quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

As dúvidas dos Aparás (rep.)


Salve Deus! A incorporação consciente, característica dos Iniciados na Corrente Indiana do Espaço, é sempre um tema delicado a ser tratado pelos instrutores.

Vejamos o quê acontece, passo a passo com um Apará:

Ao iniciar seu desenvolvimento mediúnico, uma ansiedade natural toma conta do médium. Não sabe o quê esperar! Inicialmente acredita que a Entidade vai “tomar conta do aparelho” gerando um estado de inconsciência total. Vai “apagar”, como se estivesse dormindo, e despertar sem lembrar de nada.

Na verdade isso não acontece! Ao iniciar o desenvolvimento passa a sentir um leve torpor, mas que não desvanece sua consciência. Uma Entidade de Luz respeita completamente a individualidade do médium. Não vai “incorporar” 100%. Na verdade vai posicionar-se, e projetar no médium suas energias e intuições, inspirando os movimentos e palavras. Ou seja: Não vai agarrar o braço do médium e fazer com que ele se movimente. O médium sente a “vontade” natural de movimentar os braços no sentido de limpar sua aura, mas se não der o primeiro passo, se não mover-se manifestando sua concordância, simplesmente isso não vai acontecer.

Ao dar o primeiro movimento, os outros a seguir vão surgindo de forma naturalmente inspirados. A consciência continua ativa!

O mesmo se dá com as primeiras palavras. “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo”. A frase não sai da cabeça, é repetida pelo instrutor, a vontade de repeti-la é grande, mas se não houver o primeiro passo, se não falar pela primeira vez, a Entidade não vai dominar suas cordas vocais e pronunciar as palavras! Quem fala é o Apará! Ele é a manifestação do fenômeno e não "o" fenômeno. Após as primeiras palavras a intuição se apura, e sente como se uma voz fosse “soprando” em seu ouvido as palavras a serem ditas. A voz sai normalmente um pouco alterada, resultado do torpor físico que se submete durante a mediunização, mas a consciência está desperta.

Vejam: Durante a incorporação um Apará tem total consciência do que está se passando. Pode ouvir, e quem transmite a mensagem é ele. A mensagem vem inspirada e quase nunca sabem quais são as próximas palavras que serão pronunciadas, mas amedrontando-se e não iniciando a mensagem, simplesmente não irá falar nada. Tem o total controle e domínio do fenômeno.

“Mestre, eu não lembro nada que passou nos Tronos!” Salve Deus! Após a incorporação, as lembranças vão se desvanecendo. Vão se apagando e normalmente só fica registrado o quê efetivamente pode ser útil ao médium, como uma mensagem especial e particular para ele mesmo. Repito, depois da incorporação a lembrança da comunicação vai se apagando, mas durante a comunicação a consciência é clara! Ele ouve tudo que está a sua volta!

Voltando aos movimentos... O comportamento do corpo do Apará também está sob seu controle total! A maneira como se comporta, como manipula as energias, é inspirada e jamais “tomada” a força.

Quando incorpora um “irmãozinho”, o Apará sofre uma forte influência sobre seus sentimentos e desejos. Tem vontade de bater na mesa, gritar, emitir sons, movimentar-se, tomar posturas arrogantes, tentar fitar o Doutrinador. Porém nada disso é possível sem a permissão do Apará! Quem permite os movimentos, sons, etc. é sempre o Apará.

Um médium bem formado comporta-se com elegância em qualquer situação. Respeita a Entidade de Luz e o sofredor, que necessita de amor, acolhimento e Doutrina naquela hora, e não de mesclar-se nas emoções de um médium desequilibrado, que dá vazão as suas vontades de manifestar-se de forma fora do correto.

Movimentações e sons inapropriados ao nosso trabalho são na verdade desequilíbrios do médium ou erros em sua formação, onde o instrutor não soube conduzir devidamente as manifestações que se apresentavam.

Médiuns que batem na mesa, que permitem comunicações de sofredores, que voltam-se para o Doutrinador, que respiram de forma ameaçadora... São médiuns que não estão em seu equilíbrio perfeito, com falha de formação, e jamais podem ser considerados como exemplos de conduta e de “força”.

