segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

O Confessionário

Genésio chegou na lanchonete, pediu o cafezinho e juntou-se aos outros jaguares que conversavam animadamente sobre a última reunião de escalas.



- E aí pessoal? Salve Deus! Sabem da última? O Serginho vai abrir um templo! Imagina, com aquela ninfa metida a chefe que ele tem...



Os jaguares cerraram as expressões. Após o choque, um deles perguntou:



- Salve Deus, mestre! Mas de onde você tirou esta idéia?



- Acabei de sair dos tronos e ele passou comigo. Como é que pode um tipo daqueles querer assumir uma missão como esta? Ainda mais com a ninfa que...



Não pode terminar a frase, um dos mestres levantou-se abruptamente empurrando a cadeira e saiu sem falar nada. Outro disse “Salve Deus” e retirou-se também constrangido.



- Mas o que deu neste povo? Perguntou Genésio ao único que ficara na mesa.



- Meu irmão! Como é que você faz uma coisa destas?



- Só comentei o que tudo mundo em breve vai estar falando por aí. Aquele camarada não tem a menor condição de...



Novamente foi interrompido por um “Salve Deus!”.



- Não me refiro a esse fato meu irmão! Que já é muito ruim, mas falo do pior! Como é que você sai comentando uma conversa dos tronos?



- Mas não tem nada demais – defendeu-se Genésio – Falei uma coisa que logo, logo, todos vão saber.



- Não importa! – retrucou o jaguar – Você não sabe o quê é um atendimento nos tronos? Ali você é um sacerdote, e cada atendimento é uma confissão. Não importa quem seja ou qual seja o assunto. Nossa missão, nosso juramento perde-se, quando ferimos esta confidencialidade.



- Em um trono se pode ouvir de tudo. – continuou o mestre – Em uma mesma fila de espera podem estar a vitima e o assassino. Ao Doutrinador cabe apenas ouvir a mensagem do Preto Velho e estar atento a tudo que se passa. Do paciente, sequer se deve prestar a atenção! Nossa missão ali é com a Entidade, é velar pelas comunicações. Sentir tudo que está envolvido espiritualmente e doutrinar aqueles espíritos que nos são encaminhados.



- Comentar algo que se disse nos tronos, não importa com que intenção, é ferir nosso compromisso é romper com nossa missão.



- Às vezes, um paciente pode chegar com Aids, ter matado uma pessoa, estar a beira do suicídio e outras tantas situações as quais não nos cabem julgar. Temos que ser verdadeiramente profissionais como o Trino Tumuchy nos ensinava!



- O que você faria se chegasse alguém assim, em uma das condições que falei?



- Não sei.... acho... sei lá! Deixava a intuição mandar. – respondeu já constrangido Genésio.



- Oh, meu irmão, lhe faltaram instrutores... – assumiu o Jaguar – Temos que nos calar! Cumprir a missão, é cuidar das comunicações, da segurança do trabalho. Zelar pelo Apará que confia em nós naquela hora, e pelo paciente, que se chegou ao ponto de revelar qualquer coisa, ou é porque está desesperado, ou porque verdadeiramente confia em nós.



- Quer dizer que o Serginho falou ali por que estava confiando em mim também? – Concluiu envergonhado Genésio.



- Exatamente! Ele confiou primeiramente na entidade que estava ali e depois em você, e também no Apará. Claro que para o Apará é diferente, quando está incorporado ele está consciente e sabe tudo que o paciente está falando. Mas depois de desincorporar as lembranças vão se apagando, vão se desvanecendo até que só permanece aquilo que serve para ele também. Se um Apará se fixa no atendimento que realizou pode conservar alguma lembrança, isso é perigoso. Melhor mesmo é esquecer sem correr qualquer risco de falar demais. Tenha certeza meu irmão, o preço é muito alto e para você, que a partir de agora que já sabe, ficou mais caro ainda.



- Vigi, melhor seria nem saber então! – concluiu Genésio em sua inocência.



- Na verdade, dessa informação você não pode correr. Faz parte de seu trabalho como Doutrinador!



- Vou conversar com minha Ninfa então, às vezes ficamos falando sobre todos que passaram nos tronos. – refletiu o já consciente Genésio.



- Faça isso! E a partir de agora seja um padre. Não pode, e nem deve, pensar em nada que lá se passa, além das mensagens que o preto velho passa e que com certeza podem servir para vocês também.



- Obrigadão Chico, nunca mais vou comentar estas coisas, vou procurar os outros que estavam aqui e mês desculpar.



- Sei que você tem inocência no seu coração, meu irmão, só precisa aprender e se cuidar mais.



- Valeu mesmo!



“Genésio” é um personagem usado para ilustrar esta situação. Um doutrinador com muito amor no coração, mas que ainda não compreendeu a essência da nossa doutrina.

3 comentários:

Salve Deus Mestre! é de grande valia posts iguais a este, capaz de levar o Jaguar a meditar em nossa missão.

Marcos

é uma pena que existam irmãos que ainda não entederam a doutrina

Salve Deus, de jaguar sair dos tronos passando tudo que houve no atendimento já tive a infelicidade de presenciar não sei se por inocência ou não, nem julguei, o que me deixou não só em duvida mas perplexo foi a entidade falar durante o atendimento a um membro de minha familia sobre mim, e postulando adjetivos que ha muito não os tenho, isso, no momento me diminuiu em muito frente a todos que estavam no templo e que ouviram tudo, exatamente tudo que foi dito no trono. Espero sinceramente que a grandiosidade de minha missão supere todos estes percalços que aparecem em meu caminho até mesmo dentro do templo.

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.