as possíveis realizações àquele que faz presente em todos os momentos e habita em nosso íntimo.

A vida várias vezes nos trará uma “deduzida” contrariedade, mas esta contrariedade é, em sua essência, formada dentro de cada um pelo próprio desejo de que muitas coisas fossem diferentes. E, desta realidade ilusória, sobra-nos a constatação de que devemos procurar viver da melhor maneira com aquilo que pode nos contrariar. Francisco de Assis nos trouxe um belo exemplo da vida sem muitas posses e novamente retorna, agora com a capacidade de nos entregar as forças que já são a maior conquista de uma tribo convidada a muitos resgates.

Quando realmente começa a minha missão?

A missão é algo que é ativada por um chamado interior, não pela intenção do personagem que às vezes se entrega na vontade de ganhos individuais. Não é incomum se passar por uma situação material ou espiritual muito difícil antes de se sentir engajado em auxiliar os que passam por situações semelhantes. O grande pescador já passou pelas dificuldades da pouca produção ou dos desafios de um mar revolto, aquele que busca o próprio peixe terá assim o seu crescimento pela experiência, onde um dia se tornará apoio para os que desejam trilhar o caminho de conquistar o próprio alimento.

Aquele que perseverar, armando-se contra o próprio personalismo, em prol de um objetivo salutar, receberá as forças de Cristo Jesus, como o próprio retorno do mesmo, mas agora como um brilho no coração que simples palavras não podem externar.

Sinto que aquela pessoa ou familiar tem uma missão na Doutrina, por que ela não entende o que faço ou o que digo?

A experiência de cada pessoa, ainda mergulhada apenas em sua personalidade transitória, é apenas em função do que já viveu nesta encarnação. Somente após o início de uma jornada, onde a Individualidade pode ser despertada, é que se desperta também a experiência transcendental do espírito. Até então, cada ser humano agirá conforme sua natureza, seja de forma condicionada ou em busca de um entendimento maior. Assim, cada religião ou grupos de pessoas foi preparado para abarcar as pessoas com afinidades de conceitos ou objetivos, deste modo ninguém está errado na concepção que o faz entender a vida. Se qualquer pessoa tiver uma missão a realizar na Doutrina, intimamente a mesma será intuída a conhecer mais, e em seu interesse vai acontecendo algo que conhecemos como expansão de consciência. Porém, não nos cabe a prática de proselitismo ou esperar que as pessoas tenham as mesmas compreensões que já temos, ainda existe assim o livre-arbítrio o qual a mesma utilizará para saber o que melhor se encaixa em seus propósitos. O que nos resta, em verdade, é continuar a enxergar aquele, que por vezes nos combate, com igualdade, compaixão e alegria; isto já é o começo para muita realização de ambas as partes. O próprio caminhar equilibrado do Jaguar certamente despertará a curiosidade de muitos, então até em conversas descompromissadas, uma abertura maior do ouvinte proporcionará ao mesmo que até algum preconceito religioso anterior seja enfraquecido. O homem em geral ainda vive entregue a muitos dogmas e não haverá a redução dos mesmos com a prática do combate, mas a tolerância ainda é um bom método para quando ainda enxergamos algum tipo de ofensa ou incompreensão.

Até quando terei a oportunidade do uso das energias mediúnicas na Lei do Auxílio?

Aja a cada dia de acordo com as oportunidades. Se há algo a realizar com a família ou na vida material, execute o mesmo. Sempre é bom procurarmos separar nossas funções comuns daquela que depreende uma maior harmonia, como é o caso do trabalho mediúnico. Não se preocupe com o que virá, dê o melhor de si a cada dia na prática dos ensinamentos do Evangelho, sabiamente traduzida em nossa Doutrina por Amor, Humildade Tolerância. A vida pode parecer um jogo, mas o Reino prometido pelo Mestre Jesus não é deste mundo, então porque entregaríamos todas as nossas energias em “amor ao mundo”? A matéria sempre será transitória, então toda oportunidade de reduzir a dor é única, e a origem da dor está relacionada com a conseqüência de não saber amar. Ainda assim, não podemos confundir a palavra “amar”, já que este conceito há muito difundido, funciona como a palavra “apego”, o mesmo que o Mestre Jesus tanto alertou. O sentimento de igualdade já é um bom começo para o melhor entendimento da real palavra, mas as palavras tolerância e humildade vêm a perfazer um chamado àqueles que deixaram sua prática de lado, e precisam, a todo o momento, relembrar o trabalho a ser realizado em suas consciências.

