quarta-feira, 27 de março de 2013

Aninha - Uma história real - A pedidos


Aninha era uma médium apará que aparentemente em um “descuido”, acabaram emplacando. Estava sempre no templo! Ia tanto ao templo, que creio que nem dava tempo de lavar o vestido, que um dia fora branquinho. Exalava um cheiro característico da falta de banho e ainda tinha os dentes mal cuidados, que aliado ao cabelo eternamente despenteado contribuía para seu aspecto quase asqueroso. Na mesa evangélica, esmurrava e gritava, além de constantemente “segurar” a incorporação, fazendo muito “mestrão” suar para concluir a elevação no fim do trabalho.

Aninha também estava todos os domingos no desenvolvimento. Freqüentava todas as aulas, repetia as aulas de Iniciação. Todo domingo perguntava ao responsável se já podia iniciar, recebendo não como resposta, não dava ouvidos e continuava como se nada tivesse passado.

Quando Clodomiro assumiu a Coordenação do desenvolvimento, reparou Aninha ela já devia estar há mais de um ano nas aulas de Iniciação.

Sabia que ela nunca ia aos tronos porque ninguém suportava o cheiro. Primeiro quis saber quem havia emplacado-a, para tentar entender. Obviamente, nestas horas, ninguém quer assumir...

Era um domingo, já passava da uma da manhã e ainda tinham pacientes na fila. Quase nenhum médium disposto a ir aos Tronos. Mas a Aninha estava por ali rondando... Clodomiro resolveu “arriscar”: Salve Deus Ninfa, Vamos para os Tronos?

Aninha nem acreditou, olhou para um lado, para o outro, procurando quem o mestrão estava convidando, até que criou coragem e perguntou:

- Eu?

- Sim, vamos para os tronos ninfa?

Quase correndo, sem acreditar, Aninha, que só conseguia ir para os Tronos com algum emplacadinho desavisado, pela primeira vez iria com um Arcano.

O Comandante dos Tronos arriscou tentar avisar Clodomiro:

- Mestre, o senhor conhece esta Ninfa? Ela...

Não pode terminar, Clodomiro disse um solene: Salve Deus! Que teve o sentido de “cale-se” bem compreendido.

O Arcano não parecia incomodado pelo cheiro. Fez o convite, e enquanto tomava seu passe, antes de iniciar o atendimento aos pacientes, o grito:

- AAAAAAAEEEEEEEEEEEIIIIIIIIIOOOOOUUUUUUUU.

Incorporou o irmãozinho. Na hora da elevação “o irmãozinho não queria subir”. Recomeçou tudo de novo, como deve ser, afinal não existe este negocio de fazer 2 ou 3 “obatalás”, ou faz um só, ou faz tudo do começo: puxada, doutrina e elevação. Doutrinou sem enfado, com amor e dedicação.

Quando retornou a Entidade ela começou a falar:

- Salve Deus meu filho, esta filha precisa iniciar. Faz tempo que ela está esperando esta oportunidade.

- Salve Deus Vovó! Sei que esta vossa filha tem muito amor no coração e sente a necessidade de seu espírito trabalhar em prol dos que necessitados que a procuram. Porém, para que ela possa continuar seu progresso nesta Doutrina, precisa ainda compreender que, na grandeza desta missão, precisa aperfeiçoar seu trato com si mesma e com os espíritos, transmitindo assim a luz desta jornada.

- Sim meu filho – assentiu a Preta Velha -, esclareça meu filho os pontos que esta minha filha precisa para esta compreensão.

- Querida Vovó. O cuidado pessoal é muito importante, afinal irá receber e transmitir a vossa luz, a luz bendita que vem de nosso Senhor Jesus Cristo. Cuidar da aparência, da higiene, do uniforme, são coisas que parecem vaidade em um primeiro momento, mas considerando a missão, se transformam no reflexo do respeito que temos pelo trabalho. Dessa forma, procurar estar sempre asseada, cabelos penteados, uniforme limpo, são coisas que ficam importantes para demonstrar este respeito, a senhora não concorda?

- Está certo meu filho! É preciso que se fale isso. Continue.

- Nunca sabemos o paciente que virá ser atendido, ele normalmente é um desconhecido e vai precisar sentir confortável para confiar. Então um “perfuminho”, os dentes escovados, as unhas limpas, vai ajudar também. Não é assim Vovó?

