sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

“APARÁ” DE OUTRA DOUTRINA


Sim, o título está errado! Apará é o médium de nossa Doutrina, Iniciado ou a caminho da Iniciação. É o médium que trabalha consciente ou semi-consciente dentro das Leis que regem este Amanhecer.

Falo dos médiuns provenientes de outras Correntes, onde incorporavam seus Guias dentro de outras normas e técnicas de trabalho.

Os hábitos e vícios provenientes de outras correntes, que por ventura um médium engresso possa trazer, devem ser cuidadosamente eliminados!

Partimos da premissa que ele pode verdadeiramente estar trazendo o mesmo Mentor que o acompanhava, porém este irá trabalhar em uma nova roupagem, e os vícios da antiga roupagem devem ser eliminados, pois fazem parte do médium e não do Mentor.

O médium deve ser esclarecido sobre as normas do atendimento aos pacientes: tudo o que se refere a respeito de chás, velas, pontos e outras formas de captação de energias e superstições que são desnecessárias, face a trabalharmos somente com Entidades de Luz!

É importante deixar claro nosso total respeito a sua origem. Até mesmo elogiar os lugares e doutrinas por onde possa ter passado e dedicado sua contribuição. Porém, esclarecendo que agora ele encontrou a sua casa e, que aqui, somente Entidades de Luz operam! Para estes Mentores são desnecessárias certas formas de captação de energias, pelo simples fato de atuarem em uma linha iniciática, cuja ritualística do Templo, substitui qualquer necessidade de amuletos e pontos.

Nossa riqueza em termos de Consagrações e Trabalhos Espirituais, direcionados especificamente para cada caso, não podem ser “misturadas” com outras linhas, que embora muito eficientes, também trabalham com forças horizontais... No Vale, trabalhamos somente na Vertical. Sem permitir atendimentos por espíritos ainda envolvidos com seus próprios carmas (na horizontal).

A própria questão da inconsciência deve ser muito bem abordada, para que ele saiba da responsabilidade que possui.

Pode ser um trabalho bem lento, ou muito rápido, depende da sintonia entre aspirante e instrutor. O mais importante é lembrar que não se pode, em nenhuma hipótese, emplacar o médium se ele ainda mantiver os vícios de incorporação.

Ao emplacar um médium sem condições, assumimos o risco de suas atitudes e a responsabilidade pelas conseqüências. O Apará pode ser consciente, mas quem o libera é o Doutrinador.

Kazagrande

1 comentários:

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.