quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O COLAPSO DA MATRIX


“É a pergunta que nos impulsiona. Foi a pergunta que te trouxe aqui, assim como eu.” Esta foi uma frase dita pela personagem Trinity ao jovem Neo (Keanu Reeves), no filme Matrix de 1999, quando o mesmo começou a despertar. No mesmo filme, é oferecida a Neo a opção de escolher entre duas pílulas, uma azul e outra vermelha; se escolhesse a azul, continuaria sua vida normalmente, indo para o trabalho, vendo os dias passarem e nada saberia do que acontece por trás da matéria, já escolhendo a vermelha, a verdade sobre a realidade ilusória seria lhe contada. Se você chegou até aqui para ler este texto, sua escolha foi a mesma da personagem de Keanu Reeves, a pílula vermelha...

“Não gosto de pensar que não controlo minha vida.” Foi uma das frases de Neo. Vivemos em um sistema criado na consciência maior. Os personagens que representamos não são a verdade universal, representam uma ‘idéia’ consciencial que se relativiza em proporções fixas na mente individual. Participamos de muitos acontecimentos, acreditando estarmos com algum controle de situação, quando na verdade realizamos colheitas só visíveis ao espírito ou resgatamos a justiça do Onipresente. Os sentimentos nos encaminham às passagens de nossos merecimentos, e assim o plano divino mantêm o seu perfeito equilíbrio.

Os nossos sentidos: audição, olfato, paladar, tato e visão, apenas nos trazem a representação pessoal de estruturas formadas por quantum de fluído cósmico universal. A vida no Orbe terrestre tornou-se como que uma disputa na busca insensata a satisfazer, muitas vezes, exarcebando, o estímulo desses sentidos.

Muitos, iniciados na magia, já conhecem as propriedades físico-etéricas das substâncias que permeiam muitas das dimensões, porém não conservam em si a amorosa condição da igualdade, tornando-se Mestres e senhores das consciências portadoras de auto-culpa ou presas em seus sentidos corpóreos.

Quando mergulhamos na vida material e nos propusermos a viver distanciados de Deus, estamos fortalecendo a impregnação que a Matrix realiza com sua ilusória capacidade de mostrar-se real. Tentamos dominar a vida, quando ela já se faz criada por um propósito maior, a que atender a uma individualidade nos seus desejos terrenos.

Quem limitar-se nas formas propostas por sua visão, limitado nela estará, aceitando participar de uma sansara quase que eterna, recebendo os prazeres e conseqüentes dores que a mesma proporciona.

O equânime não se limita, é um espírito que não precisa mais vaguear na densa escuridão. A sua beleza não está na sua aparência e sim na sua essência esclarecida, livre das marcas da destruição e da separação. Seus irmãos são sua alegria e a sua paz é a sua fortaleza. Sidarta Gautama, O Buda, nasceu, literalmente, em berço de ouro, mas destronou sua personalidade e riqueza material em encontro com sua verdade; tratou e elucidou as causas do sofrimento, e aconselhou firmemente o desapego.

O sistema está sendo revirado, e as individualidades que não o querem perder, começam a se movimentar, principalmente os seres desencarnados, utilizando suas derradeiras armas para defender suas posições de incompreensão. Não devemos nos assustar com as energias que estarão desorientadas, percorrendo os muitos leitos, tentando preparar suas armadilhas. O Jaguar e seus mentores vieram com força suficiente para imobilizar até um cavaleiro do Apocalipse, Salve Deus! Tudo agora dependerá do equilíbrio do Mestre Sol e do Mestre Lua!

Parcerias já estão sendo formadas, com o intuito de trazer à tona todo o equilíbrio que o Jaguar já possui em seu interior. Graças a Deus, fui trazido, mesmo que virtualmente, à companhia do Mestre Kazagrande, que alinha-se nesta proposta de preparação. O Mestre deste Amanhecer será capaz de conduzir, novamente, o planeta ao seu novo ciclo, quando muitas individualidades encarnadas entrarão em pânico e se desestruturarão com a dissolução do Neutrom. Como o próprio Simiromba de Deus, Pai Seta Branca, já avisou, muitos altares serão erguidos para os seres que se farão presentes, tudo com seus alicerces construídos com o medo e a falta de fé, mas que logo terão seu fim através das águas. Assim, o ser humano não esclarecido agirá, como povos, em outras eras, que adoravam e enviavam oferendas a seres que criam ser maiores, quando Deus, na verdade, emana seu calor simétrico a toda a sua criação.

Não se engane: “A quem muito for dado, muito será cobrado.” Todos serão encaminhados para o trabalho que melhor já foram preparados em outras vidas, ou vêm sendo preparados no etérico. Os transportes se tornarão, a cada dia que passa, mais lúcidos, e os que não se entregarem às mistificações, receberão prova de suas missões e se verão empenhados no auxílio ao próximo. Mesmo os que não se recordarem de seus transportes, sentirão uma força interior sutil, que impulsionará para o progresso de suas almas.

Quem tentar defender a Matrix correrá o risco de ser levado pelas águas, sem completar seu compromisso com muitos irmãos. E defender a Matrix é absorver as dores da quebra econômica, ir de encontro a possibilidade de igualdade, ou acreditar que a mente ‘forte domina a mente fraca’, quando o ensinamento deixado pelo Mestre Jesus foi o da humildade e não o da busca da posse ou domínio sobre o próximo.

Os grandes discursos de enaltecimento ao ego serão massacrados pelo cajado da liberdade. As forças negativas já separam os seus escolhidos e os conduzem, através da porta larga do ilusório poder sobre o outro. As belas vestimentas, a autopromoção e as palavras não praticadas não enganarão o vinho novo que chega, pois a espada do espírito age de dentro para fora e nenhuma maquiagem conseguirá impedir a ação da sua lâmina da verdade.

Desde já, nos é concedido o poder supremo do Povo das Águas, e retransmito em harmonia e coragem, a capacidade de edificação da Nova Era. Com meus irmãos das águas, verteremos a proposta de Deus Pai todo Poderoso e seremos capazes de criar o mais firme escudo, forjado em defesa daqueles que buscam seu brilho na execução da Lei do Auxílio. Esta nova fase, e abertura de consciência, já possuíam sua programação, em espera da precisão do tempo.

A aurora e o esplendor da lua deixam de apenas produzir efeitos visuais a inspirar os poetas. Agora, na conjunção de nossas vidas, trazem-nos a iluminação interior, onde as emoções poderão ser recodificadas em parcela contínua do sentimento maior. Esta é a proposta de ação. A Matrix que se vai será uma lembrança perdida na eternidade do Ser.

ANDERSON AUGUSTO
Mestre Lua – Templo Mãe

1 comentários:

salve deus fico tao feliz qdo leio um texto tao verdadeiro e que ilumina nas forças e emanan dos ceus,ouça quem tem ouvidos,vejam quem tem olhos e cale quem for sabio,parabens e muito obrigada

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.