Anderson Augusto - Mestre Lua

sábado, 6 de agosto de 2011

MENSAGEM DO MINISTRO YPUENA, em 15/07/2011

sábado, 6 de agosto de 2011 - 4 Comments


*  Talvez a cruz aí seja mais pesada ou intensa, mas as dores são menores, em Cristo Jesus!

*  As modificações feitas são para receber o Jaguar e não o índio! O cientista, não o político!

*  Mas saibam distinguir entre o doente e o enfermeiro! Os doentes são os pacientes, os enfermeiros são os Jaguares, iniciados, portadores de luzes!

*  Muitas vezes pedimos para o que tem fome, mas hoje vamos pedir para aqueles que dificultam o alimento à mesa dos que padecem da fome!

*  Muitas vezes pedimos para o doente, mas hoje vamos pedir para aqueles que não permitem que o remédio chegue às mãos do necessitado!

*  Esses são enfermos de espírito! É a pior doença que um espírito pode portar!


Texto Completo:

O Jaguar, com os seus conhecimentos, com as suas hierarquias, com a sua missão, não gosta muito de olhar para trás. Medo de encontrar a “velha estrada”. Mas, olhando para trás, encontramos os exemplos e os ensinamentos de Neiva, que precisam permanecer no meio de vós outros. Por isso, ao olhar para frente, busque esses ensinamentos, e os cumpram, para que possais buscar os bônus necessários para voltar às suas origens, em Cristo Jesus!

Lacerda! Estava observando a sua aula doutrinária e ouvi quando você disse à família Ypuena, que a sua reencarnação não era fácil e que os seus procedimentos até a chegada à doutrina, eram contraditórios. É verdade, lembro-me quando o Pai Seta Branca sorriu e o fez reencarnar um Adjunto de Povo! Talvez a cruz aí seja mais pesada ou intensa, mas as dores são menores, em Cristo Jesus!

Ontem, aconteceu no Templo Mãe um fenômeno de grande hierarquia! Eu quero deixar registrado na família Ypuena, esse fenômeno. Os que participaram da Estrela Candente do dia de ontem, Queda da Bastilha, tiveram a presença de Koatay 108 naquele evento. Portanto, os que lá estiveram, conseguiram junto ao Pai Seta Branca, diminuir as suas dores cármicas, vindas da França. Parabéns aos que lá estiveram, porque o amor constrói, o amor cura, o amor transforma! E ali houve curas e transformações em Cristo Jesus! Salve Deus!

Para finalizar, quero contar também a vós outros, um ritual feito quando o Pai Seta Branca era um cacique das tribos andinas.

Naquela época, o jovem para se tornar homem, passava por um ritual e algumas observações lhe eram feitas:

Primeiro, o iniciado não poderia contar aos demais jovens da tribo o que havia acontecido durante o ritual. Também ele não poderia se levantar e cancelar o ritual por vontade própria. Essas eram as normas a serem cumpridas pelo iniciado.

Então, o Pai Seta Branca tomou pelas mãos o indiozinho e o levou até as matas e subiu com ele até uma montanha e a noite começou! E lá, o Pai Seta Branca sentou o indiozinho em uma pedra, e o vendou. E depois lhe colocou um capuz. Ele não poderia sair dali e nem pedir socorro, caso acontecesse alguma coisa. Não demorou muito, os barulhos das matas começaram! Os ruídos dos bichos o faziam tremer, a noite fria fazia-o padecer e sentir a força do ritual de iniciação. Quando o dia amanheceu e o Sol brilhou, clareando a mata, tiraram o capuz do jovem e depois a venda. Então o índio viu, sentado ao seu lado, o seu pai, que ali esteve toda a noite, velando pela sua segurança.

Também, meus filhos Ypuena, nas vossas iniciações, o Pai Seta Branca esteve convosco, zelando pela vossa segurança iniciática, permitindo assim que vós recebessem as luzes e a permanência dela no teu espírito por dez mil anos afim!

É assim a casa do Pai Seta Branca! São assim os rituais do Pai Seta Branca há milênios! As modificações feitas são para receber o Jaguar e não o índio! O cientista, não o político! Portanto, façam da casa do Pai Seta Branca um hospital, tão necessitado o planeta e os mundos espirituais!

