quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Interação Familiar – 3 – Os filhos


Ah! Os filhos…

Como podem, sob a égide de uma mesma formação e família, serem tão diferentes?

Tenho duas meninas, uma com oito e outra com catorze. Personalidades totalmente diferentes. Enquanto uma é totalmente dependente, necessitando ser lembrada sempre de suas obrigações, a outra é a expressão da independência, com iniciativa e desprendimento. Isso em casa... Pois na escola a que é mais dependente, torna-se a líder, com idéias e iniciativas seguidas pelos colegas e aplaudidas pelos professores.

Ambas destacam-se nos estudos, com excelentes notas, porém uma demonstra grandes habilidades esportivas, enquanto a outra coordena a todos sem precisar participar ativamente nas atividades físicas.

Uma tem a liderança natural, e os colegas a seguem sem que ela se preocupe com isso. A outra conquista pelas atitudes os mesmo seguidores. Diferenças positivas, sem somar pontos que dêem preferência a qualquer uma das duas.

Como explicar esses nuances tão fortes em uma família que distribui igualmente o mesmo carinho e atenção?

Mergulhar nos ramos da psicologia seria insuficiente, pois a mesma baseia suas explicações na formação da personalidade construída dentro do meio em que se convive. Chegaríamos a pontos em que não haveria explicação convincente para determinadas situações e reações.

Somente considerando a grande diferença da bagagem espiritual de cada ser, e as características próprias da ligação familiar, é que podemos encontrar respostas concretas e solidamente aceitáveis.

Escrevo primeiramente analisando minha própria família, com a graça de Deus devidamente harmonizada e vivenciando os princípios do Evangelho.

Porém, observando atentamente aos que nos cercam, encontramos extremos ainda mais fortes. Onde filhos de um mesmo casal, igualmente atentos a educação e por vezes aos princípios espirituais, vivenciam vidas opostas.

Um perde-se pelas drogas e violência, enquanto outro é a expressão do amor. Seriam muitos casos e situações a serem relatados, tornando extenso e improfícuo este texto destinado a reflexão e aceitação.

Recebemos, no seio familiar, seres que podem ou não ter uma ligação espiritual de afeto e amor fraternal. Muitos arriscariam dizer que na maioria das vezes, são frutos de nossos reajustes. Somente na condição de pai e filho, dois inimigos ferrenhos seriam capazes de reencarnar naturalmente se amando.

Compreender que, a dor que um filho pode nos causar tem a origem no necessário reajuste, é fundamental para entender a responsabilidade de jamais desistir! De entregar-se ao máximo na missão que nos é confiada de conduzir aquele ser ao entendimento, ao esclarecimento. Existem situações contrárias, onde os filhos é que vêm com a missão de encaminhar os pais, mas isso trataremos em outra postagem.

Temos que entender que nós os aceitamos espiritualmente como filhos! Sim! Somos responsáveis! Um espírito ao preparar-se para uma encarnação escolhe os seus pais. Estes então são chamados a aceitar ou não aquele compromisso. Tudo isso se passa espiritualmente, e o compromisso é firmado de comum acordo, sempre visando o reequilíbrio necessário da balança energética um dia desequilibrada por não sabermos amar.

Considerando que assumimos este compromisso espiritual, como médiuns conscientes, passamos a ter a obrigação de jamais desistir de um filho. Todo filho é uma missão onde não devemos falhar!

Obviamente não depende exclusivamente de nossa vontade, pois se assim fosse, o livre arbítrio estaria restringido. Receber um espírito rebelde, cobrador, é uma oportunidade que além de pedida, é merecida! Pois nem todos tem a felicidade de encontrar aqueles que feriu sob a proteção do manto familiar, sob um necessário amor que naturalmente aproxima pela consangüinidade. Encontrar nos filhos um espírito destinado a reajustar é bênção, pois estando em outras condições, não sabemos quanto mais terríveis seriam suas cobranças.

Respeitemos as diferenças e olhemos sempre para nossos filhos como uma das maiores graças que Deus pode nos conceder. Não importa se serão nosso apoio e alegria, ou nossa necessária dor para o reajuste e evolução. Nós pedimos, merecemos e assumimos o compromisso desta nobre missão.

Kazagrande

3 comentários:

Parabéns, mestre. Lúcidas reflexões.
Fiquemos com este poema que nos comove e nos faz alusão da grande missão que é a de construir um lar. Salve Deus ! Ninfa Sol, em Cristo Jesus.

Domus Aurea

De bom amor e de bom fogo claro
Uma casa feliz se acaricia...
Basta-lhe luz e basta-lhe harmonia
Para ela não ficar ao desamaro.

O Sentimento, quando é nobre e raro,
Veste tudo de cândida poesia...
Um bem celestial dele irradia,
Um doce bem, que não é parco e avaro.

Um doce bem que se derrama em tudo,
Um segredo imortal, risonho e mudo,
Que nos leva debaixo da sua asa.

E os nossos olhos ficam rasos d'água
Quando, rebentos de uma oculta mágoa,
São nossos filhos todo o céu da casa.
(Cruz e Sousa)

Salve Deus, mestre. Lúcidas Reflexões ! Parabéns pelo trabalho de esclarecer a nós outros. Encontro aqui, por vezes, a paz de que tanto preciso nos momentos onde a razão e a voz do coração já não funcionam corretamente. Deus lhe abençoe.

Fiquemos com este belo poema que nos comove e nos elucida sobre a trabalhosa e valiosa missão de se construir um lar.
Salve Deus ! Ninfa Sol, em Cristo Jesus.

DOMUS AUREA

De bom amor e de bom fogo claro
Uma casa feliz se acaricia...
Basta-lhe luz e basta-lhe harmonia
Para ela não ficar ao desamparo.

O Sentimento, quando é nobre e raro,
Veste tudo de cândida poesia...
Um bem celestial dele irradia,
Um doce bem, que não é parco e avaro.

Um doce bem que se derrama em tudo,
Um segredo imortal, risonho e mudo,
Que nos leva debaixo da sua asa.

E os nossos olhos ficam rasos d'água
Quando, rebentos de uma oculta mágoa,
São nossos filhos todo o céu da casa.
(Cruz e Sousa)

AS VEZES ME PERGUNTO SERA QUE O CORDAO UMBILICABAL NUNCA SERA CORTADO??
CREIO QUE NAO A LIGACAO MAE FILHO E MUITO INTENSA,NAO QUE COM O PAI NAO SEJA,MAIS UMA MAE GERA DENTRO DO VENTRO UMA VIDA,DA A LUZ...E SEGUIMENTO A VIDA DESTE SER.
SIM OS FILHOS SAO DIFERENTES EMBORA O AMOR TENHA A MESMA INTENSIDADE A ELES,E AO LONGO DOS DIAS TB VOU OBSERVANDO COMO MEUS 2 FILHOS SAO DIFERENTES,TALVEZ PLEA ORIGEM DE 1 E PELA ORIGEM DO OUTRO, SEREM DIFERENTES..POIS NASCERAM EM PAISES DIFERENTES..MAIS O QUE ME ASSUSTA HJ E Q A LINGUA A CADA DIA Q PASSA ME TORNA DISTANTE DELES,EMNORA EU ME ESFORCE PARA APRENDER O MAXIMO Q POSSO DO PAIS ONDE VIVO....
A MINHA UNICA VERDADE HJ E

SO ESTOU ME TORNANDO UM SER HUMANO MELHOR E ADULTO AOS 41 ANOS..

LUZ E PAZ A TODOS

PATRICIA-JAPAO

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.