- Sim meu filho! Às vezes é difícil conseguir as coisas materiais, sempre dá para dar um jeitinho.

- Também é importante esclarecer que não se pode render aos sentimentos dos “irmãozinhos” desencarnados que chegam. É claro que se sente vontade de gritar, de esmurrar a mesa, de falar coisas ofensivas, pois eles chegam assim mesmo, revoltados e nem todos estão dispostos a aceitar a doutrina que recebem. Porém, cabe ao Apará controlar estas forças e buscar a sintonia com a Entidade de Luz, com a senhora, por exemplo, para poder controlar esta revolta que sentem, e passar para eles a tranqüilidade e a luz da Doutrina. Esta conduta de manter o controle e passar a calma que eles precisam, é fundamental.

- É meu filho, pena que muitos não enxergam isso e acabam ensinando estes mais novos que chegam a irem por um caminho diferente, demonstrando toda a força que recebem naquele momento. Salve Deus!

- Sim Vovó! Por isso os instrutores têm que sempre orientar que a força está no controle, e não em misturar-se com os sentimentos do sofredor que chega. Quando o espírito vem, recebe a Doutrina e a Elevação, o Apará tem que liberar a incorporação! Não fará bem, nem a ele e nem ao espírito, ficar segurando, esperando que venha uma doutrina que o agrade. Alguns vêm, e compreendem, e seguem. Outros ficarão voltando, até terem condições de se libertar.

- Meu filho você tem uma bela missão neste trabalho de Desenvolvimento. Seu esclarecimento é a luz que muitos filhos de Seta Branca precisam ouvir. Tenha certeza que esta filha vai guardar na lembrança as suas palavras.

- Salve Deus, Vovó! Vamos atender os pacientes?

Então trabalharam o restante daquele fim de noite atendendo os pacientes que aguardavam na fila. Já havia uma nítida mudança no seu comportamento.

Durante a semana a Aninha sumiu. Não foi ao Templo, alguns deram “Graças a Deus” e outros se preocuparam, mas poucos não notaram sua falta.

No domingo lá estava ela no Desenvolvimento. Vestido limpo, cheirando um perfume daqueles que é forte nos primeiros minutos, mas depois “passa”. O cabelo penteado com alguma coisa que parecia gel, mas estava em ordem.

Mal entrou no Templo e foi direto ao Clodomiro perguntando se ele é que iria dar as aulas de Iniciação.

- Salve Deus! Como estou na coordenação, hoje não vou dar aulas. E você já fez suas aulas de Iniciação, não é?

- Sim – respondeu entristecida, pois tinha a esperança de que com ele nas aulas em fim dessem sua autorização.

- Mas vamos fazer o seguinte, vou lhe acompanhar hoje em uma aula do último grupo, aquela de revisão do emplacamento, você aceita?

Resignada ela concordou. Nesta aula Clodomiro, sob os olhos curiosos de outros mestres, acompanhou todo seu trabalho. Orientou passo a passo os pequenos detalhes, tão necessários a conduta de um Apará. Aninha estava diferente, concentrada, com uma cara meio contrariada, mas seguindo a risca as orientações.

Como de costume, ao final da aula, o instrutor responsável pelo grupo pediu os cartões de presença para carimbar. Clodomiro procurou o cartão de Aninha e ela disse que não tinha mais onde carimbar então jogou fora, pois não servia para mais nada mesmo. Ele então pediu para que ela esperasse um pouquinho. Quando retornou trouxe um novo cartão. Ela nem olhou, pendurou no laço de vestido e começou a se dirigir para a saída.

- Ei! Salve Deus Ninfa! Não vai nem olhar o cartão?

- Para quê? Vou ter que fazer tudo de novo, já me deram uns três cartões destes – respondeu já com a voz alterada.

- Duas coisas preciso lhe dizer, primeira: Leia o cartão!

- Já está todo carimbado!– verificou surpresa.

- Veja mais! – Observando o cartão com mais atenção viu que estava também assinada sua autorização para Iniciação Dharma Oxinto.

- Eu... Eu... Eu posso Iniciar?

- Sim, terça-feira. Posso ser seu padrinho?