Mas saibam distinguir entre o doente e o enfermeiro! Os doentes são os pacientes, os enfermeiros são os Jaguares, iniciados, portadores de luzes! Então peça ao Pai Seta Branca que ponha os pacientes no hospital para que vós venham a cumprir a missão que vos foi delegada!

Hierarquia filhos! Hierarquia espiritual é um dom! Hierarquia espiritual é um degrau, um degrau iniciático! A hierarquia na casa do Pai Seta Branca é uma luz e é fácil saber quem tem hierarquia na casa do Pai! São aqueles que não são arrogantes! Que não são intolerantes! Que não semeiam a discórdia! Que ajudam na cura desobsessiva.

Muitas vezes pedimos para o que tem fome, mas hoje vamos pedir para aqueles que dificultam o alimento à mesa dos que padecem da fome!

Muitas vezes pedimos para o doente, mas hoje vamos pedir para aqueles que não permitem que o remédio chegue às mãos do necessitado!

Esses são enfermos de espírito! É a pior doença que um espírito pode portar! Portanto, nas vossas orações, eu suplico, peçam por eles filhos! Peçam por eles! Assim, vocês buscam os bônus necessários para voltar à vossa origem, em Cristo Jesus!

Graças a Deus Lacerda! Faça uma contagem! Vamos transportar para a rede magnética dos Cavaleiros de Oxóssi aqui presentes, estes espíritos que aqui estão, vindos da Queda da Bastilha, e que nos ouviram em silêncio todo esse tempo! Salve Deus!

Depois da contagem, volta a falar o Ministro:

Salve Deus filhas Ypuenas! O meu respeito com ternura a todas vós!

Salve Deus meus filhos doutrinadores! Que os benefícios da cruz vos alcancem nesse dia! Graças a Deus!

Está consumado Lacerda! Desincorpore o meu aparelho em Cristo Jesus!

Salve Deus!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O COLAPSO DA MATRIX

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 - 1 Comment


“É a pergunta que nos impulsiona. Foi a pergunta que te trouxe aqui, assim como eu.” Esta foi uma frase dita pela personagem Trinity ao jovem Neo (Keanu Reeves), no filme Matrix de 1999, quando o mesmo começou a despertar. No mesmo filme, é oferecida a Neo a opção de escolher entre duas pílulas, uma azul e outra vermelha; se escolhesse a azul, continuaria sua vida normalmente, indo para o trabalho, vendo os dias passarem e nada saberia do que acontece por trás da matéria, já escolhendo a vermelha, a verdade sobre a realidade ilusória seria lhe contada. Se você chegou até aqui para ler este texto, sua escolha foi a mesma da personagem de Keanu Reeves, a pílula vermelha...

“Não gosto de pensar que não controlo minha vida.” Foi uma das frases de Neo. Vivemos em um sistema criado na consciência maior. Os personagens que representamos não são a verdade universal, representam uma ‘idéia’ consciencial que se relativiza em proporções fixas na mente individual. Participamos de muitos acontecimentos, acreditando estarmos com algum controle de situação, quando na verdade realizamos colheitas só visíveis ao espírito ou resgatamos a justiça do Onipresente. Os sentimentos nos encaminham às passagens de nossos merecimentos, e assim o plano divino mantêm o seu perfeito equilíbrio.

Os nossos sentidos: audição, olfato, paladar, tato e visão, apenas nos trazem a representação pessoal de estruturas formadas por quantum de fluído cósmico universal. A vida no Orbe terrestre tornou-se como que uma disputa na busca insensata a satisfazer, muitas vezes, exarcebando, o estímulo desses sentidos.

Muitos, iniciados na magia, já conhecem as propriedades físico-etéricas das substâncias que permeiam muitas das dimensões, porém não conservam em si a amorosa condição da igualdade, tornando-se Mestres e senhores das consciências portadoras de auto-culpa ou presas em seus sentidos corpóreos.

Quando mergulhamos na vida material e nos propusermos a viver distanciados de Deus, estamos fortalecendo a impregnação que a Matrix realiza com sua ilusória capacidade de mostrar-se real. Tentamos dominar a vida, quando ela já se faz criada por um propósito maior, a que atender a uma individualidade nos seus desejos terrenos.

Quem limitar-se nas formas propostas por sua visão, limitado nela estará, aceitando participar de uma sansara quase que eterna, recebendo os prazeres e conseqüentes dores que a mesma proporciona.

