quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Doutrinando o Adjunto


O Presidente estava empolgado! Havia se dedicado a trabalhar nos Tronos naquele domingo e atendido muitos pacientes. Fazia tempo que não dedicava-se a um trabalho evangélico, e sentia-se revigorado e senhor de suas forças como há tempos não sentia.

Incorporado no seu padrinho estava Pai Joaquim de Enoque. Já não haviam pacientes, mas ele sentiu que poderia desfrutar da presença da Entidade para realizar mais trabalhos, assim, quem sabe, contribuindo para toda a cidade.

ADJUNTO: - Salve Deus! Pai Joaquim, quantos pacientes atendemos hoje, nosso trabalho foi uma grandeza!

PAI JOAQUIM: - Salve Deus, meu amado filho. Graças a Deus recebemos e distribuímos estas energias que só foram possíveis chegar com sua presença nestes Tronos.

ADJUNTO: - Sim meu Pai, crescem a cada dia o número de pacientes, mas hoje realmente foi especial esta realização. Veja quantos que chegaram aqui completamente presos nas teias das trevas e saíram respirando a Luz!

PAI JOAQUIM: - Meu filho, com o trabalho espiritual se pode libertar qualquer dor. A dedicação, o compromisso e a disciplina nos fazem fiéis e úteis instrumentos do Amor de Nosso Senhor Jesus Cristo.

ADJUNTO: - Meu Pai, sei que nesta cidade houve um homem, um coronel, que muito maltratou este povo quando encarnado. Estive lendo e conversando com pessoas que sabem de fatos deste passado, nem tão distante, e relatam as atrocidades cometidas por este homem. Eu sinto que chega a hora de também trabalharmos por ele, de quem sabe pedirmos a oportunidade de doutriná-lo para que liberte de vez este povo sofrido!

PAI JOAQUIM: - Bem lembrado, meu filho, muitos dos dramas que até hoje se desenrolam foram causados por este espírito.

ADJUNTO: - O senhor então sabe quem ele é meu Pai? Conhece ele?

PAI JOAQUIM: - Sim, sei bem que é ele.

ADJUNTO: - Então meu Pai, vamos trazê-lo até aqui, aproveitando esta energia bendita e semear mais esta libertação!

PAI JOAQUIM: - Meu filho isso não seria prudente! Embora você esteja preparado.

ADJUNTO: - Mas querido Pai Joaquim, sinto a presença de meu Cavaleiro e que hoje poderia levar a luz, ou ao menos iniciar este trabalho!

PAI JOAQUIM: - Amado Adjunto, tens um compromisso com todo este povo, mas este nego velho não pode colocar este espírito neste aparelho.

ADJUNTO: - Não compreendo meu Pai, o senhor disse que eu estou preparado e com certeza este espírito é responsável por muitos outros que vagam rebeldes por esta cidade, presos ainda na dor que ele causou quando encarnado. Vamos iniciar esta batalha pela Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sei que terei toda a assistência necessária.

PAI JOAQUIM: - Entendo o quê diz, amado filho, e sei dos desejos de seu coração... Mas não seria oportuna esta passagem...

ADJUNTO: - Salve Deus, meu Pai, só insisto porque às vezes também parece que sinto a influencia direta deste espírito, e quem sabe então em um Angical ele poderia passar. Cada vez que penso nele sinto como se uma carga atravessasse meu corpo!

PAI JOAQUIM: - Nem mesmo no Angical eu recomendo meu filho!

ADJUNTO: - Mas por que? Não é possível que ele também não mereça o esclarecimento e a nossa caridade. Não consigo compreender seu medo em trazer este espírito aqui, não estamos sob a Bênção maior da Luz?

PAI JOAQUIM: - Amado filho... Este nego velho não tem medo, mas não é conveniente. Só isso que devo lhe dizer!

ADJUNTO: - Sinceramente não compreendo meu Pai!... Deveríamos tentar sim! O senhor disse que estou preparado.

PAI JOAQUIM: - Está bem meu filho! Este espírito não pode vir, por que já está aqui! É você! Você é o espírito do antigo coronel que hoje está reencarnado como Adjunto a conduzir seu povo a libertação nesta cidade.
Salve Deus!

Kazagrande

1 comentários:

Salve Deus! Que grandioso estes relatos, parabéns por este trabalho de muita utilidade para nós jaguares deste amanhecer. Um abraço e que Pai Seta Branca continue a te iluminar.

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.