Os médiuns mais antigos são exemplos para os mais novos. No período de instrução os aspirantes são orientados justamente sobre como comportarem-se nos setores de trabalho. Porém com o tempo, passam a observar médiuns mais antigos, que adquiriram certas deformidades na incorporação, e pensando serem estas na verdade uma “manifestação de força”, acabam seguindo os mesmos passos.

Em nossa Doutrina, a Corrente Mediúnica é fidalga, elegante. O comportamento dos médiuns deve ser discreto. Somente incorporam Entidades de Luz para os trabalhos, o quê significa que irão respeitar o médium e sua integridade física. Um sofredor ao incorporar, por menos esclarecido que seja, sentirá os efeitos benéficos da troca de energia, tranqüilizando naturalmente seu caráter revoltoso. Ele somente se manifesta de forma negativa, se encontra nos médiuns um desequilíbrio do qual possa se aproveitar.

Voltando as dúvidas... Esta total consciência nas incorporações leva muitos médiuns a duvidar de seu próprio trabalho e até mesmo a buscar refazer seu teste mediúnico. Meus irmãos e irmãs, é natural! Naquele momento em que tudo parece tão claro e consciente, ao mesmo tempo as palavras surgem intuídas, os gestos são tranqüilos e quase automáticos. A mensagem toca o coração!

“Mas será que não estou com uma interferência?” A interferência de um “irmãozinho” é de total responsabilidade do Doutrinador! Ele é quem deve identificar se algo está errado. Se houve alguma mudança de energia, se a mensagem está truncada, se está seguro de tudo que ali se passa. Um Doutrinador tem total responsabilidade sobre um Trabalho de Tronos e deve respeitosamente interferir em qualquer situação que considere duvidosa, seja fundamentada ou não. Uma Entidade de Luz não vai incomodar-se com o excesso de zelo, ao contrário, ficará feliz em saber que ali está um Doutrinador que deseja ter certeza do Trabalho e está focado em sua realização.

A aproximação de um sofredor se caracteriza pelo distanciamento da “voz” da Entidade de Luz. Percebe-se, na maioria das vezes, a troca de energia. A mensagem vai ficando mais longe... É nessa hora em que deve fechar as mãos, e entregar-se a Doutrina e Elevação. Não tem que sentir “um peso” para isso! Qualquer distanciamento, dúvidas que surjam durante um atendimento, é sinal de que existe a possibilidade de estar aproximando-se um irmãozinho, e é hora de dar passagem a ele.

“E quando o Apará interfere na comunicação?” Este sim é o caso mais grave de interferência que pode acontecer! E tem responsabilidade real, e um altíssimo custo para o Apará. Devido a consciência do Apará no momento da comunicação, este pode se sentir tentado a realizar alguma interferência. Passando alguma mensagem pessoal ou particular para alguém de seu círculo íntimo. Este é o maior risco que um Apará corre ao atender nos Tronos principalmente a familiares, amigos e outros médiuns de sua convivência. Ao direcionar mensagens de acordo com sua vontade, a Entidade de Luz se afasta, e ele assume o risco sozinho pela sua desdita. O Doutrinador pode até identificar a situação e deve interferir se assim sentir a intuição e necessidade. Porém, a interferência do próprio Apará nas comunicações gera uma dívida exclusiva para ele mesmo. Consciência e responsabilidade. Cada um no seu papel!

Prepara-se, mediuniza-se, e desta forma, nenhum Apará precisa sentir receios de ir trabalhar nos Tronos. Lá, ele entregando-se ao Trabalho, entrega a responsabilidade ao Doutrinador. Confia nele! Na comunicação, nos gestos, apenas deixa fluir... Dá o primeiro passo e o restante vem por acréscimo!

A sincronia e precisão de nossos Trabalhos praticamente garante sua realização com perfeição. Temos toda uma ritualística energética antes de chegar aos Tronos. Nossa parte é cumpri-la com precisão e estarmos verdadeiramente bem para este trabalho.

Kazagrande

18 comentários:

Muuuuuuuito bom!!
Davi Caldas..

Nossa, que fantástico! Muito valioso esse acervo de informações em especial para os doutrinadores que passaram a incorporar.
Parabéns Cazagrande.

por vezes questionei os mestres instrutores ,o porque de ser um doutrinador ao invés de um apára à instruir o aspirante apára. podes dizer-me algo a respeito,estimado irmão?

