domingo, 7 de março de 2010

TOLERÂNCIA PERMANENTE


Cada vez mais as pessoas se tornam intolerantes.

A negatividade dos pensamentos, onde olhamos com olhos de malícia e maldade as pessoas e os fatos que compõe nosso dia a dia, só faz nos desacreditar do bem!

A falta de tolerância em nossa casa, quando nossos familiares não nos agradam com suas atitudes ou palavras, quando erram, gera o oposto do amor. Nos faz distanciar de pessoas que devemos amar.

No trabalho a falta de tolerância desfaz a confiança e o coleguismo que deveria crescer com o convício.

Junto aos nossos irmãos traz um desconforto moral e uma competição destrutiva.. .

Para esconder a falta de tolerância, por vezes agimos com desdém, com orgulho, criando uma falsa superioridade, trazendo ofensas comuns e uma hipocrisia arrogante.

A tolerância com os erros dos outros é perfeita compreensão da própria fragilidade, a refletir-se no erro de alguém, entendendo que todos necessitam de oportunidade para recuperar-se. Tolerar não significa compactuar, mas jamais podemos assumir uma postura de juízes e nem mesmo de dono da verdade.

A tolerância é um sentimento de humanidade que existe em todos nós, esperando a coragem e força de vontade que somente com esforço podemos alcançar.

É serena e tranqüila, fraterna e natural, fonte de água cristalina em momentos de grande sede.

Generosa, não guarda qualquer ressentimento, esquecendo as ofensas a benefício do próprio agressor.

A tolerância é um ato de amor que se expande e de caridade que se realiza.

Mede-se a conquista moral de um homem pelo grau de tolerância que possui em relação aos limites e erros alheios.

Não há quem passe por este mundo, sem errar e que não precise da tolerância daqueles a quem magoa ou contra os quais se levanta.

A tolerância pacifica o infrator, o auxilia a crescer em espírito e semeia a simpatia naquele que a proporciona.

A tolerância revela a sabedoria da razão! Agredido pela ignorância do povo, ou pela astúcia dos fariseus, ou pela covardia dos amigos, ou ainda pela fraqueza de Pilatos, Jesus foi tolerante com todos, mesmo nunca precisando da tolerância de ninguém. Ensinando o amor, Sua vida é um hino à indulgência e uma oportunidade de redenção ao equivocado.

Busquemos ser também tolerantes com nossa família, com nossos colegas de trabalho, com nossos irmãos jaguares, com O Próximo,que muitas vezes necessita da tolerância dos outros e da própria Vida.

Kazagrande

0 comentários:

Postar um comentário

Comente com amor! Construa, não destrua! Críticas assim serão sempre bem vindas.