O equânime não se limita, é um espírito que não precisa mais vaguear na densa escuridão. A sua beleza não está na sua aparência e sim na sua essência esclarecida, livre das marcas da destruição e da separação. Seus irmãos são sua alegria e a sua paz é a sua fortaleza. Sidarta Gautama, O Buda, nasceu, literalmente, em berço de ouro, mas destronou sua personalidade e riqueza material em encontro com sua verdade; tratou e elucidou as causas do sofrimento, e aconselhou firmemente o desapego.

O sistema está sendo revirado, e as individualidades que não o querem perder, começam a se movimentar, principalmente os seres desencarnados, utilizando suas derradeiras armas para defender suas posições de incompreensão. Não devemos nos assustar com as energias que estarão desorientadas, percorrendo os muitos leitos, tentando preparar suas armadilhas. O Jaguar e seus mentores vieram com força suficiente para imobilizar até um cavaleiro do Apocalipse, Salve Deus! Tudo agora dependerá do equilíbrio do Mestre Sol e do Mestre Lua!

Parcerias já estão sendo formadas, com o intuito de trazer à tona todo o equilíbrio que o Jaguar já possui em seu interior. Graças a Deus, fui trazido, mesmo que virtualmente, à companhia do Mestre Kazagrande, que alinha-se nesta proposta de preparação. O Mestre deste Amanhecer será capaz de conduzir, novamente, o planeta ao seu novo ciclo, quando muitas individualidades encarnadas entrarão em pânico e se desestruturarão com a dissolução do Neutrom. Como o próprio Simiromba de Deus, Pai Seta Branca, já avisou, muitos altares serão erguidos para os seres que se farão presentes, tudo com seus alicerces construídos com o medo e a falta de fé, mas que logo terão seu fim através das águas. Assim, o ser humano não esclarecido agirá, como povos, em outras eras, que adoravam e enviavam oferendas a seres que criam ser maiores, quando Deus, na verdade, emana seu calor simétrico a toda a sua criação.

Não se engane: “A quem muito for dado, muito será cobrado.” Todos serão encaminhados para o trabalho que melhor já foram preparados em outras vidas, ou vêm sendo preparados no etérico. Os transportes se tornarão, a cada dia que passa, mais lúcidos, e os que não se entregarem às mistificações, receberão prova de suas missões e se verão empenhados no auxílio ao próximo. Mesmo os que não se recordarem de seus transportes, sentirão uma força interior sutil, que impulsionará para o progresso de suas almas.

Quem tentar defender a Matrix correrá o risco de ser levado pelas águas, sem completar seu compromisso com muitos irmãos. E defender a Matrix é absorver as dores da quebra econômica, ir de encontro a possibilidade de igualdade, ou acreditar que a mente ‘forte domina a mente fraca’, quando o ensinamento deixado pelo Mestre Jesus foi o da humildade e não o da busca da posse ou domínio sobre o próximo.

Os grandes discursos de enaltecimento ao ego serão massacrados pelo cajado da liberdade. As forças negativas já separam os seus escolhidos e os conduzem, através da porta larga do ilusório poder sobre o outro. As belas vestimentas, a autopromoção e as palavras não praticadas não enganarão o vinho novo que chega, pois a espada do espírito age de dentro para fora e nenhuma maquiagem conseguirá impedir a ação da sua lâmina da verdade.

Desde já, nos é concedido o poder supremo do Povo das Águas, e retransmito em harmonia e coragem, a capacidade de edificação da Nova Era. Com meus irmãos das águas, verteremos a proposta de Deus Pai todo Poderoso e seremos capazes de criar o mais firme escudo, forjado em defesa daqueles que buscam seu brilho na execução da Lei do Auxílio. Esta nova fase, e abertura de consciência, já possuíam sua programação, em espera da precisão do tempo.

A aurora e o esplendor da lua deixam de apenas produzir efeitos visuais a inspirar os poetas. Agora, na conjunção de nossas vidas, trazem-nos a iluminação interior, onde as emoções poderão ser recodificadas em parcela contínua do sentimento maior. Esta é a proposta de ação. A Matrix que se vai será uma lembrança perdida na eternidade do Ser.

ANDERSON AUGUSTO
Mestre Lua – Templo Mãe

RECEBA POR EMAIL

Inscreva seu e-mail e receba todas as publicações do EXÍLIO DO JAGUAR !!!

© 2013 O Exílio do Jaguar. All rights reserved.
Designed by SpicyTricks