Mestre, sou Ninfa Lua iniciada recentemente e este texto me deu mais esclarecimento e confiança, pois o que descreve é o que realmente acontece comigo. Obrigada

Oi Mestre, sou Ninfa Lua iniciada recentemente no templo mâe e este texto me deu muitos esclarecimentos e mais confiança, pois o que descreve é o que exatamente acontece comigo.parabéns muito obrigada!!!

Recebi um interessante comentário sobre este texto (hoje 18-01-2011 na madrugada para 19-01-2011), ao qual gostaria de responder particularmente, em funçao do comentário ser muito extenso e minha resposta seria ainda mais!

Por isso peço ao nosso irmao Ajanâ que o escreveu, que mande por email, para que possamos juntos aprender cada vez mais.

Um fraterno abraço,

Kazagrande
kazagrande@bolivia.com

Salve Deus!!!

E em caso que o Doutrinador, deixa o apará trabalhar "sozinho" ou quando ele tá mais preocupado no que está acontecendo ao seu redor ser mais importante do que no trabalho?

Salve Deus, sou ninfa SOL, gostei muito da orientação, se possível agregue as situações quando o médio incorporado fica furioso com o doutrinador ao ser doutrinado numa interferência seja de espírito in-luz ou do aparelho de incorporação. Salve Deus! que Jesus nos inlumine sempre.

Salve Deus!
A Responsabilidade nos Tronos é do Doutrinador! Uma frase pesada, mas extremadamente real. Quando o Apará se sente “sozinho” nos Tronos, com o Doutrinador preocupado com o quê se passa ao seu redor, sem estar mediunizado, sintonizado na trabalho da Entidade, ele arrisca-se a também ser deixado “sozinho” nas horas em que vá necessitar de seus Mentores! Salve Deus!

Kazagrande

Salve Deus!

Recebi um comentário "anônimo" onde o(a) médium nao parece ter entendido o texto. De forma que me coloco a total disposiçao para qualquer esclarecimento que considere necessário.

kazagrande@bolivia.com

Um fraterno abraço a todos, e continuemos semando o quê possa ser bom e produtivo para nossos irmaos e irmas.

Kazagrande

Salve Deus! Mestre, iniciei na doutrina e sou Ninfa Lua, graças a Deus, e seus textos são referencias muito boas para mim, principalmente o que fala dos aparás! Obrigada pelo esclarecimento.
Ágatha Cristina

SALVE DEUS MESTRE!O TRABALHO DE TRONO É MUITA RESPONSABILIDADE, ENTÃO TEM MUITOS APARÁS Q TEM MEDO POR CONTA DISSO. OBRIGADA PELA ORIENTAÇÃO. SALVE DEUS!

Salve Deus! Muito boa a Explicação! ajudará muito os iniciante e aqueles cujas duvidas ainda persistem em aparecer. salve Deus! Que Deus o Abençõe e ilumine cada vez mais!

eu queria saber aonde agente põe as nossas perguntas, para que o mestre respondece no blog. salve-deus.


larissa neiva. um abraço e que Deus te ilumine.. por que vc está fazendo um ótimo trabalho.

Salve Deus!

Larissa, pode escrever direto para meu email: kazagrande@bolivia.com ou contato@exiliodojaguar.com.br

Salve Deus, Casa grande um caboclo pode falar em outras linguas quando nessário, ou a dotrina proibe.

Boa noite!
Sendo o mestre consagrado, doutrinador, sétimo raio. O que dizer quando sente mais não manifesta como o médium apará?
Estando este médium a receber orientação da espiritualidade sobre sua mediunidade, ao conhecer outras linhas manifestar a mesma mas não manifesta-la na linha (doutrina) a qual faz parte, como entender?

POR ISSO TEMOS APRENDIDO CADA VEZ MAIS COM MUITA VEEMENCIA NAS AULAS DO MESTRE KAZAGRANDE, NAO ESQUECENDO DE LER, DIALOGAR E BUSCAR SEMPRE O MELHOR PARA NOS (APARAS E DOUTRINADORES) CONSCIENTIZANDO DO TRABALHO E COMPROMISSO SERIO COM A DOUTRINA. TEMOS A LIBERDADE DE SER, SENTIR E TER; DEPENDE DE NOS.
ABRAÇOS AO MESTRE (KASAGRANDE) COM CARINHO.

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.