- Obrigada Mestre! Claro que sim! Quem mais ia querer ser meu padrinho? Que quê eu preciso fazer, como é que eu faço agora? Ai meu Deus, não sei se tenho o dinheiro do colete...

- O quê você precisa fazer, é vir na terça-feira e fazer o Retiro completo, você pode? O resto te explico neste dia de Retiro.

- Sim, eu venho.

Com o rosto lavado de lágrimas, foi novamente se dirigindo para a saída do Templo.

- Salve Deus, ninfa! Falta a segunda coisa!

- Salve Deus! É verdade, o que é?

- A saída correta do Templo é por aquele lado.

Ela fez uma cara de quem ia perder a sintonia de novo, mas se rendeu ao sorriso do Doutrinador. Então, saíram juntos do Templo e ele explicou porque deveria sair sempre por aquele lado, e outros detalhes aos quais ela ouviu com interesse.

No Retiro do dia de Iniciação, ela estava lá as oito da manhã esperando o Templo abrir... Andando de um lado para outro pelo pátio.

Clodomiro chegou um pouco antes das dez e lhe avisou que seu colete havia sido doado pela Lojinha, a pedido do Mestre Raul. Ela tentou tirar algumas notas amassadas par lhe dar, e ele repetiu que era doação e não era nem dele, era de um filho de Tia Neiva, para que ela sentisse a responsabilidade.

Esta história ficou muito comprida, não é? Mas é uma história real! Com os nomes trocados, e contada em forma de crônica, mas toda sua trajetória é real. Passou-se há vários anos no Templo Mãe.

Aninha depois de iniciar mudou muito seu comportamento. Eu mesmo cheguei a trabalhar com ela em um fim de noite, pois ela sempre ficava até o fim do trabalho. Ela elevou e concluiu a Pré-Centúria.

Não virou uma ninfa modelo, mas procurava se cuidar. Às vezes ainda vinha com o cabelo de “doida”, mas normalmente procurava se cuidar. Uma vez ou outra ainda dava um grito na Mesa Evangélica, mas não segurava mais as incorporações, e até conseguia ir aos Tronos sem dificuldade. Alguns anos depois ela sumiu. Nunca soube o quê se passou, simplesmente desapareceu, acho que cumpriu sua missão.

Clodomiro foi duramente criticado pela sua decisão de iniciá-la, mas com o tempo, observando a mudança de Aninha, todos passaram a dizer que a Iniciação tinha consertado a ninfa.

Esta pequena história demonstra o tamanho de nossas responsabilidades, e do perfeito compromisso entre Apará e Doutrinador. Ao conversar com a Vovó sobre aqueles problemas, por fim a ninfa pode ser esclarecida, e em um momento de total sintonia compreender seus problemas. É um pequeno exemplo de muitos que ainda espero ter a oportunidade de contar. Ao “Clodomiro” que, com certeza, irá lembrar desta história, peço que me autorize a contar outras de suas passagens pelo Desenvolvimento, foi um grande instrutor para mim, naqueles primeiros anos em que me tornei instrutor.

Kazagrande

4 comentários:

Salve Deus! Linda a História e como é grande o amor e respeito do Doutrinador por Aninha. Salve Deus.

Que linda história!!Salve Deus mestre acho muito importante isso:cuidar da aparência do uniforme,mas sei que tem muitos e muitas que se sente uma ninfa modelo,pois sou assim mas não acho tão errado e claro que o exagero e ruim.
Mas acho que devemos sempre estar bem apresentavel de maquiagem sapatos limpos para que a impressão dos paciêntes ao nos ver seja de boas vista cm disse a história,gosto muito de me produzir usar minha idumentaria cm salto alto e maquiagens e etc.
Outra coisa mestre que notei nessa história,que sempre devemos estar cm o coração a berto a qualquer pessoa ou mestre pois muitos nem trabalhava cm ela ,e ele foi o único que á ajudou isso foi muito gratificante,devemos estender a mão e mostrar que nossa doutrina temos a lei do auxilío,Amor,Humildade e Tolerância.

Salve Deus cm carinho Samaritana Lua!!
Ana Maria 24 anos

bela historia aprendi muito.

Salve Deus! Linda história. Esse doutrinador deu uma grande oportunidade para ela, foi humilde, tolerante e sem preconceitos!

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.